Dolce&Gabbana I Tropicalismo

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

Dolce&Gabbana

A dupla Dolce & Gabanna tem, desde qu se apresentou em Milão numa garagem de Bate-chapas, for a de todas as expectativas dos jornalistas de moda que foram convidados, chegou, viu e venceu.

O incómodo dos bancos de madeira corrida, a falta de uma almofada que oferecesse algum, conforto, ficou esquecida mal o desfile teve início. Cada modelo era mais surpreendente que o anterior e a autora deste texto que tinha ido acompanhada da embaixatriz Evy Pini, irmã da Madame Vignol, da Samco, uma casa de peles que ficou a fazer falta, trocava olhares de cumplicidade com a então nossa correspondente em Itália. Aqueles dois jovens tinham um poder de criatividade que nos deixavam com a respiração suspensa. No final, os aplausos ecoaram em grande por aquele espaço fora de tudo o que se  podia esperar para um desfile de moda.

Depois, eles bem se encarregaram de ir oferecendo aos seus convidados: imprensa e clientes – as melhores condições possíveis.

Na temporada que agora vivemos, a dupla mandou-nos para os tropicos através dos estampados dos tecidos usados nos seus modelos. Vamos para as Bahamas? Vamos para as praias da República Dominicana, mesmo com a falta do nosso Óscar de la Renta? Está difícil. Esta maldita pandemia que os malfadados chineses não tiveram pejo em espalhar pelo mundo, limitou as férias de muito boa gente e não há pedido de desculpas, nem nenhum dinheiro suficiente para indemnizar os danos causados, as perdas de muitas vidas inocentes. Em suma, um horror!

Estou a escrever sobre a moda proposta pela dulpla italiana que mais aprecio e não sei se eles venderam sequer os seus modelos ou se alguem que os comprou poderá usá-los e gozar as muito merecidas férias.

Que Deus nos ajude e que todos os santos nos protejam.

Esta infernização da nossa vida não pode ser paga com dinheiro nenhum, nem mesmo com barras de ouro no momento em que 1 grama de ouro está a atingir 53 euros. Até parece inacreditável.

Neste momento pensar em férias nas Caraíbas é sonhar acordada. Deixem-me sonhar. As minhas férias serão repartidas e gozadas no Algarve. E, mesmo assim, haja saúde! Porque nos dias que correm todos os cuidados são poucos. Eu, ando sempre com uma máscara cirurgica e com o álcool atrás, pronta a desinfectar as mãos, aconselhando vivamente os meus leitores a fazerem o mesmo. 

Bom Verão 2020 com as propostas de Dolce & Gabanna.

 

Marionela Gusmão

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon