DOLCE GABBANA A FANTASIA E O SONHO NO OUT/INV 2016/2017

Escolhi a dupla Dolce & Gabanna que vi desfilar na primeira apresentação que realizaram nos Anos 80, em Milão, na época em que integrei o Júri do Prémio Occhio d´Oro, acompanhada da Embaixatriz Evy Pini, sócia da Samco/Svedeberg e representante da Moda & Moda, em Itália. O espaço do desfile, muito improvisado, deixava adivinhar que ambos tinham muita imaginação.

Já apresentei o Balmain, porque nesta casa há respeito pelo mérito e categoria das colecções, além de trazer a França em 1º. Lugar, aquele que por direito, merece. Agora apresento uma marca italiana, sempre criativa e surpreendente – Dolce & Gabanna – e só depois chegará o lugar dos E.U.A. representado por Óscar de la Renta, ainda em homenagem ao amigo que perdi e a um dos mais talentosos costureiros de sempre.

Domenico Dolce pretendia fazer uma colecção de moda e Stefano Gabanna, que trabalhava como “designer gráfico”, tomou conhecimento que um designer de moda, procurava um assistente. Do encontro dos dois, resultou o imediato contrato de trabalho e o relacionamento privado e pessoal que só terminou em 2005, sem baixar a criatividade da marca. Aliás, a sinergia entre os dois é tal, que continuam a trabalhar juntos e admitem que um sem o outro, não saberiam o que fazer.

Ambos precisam saber o que cada um pensa. É um caso curioso.

A Moda & Moda vem habitualmente apresentando as criações notáveis desta dupla, embora ambos se dediquem a colecções de moda masculina, para jovens, crianças e noivas. Além disso, são hábeis nos jeans, óculos, “lingerie” e acessórios. Os perfumes, em especial, são altamente desejados pelas mulheres de todo o mundo onde se incluem as portuguesas.

Dividimos a moda do Dolce & Gabanna em duas categorias: Casacos e vestidos.

 

E, porque estamos precisamente na fase em que as leitoras me interrogam a mim, e aos meus colaboradores, sobre o que se vai usar, procuramos com a nossa escolha dar a informação das propostas para que possam idealizar os vossos guarda-roupas. 

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

D

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Dolce & Gabbana

Casacos

Casacos – de manhã à noite

É forçoso dizer que os tecidos conhecidos por “pied de coq” ou “pied de poule”, com os quadrados mais pequenos, estão à cabeça de todas as apostas. Em termos de cores, com estes dois estilistas, mesmo o preto nunca é monótono, porque há sempre uma arte aplicada que descomplica a escuridão e as flores marcam uma presença de alegria.

Na escolha dos casacos que apresentamos, há tecidos e modelos para todas as horas do dia, pois vão da lã mais recorrente aos brocados.

Criatividade é a chave para tornarem as mulheres bonitas – o desejo de Dolce & Gabanna. Sempre!

Dolce & Gabbana

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

D

Vestidos de Dia

Dolce & Gabbana

Vestidos de Dia

Vestidos para a vida quotidiana e um pouco da nossa história

Obviamente que não estamos a pensar nas mulheres que de manhã à noite, sonham e vivem para as festas. Conhecemos as nossas leitoras, ainda o 25 de Abril de 1974 não estava na cabeça dos militares que foram para a Academia (onde tiveram uma carreira mais fácil que um engenheiro ou um médico) e atiraram para os milicianos o duro de roer no Ultramar, guardando-se para o menos arriscado. E, mesmo assim, quando viram que a guerra estava para durar, deram corda aos sapatos, filiando-se em partidos que pretendiam que Portugal chegasse à desgraça onde hoje se encontra. Não negociaram nada. Os portugueses que por lá nasceram voltaram para não morrer, despojados de tudo. Foi muito feito e o que me espanta é que haja quem lhes tire o chapéu!

Note-se bem que nunca ninguém da minha família teve qualquer negócio com África. O meu marido e eu só tivemos prejuízos, que ainda hoje se fazem sentir, já que ele contraiu na Guiné, uma doença que deve ter contribuído para que nem chegasse a cumprir 50 anos de vida.

Mas, não quero entrar por aí, apenas gosto que saibam que a jornalista que na TeleSemana escrevia sobre moda era a signatária deste texto, então com o pseudónimo de Maria Elisa. Entretanto, surgiu a Maria Elisa na RTP e nunca mais usei esse nome. Posteriormente, passei a trabalhar para a TV Guia onde todos os textos de moda eram assinados por mim. Durante muito tempo, fui semanalmente, à RTP ao programa “Ponto por Ponto” do Raul Durão, onde apresentava vídeos dos desfiles inteiros e comentava cada modelo. Alguns pseudo-estilistas zangaram-se muito comigo, mas devo ter-lhes dado muitas ideias, gratuitamente, pois vi muitas cópias, de alguns que se julgam gente.

É de salientar que para mim a moda é uma vertente das Artes Decorativas e que a estudei muito, pois não deve ter sido por acaso que trabalhei na montagem do Museu do Trajo durante anos, tendo sido a primeira doadora ainda no Verão quente de 1975. Além disso, quando se deu a revolução de Abril eu tinha uma exposição na FIL, lado a lado com coleccionadores de grande prestígio, infelizmente espoliados como foi o caso do Sr. Pinto de Magalhães, um homem bom, de quem gostei muito que ficou sem a sua colecção de moedas de outo portuguesas, uma raridade. Os outros que a ele lhe sucederam são muito conhecidos da população portuguesa. Como a minha colecção era de acessórios de moda (leques, botões, fivelas, alfinetes de gravata e alguns vestidos e capas) não interessou a ninguém e tudo me foi devolvido pelo então director da FIL, um infiltrado que viria a ser o primeiro embaixador português na agora extinta União Soviética. Eu, não tinha importância, não era banqueira, era apenas uma mulher que tem paixão por artes plásticas e artes decorativas e vê na moda, uma vertente destas últimas.

Houve uma fase, nos Anos 80, que em Portugal, havia estilistas e costureiros de grande nível. Depois, apareceu a Moda Lisboa, com apoios políticos que não fazem parte da minha forma de estar na vida. Uma vez, fui lá e fiquei tão irritada, por ver tanta ignorância, que durante muito tempo deixei-os felizes para apresentarem as suas cópias. Agora, há novas fornadas e fui há tempos, à Moda Lisboa apreciar o trabalho do Carlos Gil e do Miguel Vieira. São dois nomes que merecem atenção. Eu aprecio cada um deles à minha maneira. Mas, pelo Miguel Vieira já eu me tinha batido para ele ser premiado nos concursos da Moda da FIL, só que isso obedecia a esquemas que me desagradam. Para alguns que me devem o facto de serem de lá terem entrado o Miguel Vieira não era negócio. Será que tenho que estar, por seriedade minha, sempre em contra-mão?

Entretanto, cá vou cumprindo a minha sina, sem vergar a cerviz.

Gosto de partilhar a minha maneira de ser com as minhas leitoras porque vejo no muito correio que recebo, de vários pontos do país, a estima que me dedicam e a forma como acompanham o que escrevo no site www.modaemoda.pt onde este trabalho será publicado.

A Moda & Moda do Natal, com a ajuda de Deus, sairá apesar de ter sofrido o desgosto da Gráfica com a qual trabalhava: a empresa Fernandes & Terceiro – ter as suas portas encerradas e os trabalhadores na rua. Poucos imaginam o que a minha querida amiga Arqtª. Leonilde Terceiro fez, não poupando sequer os seus bens pessoais para manter a casa que o seu pai fundou. Maus tempos assolam as gráficas e a imprensa escrita.

Maus tempos se desenham no horizonte. Mas, havemos de entregar a carta a Garcia!

E de tudo o que para trás ficou escrito (que não é “lenga-lenga”), nem lamúrias, o importante é informar, com verdade.

 

Vestidos

Nos vestidos para usar no quotidiano em fazenda de lã com bordados e aplicações fantasiosas que vão de um coche real, às fadas e princesas, dos brinquedos antigos retirados de um sótão de família rica aos relógios de bolso dos nossos avós, avultam os bonequinhos de cartola sobre tecido “pied-de-poule” em preto e branco. Na colecção há um vestido, com botões de diversas cores, matérias e tamanhos, aplicados com um notável gosto artístico, que ninguém me diga que só veste à moda quem tem muito dinheiro. E a imaginação, para que serve? Não há? Temos pena!

O vestido branco de lã com tracejados a negro transmite vida, através do jardim da saia onde não falta uma fonte e um banco. No corpo do mesmo vestido, o mobiliário desenhado remete-nos para os modelos da colecção Schiaparelli (Alta-Costura) da temporada verão 2016, que não mereceu os nossos aplausos, porque entendemos que as chávenas, os bules e os pratos, desenhados nos trajes, estavam a mais. Neste modelo, está tudo no seu lugar.

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Dolce & Gabbana

Vestidos de Cocktail

Vestidos de Cocktail

Seguindo a mesma tendência dos estampados ou da arte aplicada e bordados, os vestidos de cocktail foram imaginados para salientar a beleza feminina.

Nas sedas estampadas apreciámos os frutos, as tulipas desordenadas, os enormes ramos de papoilas (sem o Cesário Verde). Na colecção dos vestidos pretos aplaudimos as rendas transparentes e com folhos de cetim, o vestido de veludo com mangas de renda sobre decote rodeado por passamanaria sobre renda, os vestidos em chiffon e em gazar, assim como os tecidos franjados a formar riscas ou lisos.

De salientar, a beleza das aplicações com peças de toucador (espelho), o lustre (seria Baccarat…?), os castelo encantados e as princesas.

Lindíssima a mala de mão como se fosse uma lanterna muito elaborada!

Fabulosos os colaretes com fivelas e as aplicações do cabelo.

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Dolce & Gabbana

Vestidos de Noite

Vestidos de noite, para sonhar até amanhecer

A noite permite muito mais fantasia, mas esta dupla ultrapassou o que as suas fiéis compradoras aguardavam.

O vestido preto com um livro aberto sobre o peito e um pássaro pequeno a segurar uma folha, mais o sapato da Cinderela e a uma palmatória com uma vela acesa, excedeu tudo o que a fantasia e o sonho podem imaginar.

Destaque para o vestido negro, transparente, onde avultam flores gigantescas e para o vestido de chiffon estampado com motivos florais onde as tulipas brancas desempenham um papel espectacular.

A etiqueta Dolce & Gabanna resume sempre o que Domenico Dolce e Stefano Gabanno gostam para tornarem as mulheres mais atraentes.

Parabéns!

 

Marionela Gusmão

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon