Novo Ano I Renovadas Promessas

Sempre que o calendário nos impõe a mudança no dígito do ano renova-se em nós a convicção de que tudo vai ser diferente. E é nesta altura que as promessas não faltam e os projectos para o novo capítulo da vida surgem com muita lucidez.: Ler mais e escolher melhores autores, ter mais actividade física e de forma disciplinada, adoptar melhores hábitos alimentares especialmente depois dos excessos da quadra natalícia pesarem não apenas na balança mas sobretudo na consciência, são alguns exemplos e acima de tudo o desejo de aproveitarmos melhor as 24 horas de cada dia.

Infelizmente os planos de rotinas mais saudáveis para a mente e corpo e uma maior disciplina no seu cumprimento nem sempre incluem os mais novos a quem se vai exigindo mais atenção nas aulas e mais estudo. Mas esta exigência acaba muitas vezes por se transformar num mantra inconsequente acabando por ditar o esvaziamento de sentido.

Acertemos pois um pouco a agulha da estratégia, sobretudo se não temos obtido os melhores resultados, e incluamos os mais jovens nesta euforia de projectar 2019. Primeiro que tudo é importante, nos casos onde a falta de rigor e compromisso por parte dos jovens estudantes se revelam flagrantes, perceber que é fundamental no processo educativo criar-se uma relação de causa/consequência. É muito difícil a alteração de comportamentos sem que sejam verdadeiramente sentidos os efeitos nefastos daqueles, especialmente quando estamos a falar de crianças e jovens. Comunicar, falar francamente, partilhar experiências sermos coerentes nas nossas rotinas com o que exigimos, é absolutamente fundamental mas não chega. O problema é que hoje existe um receio infundamentado de contrariar os filhos, de dignificar a palavra “Não” usando-a sem que a seguir se acabe por permitir e “fechar os olhos” ao que  havia sido negado. E há uma franca dificuldade em aplicar as consequências que haviam sido anunciadas.

A coerência entre o discurso e a prática, entre o acordado e o cumprido é o primeiro patamar neste reajuste de discurso e prática e determinante para o sucesso das resoluções surgidas com a alvorada do novo ano. E aqui ficam sugeridas algumas etapas neste processo de planeamento:

          1º Decidir com o nosso educando objectivos claros e exequíveis a serem atingidos. Gerir o entusiasmo que o calendário nos provoca evitando a tentação de metas impossíveis de alcançar e que nos condenam ao fracasso é uma regra essencial. Não se trata de fugir às dificuldades mas sim sermos lúcidos e conscientes das reais possibilidades.

          2º Estipular metas intermédias que possam conduzir aos objectivos delineados: Não vale a pena projectar correr com o filho todos os dias 30 minutos se agora nem 20 minutos de caminhada por semana se cumprem. Mais vale planear duas boas caminhadas ao fim de semana para começo e ganhar o gosto para depois alargar para mais dias ao longo da semana. Não vale também a pena compromissos de leitura de um livro por mês se neste momento nem um por ano é lido quer pelos filhos (não contam os obrigatórios da disciplina de Português) quer pelos pais. Então mais vale ajustar e acordarem em leituras de 2 páginas por dia durante o primeiro mês e deixar que o vício se entranhe e faça o resto. Tudo deve ser pensado de acordo com os hábitos já adquiridos e ir reavaliando mês a mês metas cumpridas e planificar as próximas.

          3º Avaliar o plano de rotinas que possa ter sido elaborado em Setembro ou forjar um pela primeira vez deve respeitar e ajudar a conseguir os princípios anteriores, mas sem deixar de assumir que é preciso muscular a resiliência. Este plano deve incluir tempo de estudo, de prática de uma actividade física e artística extra, tempo para leitura e tempo para tudo o resto que apeteça além de uma hora certa para deitar. O horário deve ser colocado em local visível e ajudará o jovem estudante a adoptar boas rotinas e a não se “perder nas horas”. Começa aí a educação para a autonomia responsável. Reajustar os tempos ou criando pela primeira vez um plano é determinante para um ano vivido sem sobressaltos.

          4º Adoptar rotinas de vida mais saudáveis passa necessariamente pelos hábitos alimentares. Por isso um plano de alimentação rigorosa e onde o jovem possa aplicar tudo o que aprendeu em Ciências com a Pirâmide Alimentar é essencial. Elaborar ementas semanais para a família e que visem um abandono gradual de erradas escolhas pode ser um exercício divertido e estimulante do ponto de vista criativo. Passar a levar de casa o almoço e o lanche será também a garantia de cumprimento e um mecanismo de fuga aos desvios. Uma alimentação equilibrada não apenas previne a obesidade infantil e adolescente com todas as consequência ao nível da saúde como é vital a boas aprendizagens, níveis de concentração e resistência física. Mas é necessariamente um desígnio de família e por isso todos deverão estar implicados no projecto.

Assim, e se nos permitem, fica aqui o desejo de que todos possamos incluir no rol dos nossos propósitos para 2019, mais rigor na condução da tão difícil tarefa de educar um adolescente e mais coerência entre o que defendemos e o que de facto fazemos. Não esquecer que a educação faz-se em grande medida por modelagem e que se defendemos junto dos filhos mais disciplina temos que ser os primeiros a revelá.la até nos momentos menos simpáticos das admoestações ou penalizações. Mais disciplina também connosco próprios nos hábitos de leitura que queremos incutir mas não praticamos, nas caminhadas que defendemos mas que não fazemos, nos hábitos alimentares que se esquecem nas prateleira das bolachas e das gomas no supermercado e em casa no excesso da carne consumida, na sopa que se evita, nos legumes que se esquecem. Sermos coerente implica vinculação e capacidade de também nós mudarmos para que os reajustes educativos se possam realizar sem riscos do nosso filho nos olhar e perguntar “ E a(o)mãe/pai? Também vai ser mais disciplinado?”

Janeiro chegou e com ele renovados planos e a certeza de que este ano é que vai ser aquele ano em que tudo será diferente. O desafio está lançado.

Que o Ano seja de felizes realizações para que  possamos chegar a 31 de Dezembro satisfeitos com o que conseguimos alcançar.

Ana Paula Timóteo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon