Objectos Maravilhosos  I  Ciência e Esplendor nas Cortes da Europa

O Metropolian Museum of Art de Nova Iorque apresenta uma exposição lindíssima com peças de arte e de ciência:” Objectos Admiráveis. Ciência e Esplendor nas Cortes da Europa,” que surpreende não apenas pela opulência desta arte, mas também pela qualidade das peças expostas. Podem-se admirar cerca de 170 objectos, que fazem parte do espólio do museu de Nova Iorque e de colecções institucionais e privadas. 

Esplendor, sumptuosidade e beleza são as componentes que caracterizam as peças patentes nesta exposição. 

 

Entre 1550 e 1750, quase todas as famílias reais da Europa reuniram colecções notáveis de objectos requintados e divertidos. As aquisições exuberantes dos metais preciosos eram importantes expressões de poder, e além disso possuir essas inovações artísticas e tecnológicas transmitia status. De facto, os progressos na arte, na ciência e na tecnologia costumavam ser apresentados com destaque em eventos organizados na corte, uma característica dessa época. 

A exposição irá estar patente até 1 de Março de 2020 e inclui peças de arte, ciência e tecnologia, que datam do século XVI ao século XVIII, que destacam as formas complexas pelas quais os objectos surpreendentes eram coleccionados e exibidos pelos primeiros monarcas europeus, que demonstravam a capacidade desses regentes de governar.

Max Hollein, director do Metropolian Museum of Art, acerca deste acontecimento, comentou: “As notícias mais recentes sobre esses dispositivos tecnológicos e as suas capacidades magníficas têm-nos fascinados. Esses sentimentos dos patronos principescos dos séculos passados ​​que desejavam possuir e exibir as mais maravilhosas criações artísticas e invenções, realizadas com os materiais mais preciosos, e incomuns, que incorporavam as mais recentes informações científicas. Foram extremamente importante para esses avanços tecnológicos.”

O curador da exposição, Wolfram Koeppe, continuou: “O comprometimento intenso e emocional generalizado com máquinas e aparelhos nas cortes reais da Europa nos séculos XVI a XVIII encorajaram homens talentosos a colocar as suas energias na construção de novos dispositivos para produção, transporte e comunicação, que estão entre as características mais marcantes da vida moderna ".

Estão expostos relógios, autómatos, móveis, instrumentos científicos, jóias, pinturas, esculturas, várias técnicas de impressão e ainda outras peças da colecção do Metropolitan Museum of Art e mais de 50 coleccionadores. Vários desses trabalhos nunca foram exibidos nos Estados Unidos. Entre os muitos objectos excepcionais, estão os móveis de prata do Tesouro Esterházy; o maior diamante verde natural do mundo, pesando 41 quilates exposto no seu cenário original do século XVIII; o sino de mesa alquimista do imperador Rudolf II; um grande banco de “trefilação” realizado para Augusto da Saxónia; um exemplo raro de um relógio de equação inicial de Jost Bürgi; e uma reconstrução de um jogador de xadrez semiautomático do final do século XVIII, conhecido como "The Turk" do Napoleão Bonaparte.

A exposição destaca a importante interseção de arte e tecnologia com entretimento e exibição essencial para a cultura da corte. 

A exposição está dividida em quatro secções dedicadas aos principais géneros de objectos apresentados nas galerias do museu de Nova Iorque: Metais Preciosos; Objectos Kunstkammer, (Kunstkammer é o termo usado nas províncias de língua alemã para descrever essas colecções); Ferramentas Principescas; e Relógios ou Autómatos. 

Para salientar o conteúdo científico e tecnológico desses objectos, a primeira secção salienta o alto nível do valor material e da qualidade artesanal que os príncipes tiveram que encontrar nessas apresentações de riqueza e poder.

 

O público que visita a mostra irá encontrar um conjunto de móveis de prata ricamente elaborados, que foram considerados o símbolo máximo de poder, status e riqueza durante o início do período moderno. 

A segunda secção é dedicada aos objectos incomuns do Kunstkammer. Estes itens eram compostos de materiais naturais recém-descobertos, montados em prata ou ouro finamente trabalhados, cujos projectos altamente inventivos muitas vezes incorporavam o conhecimento mais actualizado do mundo natural. Reflectindo os objetos de várias camadas que eles abrigavam, o Kunstkammer funcionava simultaneamente como locais de diversão, retiros de pesquisa para a investigação da natureza e mostras políticas de magnificência.

O conhecimento de temas como filosofia natural, artesanal e tecnológica foi considerado equivalente à sabedoria prática, autodomínio e virtude moral, essenciais para uma governação bem-sucedida. Actividades como serralharia, topografia, horologia, astronomia e torneamento faziam parte da educação e do entretenimento dos príncipes nas cortes da Europa. 

A terceira secção da exposição apresenta os instrumentos científicos, ferramentas artesanais e aparatos experimentais usados ​​pelos governantes ao desenvolverem as habilidades técnicas tão importantes para sua identidade principesca.

A exposição termina com inovações em tecnologia mecânica. Máquinas automáticas de relojoaria - talvez os objectos tecnológicos de exibição mais conhecidos - também eram uma fonte rica de alegorias de governo. Além disso, como as cortes competiam pela supremacia técnica, muitas inovações na tecnologia mecânica foram desenvolvidas por solicitação dos governantes. Os autómatos representaram a tentativa final de usar a mecânica para criar movimentos reais, e foram acréscimos extremamente populares nas colecções dos governantes do Renascimento ao Iluminismo. De destacar ainda "The Draftsman Writer", um autómato da escrita do final do século XVIII que inspirou o livro “A Invenção de Hugo Cabret” e a sua adaptação cinematográfica. O mecanismo avançado desta peça, que armazenava mais informações do que quaisquer máquinas que vieram antes dela, foi a precursora do computador, a tecnologia mais comum usada actualmente.

Em cada galeria, vídeos e modelos digitais evocam a realidade histórica das peças expostas e salientam as semelhanças entre os objectos modernos e os entretimentos tecnológicos contemporâneos. Os visitantes da exposição irão descobrir peças maravilhosas inovadoras que envolveram e encantaram dos governantes do passado, assim como a tecnologia do século XXI prende a nossa atenção hoje - através do suspense, da surpresa e das transformações dramáticas.

 

De destacar a colecção de peças barrocas dos meados do século XVII, que pertenceu ao príncipe Paul Esterházy I, vice-regente da Hungria, como um espelho e uma mesa. Estes dois exemplos são decorados com folhas de prata moídas que são estampadas e gravadas, moldando relevos com frutas e flores. A mesa é ornamentada com tritões e ninfas do mar e é encimada pelo mítico julgamento de Paris, no qual o herói deve escolher entre a beleza de Afrodite, a sabedoria de Atena e o poder de Hera. 

Para além destas peças, podem-se admirar ainda: chávenas  realizadas de conchas de Nautilus montadas com prata dourada (Nuremberg, 1588); obeliscos em miniatura cravejados de camafeus e pedras preciosas (Dresden, antes de 1705); uma “pintura animada” de um jardim da corte apoiado por engrenagens que fazem mover figuras (francês, 1759); um pequeno autómato, cujo mecanismo oculto o impulsionaria em movimento (Dresden, antes de 1604). E à medida que avançamos, somos confrontados com as culturas que inspiraram essas criações. As peças de prata dos príncipes são exibições de uma riqueza ornamental. Mas outras obras usam materiais semelhantes. Uma pedra preciosa  e o sublime estão entrelaçados. Os príncipes germânicos possuíam os direitos de extrair minerais das suas terras e normalmente mantinham as amostras do minério bruto. O reino terrestre também pode-se tornar fantástico, através de uma escultura de prata dourada de Nuremberg (1603-09) parte de javali, de morcego e de criatura aquática, o seu corpo era feito de um coco então exótico.

Pode-se observar objectos familiares e utilitários - copos, tabuleiros de jogos, ferramentas - criados com materiais surpreendentes, demonstrando uma criatividade única, mas também apresentando os poderes da corte. Um impressionante tabuleiro de xadrez e gamão alemão do início do século XVII é realizado de âmbar; miniaturas de marfim incrustadas, através da transparência de resinas fossilizadas.

 

Muitos desses objectos faziam parte dos gabinetes de curiosidades das famílias nobres. Essas colecções eram uma amostra das maravilhas do mundo num momento em que a própria ideia de entendimento local estava a ser transformada, expandida e perturbada por viagens de descobertas que revelavam culturas estranhas e formas de vida inimagináveis. Tais objectos exóticos geralmente aparecem aqui ao lado metais preciosos esculpidos, como se a peça estivesse a ser combinada com afirmações de posse.

O espaço e o tempo estavam a ser redefinidos também, e é por essa razão, que os gabinetes de curiosidades incluíam instrumentos feitos artesanalmente para medir e marcar o mundo, como um termostato, um odómetro, um microscópio, além de ilusões e quebra-cabeças que demonstravam mistério e domínio. Um forno finamente elaborado de Dresden (cerca 1575) é decorado com os sete deuses planetários e corpos celestes.

Sobressai na mostra um relógio de mecanismo alemão, (cerca 1625) que toca música com “figuras da commedia dell'arte”, que dançam. Uma figura na "Miraculous Writing Machine" (1760), construída por Griedrich von Knaus em Viena, escreve palavras no papel (visto num vídeo) graças a intrincadas redes de engrenagens, rodas dentadas e pinos.

A mostra é organizadoa por Wolfram Koeppe, curadora francesa de Marina Kellen no Departamento de Escultura e Artes Decorativas do Metropolitan Museum of Art.

A exposição relaciona essas invenções com inteligência artificial e programação de computadores. Eles também são demonstrações da ciência primitiva como uma forma de magia transformacional, que caracterizou o mundo do gabinete de curiosidades. Riqueza e poder, como vemos, deram acesso a essa magia, encorajando-a com empreendimentos e reflexões incansáveis, transmutando o vulgar no transcendente. E isso deve ser familiar: a ambição de alterar as propriedades materiais, dominar a passagem do tempo, dar vida a mecanismos e explorar divertidamente novos domínios - esses mesmos sonhos agora estão associados a empreendedores de tecnologia contemporâneos, sonhando com outras maravilhas mágicas.

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon