Reconciliações I Henrique IV e Roma (1589 -1610)

Mostrar Mais

Um exposição marcante no Castelo de PAU.

Esta é uma grande exposição de obras-primas que estava marcada para estar patente ao público de 4 de Abril a 5 de Julho de 2O2O. Mas… o homem põe e Deus dispõe ou os tempos não estão de feição para estabelecer projectos e cumpri-los.

O COVID 19, a praga de uma enfermidade que tem semeado desgraça entre as populações de todo o mundo também atacaram os projectos maiores que transmitem conhecimentos às gerações actuais de todas as idades. E o adiamento desta exposição não é caso único. Infelizmente!

Assim, a Réunion des musées nationaux – Grand Palais, tem a honra e o mérito de inaugurar a Exposição – Reconciliações – Henique IV e Roma /1589-1610, no Castelo de Pau fundado na Idade Média, a partir do dia 18 de Julho até 18 de Outubro de 2020.

Nós aqui, na Moda & Moda, exclamamos: Graças a Deus!

Pelo confinamento, a que todos fomos sujeitos, a limitação nas nossas actividades, merecemos ser premiados com acções que nos purifiquem a alma e preencham o vazio que foi criado à nossa volta.

Infelizmente, a segurança ainda é pouca, os governos nem sempre governam como deveriam fazê-lo, as populações são pouco cumpridoras das regras instituídas e vivemos todos (pelo menos os católicos, com o Credo na boca).


 

Ora, nada melhor que visitar a exposição no Château de Pau (palácio), renascentista,no centro da cidade, capital dos Pirenéus Atlânticos e Béarne. Foi berço de Henrique IV de França e Navarra, já que nasceu aqui a 13 de dezembro de 1553. Na história deste monumento também há há a registar que foi usado uma vez por Napoleão I como casa de férias durante o seu período no poder.

A exposição

A exposição é o resultado da colaboração com os Museus do Vaticano, o que implica uma participação científica, além de um programa de pesquisa sobre reconciliação nos campos da história, estética e história da arte religiosa, bem como os dias de estudo que serão realizados após a exposição.

A exposição de reconciliações.

Enrique IV e Roma (1589 - 1610) tentam reflectir a reconciliação nas artes a partir de uma perspectiva histórica e com a ideia de expandir uma paz europeia. Trata-se também de apresentar uma caminhada enriquecedora em Roma através de todos os monumentos que preservam os traços desse formidável impulso diplomático.

De fato, este projeto é dedicado às relações políticas e artísticas entre Roma e Henrique IV, monarca protestante, excomungado por Sisto V e convertido ao catolicismo em 1593, mas que só conseguiu reconciliar-se com o papa Clemente VIII em 1595. A acção diplomática desse soberano e suas complicadas relações com a Santa Sé, foram marcadas pela comissão de obras importantes. Essa reconciliação, comemorada e registada numa abundante literatura político/partidária teve como ponto de partida a confiança restaurada entre o Papa e os Reis mais cristãos, espalhando-se para as nações europeias e, dentro do próprio reino da França, para a sociedade como um todo, além das diferenças de confissão e rancores acumulados

durante o tempo dos tumultos.

Baseado numa importante tradição iconográfica da época

Romana, os artistas abordaram o assunto de acordo com diversas modalidades estilísticas e interpretativas, ecoando as muitas nuances que animaram a paisagem estética da Roma barroca nos primeiros anos do século XVII.

Devido à sua importância histórica, obras gráficas (livros valiosas, impressões e manuscritos) e escultura... Uma breve visão geral da arte da medalha em Roma, nestes mesmos anos, lembrará os eventos políticos e as principais figuras relacionadas a esse processo para a reconstrução de uma aliança entre Roma e Paris. O passeio será concluído com obras de grande relevância diplomática, o que aumentará os esforços de pesquisa.


 

Marionela Gusmão

Marcos históricos


 

Henrique IV soberano huguenote

Em maio de 1590, em Roma, o gravador francês Philippe Thomassin foi objeto de um procedimento de investigação Inquisição Romana sobre a produção e divulgação de um retrato de Henri de Bourbon, rei de França e Navarra.

A abjuração em Saint-Denis (1593).

De facto, após sua ascensão ao trono da França no dia seguinte ao assassinato de Henrique III de Valois, Henrique IV, príncipe protestante, está sob o golpe da excomunhão promulgada por Sixte Quint em 1585, e a maioria católica da população francesa não aceitou a idéia de um soberano herético. Em 1592, Henrique IV anunciou sua intenção de "unir-se e juntar-se à Igreja Católica ". Em 25 de julho de 1593, na basílica de Saint-Denis, o rei apresentou-se trajado de branco, com capa e chapéu preto e, diante do arcebispo de Bourges Renaud de Beaune, fez solenemente uma profissão de fé católica.

Absolvição e reconciliação (1565-1596)

Após longas negociações, o Papa Clemente VIII finalmente pronuncia a reconciliação do rei de França com a Igreja: em 17 de setembro de 1595, realizou-se uma cerimônia solene em Roma, no Praça de São Pedro. Uma plataforma foi erguida em frente à basílica, cujas portas permanecem fechadas.

O papa ocupa seu lugar na plataforma, sentado num trono.

Henrique IV não veio a Roma. Esteve representado durante a cerimônia por dois homens Arnaud d'Ossat e o Bispo de Évreux, Jacques Davy du Perron. Depois de ler o decreto pontifical e o pedido dos representantes do rei Ossat e Perron se ajoelham para renunciar ao protestantismo em nome de Henrique IV. Depois de ler as condições de absolvição, juraram sobre o evangelho que o rei os respeitará e que perseverará firmemente na religião católica.

De seguid, foram levados ao pé do trono pontifício. Ajoelharam- se uma segunda vez, com as suas cabeças e os olhos baixos. Durante a recitação do salmo “Miserere mei” Deus, em cada verso, o Papa bate levemente no ombro dos representantes do rei da França com uma varinha pequena. De esse gesto simbólico, libera Henri IV da excomunhão que pesa sobre ele há dez anos.

No final da leitura do Salmo, o Papa Clemente VIII levanta-se, recita uma oração, de cabeça nua. Depois, coloca a tiara de volta, senta-se no trono e proclama em voz alta que concedeu absolvição a Henri de Bourbon, rei da França, pela excomunhão em que incorrera por heresia. Depois, depois manda abrir as portas da Basílica de São Pedro, onde é cantado um Te Deum.


 

A cerimónia de Arnaud d'Ossat e Jacques Davy du Perron na basílica simboliza o retorno do rei na Igreja Católica, Apostólica e Romana.

Trombetas, tambores e artilharia sinalizam o orgulho do Papa Clemente VIII para toda a cidade de Roma.

Missas e Te Deums são celebradas na igreja francesa de Saint-Louis e depois no convento de Trinité-des-Monts. Acenderam-se fogueiras, lançaram-se fogos de artifício.

Uma coluna comemorativa, encimada por uma cruz, de um lado um Cristo crucificado, do outro uma Virgem à criança, é erguida em uma praça perto de Sainte-Marie Majeure, em frente ao convento dos Antonitas (ou Antonins) de Roma.

Enviamos as bolhas de absolvição ao rei da França, que responde ao papa dando-lhe garantia respeitar seus compromissos. A remoção de Henrique IV por Clemente VIII foi acompanhada por um reparação, também chamada penitência, imposta pelo pontífice. Isto é para o rei realizar como privou vários actos de devoção, mas também se comprometeu a construir um mosteiro em cada província, restaurar o exercício do culto católico em Bearn, dar ao jovem príncipe de Condé, então herdeiro do trono, uma educação católica, para nomear bons bispos,

para "receber" o Concílio de Trento no reino da França.
 

Marcos históricos

12 Reconciliações. Henrique IV e Roma (1589-1610)

Em 19 de setembro de 1596, no Palácio das Tulherias, Henri IV confirmou por escrito a sua abjuração de Protestantismo na presença do futuro Chanceler Pomponne de Bellièvre e Cardeal Alexandre Médicis, legado pontifício e futuro Papa Leão XI. Esta assinatura solene é o ponto culminante da reconciliação do rei com Roma.

 

Paz europeia e reversão de alianças (1598-1610)

Em dez anos, a diplomacia do próprio rei cristão consegue estender a sua influência, por meio financeiro, mas também político e cultural, a ponto de obter uma reversão real alianças em detrimento do partido espanhol e fortalecer o vínculo que une a coroa da França aos soberanos pontífices que agora se sucedem no trono de São Pedro (Clemente VIII, 1592-1605, Leon XI, 1605, Paul V, 1605-1621). Em 1607, foi assim que o rei da França retornou a arbitrar o conflito entre Paulo V e a República de Veneza. Consequência destes novos relatórios, o retorno das esperanças pela paz na Europa e a disseminação na França da reforma católica já amplamente utilizado na Itália. Quase simultaneamente, na primavera de 1598, a paz civil foi concluída com protestantes do reino (edito de Nantes) e paz externa com os espanhóis.

(Tratado de Vervins)



 

Representações de reconciliação

Diplomacia e presença no contexto romano artístico e monumental

Estas últimas negociações, nas quais a Santa Sé está muito envolvida, serão repetidamente representadas em obras de destaque da escultura romana oficial: monumento fúnebre de Leão XI na Basílica de São Pedro em Roma, obra de Alessandro Algardi, baixo-relevo do monumento a Clemente VIII executado em 1612 por Ippolito Buzio em Sainte-Marie Principal. Após o trágico assassinato de Henrique IV (14 de maio de 1610), a política de paz europeia perseguido por Paulo V visa à realização dos projetos de alianças matrimoniais entre a França e Espanha, criando novas formas de representações esculpidas e gravadas.

No lado francês, a tradução dessa grande re-orientação dá origem à ordem de obras ligadas à presença de um forte partido francófilo activo nas fileiras dos cardeais e o clero romano (o capítulo de São João de Latrão, mas também certas ordens religiosas presentes na cidade eterna). É assim que a coluna que comemora a conversão do rei, ao lado da basílica de Santa Maria Maior, e a estátua de Henri IV pelo escultor de Lorena, Nicolas Cordier, inaugurado em 1609 na basílica de São João de Latrão.

Outras obras de criação, restauração ou embelezamento sempre em relação a essas reconciliações históricas ainda marcaram a paisagem romana após o assassinato do rei em maio de 1610. É o caso dos últimos murais que decoram o claustro da Igreja da Trindade de Montanhas executadas pelo pintor da Úmbria Avanzino Nucci entre 1616 e 1618, testemunho do desejo dos Bourbons para traduzir uma rica produção artística na sua aproximação a Roma pontifícia.


 

A exposição e os trabalhos

Segundo o grande historiador Paul Mironneau que deu muito de si a esta mostra no capítulo da investigação:

“A exposição que reúne pequenos formatos no campo das artes gráficas e da escultura (incluindo modelo e desenhos preparatórios de várias obras) tem como objectivo a abordagem temática.

O programa da exposição, após uma breve contextualização realizada com base em dados da história política e religiosa, é organizado em torno do trabalho resultante da Propaganda francesa já mencionada.

Entre os empréstimos concedidos, destacamos obras de origem francesa e italiana e de outras localidades Europeias, como o modelo de Alessandro Algardi para a urna da tumba do Papa Leon XI em São Pedro (terracota, Roma, Accademia di San Luca) decorada com relevos representando Leão XI recebendo a abjuração de Henrique IV. Desenhos de Nicolas Cordier para a Estátua de Henri IV na Basílica de São João de Latrão (Paris, Museu do Louvre, Florença, Museu Uffizi) também estão incluídos na lista de obras.

As fontes relacionadas a esses trabalhos serão exploradas através de trabalhos mais específicos (Henrique IV e o cardeal Alexandre de Medicis, óleo sobre tela, por volta de 1613, no Palácio de Versalhes.

Será atribuído um lugar significativo (por sua importância histórica) ao elemento gráfico (livros preciosos, impressões e manuscritos), relacionadas a uma contextualização precisa dos factos e artistas. Na mesma perspectiva, uma breve visão geral da arte da medalha em Roma, nestes mesmos anos, seguirá os factos políticos e as principais figuras relacionadas a esse processo de reconstrução de uma aliança entre Roma e Paris.


 

M.G.

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon