Deslumbrantes Faianças do Rato       

Há precisamente 250 anos que a célebre Fábrica do Rato, foi fundada em Lisboa - uma referência na história da faiança portuguesa. O período do seu funcionamento,(1767 a 1836), marcou, com efeito, a renovação do sector, através do fabrico de peças de qualidade – influenciadas pela ourivesaria francesa e pela porcelana da Companhia das Índias.

Na sua primeira e melhor fase, a fábrica, dirigida pelo italiano Tomás Brunetto, produziu, maioritariamente, bustos, estatuetas, potes, terrinas e aquários pintados com motivos naturalistas, em tons de branco, verde, amarelo e azul. A sua aceitação foi, porém, diminuta. A nobreza preferia as porcelanas provenientes da China, Inglaterra e França, e a burguesia considerava a produção nacional algo bizarra e fora de moda.

 

Ao desbarato

 

É antiga a tradição de menosprezarmos o que é nosso, sem nos darmos conta da injustiça que, por vezes, cometemos. O exemplo da Real Fábrica do Rato representa uma das maiores desatenções cometidas no campo das artes decorativas – área onde se tornaram assíduas e, por vezes, dramáticas.

As encomendas efectuadas à fábrica, sempre diminutas, destinavam-se mais a agradar ao Marquês de Pombal do que ao gosto vigente. Deve-se, aliás, àquele  governante o apoio financeiro que permitiu assegurar a sobrevivência da manufactura, apesar dos prejuízos se acumularem, de os armazéns se encherem, de as vendas serem diminutas, e das críticas se tornarem demolidoras.

A escolha de Sebastião de Almeida, em 1771, para mestre da manufactura, marcará o início de um rumo diferente. É lançada a produção, em quantidade, de objectos de grande consumo, como serviços de mesa e azulejos – então muito utilizados nos palácios, igrejas e prédios da cidade. Nos primeiros predominavam os temas naturalistas, nos segundos os temas figurativos.

O seu cromatismo mantem-se expressivo, com predomínio do azul, de que os painéis existentes no Paço Real de Caxias, no Palácio Pombal de Oeiras, e na Quinta dos Azulejos, em Lisboa, bem como no Solar dos Condes da Anadia, em Mangualde, são exemplares relevantes.

 

Domínio comercial

 

As dificuldades voltaram, no entanto, a agravar-se. As faianças perderam, como consequência, qualidade. A fábrica procurou, sobretudo, satisfazer o gosto popular.

O êxito comercial domina e, durante algum tempo, compensa – embora perverta a identidade cultural da manufactura.

Joaquim Milagres, nome destacado da cerâmica, tenta entre 1811 a 1817 inverter a situação e investir em peças que retomem a exigência inicial do projecto. De imediato, os prejuízos disparam e, com eles, a falência. 

Segue-se um longo período de esquecimento, apenas quebrada pelos estudos de José Queiroz em 1907, de Arthur de Sandão décadas mais tarde e, recentemente, de José Meco. Este historiador considera a faiança do Rato como a “mais brilhante realizada em Portugal desde o século XVI à actualidade”, tendo-lhe dedicado uma exposição no Museu da Cidade de Lisboa, em 1983.

Anteriormente, na mostra de Cerâmica Olissiponense, promovida pela Câmara Municipal de Lisboa em 1936, o investigador Dom José Pessanha fez um esforço para revelar conjuntos inéditos de trabalhos realizado por artífices do Rato.

 

Fábrica do Ratinho

 

Um dos principais documentos para o estudo do sector, “A Cerâmica em Portugal”, vai ser reeditado. O livro, em terceira edição, é da autoria de José Queiroz, revelando-se o “trabalho mais completo e vasto dos que até hoje foram elaborados”, segundo afirmam José Manuel Garcia e Rocha Pinto. Nele se apresenta, com efeito, toda a evolução da olaria nacional, dos séculos XV ao século XIX, reproduzindo-se 300 peças de grande valor histórico.

Na actualidade, os museus de Arte Antiga, do Azulejo, da Cidade, em Lisboa; de Cerâmica, nas Caldas da Rainha; o Paço Ducal, em Vila Viçosa; e o museu da Fundação Maria Isabel Guerra Junqueiro, no Porto, preservam os conjuntos do Rato de maior raridade.

As colecções de António Capucho, Maldonado de Freitas e António Espírito, dispersas em leilões nos últimos anos, tinham igualmente exemplares de enorme valor.

Apaixonadas pelas manufacturas do Rato, a duquesa de Palmela e a condessa de Ficalho criaram nos finais de 1800 a fábrica do Ratinho, localizada num pavilhão do Palácio Palmela, em Lisboa.

Apesar da qualidade atingida, a sua duração seria fugaz.

O mercado de arte português “redescobriu” as peças sobreviventes e valorizou-as de maneira ímpar. Um par de bancos de jardim, da colecção Palmela, atingiu 10 mil euros; um conjunto de quatro bustos representando as quatro estações chegou aos 40 mil euros; um par de cabos para colheres foi arrematado por 3 mil euros; uma tampa de selha foi vendida por 5 mil euros; um cesto de fruta subiu aos 5 mil euros; uma terrina foi transaccionada por 27.500 euros.

As presentes comemorações dos 250 anos da Fábrica do Rato são compostas por uma série de conferências no Museu da Cidade, em Lisboa, e no final do ano por uma grande exposição.

Veremos se com estes eventos a Fábrica de Faianças do Rato ganha um estatuto digno de relevo.

 

António Brás

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon