Jóias I O Brilho da Corte Russa

Bouquet de flores de pedras preciosas São Petersburgo, Jérémie Pauzié, 1740/50 Ouro, prata, diamantes, várias pedras preciosas, vidro e tecido. Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Caixa de jóias - Augsburg, final do século XVII. Prata, ouro, rubis, esmeraldas, ágatas, cristal de rocha, ametistas, turquesa, Colecção Hermitage State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Estrela da Ordem Russa de Santo André de São Petersburgo, (cerca 1800). Ouro, prata, diamante e diamante rosa, rubis, esmalte. Colecção Hermitage State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Relógio, França, Léonard Bordier, final do século XVIII - início do século XIX. Ouro, prata, esmalte, vidro, pérolas. Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Gancho de cabelo, São Petersburgo, 1770/90. Ouro, prata, diamantes, aço. Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Snuffbox, Potsdam, joalheiros de Frederico, o Grande, (cerca 1770). Ágata, ouro, diamantes, rubis, nefrite. Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Snuffbox, Potsdam, joalheiros de Frederico, o Grande, (cerca 1770). Ágata, ouro, diamantes, rubis, nefrite. Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão

Retrato da Grã-duquesa Elizabeth, 1725/30. Louis Caravaque (1684-1754). Colecção Hermitage State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão

Retrato de Catarina, a Grande, 1794. Johan Baptist Lampi I (1775 – 1837) Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão

Retrato do príncipe Konstantin Gortsjakov, final do século XIX e início do século XX. Nikolaj Bogdanov-Belski (1868–1945). Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão

Retrato da princesa Maria Abamelek- Lazareva, 1900/01. Nikolaj Bogdanov-Belski (1868–1945). Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão

Retrato da czarina Maria Fyodorovna (mulher do czar Alexandre III) com uma tiara, colar e pregadeira de diamantes e pérolas das jóias da Casa de Bolin, 1881. Ivan Kramskoy (1837– 1887). Colecção Hermitsge State Museum, S. Petersburgo. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Resplandecente, fascinante, espectacular e vibrante, assim se pode definir a exposição:  Jóias! Os Brilhos da Corte Russa no Hermitage Museum, em Amesterdão. A mostra apresenta uma viagem no tempo até à época de ouro dos czares da Rússia, uma corte que chegou a ser a mais deslumbrante do mundo. 

Este acontecimento está patente no Museu de Amesterdão até 15 de Março de 2020, com grande destaque para a imagem da alta sociedade de S. Petersburgo, ao longo de 200 anos de história, através de uma selecção de 300 jóias e mais de 100 pinturas, acessórios e vestuário. 

 

Um dos maiores tesouros do Hermitage State Museum de S.Petersburgo é a sua  fabulosa colecção de jóias. Centenas delas brilham, agora, com grande intensidade na exposição, juntamente com muitos retratos, numa profusão de vestidos e conjuntos ricamente decorados, que foram deslumbramentos  dos mais altos dignitários da corte russa, em São Petersburgo. Através da mostra podem-se conhecer as czarinas exuberantes do país, como Ana, Elizabeth e Catarina, a Grande , assim como os grão-duques,  duquesas, e nobres interessados na moda do século XIX e do início do século XX. Nos bailes e festas, usavam trajes deslumbrantes, realizadas com peças fabulosas cuidadosamente seleccionadas para mostrar identidade, gosto, criação e riqueza. As jóias também podiam ser criadas para transmitir mensagens secretas. As peças de joalharia foram encomendadas nas principais casas como Cartier e Fabergé. Porém, muitas das preciosidades desapareceram após a Revolução Russa. 

Este evento apresenta uma brilhante variedade de obras-primas sobreviventes, situadas em salões e “boudoirs” como os do Palácio de Inverno dos czares.

Na mostra, destacam-se três imperatrizes russas, Anna Ioannovna, conhecida como Ana da Rússia, que governou entre 1730 e 1740 e que adaptou a excentricidade da moda e da joalharia na corte russa, sendo quem iniciou as célebres colecções de jóias da alta sociedade. Sucedeu-lhe Elizabeth Petrovna que esteve no governo de 1741 a 1761 e quem tratou de aumentar essas colecções, seja como presentes de cortes internacionais, como trocas diplomáticas ou como encomendas luxuosas, ou ainda como uma série de relógios de bolso em ouro com pedras preciosas e caixas que tanto serviam para tabaco, como para guardar cartas de amor. A imperatriz determinava a moda, usava vestuário adornado com pedras preciosas e chegou a impôr que as senhoras só se podiam apresentar na corte com joias verdadeiras. Por fim, Catarina, a Grande, cujo reinado durou de 1762 a 1796, foi a imperatriz que adorava camafeus e para quem as roupas das situações especiais eram criadas de acordo com as jóias.

Nas salas das galerias do Museu de Amesterdão brilham dezenas de milhares de pedras preciosas, posteriormente transformadas em jóias e acessórios mais requintados, em voga na alta sociedade russa. juntamente com uma série de vestidos de baile ricamente decorados, trajes imperiais e retratos majestosos. A exposição através das jóias, dos trajes e da arte, conta histórias pessoais e transmite uma imagem fascinante da Rússia durante mais de dois séculos.

A lendária colecção de jóias faz parte de um dos grandes tesouros do State Hermitage Museum, em São Petersburgo. O impressionante acervo reúne um tesouro magnífico, com milhares de jóias requintadas. Desta colecção, uma série de peças notáveis estão expostas na mostra da Holanda. Os visitantes encontram czarinas poderosas e extravagantes preocupadas com a moda, cujos inúmeros objectos  pessoais estão expostos. Uma das jóias a merecer maior destaque é o bouquet de flores feito de pedras preciosas (1740 a 1750), a pregadeira lindíssima da imperatriz Elizabeth realizada com mais de 400 diamantes e mais de 450 diamantes rosa, além de safiras azuis e amarelas, rubis, topázios e esmeraldas.

A caixa de jóias pessoais de Catarina, a Grande, também está exposta, representa uma obra-prima ricamente decorada, pesando cerca de três quilos e repleta de quase 400 gemas preciosas coloridas. 

Acerca do luxo da corte russa, o embaixador francês Maurice Paléologue, que esteve na Russia de 1914 a1917, escreveu o seguinte: “Graças ao brilho dos uniformes, das toilettes esplendorosas, librés elaborados, mobílias e acessórios magníficos, enfim, toda uma panóplia de pompa e poder, o espetáculo era tal, que nenhuma outra corte do mundo podia rivalizar. Por muito tempo, hei-me lembrar da apresentação de jóias deslumbrante nos trajes das mulheres. Era simplesmente uma fantástica chuva de diamantes, pérolas, rubis, safiras, esmeraldas e topázios - uma labareda de fogo e chamas.“

Essa extravagância, esse esmagador esplendor de jóias e moda que despertou a imaginação de tantos, foi apresentada por Anna Ioannovna (reinado 1730/40), sobrinha de Pedro, o Grande. Durante o seu reinado, "o luxo no vestuário excedeu todos os limites". Depois de muitos anos de austeridade, ela comprou avidamente jóias e objectos luxuosos. É ela quem pode realmente ser dito que lançou as bases para as colecções notáveis de pratos e jóias que deveriam encher as salas do palácio. A exposição apresenta peças do seu acervo, talvez o mais impressionante seja o serviço de toilette em ouro maciço que, após a sua morte, foi usado durante o figurino cerimonial das noivas da casa real.

A sucessora de Anna, a imperatriz Elizabeth, filha de Pedro, o Grande (reinado 1741/61), ampliou bastante as colecções de jóias do Hermitage State Museum, em S. Peterburgo. Muitos dos novos objectos eram presentes diplomáticos, que ela recebeu, através das cortes europeias e orientais. Mas imperatriz também comprou muitas jóias. O reinado de Elizabeth marcou a época do uso de pedras preciosas coloridas que brilhavam, por exemplo, no bouquet de jóias feito pelo joalheiro Jérémie Pauzié. Esta peça foi adquirida pela própria Imperatriz e é um dos exemplares mais marcantes na exposição em Amesterdão.

Os magníficos vestidos de Elizabeth - milhares deles - foram literalmente inundados com pedras preciosas. Pauzié lembrou: ‘Não posso pensar que houvesse outra rainha europeia que tivesse jóias mais preciosas que a imperatriz russa. A coroa de Elizabeth, que foi caríssima, consiste - como todas as suas tiaras- de pedras coloridas: de rubis, safiras e esmeraldas. Nada se compara a essas pedras em tamanho e beleza. Ela chegou a emitir decretos incentivando o luxo na corte. Em 1753, por exemplo, um decreto pessoal declarou que "o adorno [dos trajes dos cortesãos usados em bailes de máscaras] não deve incluir vidro ou enfeites". Assim, as damas deviam aparecer na corte usando apenas jóias genuínas.

Elizabeth não queria que competissem na magnificência do seu próprio traje. Ela tinha os seus vestidos de brocado e veludo enfeitados com ouro, prata e seda. Os acessórios que valorizavam os penteados não escaparam à sua atenção. Daí que a sua cabeça estivesse sempre carregada de diamantes.

Com a adesão de Catarina, a Grande (1762-1796), as senhoras da corte puderam finalmente vestirem-se e adornarem-se como queriam. Catarina encomendou magníficas pérolas, diamantes, safiras e rubis e, em ocasiões especiais, as suas costureiras trabalhavam em conjunto com joalheiros para criar as suas roupas. Eles fizeram vários itens para ela, incluindo vários conjuntos de diamantes, rubis e granadas, geralmente incluindo fitas ou faixas que poderiam ser presas na frente de um corpete, brincos, pulseiras, alfinetes e colares.

No último quartel do século XVIII, as pedras multicoloridas deram lugar ao gosto pelo monocromático. A preferência foi cada vez mais para diamantes e pérolas.

Um interesse na arte da Grécia Antiga e Roma reflectia-se cada vez mais nos vestuários masculinos e femininos. Os camafeus era a grande paixão de Catarina e foram de facto apreciados tanto quanto as pedras preciosas. Eles foram colocados com diamantes ou transformadas em colares, pulseiras e anéis, em fivelas e brincos. Os camafeus modernos foram introduzidos ao lado de pedras preciosas e semi preciosas.

 

O Fim de uma Era

A cultura excessiva das cortes foi destruída pela revolução. Muitos Romanovs não sobreviveriam a esse período tumultuoso da história russa, embora alguns tivessem conseguido fugir antes que fosse tarde demais. Entre esses refugiados reais estava a czarina Maria Feodorovna, que retornou em 1919 à sua terra natal - Dinamarca e lá permaneceu até à sua morte, em 1928. Esta infeliz senhora passou os seus últimos anos numa casa nos arredores de Copenhague, recusando-se a acreditar que o seu filho Nicolas e a sua família tinham sido assassinados. A czarina só conseguiu trazer consigo uma pequena quantidade de jóias. A maior parte da sua colecção permaneceu na Rússia, onde grande parte foi vendida pelo governo bolchevique.

Os refugiados de nascimento real e nobre muitas vezes tentavam levar o maior número possível dos seus preciosos pertences, muitos dos quais se venderiam mais tarde, quando corriam o risco de ficar sem dinheiro. Foi assim que as jóias que outrora brilharam intensamente no salão de baile do Palácio de Inverno conseguiram acabar nas lojas de antiguidades na Europa e na América. 

 

Os Joalheiros

Os visitantes da exposição podem encontrar nomes conhecidos: empresas de joalharia como Bolin, Cartier, Lalique, Tiffany e Fabergé, o joalheiro oficial da corte.

Carl Fabergé foi de longe o joalheiro russo mais célebre. Os seus relógios, anéis, colares, pulseiras e ovos de Páscoa, executados em ouro e prata com esmalte e pedras maravilhosas, lembram as jóias do final do século XVIII. Mas ele tinha uma maneira de transcender, sem esforço, os estilos históricos e criar o seu próprio “estilo Fabergé”.

A casa Romanov tinha uma ligação pessoal às várias casas de joalharia, especialmente em França. Em meados do século XIX, a Cartier estava interessada em atrair mais encomendas fora da França. Este joalheiro adquiriu o seu primeiro cliente russo, o príncipe Nikolay Saltykov, em 1860. A fama de Cartier rapidamente aumentou na Rússia. A partir de 1899, os Romanov e outros russos importantes faziam parte da clientela regular da Cartier. A grã-duquesa Maria Pavlovna (a mais velha) comprou uma magnífica gargantilha composta por seis fieiras de pérolas naturais e adornada com duas águias imperiais cravejadas de diamantes. Em 1907, a Casa Cartier realizou a sua primeira apresentação na Rússia e Nicolau II nomeou a empresa de jóias como um fornecedor oficial da corte.

Muitos aristocratas russos tinham peças Art Nouveau nas suas colecções de jóias. O líder indiscutível do movimento Art Nouveau foi René Lalique. Embora as suas criações fossem bastante exuberantes para a época, elas eram admiradas não apenas pelos membros da elite artística, mas também pelos próprios Nicholas e Alexandra. Entre os objectos expostos na mostra, destaca-se o pendente de um "emaranhado de serpentes" feito de ouro, pérolas e esmalte. 

 

Exposição

O designer Carlo Wijnands criou um design espetacular da exposição inspirado no jogo cintilante de pedras preciosas de luz e cor e na monumental cidade de São Petersburgo. Os visitantes do Salão Principal são recebidos num mundo de sonhos. Uma “sala de baile” encantadora e colorida, cheia de jóias pessoais dos Romanov e aristocratas russos, cercada por trajes majestosos e vestidos de baile. Os visitantes podem apreciar de perto os retratos. Seguindo a grandiosidade desse salão, assim como fosse uma sala de baile do passado, podem conhecer melhor os tesouros íntimos, com as jóias mais luxuosas que o State Museum Hermitage tem a oferecer. Os visitantes seguem uma rota que passa por várias cenas, incluindo os “boudoirs”, os príncipes e princesas, casamentos, o mundo “dandi” e o erotismo. Jóias misteriosas e sofisticadas cheias de simbolismo estão presentes nesta mostra. Afinal, uma pequena jóia pode esconder segredos sobre casos de amor apaixonado e amor proibido. Esses segredos - e mais – estão revelados na exposição: Jóias! O Brilho da Corte Russa.

Theresa Bêco de Lobo

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

Vista Geral da Exposição. Cortesia Hermitage Museum de Amesterdão.

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon