Nabis I No Museu do Luxemburgo em Paris

Affiche Nabis.jpg
MULHERES NOS JARDINS
MULHERES NOS JARDINS

Maurice Denis Abril 1892 Óleo sobre tela 38 x 61,3 cm. Otterlo, Kröller-Müller Museum © Otterlo, Kröller-Müller Museu

press to zoom
MULHERES NOS JARDINS
MULHERES NOS JARDINS

Pierre Bonnard Senhora com um vestido de bolas brancas 1890-1891. Aguada sobre tela. Painel decorativo 160,5 x 48 cm Paris, musée d’Orsay © Rmn-Grand Palais (musée d’Orsay) / Hervé Lewandowski

press to zoom
MULHERES NOS JARDINS
MULHERES NOS JARDINS

Edouard Edouard Vuillard - Jardins públicos: O Passeio – 1894 Aguada sobre tela 214,3 x 97,2 cm Houston, The Museum of Fine Arts, The Robert Lee Blaffer Memorial Collection, oferta de Mr. and Mrs. Kenneth Dale Owen, 53.9 © The Museum of Fine Arts, Houstont

press to zoom
MULHERES NOS JARDINS
MULHERES NOS JARDINS

Maurice Denis Escada entre as folhagens 1892 Óleo sobre tela montado sobre painel de madeira 235 x 172 cm. St. German-en-Laye, museu departemental Maurice Denis © Rmn – Grand Palais/ Gérard Blot/ Christian Jean

press to zoom
INTERIORES
INTERIORES

Edouard Vuillard O Corpete de Riscas 1895 Óleo sobre tela 65,7 x 58,7 cm. Washington, National Gallery of Art, colecção do Sr e Srªa.Paul Melon, 1938 1. 38 © Washibgton, National Gallery

press to zoom
INTERIORES
INTERIORES

Edouard Vuillard A intimidade 1896 pintura com cola sobre tela 212 x 155 cm Paris, Petit Palais - Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris © Petit Palais/Roger-Viollet

press to zoom
INTERIORES
INTERIORES

Edouard Vuillard A escolha dos livros 1896 pintura à cola sobre tela 212 x 77 cm Paris, Petit Palais - Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris © Petit Palais/Roger-Viollet

press to zoom
L’Art nouveau
L’Art nouveau

Paul Ranson Três mulheres na colheita 1895 Têmpera sobre tela 35 x 195 cm St Germain En Laye, Musée départemental Maurice Denis © D. Balloud

press to zoom
L’Art nouveau
L’Art nouveau

Paul Ranson Caixa de cigarros: Mulher nua encostada a uma árvore 1899 Caixa de cigarros em “marqueterie” 16,5 x 31,3 x 9,3 cm Paris, musée d’Orsay © Christie’s 2018

press to zoom

O Museu do Luxemburgo que Maria de Medicis mandou construir, em Paris, entre 1615 e 1630 é, por si, um edifício ajardinado, no coração da capital francesa, que merece ser visitado.

Após uma longa história, verdadeiramente de grande interesse, a gestão deste Museu foi, desde 2010, confiada à Reunião dos Museus Nacionais e do Grand Palais des Champs-Elysées no quadro de uma delegação de serviço público cuja missão é apresentar grandes exposições destinadas a um público muito vasto.

Les Nabis, ou simplesmente Nabis, foi um grupo de jovens artistas pós-impressionistas vanguardistas da última década do século XIX.

Paul Sérusier impulsionou Les Nabis, arranjou o nome e a grande influência foi de Paul Gauguin. A palavra Nabi deriva do hebraico, ( palavra profeta). Pierre Bonnard e Edouard Vuillard tornaram-se os mais conhecidos do grupo, mas na altura estavam um pouco afastados dos restantes membros.

Conheceram-se na Académie Julian, e depois em casa de Paul Ranson, onde chegaram à conclusão que uma obra de arte é o produto final da expressão visual e sentimental do artista. Receberam muitas influências simbolistas. Abriram caminho às obras abstractas prematuras e à arte não figurativa.

 

Entre o grupo estava Maurice Denis, cujos trabalhos jornalísticos fizeram publicidade a Les Nabis. Tinha uma definição para arte produzida pelo gupo, que se aproximava bastante da realidade — "uma superfície lisa coberta de cores organizadas". As suas Théories (1920; 1922) levaram a arte Nabis muito para além da sua extinção devido ao Fauvismo e ao Cubismo.

 

AS PAIXÕES NABIS

A Arte dos Nabis, uma larga fatia das Artes Decorativas, por estranho que pareça, até à data nunca tinha merecido uma grande exposição em França.

Se analisarmos as origens do pensamento de William Morris que estava com John Ruskin no Movimento Iniciador de Arte e Artesanato em Inglaterra na década de 1860, talvez consigamos encontrar o fio da meada da História do Movimento Nabis que encaixa no padrão dominante de Siegrefried popularizado por Bing na Gallery Art Nouveau. Na realidade, o Movimento inglês expandiu-se em Espanha com o modernismo catalão; na Bélgica com Victor Horta, Van de Velde e Paul Hankar; em França, por batalhões e, também, por toda a Europa.

A Arte decorativa Nabis constitui uma experiência específica entre artistas com uma admiração comum pelas obras de cariz ornamental, englobando a pintura com as artes decorativas.

De salientar que na exposição de 1890, em Paris, as estampas japonesas conseguiram lançar uma nova gramática estilística, levando os Nabis a pintar sobre telas e também em biombos, leques… variando  da estampagem, à tapeçaria, do papel pintado aos vidros.

Os interiores passaram a ser embelezados com a utilização de cores vivas, linhas onduladas e uma perspectiva profunda dos padrões com um ênfase até aí desconhecido.

Os pioneiros da decoração moderna como Bonnard, Vuillard, Maurice Denis, Serusier, Ranson, defenderam, em Ontário, a introdução da beleza no quotidiano. Preconizaram assim uma expressão original, alegre, animada e rítmica, em oposição à técnica do “pastiche” que, então, estava em voga.

“ A nossa geração odeia repetições, afirmava Roger Marx, as receitas herdadas do passado, está atormentada pela apetência pelo proibido, deseja uma sacudidela; uma fuga à obsessão do passado; proscrever o intencionado e o instruído é a sua ambição, para não dizer à sua regra.”

Esta exposição, que recomendamos vivamente aos nossos leitores, resulta do trabalho de pesquisa da Reunião dos Museus Nacionais-Grand Palais e dos Museus d’ Orsay e  Orangerie de Paris.

Esta exposição, absolutamente inédita, termina a 30 de Junho e recomendamos vivamente aos nossos leitores para não perderam a oportunidade de receberem uma grande lição de História de Arte.

Com efeito, a exposição do Museu do Luxemburgo permitiu a reconstrução de conjuntos decorativos que foram sendo desmantelados ao longo dos tempos.

O seu percurso articulado em quatro secções aborda temas importantes como a simbólica associação da mulher com a natureza nas obras de juventude de Bonnard, Maurice Denis, Vuillard e Ker-Xavier Roussel, ou ainda a decoração interior da casa de Vuillard.

Curiosamente, a exposição termina com a apresentação de temas sagrados, os quais têm despertado um inusitado interesse entre os visitantes, já que eles são evocativos do entusiasmo de alguns Nabis pelo esoterismo e pela espiritualidade.

Uma exposição a não perder!

 

Marionela Gusmão