René-Jacques I A Elegância das Formas

1.

O Homem da Noite, Imagem do Filme “Remorques “de Jean Grémillon,1939. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

2.

Casal na Praia Royan, 1932. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

3.

Boxe, Projecto de ilustração para"Les Olympiques" de Montherlant, 1948 . René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

4.

Feira do Trono, Paris, 1937 René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

5.

Ponte da Tournelle, Paris, 1948. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

6.

Publicidade para o Leite Maggi, 1960. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

7.

Michèle Morgan et Jean Gabin no set do filme du filme “Remorques” de Jean Grémillon, Brest, 1939. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

8.

A Mão e os Dedos, 1928. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

9.

Pneus das Fábricas da Renault, Boulogne-Billancourt, 1951. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

10.

“Rue de Varenne-Boulevard des Invalides, Paris”, 1942. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

11.

. O Homem que Salta, anos, 1930. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

12.

Cinema em Pigalle, Paris, 1953. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

13.

Da cúpula do l'Institut de France, Paris, 1951. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

14.

Circo Médrano, Paris, 1946. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

15.

Place de l'Europe, Paris, Inverno 1945. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

16.

“Tréfilerie Thomson, Nord”, 1955. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

17.

Fábrica da Renault, Boulogne-Billancourt, 1951. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

18.

“Nord-Pas-de-Calais”, 1955. René-Jacques (1908-2003). Créditos da fotografia: © ministère de la Culture / Médiathèque de l’architecture et du patrimoine / Donation René-Jacques. Colecção Ministère de la Culture / Médiathèque de l’Architecture et du Patrimoine / Donation René-Jacques. Cortesia Jeu de Paume – Château de Tours.

Para homenagear a carreira de René-Jacques, (1908-2003) um dos grandes fotógrafos franceses, o Jeu de Paume, Château de Tours, apresenta uma retrospectiva surpreendente das suas obras até 24 de Maio de 2020. São mais de 120 fotografias que documentam todas as fases da vida deste extraordinário artista.

O seu trabalho estava consoante a sua vida e os seus sentimentos: desde o início até ao florescimento do seu talento.

Um dos principais actores da cena artística parisiense durante o período entre guerras, René-Jacques, cuja carreira se estendeu por mais de setenta anos, é agora reconhecido como um dos fotógrafos franceses mais importantes do século XX. 

A mostra exibe uma selecção de impressões originais, algumas das quais são expostas pela primeira vez, que retratam os temas emblemáticos da obra deste artista.

Uma figura proeminente na fotografia francesa do pós-guerra, René-Jacques iniciou a sua carreira nos Anos 30. Muito rapidamente, abraçou várias especialidades da fotografia, tornando-se repórter do jornal L'Intransigeant, ilustrador das edições Grasset, fotógrafo industrial da Renault e topógrafo de rua numa Paris vazia, seguindo os passos de Carco e de Léon-Paul Fargue.

Ciente da dificuldade dos fotógrafos em afirmar os seus direitos e reconhecer a sua arte, René-Jacques, como François Kollar, ou Jean Dieuzaide, participou nos diferentes grupos que animavam a fotografia francesa: “Le Rectangle”, sob a direcção de Emmanuel Sougez; o “Groupe des XV”, de 1946, onde encontrou Daniel Masclet, Willy Ronis, Robert Doisneau e o seu amigo Marcel Bovis. Defendendo as suas imagens e os seus pontos de vista, participou nas inúmeras exposições que esses grupos organizaram. 

Presidente dos fotógrafos no conselho de administração da Spadem (Société de la propriété artistique des dessins et modèles) de 1946, também assumiu a liderança da união da fotografia publicitária em 1961 e representou os fotógrafos na “Commission nationale des sites”.

Nas fotografias de René-Jacques, nada é trivial: cada imagem foi pensada e encontra a sua fonte nas suas experiências anteriores e apresentam um jogo de sombras e reflexões sobre os materiais, que ele gostava de utilizar nas suas naturezas-mortas industriais, as quais seguem da mesma forma a sua pesquisa inicial e a sua experiência de iluminação nos cenários de filmes.

 René-Jacques, considerado um profissional exigente, atendia sempre as solicitações dos seus patrocinadores, o qual significava oferecer, além de uma imagem tecnicamente perfeita, uma alma adicional e uma visão renovada da paisagem, de um monumento ou de um objecto industrial.

Em 1991, René-Jacques ciente da riqueza do seu trabalho fotográfico, doou a sua obra ao Estado e actualmente esta colecção faz parte do espólio da “Médiathèque de l’architecture et du patrimoine” (MAP). A doação de René-Jacques reúne cerca de 20.000 impressões, assim como um arquivo composto pelas suas publicações, correspondência profissional e placas de impressões.

 

PRIMEIRAS IMAGENS (1927-1935)

René-Jacques nasceu em 1908 no Camboja, onde o seu pai era administrador colonial. Em 1917, os seus pais mudaram-se para Royan (Charente-Maritime), em França. Continuando os seus estudos no Lycée Buffon, em Paris, o pai de René-Jacques emprestou-lhe a sua primeira máquina fotográfica e o filho logo começou a descobrir as possibilidades da fotografia.

Embora tenha manifestado, que não se influenciou por nenhuma revista especializada da época, as suas primeiras imagens estavam intimamente ligadas à vanguarda fotográfica da década de 1920 e descrevem as directrizes para a sua futura carreira. Sensível para a estranheza que as sombras podem criar, recusou qualquer artifício e não praticou a solarização.

René-Jacques em 1931, adquiriu uma Leica e publicou as suas primeiras imagens. No ano seguinte começou a trabalhar para o jornal L'Intransigeant e a fotografar Paris. Foi nessa época que começou a assinar as suas imagens com o pseudônimo de René-Jacques.

Fotógrafo "polígrafo", nas palavras de Willy Ronis, um dos seus contemporâneos, René-Jacques trabalhou para revistas e editoras e tornou-se fotógrafo dos filmes de Pierre Weil e, também criou imagens para anúncios.

 

O MAR

Na adolescência, em Royan, René-Jacques manteve um fascínio pelo mar. As suas primeiras imagens, eram dedicadas aos banhistas, à areia das praias e à luz do Sol reflectida nas ondas.

Em 1939, o director Jean Grémillon convidou-o como fotógrafo nas filmagens da película: “Remorques”. O filme apresenta a história de amor entre um piloto de reboque (Jean Gabin) e a mulher do capitão de um navio de carga naufragado (Michèle Morgan). René-Jacques exigiu total liberdade na sua escolha do enquadramento e dos temas. Grémillon acedeu aos seus pedidos e o fotógrafo foi para Brest filmar, onde, em três semanas produziu quase 250 fotografias fora do quadro definido pelo operador principal. Os retratos das duas estrelas entravam num segundo plano, o que irritou Jean Gabin: em vez de ser excluído, René-Jacques preferiu renunciar ao cargo.

Em 1946, ilustrou o texto de Edouard Peisson, “La mer est un pays secret”, com 65 fotografias, publicado pelas edições Grasset. Esta é uma compilação de imagens tiradas na década de 1930, principalmente nas filmagens do filme “Remorques” em 1939.

 

ILUSTRAÇÂO DE PARIS

Embora tenha abandonado toda a ambição literária no início dos anos 30, depois de ter publicado um poema no seu jornal, escreveu um romance durante o serviço militar, René-Jacques decidiu fazer da fotografia os seus meios de expressão. Ele quis "Ilustrar livros de escritores". Desde 1931, René Jacques percorreu as ruas de Paris e, assim, construiu um reportório de imagens.

Depois de realizar um projecto inacabado para Léon-Paul Fargue, em 1934, três anos depois, Francis Carco encomendou-lhe a ilustração do texto, “Feitiçaria de Paris”. O fotógrafo ofereceu a Francis Carco uma selecção de duzentas impressões, onde se podia observar as luzes da cidade e a atmosfera dos bairros operários. As imagens não se encaixavam na descrição da cidade de Carco e para René-Jacques, a ilustração de um texto não era a sua transcrição literal. Favorecendo o uso da Leica, destacou o negativo para melhor traduzir a atmosfera nocturna ou o ambiente das ruas com neve. O fotógrafo manteve uma certa distância com o povo de Paris dos distritos da classe trabalhadora, usando, como Brassaï ou Kertész a envolvência da cidade sem entrar na intimidade dos sujeitos fotografados. No entanto, Carco felicitou o jovem fotógrafo, apoiou-o na sua escolha da ilustração e o livro foi publicado pela Edições Grasset em 1938. Para René-Jacques, foi a confirmação de que ele era agora um fotógrafo profissional.

GESTÃO RENAULT

René-Jacques foi um fotógrafo-empreendedor e não pode escapar ao trabalho da fotografia industrial, que foi uma das principais saídas da profissão após a guerra. Em 1951, foi-lhe confiado, juntamente com outros 13 colegas, incluindo Robert Doisneau, Willy Ronis e Jean-Pierre Sudre, uma importante encomenda fotográfica da Renault. Todos escolhidos pela sua reputação, os fotógrafos tinham uma total liberdade de movimento nas fábricas de Boulogne-Billancourt e nenhuma instrução específica lhes foi dada.

Depois de fotografar a fábrica de Hauts-de-Seine, que ele pesquisou durante uma semana, René-Jacques, não quis competir com os seus colegas e pediu para estender o seu pedido a outros lugares de gestão. Foi assim, que ele foi às fábricas de Flins-sur-Seine (Yvelines) e Le Mans (Sarthe). Quando fotografou esta fábrica, mostrou mais interesse nas carrocerias na linha de montagem ou nas portas dos carros empilhados do que na expressão dos trabalhadores. Não tentando ilustrar os homens em acção, o seu olhar estava mais atento ao jogo das formas e materiais dos objectos e das máquinas.

René-Jacques realizou 47 imagens sobre a montagem dos automóveis da Renault para a publicação: “L’Automobile en France”. Consciente da importância e do sucesso deste relatório na sua carreira, René-Jacques apresentou regularmente imagens suas em exposições e feiras de fotografia.

Em 1954, por ocasião de uma nova encomenda da Renault, realizou uma campanha na “Société des aciers fins de l’Est à Hagondange” (Moselle), completando assim a documentação das múltiplas actividades de ‘uma das grandes empresas francesas dos Trinta Anos Gloriosos.

INDÚSTRIA E PUBLICIDADE

René-Jacques foi um fotógrafo reconhecido pelos seus colegas e apreciado pelos seus patrocinadores pela sua experiência e conseguiu desenvolver uma clientela fiel nas décadas de 1950 e 1960. As campanhas fotográficas que liderou, às vezes pela iniciativa das revistas, como a “Richesses de France” ou directamente com a indústria, conseguiu produzir uma ampla variedade de imagens destinadas a ilustrar revistas, relatórios anuais ou livros da empresa.

Como esses pedidos industriais, a fotografia publicitária desempenhou um papel importante na actividade do fotógrafo. Associado às lojas “Trois-Quartiers” a partir de 1951, realizou vários trabalhos de publicidade, como o leite Maggi. Os seus projectos  publicitários, como algumas das suas naturezas-mortas industriais, apresentavam jogos de geometria do alinhamento dos objectos, sem recorrer a artifícios da fotomontagem, com expceção de algumas imagens, como o anúncio da Saint-Gobain em 1955.

RICHESSES DE FRANCE

Após a guerra, René-Jacques colocou o seu talento e rigor ao serviço dos editores como Arthaud e das revistas como “Richesses de France”, “La France à table” ou “La Revue géographique et industrielle de la France”. 

Além das imagens arquitectónicas, que vendeu para a administração dos Monumentos Históricos, René-Jacques continuou a fotografar a paisagem.

Se, para alguns dos seus colegas, a fotografia consistia em estar presente no momento enquanto o evento ocorria, em René-Jacques, toda imagem foi objecto de uma preparação meticulosa. Na paisagem ou na arquitectura, era necessário "fixar a natureza num dado momento, onde a iluminação e o ambiente apresentava uma certa poesia ". Pela magia de uma técnica impecável e pela escolha de novos pontos de vista, renovou a visão de locais ainda muitas vezes fotografados pelos seus antecessores. Através dos monumentos e paisagens fotografados, surgiu a imagem de uma França intemporal.

Foram também os gestos e as posturas dos corpos esculpidos pelas luzes do cinema que desafiaram René Jacques em 1942, quando fotografou as esculturas de Rodin. Ele concordou em ser o assistente de iluminação do seu amigo, o director René Lucot, quando filmou Rodin em Paris e Meudon. 

Multiplicando os pontos de vista, as fotografias de René-Jacques abraçam a complexidade da modelagem das estátuas e brincam com os materiais tocados pela luz artificial das luzes do cinema. Essas imagens foram publicadas num calótipo (fotografia sobre papel) em 1946, acompanhadas de um prefácio de Georges Lecomte.

Foi em 1948, depois de ler Les Olympiques de Montherlant, que René-Jacques partiu sozinho para ilustrar o texto. Ele tratou o desporto e o gesto do desportista como naturezas-mortas, concentrando o olhar numa bola de futebol, luvas de boxe penduradas num anel ou no gesto do arremessador do dardo. Esta série de fotografias em que "a personalidade do atleta cede lugar à representação dos elementos e à atmosfera desses jogos". 

O trabalho de René-Jacques, representa o olhar do fotógrafo que transforma uma imagem numa obra de arte e não a sua utilização; será talvez por isso que as fotografias de René-Jacques, sejam denominadas: “A Elegância das Formas”.

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon