COR-DE-ROSA I Cor de amor e de amar

Balmain

Ermanno Scervino

Gucci

Custo

Carolina Herrera

Carolina Herrera

Balmain

Balmain

Armani Prive

10. CarolinaHerrera_024

Carolina Herrera

Carolina Herrera

Chanel

Chanel

Oscar De La Renta

Oscar De La Renta

Zuhair Murad

Dolce Gabbana

15940992_10206673804598450_2273368361952404681_n
images
Linda-Rosa-Rosa
images-2
mala_viagem_maternidade_rosa_coracao_classic_for_baby_bags_3669_1_20151211094152
Unknown
1209e6c7857d8ed209555e95b3849ead
sothebys
Rosas
12717569_10204608910977400_1024909717786850585_n

Talvez a tradição venha dos mais longínquos e remotos alvores da Humanidade, de quando os primeiros habitantes humanos do planeta Terra se confrontaram com os mistérios e o inexplicável.

Talvez uma tribo primitiva tenha estacado diante do fulgor de uma aurora matinal ou rendido homenagem a um pôr de Sol quase fantasmagórico como aqueles que se vivem em Agosto nas praias algarvias.

De onde virá a crença de que o pôr-do-Sol é a cor do sonho? Suave magia cromática a desprender-se em luz que apazigua os espíritos e nos torna brandos, mesmo quando a exaltação nos move…

Os fenómenos são um vislumbre do obscuro, dizia Anaxágoras, o filósofo grego. Não há equívocos quanto à fenomenologia do cor-de-rosa, cor de envolvimento, simbolicamente feminina, cor de aura pacificadora. Cor de grandeza com o que céu se enfeita em momentos mágicos. Cor de mar, no nácar fenomenológico de certas conchas ou de fascinantes corais. Cor de flores magníficas e de certas rosadas, talvez mais aptas a enamoramentos.

Cor de amor. Cor de envolvência. Mistério antigo. Cor-de-rosa, cor de paz.

Um símbolo que salta para a moda, talvez na busca de um mundo melhor, onde imperem os sonhos e triunfe o que de melhor exista na nossa capacidade de sentir.

Marionela Gusmão