Folhos I Na Dança da Moda

3. GiambattistaValli_084
4. GiambattistaValli_057
1. GiambattistaValli_039
2. Delpozo_004
5. GiambattistaValli_077
6, Alexis_Mabille_1555120
9. Delpozo_096
7. Alexis_Mabille_1555119
8. Ralph_Russo_1556206
10. Valentino_159
11. AlexanderMcQueen_063
12. Alexis_Mabille_1555124
13. Givenchy_1555912
14. Ralph_Russo_1556155

A moda dos folhos, tão saudosista para a geração dos Anos 50 que ainda suspira por eles, está mais uma vez, na crista da onda.

Com esta moda vem uma certa melodia de rumba, passos de chá-chá-chá, volteios da América Latina que Cristovão Colombo “ofereceu” a Espanha, em especial, à Andaluzia.

A moda dos folhos que é normal, classificar-se de neo-romântica, já que muito devem à Imperatriz Eugénia de Guzmán y Montijo, também ela andaluza.

Os folhos, com o movimento e a alma da Feira de Sevilha, fundada no séc. XIX, por um grande senhor da andaluzia com o objectivo de vender o excesso de gado que possuía nas suas terras, continua com o mesmo empenhamento no primor do recinto ferial, conseguindo, ano após ano, atrair mais turistas de gabarito internacional, principalmente de famílias de “ganaderos”.  

A rapaziada de chinelos nos pés, que invade Lisboa, não tem muito lugar naquela feira, com tanto garbo, que quem se atreve a lá ir sem a devida compostura, sente-se ostracizado.

Os mestres da moda dizem que ao criarem colecções com folhos, estão a homenagear os homens do passado “vestindo” as mulheres do futuro…

O leitor que entenda esta moda como muito bem entender, mas os folhos na sua “sedução picante”, além da sua carga nostálgica têm uma boa dose de folk e, paralelamente, a provocante vantagem de evidenciar as formas femininas.

Em resumo, a ressurreição de uma moda que privilegia a imagem com o “salero” que as mulheres nunca devem perder.

 

Carmen Pérez de Guzmán