Jóias americanas                                

Se há museus americanos que no aspecto cultural estão sempre atentos às últimas novidades, o Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque, apresenta uma exposição fascinante dedicada às Jóias Americanas. Agora, vamos “entrar” nesta Instituição Artística, no espaço onde os que gostam de jóias, têm ao seu alcance a possibilidade de admirar as mais belas peças de joalharia da colecção do Metropolitan Museum of Art, que datam do século XVIII até à actualidade. Esta atraente exposição intitulada: “Jóias para América, “surpreende não apenas pelo esplendor desta arte, mas também pela qualidade das peças expostas. O Museu de Nova Iorque, é uma das instituições de arte com uma das colecções de jóias mais importantes dos Estados Unidos. A mostra está patente ao público até 5 de Abril de 2020. Estão expostos mais de 100 exemplares, que fazem parte do espólio deste museu, apresentando um trabalho requintado e minucioso de várias épocas da História da Joalharia. 

 

O Metropolitan Museum of Art apresenta uma série de anéis, colares e pregadeiras realizadas nos últimos 300 anos, a qual conta a história da joalharia da América.

Em “Jewelry for America”, do museu de Nova Iorque, a curadora de Artes Decorativas americanas Beth Carver Wees organizou uma belíssima mostra cronologicamente com cerca de 100 peças feitas ou usadas pelos americanos nos últimos 300 anos, cada uma delas com estilos atraentes. Desde dos anéis de luto, até ao longo “sautoir” de pérolas que adornava o pescoço de uma senhora, os visitantes podem apreciar o fascínio desses objectos e também reflectir sobre o que eles nos comunicam sobre os altos e baixos da história de uma nação.

Para o público contemporâneo, as jóias mais inovadoras da exposição podem ser encontradas desde o início, entre peças dos séculos XVIII e XIX. Uma delas é um alfinete com camafeu (cerca 1835), sobre uma superfície áspera, onde foi esculpida o retrato de Andrew Jackson, com a moldura e uma inscrição: "A união, deve ser preservada". Outro é um anel de luto de 1773 com um diamante em forma de urnó e um fio de cabelo humano. 

Muitas dessas jóias antigas, lembram que muitos dos seus desenhos foram importados da Europa ou feitos por emigrantes que mantinham as suas tradições.

De destacar um alfinete delicado em ouro com uma pintura de um olho cintilante. Entre as miniaturas mais delicadas, essas jóias do género "olho de amante" ocultavam a identidade da pessoa, mas estavam ligados a um afecto secreto. Numa época anterior à fotografia, eram lembranças e uma forma das pessoas se manterem ligadas àqueles que lhes mais queridos.

À medida que o tempo ia avançando, a tecnologia da joalharia foi-se aperfeiçoando nos Estados Unidos da América e os joalheiros americanos começaram-se a destacar. Entre as peças exposta, destaca-se o alexandrite de mais de 40 quilates em forma de pingente, suspenso num colar (cerca 1914/15) projectado por Louis Comfort Tiffany.

Outra jóia, que sobressai na mostra é a “chatelaine” de prata Gorham de 1887, com correntes destinadas a transportar pequenos utensílios domésticos, tais como tesoura e uma almofada de alfinetes na forma de um polvo. 

De salientar ainda, o alfinete de Raymond C., que apresenta um coelho decorado com diamantes e pedras preciosas coloridas, com uma bandeja na pata, servindo champanhe e a icônica Pulseira com a Cruz de Malta, criada por Fulco di Verdura, que abriu um pequena loja, em Nova Iorque em 1939, e a cópia de bijutarias de Kenneth Jay Lane, de quem ele era amigo. As bijuterias tornaram-se especialmente vulgares desde a Depressão no período pós-guerra.

As jóias dos índios americanos são representadas na exposição por colares dos povos Pueblo do Sudoeste, compostos por contas em cascata com turquesas, corais e conchas que datam do início do século XX. Pequenas corujas são esculpidas em algumas das contas - sugerindo um símbolo dos valores espirituais e da comunidade do povo indígena, as quais contrastam com as pedras de metal e facetadas que compõem grande parte desses colares. 

A mostra termina com desenhos contemporâneos, como os de Thomas Gentille e William Harper, que se distinguem pelo uso de materiais, técnicas e estilos diferentes. Uma das jóias contemporâneas excêntricas de Daniel Brush é uma peça criada com tubos de alumínio provenientes de fabricantes de bobinas de refrigeração de aviões. Aqui a superfície foi gravada e brilha com minúsculos diamantes. Quando perguntaram ao autor sobre a escolha dos materiais, Daniel Brush mencionou que o alumínio era o metal mais valioso do mundo e hoje é usado para aviação e fabricação industrial. 

Esta mostra no Metropolitan Museum of Art foi desenhada inteiramente com a colecção do museu, descreve a evolução das jóias de propriedade e fabricadas pelos americanos desde o início do século XVIII até os dias actuais. As peças de joalharia americana foram adquiridas pela primeira vez pelo Museu de Nova Iorque, em 1883 e foram o foco de uma pequena exposição na primavera de 1926. Desde então, através de presentes generosos e compras criteriosas e o espólio do museu cresceu imenso para abranger uma ampla variedade de jóias americanas.

A exposição foi organizada em cinco secções cronológicas: Viagem Sentimental; Indústria Americana; Fin de Siècle Brilliance; Inspiração na Natureza e na História; Criatividade e inovação. Essa apresentação começa com pequenos objectos sentimentais, como heranças preciosas de familiares transportadas por emigrantes para a América colonial. Mais tarde, os americanos importaram peças do exterior ou recorreram aos ourives locais. No início do século XIX, num cenário de prosperidade financeira e progresso tecnológico, os empreendedores estabeleceram uma indústria nacional que se tornaria uma grande produtora de jóias finas e artísticas.

A exposição revela mudanças significativas nos estilos, materiais e técnicas que ocorreram ao longo de três séculos, incluindo o uso precoce de cabelos para comemorar os entes queridos, o trabalho em turquesa e coral dos povos Pueblo do Sudoeste, o surgimento de bijutarias e os formulários não convencionais da actualidade. Essas peças contam a história dos joalheiros americanos, isto é, como eles absorveram e reinterpretaram lições de uma vasta história global para criar um corpo rico e variado de trabalho.

 

Viagem Sentimental

As jóias mais antigas e usadas na América colonial eram de natureza sentimental e frequentemente relacionadas com o namoro e o casamento ou à morte e ao luto. Embora as jóias fossem importadas nos séculos XVII e XVIII, pequenos itens como anéis e alfinetes também eram realizados por joalheiros locais. Os materiais que eles usavam representavam significados especiais. Acredita-se que coral, por exemplo, fornecia protecção contra doenças e afastava os maus espíritos. As pérolas, tradicionalmente estavam associadas à riqueza, status e pureza, também simbolizavam as qualidades opostas da boa sorte e da adversidade. Anéis cravejados de diamantes ou outras pedras preciosas serviam de símbolo de amor e amizade.

Durante os séculos XVIII e XIX, uma jóia vulgar podia incorporar um cabelo humano como uma lembrança de um ente querido. Miniaturas de retrato montadas nos pingentes ou medalhões também serviam como recordações pessoais, assim como podiam colocar figuras públicas e privadas. Enquanto isso, símbolos militares, académicos e sociais podiam estar relacionados com as várias comunidades e a irmandade.

 

Indústria Americana

Enquanto as jóias fabricadas no exterior e os seus materiais componentes, como coral esculpido e micromosaicos, continuaram a ser importados e adaptados para venda pelos comerciantes americanos, uma indústria doméstica que surgiu no século XIX. A cidade de Newark em New Jersey tornou-se o centro de cerca de duzentos fabricantes, a partir de 1801 com o estabelecimento da primeira oficina de produção de jóias neste país por Epaphras Hinsdale. Na década de 1870, a indústria de Newark estava já a facturar cerca de cinco milhões de dólares em receita anual e produzia tudo, desde pedras de colares em ouro a alfinetes de diamante. Entre os conhecidos fabricantes de Newark, destaca-se Riker Brothers, Unger Brothers e AJ Hedges & Co. O século XIX também viu a fundação das icónicas empresas americanas como Gorham Manufacturing Company em Providence, Rhode Island, e da Tiffany & Co. em Nova Iorque, ambas na década de 1830.

O sucesso da indústria de jóias foi reforçado nos meados do século XIX pela introdução de máquinas a vapor nas fábricas americanas, como a California Gold Rush e a descoberta de prata no Comstock Lode de Nevada. O crescimento simultâneo da ferrovia transcontinental ajudou a facilitar a distribuição para uma clientela mundial.

 

Fin de Siècle Brilliance

Com a descoberta, em 1867, dos depósitos de diamantes na África do Sul, as jóias deslumbraram como nunca antes. A paixão pela jóia incrustada de diamantes nos Estados Unidos da América coincidiu com a crescente prosperidade em todo o país, tarifas protectoras que incentivavam a fabricação americana e técnicas aprimoradas para lapidação e fixação de pedras.

 

Charles L. Tiffany comprou diamantes na França após o colapso do regime do rei Louis Philippe em 1848. Quando o governo francês leiloou muitas das jóias da coroa em 1887, a sua empresa comprou mais de dois terços dos lotes. Enquanto isso, na Quinta Avenida de Nova Iorque e em locais semelhantes da moda, joalheiros de primeira linha, como Tiffany & Co. e Cartier, juntaram-se a outros estabelecimentos de luxo, como Dreicer & Co., E.M. Gattle, Verdura, David Webb e Raymond Yard.

A elegância legal da moda eduardiana no início do século cedeu lugar na década de 1920 ao glamour e luxo do estilo Art Deco. Novos materiais, desenhos criativos e excelente artesanato se uniram para elevar as jóias a uma forma de arte altamente comercializável.

 

Inspiração na Natureza e História 

Desde cerca de 1890 até ao início da Primeira Guerra Mundial, a Arte Nova prosperou por toda a Europa. Com a natureza como musa, esse estilo orgânico representava uma ruptura distinta da arte académica do século XIX. O artista prodigiosamente talentoso Louis C. Tiffany foi o principal campeão da Arte Nova na América, criando obras inovadoras que celebravam a natureza no seu estado mais frágil. A Tiffany & Co., empresa fundada pelo seu pai, já tinha conquistado uma medalha de ouro na Paris Exposition Universelle de 1889 pelos seus alfinetes de orquídea com precisão botânica.

Muitos joalheiros americanos desta época também se voltaram para precedentes históricos e "exóticos" para as suas fontes. A Marcus & Co., fundada em Nova Iorque, em cerca de 1892 pelo emigrante alemão Herman Marcus, criou uma ampla gama de jóias artísticas e revivalistas. Quase simultaneamente, o movimento britânico de Artes e Ofícios, que evitou a produção industrial, inspirou os joalheiros americanos a voltar ao artesanato e a experimentar materiais não tradicionais. Vários artistas americanos destacados seguiram esse caminho, incluindo Eda Lord Dixon, Florence Koehler, Margaret Rogers e Marie Zimmermann.

 

Criatividade e inovação

Na década de 1930, Alexander Calder e outros artistas americanos criativos começaram a incorporar o design de jóias nas suas práticas. Modernistas nos anos 50 do século XX, como Sam Kramer, Art Smith e Ed Wiener, criaram peças de vanguarda em prata, ouro, cobre e latão. Eles seguiram uma tendência internacional em direcção a novas formas de expressão em jóias. Plástico, papel e borracha também utilizaram deslocando materiais mais convencionais no banco do joalheiro. "Materiais baratos", escreveu o curador Graham Hughes, apresentando a Exposição Internacional de Jóias Modernas de 1961 em Londres, de 1890 a 1961, "não precisam exprimir insignificância artística".

As bijutarias, geralmente feitas de plástico, vidro e metais não preciosos, tornaram-se especialmente vulgares desde a Depressão no período pós-Segunda Guerra Mundial, época em que as mulheres americanas procuravam ser elegantes e descontraídas. Embora esses estilos acessíveis imitassem jóias mais caras, às vezes elas influenciavam os designers conhecidos.

Essas mudanças radicais inspiraram as joias inovadoras das últimas cinco décadas, representadas aqui pela visão e domínio de praticantes contemporâneos como Daniel Brush, Thomas Gentille, William Harper, Mary Lee Hu e Joyce J. Scott.

A exposição destaca também o trabalho notável de alguns mestres da joalharia americana, já que cada um deles estava ligado a um objectivo comum: proporcionar criações artísticas para sua clientela. Privilegiando a estética e a criatividade, cada um soube encontrar o caminho mais de acordo com as suas convicções. 

As jóias conseguiram associar-se às tecnologias diversas de cada época e ao design, concebendo peças que se tornaram o ex-libris da colecção de joalharia do Metropolitan Museum of Arts.

 

Theresa Bêco de Lobo

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon