Cartaz MNAA.jpg

Bodhisattva Maitreya em meditação Japão ou Coreia, segundo modelos dos séculos vii e viii MNAA

press to zoom

Retábulo de Santa Auta Proposta de reconstituição conjetural

press to zoom

Cálice Veneza, 1675-1700 MNAA

press to zoom

Gortzius Geldorp ( 1553-1618), Retrato de Homem, 1597, óleo sobre madeira de carvalho MNAA, inv. 1491 Pint Gortzius Geldorp ( 1553-1618), Retrato de Homem (radiografia)

press to zoom

Conta de rezar, Paises Baixos do Norte; Oficina de Adam Dircksz, c.1500-1530, madeira de buxo MNAA

press to zoom

Salva Titus Países Baixos c. 1587-1589 M.N.A.A.

press to zoom

Saleiro afro-português Benim – 1500-1525 Colecção do M.N.A.A.

press to zoom

Cyrilo Volkmar Machado (1748-1823), Dafnétransformada em loureiro (pormenor), Metamorfoses, Olvídio, Livro I, Fábula XII, 1786, pena a tinta da China MNAA

press to zoom

Autor desconhecido, Retrato dito “de Afonso de Albuquerque”, Índia, Goa, século XVI (com adições do século XX), Ólei sobre madeira. MNAA

press to zoom

O principal museu nacional abriu uma exposição dedicada a si próprio, convidando o visitante à sua descoberta – e divulgação.

Uma centena de peças, exactamente 117, a maioria proveniente da exposição de longa duração, permite fazer-nos uma reflexão sobre  a missão das  unidades museológias.

 “Esta mostra é uma grande aventura”, afirmou António Filipe Pimentel, destacando a “complexidade da sua montagem, com uma componente tecnológica invulgar. Isso permitirá aos visitantes acessos a informações em vídeo, e à sacristia da Capela das Albertas, hoje integrada no MNAA”.

O director cessante realizou desde 2010 um trabalho de grande dinamismo no museu, colocando-o a par dos seus congéneres europeus e norte americanos. Ao mesmo tempo, uma excelente política de incorporações permitiu enriquecer o seu acervo com pinturas de Sequeira, Vieira Portuense, Fernão Lopes, Bento Coelho da Silva, Duprá, bem como esculturas da Renascença e do Barroco português, com destaque para uma rara escrivaninha assinada por Tenuta e para um conjunto de jóias produzidas na Índia. Os legados e doações de artes decorativas conheceram, aliás, e por seu intermédio, um notável crescimento.

A presente exposição, denominada “Museu das Descobertas”, que engloba pinturas, esculturas, têxteis, mobiliário, joalharia, vidros, marfins, faz uma reflexão sobre o próprio museu e a sua função de exibir, de preservar, de estudar, de comunicar, de restaurar e de salvaguardar o património acumulado.

A Mostra inicia-se com a escultura “Bodhisattiva Maitreya, em meditação”, proveniente da Coreia, ou do Japão, criada no século VII., proveniente do legado Calouste Gulbenkian. A peça, apresentada numa sala escura, convida o visitante à contemplação silenciosa e intimista, o que, num tempo em que os museus se transformaram em armazéns de números e selfies, é de destacar

 

Na sala seguinte, em tons de branco, é-se confrontado com a equipa da instituição, desde as funcionárias de limpeza aos conservadores, restauradores e directores, em vídeo, para que não esqueçamos que os “museus são feitos por pessoas e para as pessoas”, segundo o comissário Anísio Franco.

Nos espaços seguintes encontram-se algumas obras relacionadas com os Descobrimentos, podendo ainda observarem-se o “Retábulo de Santa Ana”, numa proposta de reconstituição, e um vídeo com imagens de um cálice veneziano do século XVIII que esteve estilhaçado em mais de 250 fragmentos,

Contas de rezar e uma salva dos Países Baixos dos séculos XVI, um saleiro do Benim, uma pintura que retrata o “Martírio de Santa Catarina”, retratos de dois vice-reis da Índia, da mesma época, são igualmente obras marcantes.

A meio da exposição surge algo surpreendente: o público pode observar a sacristia da Capela das Albertas nunca antes vista. Trata-se de um diminuto espaço revestido a azulejaria e a pintura mural, de exemplar significativo barroco.

Podemos ainda observar obras redescobertas da instituição, entre s quais destacamos o retrato de “Maria de Medicis”, obra da escola italiana datada de 1593. O quadro foi alvo de extenso estudo, retratando afinal a  Condessa de Ferrara.

Outra peça objecto de uma extensa investigação foi a Custódia da Bemposta, a atribuição a Ludovice era mera tradição de 1800, o seu autor foi o ourives francês Poilet.

A limpeza da “Adoração dos Pastores”, tela de Domingos Sequeira, adquirida através de uma recolha de fundos em 2016, permitiu redescobrir as fascinantes cores e pormenores. O quadro estava amarelecido por oxidação de vernizes colocados nos séculos XIX e XX.

António Filipe Pimentel sintetiza que a exposição fala da descoberta do museu enquanto instituição e da descoberta de nós mesmos, porque quando contemplamos um museu também aprendemos algo sobre nós".

 

António Brás

MNAA I Descobrir o Museu de Arte Antiga