Ouro na Christian Dior

Há casas de costuram que nascem sob o signo do ouro e tudo nos leva a concluir que esse é o desígnio da casa fundada por Christian Dior em 1947, a qual, em Fevereiro desse ano, conheceu um triunfo imediato.

Com efeito, a mulher com os ombros arredondados, o busto valorizado pelos “corsets”, as ancas pronunciadas, a cintura fina e as saias talhadas em chapéu de sol conheceram a maior aceitação e escreveram uma parte da história da moda do século XX. 

Christian Dior faleceu cedo, tinha 52 anos, mas o inventor do “new look” teve sempre ou quase sempre, excelentes seguidores. O primeiro a ficar à frente da casa foi um dos grandes costureiros do séc XX, o nosso muito amado Yves Saint Laurent que nos apreciava e que apoiou as três primeiras revistas Moda & Moda com a colaboração que prestou, com a igualmente saudosa Loulou de la Falaise. É a estes dois personagens que se ficaram a dever as três primeiras capas e mais ajuda teríamos se não nos sentissemos incomodados com as critícas que são muito habituais neste nosso pequeno país.

A minha avó até costumava dizer que Portugal era um país pequeno mas enorme, na inveja. Como ela tinha razão!

Depois, o péssimo companheiro de Yves Saint Laurent levou-o a fundar a sua própria casa, o que não lhe levamos a mal, e a criativade da casa Dior passou a estar sob a batuta de um nosso bom amigo e um excelente costureiro, o Sr. Marc Bohan. Deste mestre vi colecções lindíssimas desde 1970 até 1989. Não assisti a nenhum desfile seu de 1960, data em que substítuiu Yves Saint Laurent por nessa década a minha idade não me permitir tão largos vôos e o meu marido andar às voltas com a Marinha de Guerra portuguesa na qual exercia o cargo de médico militar naval, (entrou em 1962).

Marc Bohan fazia colecções deslumbrantes mas apenas entre 1960 e 1989. 

A seguir veio continuar os desígnios de Christian Dior o Sr. Gianfranco Ferré, que bem conhecia de Milão e era uma personalidade talentosa. 

Da passagem de Galliano por esta casa prefiro não comentar, mas para que as minhas leitoras tenham uma pequena ideia, no último dfesfile, levantei-me da minha cadeira e virei às costas àquela ofensa à moda, à costura e a nós próprias mulheres, porque a traparia destinava-se ao mundo feminino que vê a vida através da miséria humana dos bêbados e dos drogados. Felizmente, passou por lá pouco tempo e hoje, nem sei o que faz ou se é mais “clochard” semelhantes aos modelos que apresentou.

Em 2012, vi Raf Simons, de quem não me queixo talvez por me ter desinteressado da Dior, com muita mágoa, diga-se em abono da verdade.

Ora, o momento que esta mítica casa está a viver é para mim, que gosto de moda, de grande regozijo. 

À frente da marca está a Maria Grazia Chiuri, discípula de Valentino com quem trabalhou. Depois da saída dos mestres dos mestres, como todas as leitoras sabem, a marca Valentino foi vendida. Eu fui a Roma, a seu convite para assistir à despedida e a Maria Grazia Chiuri ficou  em Paris a dirigir as colecções juntamente com o colega com quem trabalhava.

Há já algum tempo, Maria Grazia Chiuri ficou na direcção das colecções da Dior onde tem apresentado excelentes trabalhos.

No céu o Sr. Christian Dior ficará feliz ao ver como a sua marca continua a transformar-se em ouro. 

Parabéns Maria Grazia, esta colecção inspirada na antiguidade clássica e tão perfeita merece um grande: BRAVO!

 

Marionela Gusmão

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon