James Tissot I Moda e Fé

“Uma pintura de James Tissot será o suficiente para que os historiadores do futuro reconstruam a nossa era.” - Élie Roy, “Salon de 1869”, L'Artiste 40 (julho de 1869)

 

A exposição” James Tissot – Moda e Fé”, inaugurada no dia 12 de Outubro no Fine Arts Museums of San Francisco é, sem dúvida, o grande acontecimento cultural do Inverno, já que a mostra se mantém até 9 de Fevereiro de 2020.

James Tissot (1836–1902) foi um dos pintores franceses mais célebres do século XIX, mas é menos conhecido do que muitos dos seus contemporâneos actuais. Apresentando uma nova investigação sobre a obra, a técnica e a vida notável do artista, a mostra sobre James Tissot fornece uma reavaliação crítica sobre ele, através de um novo olhar do século XXI. A exposição foi organizada pelo Legion of Honor, Fine Arts Museums of San Francisco em conjunto com os Musées d'Orsay et de l'Orangerie, Paris. A mostra inclui aproximadamente 60 pinturas, além de desenhos, gravuras, fotografias e esmaltes em cloisonné, destacando a obra artística do pintor.

 

A apresentação no Legion of Honor é a primeira grande exposição internacional sobre Tissot nos últimos tempos e a primeira na Costa Oeste dos Estados Unidos.

“O trabalho de James Tissot fornece um olhar fascinante para a sociedade no início da era moderna. Reconhecida há muito tempo como um observador apurado da vida e da moda contemporâneas, esta exposição traz uma nova luz sobre os seus pontos narrativos e a sua habilidade em retratar as correntes emocionais e espirituais que existiam abaixo das aparências superficiais," afirmou Thomas P. Campbell, director e CEO do Fine Arts Museums of San Francisco.

As obras de Tissot têm sido muito procuradas por coleccionadores americanos e, como tal, a exposição baseia-se nas colecções do Fine Arts Museums of San Francisco; do J. Paul Getty Museum, Los Angeles; da National Gallery of Art, Washington, DC; e nas inúmeras colecções particulares e públicas em toda a Europa e Canadá, incluindo as do Tate, Londres; os Musée d'Orsay et de l'Orangerie; o Petit Palais, Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris; o Musée d’Arts de Nantes; a National Gallery of Canada, Ottawa; e os Musée des Beaux-Arts de Montréal. Além disso, realizaram-se novas descobertas sobre os materiais e a técnica da pintura de Tissot - resultantes de um estudo extenso e sem precedentes das obras do artista e lideradas pelo departamento de conservação de pinturas dos Fine Arts Museums. A investigação foi realizada em colaboração com o Northwestern University/ Art Institute of Chicago, Centro de Estudos Científicos nas Artes e o Centro de Pesquisa e Restauração dos Museus de França.

A mostra organizada de uma forma cronológica, destaca as reviravoltas extraordinárias da vida do artista, pois desafiava constantemente as convenções tradicionais, tanto profissionais quanto pessoais. Tissot começou a pintar cenas medievalizadas da história e da literatura e manteve uma amizade complicada com o mentor Edgar Degas, adoptando uma versão anglicizada do seu nome: Jacques, e passou uma década como expatriado em Londres, mergulhando e narrando a sociedade moderna. Por um tempo, aventurou-se num caso de amor com a jovem divorciada Kathleen Newton, que se tornou o seu modelo e musa, mas, após a sua trágica morte prematura, voltou a Paris e passou longos períodos de retiro produtivo na sua propriedade familiar francesa, alimentando um crescente e profundo compromisso com a religião.

A carreira de Tissot abrangeu o Canal da Mancha, obtendo sucesso comercial e crítico em Londres e Paris. Foi convidado por Degas para expor com os impressionistas, mas  Tissot recusou.  Voltou-se então para eventos sociais e bailes, pintando a vida metropolitana com grande atenção pelos detalhes. Após um estudo minucioso, até às imagens mais exuberantes da sociedade revelaram comentários ricos e complexos sobre a cultura, religião, moda e política da Belle Époque.

 A exposição inclui muitas obras importantes da vida moderna do seu tempo em Londres e Paris, como o Baile a Bordo do Navio (1874), Visitantes de Londres (cerca 1874), o Picnic; (1876), O Filho Pródigo no Meio da Vida Moderna (1882) e os exemplos da série “La Femme à Paris” (1883/1885).

“James Tissot era tecnicamente talentoso numa variedade de experiências e testou as principais tendências da arte, incluindo o esteticismo e o japonismo, mas o seu trabalho desafia a classificação e os movimentos artísticos tradicionais. Nos últimos anos, os meus colegas e eu estivemos no trabalho de investigação de Tissot, reexaminando obras e descobrindo informações inéditas que forneceram informações sobre a sua carreira, incluindo o seu caderno de vendas (carnet de ventes) e centenas de fotografias. Com base nas nossas descobertas, a mostra oferece novas perspectivas sobre onde e como Tissot deve ser considerado no cânone do século XIX.” observou Melissa Buron, curadora de exposições e directora da Divisão de Arte do Fine Arts Museums of San Francisco. Como era frequente no final do século XIX, Tissot envolveu-se no misticismo e participou em sessões espíritas. O seu célebre mezzotinte da colecção do Fine Arts Museums of San Francisco, como a Aparição (1885), descreve o fantasma de Kathleen Newton com um guia espiritual, conforme eles teriam aparecido a Tissot durante uma sessão. Este trabalho e a pintura em que se baseia - há muito tempo perdida ou destruída até ser redescoberta durante a pesquisa deste projecto - estão ambos expostos na mostra.

Embora se saiba menos sobre as duas últimas décadas da vida de Tissot, novas investigações lançaram recentemente luz nos últimos 20 anos da sua carreira. Durante esse período, ele fez três viagens à Terra Santa e produziu centenas de aguarelas para ilustrar a Bíblia. Muito frequente durante a vida de Tissot, essas imagens religiosas tornaram-se conhecidas como a "Bíblia de Tissot" e desde então influenciaram os cineastas de DW Griffith (Intolerance, 1916) a William Wyler (Ben-Hur, 1959), além de Steven Spielberg e George Lucas (Caçadores da Arca Perdida, 1981). Uma selecção de aguarelas bíblicas foi cedida à exposição através do Brooklyn Museum e do Jewish Museum, em Nova Iorque.

Tissot também utilizou o meio relativamente novo da gravura, pintando a partir de imagens e ia gravando muitos dos seus trabalhos em álbuns cuidadosamente arranjados. Podem-se admirar estas gravuras da colecção do Fine Arts Museums of San Francisco, assim como imagens descobertas recentemente e nunca publicadas e ainda um caderno de vendas publicado pela primeira vez no catálogo da mostra, fornecendo uma janela da vida e carreira de Tissot, tornando-o um artista digno de reexame no século XXI.

Jacques Joseph Tissot (1836 - 1902), foi pintor e ilustrador francês. Ele tornou-se um artista de sucesso da sociedade parisiense, antes de se mudar para Londres em 1871. Tissot foi sem dúvida um pintor de género de mulheres elegantemente vestidas mostradas em várias cenas da vida quotidiana e pintou cenas e personagens da Bíblia.

 

James Tissot

Jacques Tissot nasceu na cidade portuária de Nantes, França e o seu pai, Marcel Théodore Tissot, era um comerciante de vestuário bem-sucedido. A sua mãe, Marie Durand, ajudava o seu marido nos negócios da família e desenhava chapéus. Tissot era um católico devoto e a sua mãe incutiu nele uma devoção religiosa a partir de uma idade muito jovem. O pintor passou grande parte da sua infância em Nantes, o qual provavelmente tenha contribuído para a sua atenção frequente em transporte de navios e barcos nas suas obras posteriores. O envolvimento dos pais na indústria da moda, acredita-se, que foi uma influência sobre o seu estilo de pintura, como ele apresentava a roupa das mulheres em grande detalhe. Até o momento Tissot tinha 17 anos e sabia que queria seguir a pintura como uma carreira. O seu pai opôs-se, preferindo que o filho seguisse a profissão de negócios, mas o jovem Tissot obteve o apoio da sua mãe pela sua vocação escolhida. Nessa época, ele começou a usar o nome de James. Em 1854 era vulgarmente conhecido como James Tissot e  adoptou esse nome por causa do seu grande interesse em tudo o que era inglês.

Em 1856 ou 1857, Tissot viajou para Paris para prosseguir uma educação em arte. Ao ficar com um amigo da sua mãe, o pintor Elie Delaunay, Tissot inscreveu-se na École des Beaux-Arts e estudou nos estúdios da Hippolyte Flandrin e Louis Lamothe. Ambos foram pintores bem-sucedidos e mudaram-se para Paris para estudar com Jean-Auguste-Dominique Ingres. Por esta altura, Tissot fez também o conhecimento com o americano James McNeill Whistler e com os pintores franceses Edgar Degas e Édouard Manet .

Em 1859, Tissot expôs pela primeira vez, no Salão de Paris, mostrando cinco pinturas com cenas da Idade Média. Estes trabalhos mostram a influência no seu trabalho do pintor belga Henri Leys (Jan August Hendrik Leys ), a quem Tissot tinha encontrado em Antuérpia. Outras influências incluem as obras dos pintores alemães Peter von Cornelius e Moritz Retzsch.

A pintura de Tissot Caminhada na Neve foi apresentada na Exposição Internacional 1862 em Londres e no ano seguinte, foram expostas três pinturas de Tissot na galeria de Londres de Ernest Gambart. Em 1863, Tissot mudou de repente o seu estilo medieval para a representação da vida moderna através de retratos. Durante este período, Tissot ganhou grande aclamação da crítica, tornando-se rapidamente célebre, como artista. Como os seus contemporâneos, como Alfred Stevens e Claude Monet , Tissot também explorou japonismo , incluindo objectos japoneses e fantasias nos seus quadros e expressando a influência do estilo de Degas, que pintou um retrato de Tissot destes anos (Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque), no qual ele está sentado por baixo de uma tela japonesa pendurada na parede.

Tissot deixou Paris para ir viver para Londres em 1871 e durante este período, Seymour Haden ajudou-o a aprender as técnicas de gravura. Tendo já trabalhado como caricaturista para Thomas Gibson Bowle, o proprietário da revista Vanity Fair.

 

A Figura da Mulher Parisiense

A figura da mulher parisiense seria o que melhor representaria a modernidade e a beleza: ela passou a ser o foco na academia de artes, substituindo as figuras nuas neoclássicas. Historiadores de arte apontaram que Tissot e Manet queriam ser reconhecidos pelos seus esforços em retratar a mulher parisiense moderna, tanto que lideraram, ao lado de Courbet, nessas representações. Manet, em 1881, uma vez disse: “a última moda é absolutamente necessária para a pintura. É o que mais importa.”

A imagem da mulher parisiense é icónica até hoje e, assim como naquela época, representa feminilidade aliada à modernidade e sofisticação. Essa imagem foi benéfica para a França como propaganda para consumo de produtos franceses e ainda é associado à qualidade e bom gosto.

A moda representada na arte também foi estrategicamente utilizada como ferramenta para ajudar e promover, tanto a si mesmos, quanto a outros amigos artistas e pessoas relacionadas à indústria da moda. Havia uma cultura de consumo crescente que, assim como a moda, mostrava inovação e visibilidade, então, fazendo parte do mesmo círculo social, artistas, modelos e empresários se ajudavam, levando a moda a ter mais destaque, despertando o desejo da classe média consumidora, tanto pela moda quanto pelo estilo de vida da burguesia. A vida agitada nos centros urbanos passou a fascinar cada vez mais, e o dinamismo das capitais, que deveria revelar-se também nas telas, mostrando o quotidiano nas ruas de Paris, em cafés e bailes, tudo de maneira a salientar o lazer e a diversão que as cidades proporcionavam.

Tissot rapidamente desenvolveu a sua reputação como um pintor de mulheres elegantemente vestidas mostradas nas cenas da vida elegante. Em 1872, o pintor comprou uma casa em St John Wood, na zona de Londres muito comum com os artistas da época. De acordo com o Dicionário Oxford de Arte e Artistas"em 1874, Edmond de Goncourt escreveu sarcasticamente que ele tinha 'um estúdio com uma sala de espera, onde, em todos os momentos, abria uma garrafa de champanhe à disposição dos visitantes". Em 1874, Degas pediu-lhe para se lhes juntar a na primeira exposição organizada pelos artistas que se tornaram conhecidos como os impressionistas, mas Tissot recusou. O mestre continuou a ser próximo a esses artistas, no entanto Berthe Morisot visitou-o em Londres, em 1874, e também viajou para Veneza com Édouard Manet aproximadamente na mesma época em que visitava regularmente Whistler, que influenciou Tissot nas cenas do rio Tamisa.

Após a morte de Kathleen Newton, Tissot retornou a Paris, onde realizou uma exposição enorme da sua obra em 1885 na Galerie Sedelmeyer, onde mostrou 15 pinturas de uma série chamada “La Femme à Paris.

 Ao contrário das cenas de género de mulheres elegantes que pintou em Londres, essas pinturas representavam diferentes tipos e classes de mulheres, mostradas em cenas profissionais e sociais. Os trabalhos também apresentam a influência generalizada das gravuras japonesas. Tissot estava entre muitos artistas ocidentais, que foram influenciados na época pela arte japonesa, moda e estética.

 

Ilustrações Bíblicas

Em 1885, Tissot entregou-se à sua fé católica, que o levou a dedicar-se às pinturas relacionadas sobre eventos bíblicos. Numa época em que artistas franceses estavam ligados ao impressionismo e pontilhismo, Tissot estava mais unido ao realismo, especialmente nas suas aguarelas. Para ajudar a sua conclusão das ilustrações bíblicas, Tissot viajou ao Médio Oriente em 1886, 1889, e 1896 para investigar sobre a paisagem e as pessoas desse local. A sua série de 365 ilustrações, que mostravam a vida de Cristo foram apresentadas e aclamadas em entusiastas audiências críticas em Paris (1894/5), Londres (1896) e Nova Iorque (1898/9), antes de serem compradas pelo Brooklyn Museum, em 1900. As citadas gravuras foram publicadas numa edição francesa em 1896/7 e inglesa em 1897/8, trazendo para Tissot um enorme reconhecimento. Durante Julho de 1894, o pintor foi premiado com a “Légion d'honneur” , medalha de maior prestígio em França.

Tissot passou os últimos anos da sua vida trabalhando em pinturas de temas do Antigo Testamento. Apesar de nunca ter completado a série, ele exibiu 80 destas pinturas em Paris em 1901 e gravuras, que foram publicados depois em 1904.

Tissot morreu de repente em Doubs, França a 8 de Agosto de 1902. O uso difundido das suas ilustrações na literatura continuou após a sua morte com a vida de Cristo e o Velho Testamento tornando-se as "imagens bíblicas definitivas". As suas obras forneceram uma base para os filmes contemporâneos, tais como Os Caçadores da Arca Perdida, (1981) e temas de estilo de vida, como A Idade da Inocência (1993).

James Tissot obteve uma forte nitidez de imagens, um colorido preciso e intenso e uma composição bem estruturada. Por este processo, Tissot foi um criador de imagens, mais do que o reprodutor de elementos da natureza. Estas imagens visuais, depositárias de valores plásticos e de grande qualidade pictórica, fizeram com que nós nesta revista tenhamos vibrado por trazer aos nossos leitores uma das muitas maravilhas da pintura – a do grande mestre James Tissot.

 

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon