Jóias do Tempo I Relógios da Colecção Proctor

Se há museus americanos sempre atentos às últimas novidades, o Museum of Art do Munson-Williams-Proctor Arts Institute, em Utica, Nova Iorque, é um deles, já que apresenta uma fascinante exposição dedicada aos relógios de bolso, que são verdadeiras peças de joalharia. Agora, vamos “entrar” nesta Instituição Artística, um espaço onde os que gostam de jóias, têm ao seu alcance a possibilidade de admirar as mais belas peças de relojoaria, que datam do início do século XVII aos inícios do século XX.

​Esta sedutora exposição, intitulada: “ Jóias do Tempo, Relógios da Colecção Proctor, “surpreende não apenas pelo esplendor do tema, mas pela alta qualidade das peças expostas. O Museu de Utica, é uma das instituições com uma das mais importantes colecções  de relógios dos Estados Unidos. O núcleo que apresentamos, com mais de 80 exemplares, estará patente ao público até 29 de Abril de 2018.

Destaque para o trabalho requintado e minucioso destas peças da autoria de vários joalheiros da Europa e da América.

 

Acerca deste evento, a curadora das artes decorativas do Museum of Art do Munson-Williams-Proctor Arts Institute, Anna Tobin D'Ambrosio, disse: "Esta colecção de relógios destaca uma história rica e diversificada, muitos deles com motivos delicados concebidos com os melhores metais e pedras preciosas. Essas peças também representam excelentes demonstrações da expressividade artística e do domínio de técnicas antigas. Ao mesmo tempo, esta exposição oferece uma oportunidade sem precedentes para ver esses objectos pessoais no contexto das várias mudanças sociais e tecnológicas que impressionaram o mundo durante este momento crucial da história moderna. "

O evento inclui relógios europeus habilidosamente ornamentados, que foram coleccionados pelos irmãos Thomas R. Proctor (1844-1920) e Frederick T. Proctor (1856-1929), dois dos fundadores do Museum of Art do Munson-Williams-Proctor Arts Institute, que adquiriram essa colecção extraordinária no final do século XIX e início século XX. Este espólio é composto por 300 peças europeias e americanas, que datam do início do século XVII até ao início do século XX, sendo de salientar que os referidos relógios estão, ainda, em óptimo estado de conservação.

A mostra fornece apenas uma visão geral de 400 anos destas máquinas do tempo. Muitos deles evoluíram como jóias e novidades na sua época.

 

Relógios

A exposição é dividida em categorias que revelam a delicadeza de cada peça. Muitas das imagens que os decoram foram produzidas na técnica “repousse” em prata e ouro, por exemplo, mostrando uma época das técnicas dos metais. Os relógios requintados, em esmalte, apresentam imagens em miniatura altamente detalhadas e naturezas mortas emolduradas com pérolas.

As pedras semi-preciosas também eram um elemento ornamental muito apreciado, como se podem admirar nos exemplos apresentados na exposição, que podiam variar de formas, como os relógios de insectos em esmalte e diamantes ou caixas de relógios com pedras incrustadas . A colecção também inclui relógios em estilo renascentista em cristal de rocha ou pedras semi-preciosas,  alguns que foram criados para o mercado turco e ainda outros que apresentavam formas invulgares.

A relojoaria começou no final do século XV e atingiu o seu auge estético e técnico no final do século XIX.

No século XVIII iniciou-se o uso dos vidros de protecção sobre os mostradores e ponteiros dos relógios portáteis, assim como a aplicação das miniaturas em esmalte, para a decoração das tampas das caixas.

Inicialmente, os relógios de bolso e/ou de peito eram usados ​​como jóias e serviram como símbolos de “status” para personalidades ricas e poderosas. Quando o cronograma pessoal se tornou mais significativo na vida diária, os relógios foram usados ​​por um segmento mais amplo da população na Europa e, eventualmente, no Oriente e nas Américas. A criação de relógios desenvolveu-se de uma forma artesanal até chegar a uma indústria competitiva, que logo atraiu os melhores artesãos, cientistas e artistas. A relojoaria exige numerosos artesãos com habilidades especializadas. O sucesso no mercado foi devido, em grande parte, à sinergia entre os fabricantes de relógios e os decoradores. À medida que os horários eram ajustados, o cronograma ia melhorando com avanços técnicos e a caixa do relógio ia mudando para acomodar os movimentos artísticos inovadores. Eventualmente, novas formas proporcionaram espaço livre para criar uma variedade mais ampla de possibilidades ornamentais, que seguiram as tendências predominantes nas artes decorativas no sector da joalharia.

 

Os Coleccionadores

O Museum of Art do Munson-Williams-Proctor Arts Institute, em Utica, Nova Iorque, foi fundado em 1919 e continua o seu conceito relacionado nas tradições da arte e da cultura. Esta Instituição de Arte apresenta uma notável colecção permanente, exposições temporárias fascinantes e programas de educação para todas as idades num edifício contemporâneo com galerias de grandes dimensões, projectado pelo célebre arquitecto Philip Johnson e ainda a Fountain Elms, uma mansão em estilo vitoriano.

A Escola de Arte oferece um programa universitário acreditado e em associação com Pratt Institute e, estudos, em educação artística para adultos, adolescentes e crianças.

Os programas têm evoluído a partir da paixão e das intenções dos fundadores,  atraindo mais de 175 mil interessados por ano.

O Instituto foi criado por Alfred Munson (1793-1854), que se tinha mudado de Connecticut para Utica, Nova Iorque, em 1823. Adquiriu a sua fortuna, através de interesses industriais no Nordeste, incluindo a lapidação de pedras preciosas, fabricação de têxteis, minas de carvão, desenvolvimento de canais e transporte ferroviário e a vapor. Ele e sua mulher, Elizabeth, tiveram dois filhos, Helen (1824-1894) e Samuel (1826-1881).

Em 1846, Helen casou-se com o advogado James Watson Williams (1810-1873) de Utica, Nova Iorque, que logo se envolveu nos assuntos comerciais do seu sogro.

Helen Elizabeth Munson Williams (1824-1894), nasceu em Utica, Nova Iorque e ficou conhecida pelo seu trabalho filantrópico no centro de Nova Iorque, já que foi uma grande coleccionadora de obras de arte plásticas e decorativas do século XIX e ainda uma investidora perspicaz e astuta que conseguiu aumentar a sua herança várias vezes. Helen foi adquirindo mobiliário antigo e conseguiu reunir inúmeras peças à colecção de arte da família.

Helen e James tiveram três filhas: Grace (1847-1854); Rachel (1850-1915); e Maria (1853-1935). Em 1891, Maria casou-se com Thomas R. Proctor (1844-1920), o proprietário de um hotel regional e veterano da Marinha dos Estados Unidos. Rachel casou-se com Frederick Proctor (1856-1929), o meio-irmão mais novo de Thomas, que participou em vários empreendimentos de investimento e pertenceu a várias organizações comunitárias de Utica, Nova Ioque. A mansão de Williams, conhecida, como "Fountain Elms" na década de 1870, foi a residência do casal durante 21 anos, até a morte de Rachel em 1915. Nenhum dos casais de Williams-Proctor tinha filhos.

Rachel e Maria Williams herdaram as colecções de obras de artes plásticas e de artes decorativas reunidas pela sua mãe, ​​cuja tendência de coleccionar eram semelhantes às dos seus antepassados. Com a mesma intenção de reunir peças antigas, Frederick e Thomas Proctor coleccionaram relógios e outros objectos.

Após a morte de Rachel em 1915, os três familiares restantes - irmã Maria, marido Frederick e cunhado Thomas – organizaram um espaço cultural comunitário. Em 1919, o instituto de arte foi transformado, como "um centro artístico, musical e social".

Thomas Proctor morreu em 1920, Frederick em 1929. Em maio de 1936, alguns meses após a morte de Maria, o Instituto Munson-Williams-Proctor abriu ao público.

 

Fountain Elms

A Fountain Elms foi mantida como Casa Museu, exibindo pinturas, gravuras e mobiliário decorativo dos Proctors como o núcleo de uma colecção permanente.

Em Junho de 1941, o instituto de arte obteve autorização para poder "ministrar o ensino superior ao nível da Universidade no campo das artes plásticas com autoridade para conferir o grau de bacharel em artes ". Esta autorização foi importante para a Escola de Arte, durante mais de cinco décadas. A Instituição de Arte desenvolveu-se e continua a oferecer cursos de dança e arte para todas as idades.

No período do pós-guerra, o Museu de Arte continuou activamente a aumentar a sua colecção e, à medida que o espólio do Museu se expandiu, surgiu a necessidade de criar mais espaço de exibição. Com essa preocupação, o conhecido arquitecto Philip Johnson foi seleccionado pelos curadores do Museum of Art do Munson-Williams-Proctor Arts Institute para projectar o novo museu de arte, que abriu no Outono de 1960. Com a construção do edifício, o arquitecto Johnson, foi de novo seleccionado para renovar e restaurar a Fountain Elms como uma Casa Museu Vitoriana. Em 1995, foi construída uma ala educacional para unir os dois edifícios.

Os relógios dos Proctors foram reunidos por cada irmão, individualmente, mas foram dados como uma única colecção para o museu em 1935. Estes dois irmãos foram dos mais importantes coleccionadores privados de relógios. 

Ao viajarem por toda a Europa e Estados Unidos, procuravam nos leilões e nos revendedores as melhores peças a preços razoáveis. Os Proctors adquiriram relógios excelentes para criarem uma colecção esteticamente agradável que também atravessasse a história da relojoaria. “Jóias do Tempo” oferece uma visão geral de 400 anos da história dos relógios, em simultâneo com a evolução  de jóias e peças decorativas para mecanismos de precisão.

A colecção de relógios permaneceu em exposição permanente no museu de Utica até 1958. A partir dessa data iniciaram-se as obras de restauro de “Fountain Elms” e a construção do edifício do museu contemporâneo. Durante essa época, a coleçcão foi cedida por bastante tempo ao Smithsonian Institution, Washington, D.C. Os relógios retornaram ao museu de Utica só em 1988. "Jóias do Tempo" é a primeira grande exposição da colecção.

 

Exposição

A mostra está dividida em várias secções que exibem a beleza de cada peça, destacando-se principalmente os vários relógios com técnicas de esmalte e repoussé apresentando vários desenhos sobre prata e ouro.

Os relógios, por exemplo, ilustram o auge das técnicas de fabricação de metais de cada época.

Os primeiros relógios utilizados foram os relógios de bolso. Eram muito raros e eram tidos como verdadeiras jóias, pois poucas pessoas os podiam adquirir. Os relógios de bolso eram símbolo da alta aristocracia.

A exposição destaca o trabalho notável dos vários joalheiros, cada um deles estava ligado a um objectivo comum: proporcionar as mais luxuosas criações artísticas para a sua clientela. Privilegiando a estética, o arrojo e a criatividade, cada um soube encontrar o caminho mais de acordo com as suas convicções. Estes artistas conseguiram associar-se às novas tecnologias e ao “design”. Afinal, é mais ou menos isto: os relógios marcam as horas e os dias as nossas vidas.

 

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon