Tesouros da Arte Britânica de 1400 a 2000 I Colecção Berger

Neste Outono, o Denver Art Museum (DAM) tem o prazer de apresentar a exposição: “Tesouros da Arte Britânica, Colecção Berger”, uma mostra que exibe cerca de 60 pinturas oferecidas em 2018 ao museu de Denver pelo Berger Collection Educational Trust (BCET). A dádiva do BCET representa a maior oferta de antigos mestres europeus para o Denver Art Museum, desde que o museu recebeu a Colecção Kress nos Anos 50.

Esta Mostra foi organizada pelo museu de Denver com a curadoria de Kathleen Stuart, curadora da Colecção Berger no Denver Art Museum.

A exposição apresenta uma selecção cronológica de obras que vão de 1400 até ao final de 1800, destacando a história cultural da Grã-Bretanha - os lugares, personalidades e eventos que formaram uma nação ao longo de cinco séculos. A selecção das obras neste evento foi organizada pelo Museu de Denver, que anteriormente viajou pelos cinco museus em todo o país nos últimos anos.

Acerca da mostra, Jan Mayer, director da DAM, disse: “Estamos felizes em homenagear o espólio dos fundadores da coleção, William M.B. e Bernadette Johnson Berger com esta exposição histórica. A colecção Berger representa uma das heranças mais notáveis ​​da arte britânica na América. Temos o prazer de apresentar esta oferta da Berger Collection Educational Trust de uma forma que honra a intenção dos Bergers para a colecção, ou seja, que serve como um recurso educacional para ensinar os visitantes sobre a arte e cultura britânicas.”

“Tesouros da Arte Britânica”, salienta 500 anos de história cultural britânica através das histórias do seu povo, obtidas por imagens notáveis dos artistas desse longo período.

Neste evento sobressaem pinturas de carácter religioso, retratos, paisagens e cenas desportivas dos melhores artistas da “Escola Britânica”, incluindo Thomas Gainsborough, Thomas Lawrence e John Constable, assim como artistas não britânicos que passaram um tempo significativo na Grã-Bretanha, como o artista flamengo Anthony van Dyck e os artistas americanos Benjamin West e John Cantor Sargent.

Esta mostra salienta também os resultados inovadores das investigações recentes realizadas por um grupo reconhecido de pesquisadores de retratos da colecção da época Tudor. Entre as descobertas, os conservadores descobriram através da árvore genealógica, em como o retrato de Henrique VIII é um dos cinco retratos reais dos Tudor representados na mostra.

Acerca da investigação, Kathleen Stuart, curadora Colecção Berger no Denver Art Museum afirmou: "Sentimo-nos muito orgulhosos em apresentar os resultados desta pesquisa académica realizada por curadores e conservadores do Centro de Arte Britânica de Yale, do Instituto Hamilton Kerr da Universidade de Cambridge e da National Portrait Gallery em Londres. Ao empregar técnicas muito avançadas, como radiografia digital, reflectografia infravermelha, fluorescência ultravioleta e fluorescência de raios X - os investigadores descobriram novas informações sobre os artistas e processos usados ​​para identificar algumas das mais antigas e mais importantes pinturas na colecção."

Além das inovadoras descobertas forenses, os visitantes podem ficar fascinados com a relevância intemporal dos temas das obras de arte destacadas no espólio. A exposição mostra como o intercâmbio internacional influenciou a arte, a história e a cultura britânica. Os visitantes podem, ainda, admirar os quadros mais célebres da colecção, como The Radcliffe Family, de Thomas Hudson e Eduardo, Príncipe de Gales (mais tarde, Eduardo VII), de Hans Holbein. De destacar também obras de arte, pouco conhecidas, como Papirius Praetextatus, que foi convidado pela sua Mãe a divulgar os Segredos das deliberações do Senado Romano, (cerca 1775/1780) da fundadora da Royal Academy, Angelica Kauffman, e o Retrato das Três Jovens, de um seguidor de William Larkin.

 

A Colecção Berger

A Colecção Berger do Denver Art Museum é composta por 65 obras de arte britânica, que foi oferecida ao museu pelo Berger Collection Educational Trust (BCET), proprietária da colecção desde 1999. As pinturas fazem parte deste espólio, que foi formado em meados dos Anos 90 por William MB Berger e sua mulher Bernadette Joan Johnson Berger. A oferta enriqueceu o espólio de pinturas e esculturas do museu.

A Herança Berger reúne uma variadade de temas e estilos que abrangem seis séculos de movimentos artísticos. “Tesouros da Arte Britânica” destaca os principais desenvolvimentos da arte e cultura britânicas através de uma apresentação cronológica das obras. O quadro mais antigo exposto representa um retábulo de talha dourada com uma cena da Crucificação de 1395, e é um exemplo sobrevivente, extremamente raro, da pintura religiosa medieval tardia, em que o género desta obra, que foi sistematicamente destruído em Inglaterra quando o rei Henrique VIII se separou da Igreja Católica Romana.

O retrato sempre foi um tema importante na arte britânica, e essa tradição está bem representada na exposição, através dos retratos da nobreza e especialmente dos Tudor do século XVI até ao naturalismo introduzido por Sir Anthony van Dyck e ainda nos retratos dos séculos XVII e XVIII, à imagem expressionista do século XXI do artista David Hockney e de Adam Birtwistle. De salientar também as marinhas e paisagens de lugares distantes - incluindo uma pintura naval de Adriaen van Diest e uma cena portuária luminosa de John Constable - reflectindo não a mudança das abordagens estéticas do mundo natural, mas também a importância da vida marítima e do intercâmbio no exterior.

Pinturas históricas, disciplinas equestres e outros géneros importantes da escola britânica com estilos que vão do tradicional ao moderno completam a amplitude da exposição.

A Colecção Berger representa um espólio com obras em grande parte de arte britânica, com um pequeno, mas significativo grupo de obras de artistas de outras escolas, incluindo o artista francês François Boucher e o americano Winslow Homer.

No decorrer de três anos, os Bergers adquiriram mais de duzentas obras, que datam dos meados do século XIV até aos dias actuais, fornecendo uma pesquisa notável sobre o desenvolvimento da arte na Grã-Bretanha.

Em 1999, William Berger e a sua mulher criaram o Berger Collection Educational Trust e colocaram o seu enorme espólio no Denver Museum of Art (DAM), transformando o acervo da instituição num grande conjunto de pintura europeia. Nos últimos meses, o Trust presenteou pinturas da colecção para o DAM. A selecção diversificada das obras expostas incluem pinturas religiosas e históricas, retratos, paisagens e cenas desportivas de artistas célebres e personalidades menos conhecidas.

O espólio continua a expandir-se através de novas aquisições. As pinturas, os desenhos e os objectos de arte britânica totalizam aproximadamente 200 obras e abrangem mais de seis séculos - do século XIV ao século XXI. As melhores pinturas desta extraordinária colecção foram seleccionadas para a exposição itinerante para cumprir a missão da família Berger de compartilhar essas obras-primas com um público mais amplo.

A mostra está organizada por temas, como Paisagens, Arte desportiva, Religião, Retrato e Arte Moderna.

Paisagens

No século XVIII, um número crescente de artistas britânicos viajou para o exterior para explorar paisagens estrangeiras e novas matérias. Como parte do Grand Tour, Roma foi o destino final para artistas que procuravam experimentar as riquezas da Antiguidade e do Renascimento. No decorrer do século XIX, o crescente imperialismo e a exploração resultaram em viagens para locais mais distantes, como o Médio Oriente, o norte de África e a Ásia. O artista escocês David Roberts visitou Espanha, Marrocos, Egipto e o Oriente, produzindo imagens topográficas dos locais visitados. Depois de uma visita à Itália, em 1853, antes de regressar a Londres, naquele mesmo ano, ainda pintou paisagens antes de regressar a Londres, naquele mesmo ano. Embora muitas das pinturas de Roberts estejam topograficamente correctas, a vista da Basílica de São Pedro, na qual grande parte da cidade movimentada de Roma foi omitida, baseia-se na imaginação criativa do artista.

 

Arte desportiva

Do século XVII ao século XIX, surgiram cenas desportivas - representações de passatempos rurais como caça, jogos e corridas de cavalos - foram uma característica da identidade artística britânica. Os cavalos tornaram-se muito populares entre os desportistas aristocratas, que encomendaram retratos dos seus animais premiados. Entre os artistas desta época, que se evidenciaram, sobressai o autodidata, George Stubbs, considerado um dos maiores pintores de cavalos da Grã-Bretanha graças à sua capacidade de combinar o rigor anatómico com a observação sensível dos seus animais. A pintura exposta neste evento retrata um majestoso cavalo, que era ideal para caçar num campo aberto, diante de uma paisagem suavemente recuada.

 

Religião

Quando Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica Romana e fundou a Igreja da Inglaterra em 1534, as imagens religiosas, que antes eram consideradas instrumentos de devoção tornaram-se suspeitas do seu potencial para serem usadas como ídolos e foram subsequentemente removidas de igrejas e mosteiros. De mais de trinta mil retábulos perdidos, o painel impressionante exposto na mostra está entre os poucos que sobreviveram à destruição generalizada de tais imagens durante a Reforma Inglesa. Esta pintura da crucificação de Cristo é um dos trabalhos mais importantes da Colecção Berger e é actualmente a pintura religiosa mais bem preservada da sua época. William M.B. Berger considerou a peça-chave da sua colecção e enfrentou uma concorrência acirrada no mercado quando a comprou esta obra em 1997.

 

Retrato

Quando o patrocínio da arte religiosa diminuiu drasticamente devido à invasão do protestantismo, o tema secular, incluindo retratos, aumentou em popularidade entre a corte real e a aristocracia. Artistas estrangeiros com grande reputação internacional eram os mais escolhidos para encomendar retratos, os quais vinham para a Inglaterra trabalhar para a coroa, exercendo enorme influência sobre o desenvolvimento das artes visuais na Grã-Bretanha. O artista flamengo Anthony van Dyck chegou a Londres no início do século XVII e foi creditado por ter revolucionado a tradição do retrato britânico. Como pintor da corte de Carlos I (reinou de 1625 a 1649), Van Dyck retratou os seus súbditos com a elegância e virtuosismo dos pintores do renascimento italiano, prestando prestígio e distinção à cultura da corte desse período. Na exposição destaca-se a obra, a viúva Lady Dacre segurando uma rosa de duas cabeças, que significa o amor perdido e o futuro nas flores desbotadas.

 

Arte Moderna

Os avanços sociais e tecnológicos do final do século XIX e início do século XX, assim como as duas guerras mundiais, obrigaram os artistas a enfrentar as complexidades do mundo moderno, resultando numa profusão de estilos artísticos e preocupações expressivas. Influenciado pelas realizações artísticas francesas do período, especificamente a técnica neo-impressionista conhecida como Pontilhismo, Claude Francis Barry focou-se em paisagens urbanas cintilantes iluminadas por fogos de artifício. A pintura exposta representa a celebração realizada em Londres em 19 de julho de 1919, para comemorar o fim da Primeira Guerra Mundial. Empregando pequenos pontos de cor, Barry exibiu os espetaculares fogos de artifício sobre os importantes marcos de Londres do Big Ben, as Casas do Parlamento, e a Ponte de Westminster.

“Tesouros da Arte Britânica, A Colecção Berger” apresenta uma oportunidade única de visitar uma das colecções mais importantes da arte britânica na América. As pinturas nesta exposição contam a história complexa da Grã-Bretanha e como questões, como o conflito religioso, a ascensão e a queda da monarquia, a industrialização, a expansão comercial, o colonialismo e as influências europeias moldaram a identidade artística britânica com uma amplitude de material histórico e uma representação diversificada de temas.

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon