NATAL 2018

NATAL 2018

Nesta revista encontramos em mais este Natal o encantamento que todos os anos renova a nossa fé. É uma data maravilhosa para todos os crentes.

Com efeito a Humanidade tinha-se afastado de Deus, caindo em desgraça, quando os nossos primeiros antepassados - Adão e Eva - romperam por pecar, a Lei do Senhor.

Porém, Deus infinitamente misericordioso prometeu ao mundo um Salvador que devolveria à Humanidade, a graça perdida. Prometeu e cumpriu.

O Redentor foi o mesmo Verbo de Deus, consubstancial ao Pai e ao Espírito Santo, que no ventre duma Virgem se tornou num ser humano.

A partir da triste perda do paraíso todos esperavam a vinda de Cristo.

Correram os séculos e a esperança foi-se diluindo. Apenas Israel conservava a verdadeira Fé. Não admira nada que assim fosse, pois foi precisamente em Belém de Judá que nasceu o Salvador.

Finalmente, realizou -se o grande prodígio.

A segunda pessoa da Santíssima Trindade nascia à vida mortal da terra, em Belém.

O Evangelho segundo S. Lucas, reza que em Belém de Judá Maria ”Deu á luz o seu Filho primogénito envolvendo-o em panos e deitando -o num presépio… Andavam por aquelas redondezas alguns pastores que, de repente, viram o Anjo do Senhor e uma grande luz deixando-os atemorizados.

Então o Anjo disse -lhes:

“Não tenham medo” porque venho dar-lhes uma boa nova para todo o povo. Hoje nasceu na cidade de David, o Salvador que é Cristo o Messias, o Nosso Senhor.

E nós, que somos católicos, rejubilamos sempre que revivemos a data festiva do nascimento do Menino Jesus. Viva a fé cristã! O dia 25 de Dezembro não está nos horizontes de todos.

 Há quem afirme que Jesus nasceu 4, 6 ou 7 anos antes de Cristo. Seja como for, nesta casa seguimos o calendário português e para nós o Menino Jesus nasceu há 2018 anos. Bendito seja Deus.

 

Catarina Bacelar

Monalisa

Monalisa

Monalisa

Zuhair Murad

Zuhair Murad

Alexander McQueen

Zuhair Murad

Zuhair Murad

Brooks Brothers_060

Brooks Brothers

Zuhair Murad

Zuhair Murad

Alexander McQueen

Zuhair Murad

Sabrina Persechino

ino_029

Sabrina Persechino

Hermes

Zuhair Murad

Ulyana Sergeenko

Ulyana Sergeenko

Alexander McQueen

Emilio Ricci

Daniela Danesi

Sabrina Persechino

Dior Homme

Emilio Ricci_

Brooks Brothers_

Emilio Ricci

Giorgio Armani

Abi Nader

Abi Nader

Dior Homme

Abi Nader

Abi Nader

Abi Nader

Neil Barrett

Abi Nader

Abi Nader

Alexander McQueen

Abi Nader

Brooks Brothers

Tempo de Natal

 

Há mais de 50 anos que a autora deste texto escreve sobre Natal. Talvez pareça impossível, mas é a mais pura das verdades. Escrevi para vários órgãos de comunicação social onde existiam grandes redacções, mas os directores pediam-me para ser eu a escrever. E nunca me fiz rogada. Sempre vivi esta época festiva com muito fervor religioso.

As emoções do Natal, aquelas que abrem as asas dos nossos anseios, saudades e memórias, mostram-nos a face iluminada do Mundo. É tão deslumbrante ver os brilhos e as luzes a iluminarem a vida de cada um de nós.

Viradas as folhas do calendário, uma a uma, chegamos à época mais festiva do ano com o respectivo vaivém das compras, das viagens daqueles que residem longe dos pais e encurtam as distâncias para o encontro da família.

Há sempre gente jovem que se interroga porque não sabe se o Natal sempre se comemorou desta forma.

Segundo os eruditos, o Natal começou s ser celebrado no dia 25 de Dezembro de cada ano apenas no séc. IV, por decisão do Papa Júlio I, após procurar conhecer o dia exacto do nascimento de Jesus, a data que indicava o Solstício do Inverno, já festejado pelos romanos (saturnais) e pelos povos nórdicos.

Quanto a Portugal, as referências mais antigas que conhecemos datam dos séc. XV e XVI e fazem alusões aos trajes e manjares.

Aos manjares refere-se António Ribeiro Chiado, na sua peça a “Prática dos Compadres” (séc. XVI) onde diz através da personagem comadre Lianor Vaz o seguinte: “a festa já não é nada/ sem candeias, verdes, junquete/ coscorões, cidra , fartete e, / pinhões, figos, girgilada/… e outras cosas que calo/ e vir da missa do galo/ e almoçar linguiça.

Cabe a propósito informar que o junquete era um tronco de oliveira que se queimava e guardava de um ano para o outro. Este tronco tinha uma simbologia bíblica ligada à imagem do Jardim das Oliveiras.

Desconhecemos o que seria o fartete, mas a girgilada era um doce com a velha abóbora gila que ainda hoje se usa para rechear empanadilhas e outros doces natalícios e também um doce feito com sementes de gergelim, um contributo da doçaria indiana que os portugueses trouxeram de lá trouxeram e já se perdeu. 

No Algarve ainda vi na ceia de Natal os meus familiares a provar os chouriços frescos grelhados ou fritos. Era no tempo em que se matavam dois porcos no dia 22 de Dezembro e os chouriços estavam enchidos de fresco para a ceia de Natal, onde já não faltava o bacalhau. Linguiça? Nunca vi no Algarve, em casa de nenhum dos meus familiares.

A grande festa do Natal continua a ser na noite de 24 de Dezembro onde cada um se veste a rigor, exceptuando os mais jovens que fazem gala em andar às avessas. Pois que se vistam como lhes apetecer…

Enquanto eu tiver mãos para escrever e olhos para escolher os mais apelativos modelos com as novidades da moda, os meus fiéis leitores ter-me-ão com as propostas para as ceias que exigem bonitas e elegantes “toilettes”.

Oh! meu querido Menino Jesus então festa, já não é festa?

Na actualidade há muitos familiares que se reúnem para o almoço com vários pratos e a chamada “roupa velha” com o bacalhau que sobejou da ceia. Comigo não contem para esse estilo de almoçaradas. 

Não dispenso o jantar festivo da noite de Natal celebrado com brilho, luz, cor, dourados, prateados, vermelhos e verdes, em clima de paz, harmonia e amor. 

Este ano, abrimos aqui uma excepção para as crianças, já que os tempos evoluíram e todos os que fazem a Moda & Moda consideram que se deve admitir que também jantem na mesma mesa dos familiares. Evidentemente, vestidas a rigor. E, como são lindos os modelos que lhes escolhemos.

 

Nesta revista dispensamos as árvores de Natal, a menos que sejam num vaso com uma planta perene que possa ser plantada num jardim. Cortar árvores para enfeitar e depois contribuir para aumentar o trabalho dos homens que se encarregam de destruir o lixo que todos nós mais ou menos fazemos, é abominável.

Neste tempo de festa do mundo cristão, na hora de reinventar tréguas e renovar o sentimento de esperança num mundo melhor, o traje dá um grande contributo de elegância. Os brilhos ajudarão a reacender o amor ao próximo.

E aqui, nestas páginas que têm a magia do Natal, deixamos a nossa mais fraterna saudação de Boas Festas,

 

Marionela Gusmão 

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon