Os Entremeios na colecção de Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Alberta Ferretti

Um dia a minha avó pegou na minha mão olhou-me com um olhar especialmente doce e cúmplice e perguntou se eu queria ver coisas bonitas. Saltei de imediato da cadeirinha onde me sentara com a boneca Clotilde ao colo e nem hesitei. Quando a minha avó me fazia estes convites eu sabia que isso significava a entrada no mundo mágico da grande arca. A grande arca era um lugar onde nós as duas viajávamos no tempo e onde eu descobria de que cores se vestia o passado e o quanto podiam ser belas as coisas simples da vida. Ali eu percebia que as lendas e os contos de fadas eram reais porque só as princesas poderiam usar a roupa que a minha avó ali guardava. Eram peças do tempo do seu enxoval e até do da mãe dela, minha bisavó portanto. Enxoval era uma palavra que aprendera a amar. Tinha cheiro de alfazema e cores imaculadamente brancas, tecidos acetinados, de cambraia, de linho e de algodão. E depois havia as rendas e bordados. “Isto que aqui vês são entremeios....”

Foi assim que algumas das palavras e expressões que não ouvia senão pela voz da minha avó, entraram na minha vida e nos meus sonhos de criança. Passear os dedos pelas rendas que se costuravam na roupa e que eram uma espécie de adorno trazia-me um conforto cálido e por vezes adormecia entre lençóis, tolhas, camisas de dormir, cueiros que haviam vestidos bebés que já nem existiam...E eu achava que aqueles bordados e rendas adornavam as roupas como as jóias nos dedos femininos.

 

Hoje os entremeios regressaram à ribalta e já não se escondem nem se esquecem no fundo das arcas, nem na intimidade exclusiva das peças de roupa de casa ou vestuário interior. A extraordinária beleza das rendas aliada às suas infinitas possibilidades de aplicação e desenho, fizeram dos entremeios protagonistas no momento sublime de criação de Alberta Ferretti. Na sua nova colecção reconhecemos as possibilidades poéticas das rendas e bordados que entram num jogo delicado com os tecidos fluidos. As silhuetas surgem elegantemente alongadas num conjunto de criações que são um tributo à feminilidade e ao romantismo.

No estilo Ferretti não está em causa uma recriação de beleza antiga. A sua visão é delicada, luxuosa sem o peso de uma ostentação excessiva e é conhecida pelas suas criações doces e vaporosas onde as transparências se fundem em diálogo delicioso com os detalhes numa dança que nos faz lembrar a das ramagens no Outono. Tecidos acetinados deslizando pelo corpo em sintonia com o movimento feminino, leve, suave, quase bailado e acompanhado pelos entremeios de renda que nascem numa perfeita conjugação narrativa, fazem da colecção uma auréola de romantismo que identificamos facilmente principalmente nos vestidos esvoaçantes de subtil plissado e fluidez sedutora. A colecção de Alberta Ferretti é um tributo ao universo feminino, ao património de memórias, à infinitude de possibilidades, à liberdade de sermos hoje protagonistas de um conto mágico.

 

Ana Paula Timóteo

 

 

Alberta Ferretti

Apontamento Biográfico

 

Alberta Ferretti nasceu, em 1950, em Cattolica, na província italiana de Rimini, a zona onde Santo António pregou aos peixes porque os homens não o escutavam.

Que melhor ano que 1950? Vivia-se o início da era da formica, da reconstrução da Itália onde os compatriotas da recém-nascida Alberta, realizaram os seus próprios milagres. A Itália foi um dos países europeus muito sacrificado na 2ª. Guerra Mundial mas soube participar no triunfo do “design” sob valores estéticos, impondo-os mesmo a nível industrial.

Enquanto Alberta Ferretti dava os primeiros passos, aprendia as primeiras letras, a moda italiana ia-se afirmando com designações apelativas como as linhas “ânfora” e as letras do alfabeto H e A, assim como as linhas trapézio e fuso.

Alberta Ferretti tinha 15 anos quando nasceu a mini-saia que permaneceu no topo da moda até 1968, data em que a jovem italiana abriu, em Cattolica, a sua primeira boutique à qual deu o nome de Jolly no tempo em que a rebeldia dos Beatles deu lugar aos blusões de cabedal preto e aos blue-jeans, modas que permanecem, mas que o romantismo de Alberta Ferretti rege por outros valores que a tornaram admirada das melhores actrizes norte-americanas tais como Uma Thurman, Julia Roberts, Nicole Kidman, Scarlett Johsnsson, Meryl Streep, entre outras personalidades, tais como Diane Kruger e Charlote Casiraghi.

Alberta Ferretti é uma mulher de pequena estatura em oposição à sua grandeza criativa que já a levou a conceber uma segunda linha que dirige às camadas mais jovens, a qual completa o mercado, sob a etiqueta Philosophy.

De salientar que a linha Alberta Ferretti só foi lançada em 1974.

Em 1981, fez a sua estreia na passarela da Semana da Moda de Milão e a directora da Moda & Moda assistiu, já que ao tempo era enviada da TV Guia e estava nos lugares cimeiros destinados à imprensa, por integrar o Júri do Occhio d´Oro.

 

A.P.T.

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon