Rouge I Arte e Utopia no Grand Palais de Paris

Affiche-Exposition-Rouge-au-Grand-Palais

Jean Pougny (Ivan Puni) Esboço para um panneau Tinta da China, aguarela sobre papel 65,5 x 43,7 cm Saint-Pétersbourg, musée national russe © Adagp, Paris, 2019 / photo State russian museum, St. Petersburg

Viktor Perelman Correspondência 1925 Óleo sobre tela 70 x 100 cm Moscovo, Galerie nationale Tretyakov © Direitos reservados / photo Collection de la Galerie nationale Trétiakov, Moscovo

Kouzma Petrov-Vodkine Fantasia 1925 Óleo sobre tela 50 x 64.5 cm Saint-Pétersbourg, Museu Russo © State Russian Museum, St. Petersburg

Vladimir Tatline Maqueta do Monumento à III Internacional 1919 Madeira, cartão e pintura 92 х 65 х 68 cm Moscovo, Centre d’Etat muséal et d’exposition ROSIZO © Direitos reservados / photo State Museum and Exhibition Center ROSIZO, Moscovo

Alexandre Rodtchenko Vermelho puro (triptico de Cor lisa) 1921 Óleo sobre tela, 62,5 x 52,7 cm Moscovo, collection Alexandre Lavrentiev © Adagp, Paris, 2019 / photo A. Rodchenko & V. Stepanova Archive

Gustav Klucis Esboço para um stand de agitação com écran 1922 Aguarela sobre papel 34,3 x 18,9 cm Thessaloniki, The MOMus - Museum of Modern Art – Costakis Collection © The MOMus - Museum of Modern Art - Costakis Collection

“Le Cocu” magnífico de Fernand Crommelynck, Mise-en-scène Meyerhold Fotografia 1921 Archives nationales russes de la littérature et l’art (RGALI), Moscovo © RGALI

Novyj Lef, 1927, n°6 1927 Capa para Alexandre Rodtchenko 23 x 15,5 cm Centre Pompidou - Bibliothèque Kandinsky © Adagp, Paris, 2019 / photo Centre Pompidou, MNAM-CCI Bibliothèque Kandinsky, dist. Rmn-Grand Palais / imagem da Biblioteca Kandinsky

Mikhaïl Kaufman Alexandre Rodtchenko trajado de produtivista imaginado e confeccionado por sua mulher Varvara Stepanova 1923 Moscovo, collection Alexandre Lavrentiev © Direitos reservados / photo A. Rodchenko & V. Stepanova Arquivo

Paris foi e é para nós, sempre, uma cidade que preza os valores artísticos sem olhar a ideologias. E é, por isso, que no próximo dia 20 de Março corrente, no Grand Palais, situado no coração da cidade, será inaugurada uma exposição muito atraente para quem ainda não visitou os novos museus da chamada mãe Rússia, mesmo depois da abertura daquele país aos que nunca comungaram dos ideais do comunismo. O Vermelho, como não podia deixar de ser, é a cor apelativa da exposição. O sub-título “Arte e utopia”, leva-nos ao caminho da grande utopia que se viveu na velha Rússia depois do final dos czares.

 

1917, foi um ano fatal para a família imperial da Rússia, a qual foi massacrada e destruída da forma mais cruel e sanguinária possível, dando lugar à revolução de Outubro que provocou uma reviravolta na ordem social, cujas repercussões sobre a criação artística se mostraram decisivas. Muitos artistas aderiram ao projeto comunista e quiseram participar, com os seus trabalhos, na construção de uma nova sociedade.

 Conduzidos na sua maioria, por convicções genuínas, como Maiakovsky, muitos artistas participaram na definição do que deveria ser a arte do socialismo. Mas, a partir do final da década de 1920, os debates foram fechados pelo estabelecimento do regime de Estaline.   E foram precisamente esses debates que implicaram o estabelecimento progressivo do realismo socialista, uma doutrina estética que gradualmente governou todos os sectores da criação.

Entretanto, nos países capitalistas, estes debates foram seguidos com atenção: múltiplas trocas artísticas foram estabelecidas com a jovem Rússia Soviética, atraindo intelectuais e artistas curiosos em descobrir a "pátria do socialismo".

É esta história, as suas tensões, os seus altos e baixos, que a exposição relata através de uma série de grandes obras emprestadas pelos principais museus russos e pelo Centro Pompidou; uma história em que inovações plásticas e restricções ideológicas, intrinsecamente ligadas, levantam a questão de uma possível politização das artes.

 

A Arte na vida

A primeira parte da exposição destaca os debates que animam vigorosamente a cena artística soviética no rescaldo da revolução e se estenderamm durante a década de 1920: qual deve ser a arte da nova sociedade socialista? O curso é articulado em torno do projeto realizado por uma grande parte das vanguardas: abandonar as formas de arte julgadas "burguesas" em favor de uma "arte da produção" passível de participar na transformação activa do modo de vida . Design, teatro, fotomontagem e cinema tornaram-se os meios privilegiados deste empreendimento radical, em torno de figuras-chave como Gustav Klutsis, Vladimir Maiakovski, Lyubov Popova, Alexander Rodchenko e Varvara Stepanova. A arquitectura construtivista  colocou-se explicitamente ao serviço do "controle social". Inventaram novas tipologias de edifícios - clubes operários, habitats coletivos - e sonhos de cidades ideais.

Essa utopia artística de fusão da arte na vida, rapidamente saíu frustrada pela crescente hostilidade do poder bolchevique em relação às vanguardas. Estes promovem uma arte "compreensível das massas", reflectindo as transformações em curso da sociedade, enquanto se organizam no território soviético grandes exposições dedicadas à arte revolucionária dos países capitalistas, incluindo o alemão (1924).

Uma vida de sonho na arte

A concentração de poder nas mãos de Estaline, total em 1929, implica o fim do pluralismo até agora defendido por Trotsky ou Bukharin. Enquanto a repressão recai sobre a arte da esquerda, acusada de "formalismo burguês", fica estabelecido um consenso em torno da figuração, considerada a mais capaz de penetrar nas massas e apresentar-lhes os modelos do novo homem socialista.

Um grupo de artistas modernistas, formado na escola de vanguarda desempenha um papel central na definição das fundações pictóricas lentas do realismo socialista: a Sociedade da armação de Pintores em Moscovo - com Alexander Deineka e Yuri Pimenov - e artistas círculo em Leningrado - Alexander Samokhvalov ou Alexei Pakhomov – os quis ofereciam uma pintura monumental comemorando heróis idealizados, incluindo relatórios de exposição por grandes secções temáticas dedicadas a determinado trabalhador.

Um conjunto espetacular de obras também foi dedicado à arquitetura estalinista, que, como a pintura, se tornou monumental: enquanto Moscovo abre as primeiras linhas de Metro, para as estações luxuosamente decoradas, os projetos faraónicos foram criados para tornar a cidade uma capital do mundo. Na verdade, Moscovo recebeu muitos artistas da Internacional Comunista, de John Heartfield a Diego Rivera, para estadias mais ou menos prolongadas.

A exposição conclui com uma selecção de obras que testemunham o advento do dogma socialista realista, através de pinturas de estilo académico que encenam a figura mítica do líder, reciclando os clichés da pintura histórica.

 Totalmente sujeita à ideologia transformada numa máquina de produzir imagens, a arte afogou-se no estado mais “kitsch” possível, havendo quem lhe chame a “sua negação.

E, afinal, já passou mais de um século da tragédia que transformou a Rússia dos Czares num mundo que não alcançou o sonho cor de rosa da igualdade. A igualdade é mesmo uma fantasia. Nem os dedos das nossas mãos são iguais. 

 

Marionela Gusmão