Ansel Adams I Um Fotógrafo da Actualidade

O “Tetons e Snake River, Grand Teton National Park”, Wyoming, 1942. Ansel Adams (Americano, 1902–1984). Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

Vista do “Mount Moran and the Snake River from Oxbow Bend, Grand Teton National Park”, Wyoming, 2011 Abelardo Morell (Americano, 1948) Impressão a jacto de tinta Cortesia Museum of Fine Arts, Boston

Sem Título(Reaper Drone), 2015. Trevor Paglen (Americano, 1974) Fotografia: impressão de pigmento. Cortesia do fotógrafo, do Metro Pictures, New York e Museum of Fine Arts, Boston.

“Monolith – A Face da Metade do Dome, Yosemite National Park”, 1927; data da impressão: 1950/60 Ansel Adams (Americano, 1902–1984) Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

“Auto-Retrato, Monument Valley, Utah”, 1958 Ansel Adams (Americano, 1902–1984) Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

“Mount Starr King and Glacier Point, Yosemite, No. 69”, 1865/66. Carleton E. Watkins (Americano, 1829–1916). Fotografia: Impressão sobre o processo de colódio húmido. Créditos da Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Ernest Wadsworth Longfellow Fund Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

“Midsummer” (Lupine and Fireweed), 2008. Laura McPhee (Americana, 1958). Fotografia: impressão de pigmento de arquivo. Créditos da Fotografia: © Laura McPhee. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

“Grass and Burned Stump, Sierra Nevada”, California, 1935 Ansel Adams (Americano, 1902–1984) Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

Cemitério, Tonopah, NV, 2012. Bryan Schutmaat (Americano,1983). Fotografia: Impressão de arquivo a jacto de tinta. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

“Pine Forest in Snow”, Yosemite National Park, (cerca 1932). Ansel Adams (Americano, 1902–1984). Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

“Clearing Winter Storm”, Yosemite National Park, (cerca 1937). Ansel Adams (American, 1902–1984). Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

“Grand Canyon of Yellowstone and Falls”, (cerca 1887). Frank Jay Haynes (Americano, 1853–1921) Fotografia: Impressão de albumina. Créditos da Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Sophie M. Friedman Fund. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

Como o Oeste é Um, 2014. Will Wilson (1969). Fotografia: Impressão a jacto de tinta. Créditos da Fotografia: Copyright, Will Wilson. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

“Moonrise”, Hernandez, New Mexico, 1941; data da impressão: 1965/75 Ansel Adams (Americano, 1902–1984) Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

Sem Título #1 (Yosemite Valley), 2015. Catherine Opie (Americana, 1961). Fotografia: Impressão de pigmento. Créditos da Fotografia: © Catherine Opie Cortesia Regen Projects, Los Angeles, Lehmann Maupin, New York, Hong Kong e Seoul e ainda Museum of Fine Arts, Boston

Estátua do cemitério e Torres de Petróleo, Long Beach, California, 1939. Ansel Adams (Americano, 1902–1984). Impressão a gelatina e brometo de prata. Créditos da Fotografia: © The Ansel Adams Publishing Rights Trust. Colecção The Lane Collection. Cortesia, Museum of Fine Arts, Boston.

Parque Eólico Altamont Pass, California, 2007. Mitch Epstein (Americano, 1952). Fotografia: impressão cromogênica. Créditos da Fotografia: Reprodução com permissão. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Hedipu, Mulher Navajo, (cerca 1879). John K. Hillers (Americano,1843–1925). Fotografia: impressão de albumina. Créditos da Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Gift of Jessie H. Wilkinson—Jessie H. Wilkinson Fund Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

"Fotografar é colocar na mesma linha de mira a cabeça, o olho e o coração."

                                                                             Ansel Adams

Ansel Adams é um dos mais importantes e mais admirados fotógrafos americanos do século XX. As suas fotografias são um testemunho criativo e valioso da América dos Anos 20 aos Anos 40 e formam um roteiro quase pedagógico de como apurar a precisão da percepção visual da floresta americana. Seja nos retratos, nas composições da natureza ou nos parques, Adams não faz simples ilustrações: a sua intenção é captar aquilo que o conjunto tem de característico e essencial. Nota-se um cuidado com a escolha do melhor ângulo, uma utilização consciente do tema e uma certa obsessão com árvores e elementos naturalistas. Sem dúvida, um fotógrafo com estilo.

 

O Museum of Fine Arts, Boston, apresenta de 13 de Dezembro de 2018 a 24 de Fevereiro de 2019, uma extraordinária exposição, onde se pode admirar um conjunto significativo das mais relevantes fotografias de Ansel Adams, que pertencem à Colecção Lane, realizadas durante os cinquenta anos da carreira deste fotógrafo. Ansel dedicou-se a documentar paisagens clássicas e parques nacionais da América. As suas imagens vão além da simples documentação, pois tinha o desejo de captar a essência da natureza selvagem dos Estados Unidos.

 

 

Quem foi Ansel Adams e a obra que nos legou

 

Ansel Adams (1902-1984) foi um importante fotógrafo cujas obras ajudaram a definir um género. Ao longo do último meio século, as suas fotografias a preto-e-branco tornaram-se, para muitos admiradores, personificações visuais dos sites que ele captou: os Parques Nacionais de Yosemite e de Yellowstone, a Sierra Nevada, o sudoeste americano e muito mais. Essas imagens constituem um legado visual icónico - que continua a inspirar outros fotógrafos da actualidade.

A exposição foi organizada pelo Museum Fine Arts de Boston e oferece uma nova perspectiva sobre um dos fotógrafos americanos mais conhecidos e queridos, colocando-o numa ligação com os seus antecessores e artistas contemporâneos. Enquanto elaborava a sua própria visão modernista, Adams seguiu os passos dos fotógrafos do século XIX, sobretudo em pesquisas governamentais e expedições fotográficas como Carleton Watkins, Eadweard Muybridge, Timothy O'Sullivan e Frank Jay Haynes. Actualmente influencia fotógrafos, como Mark Klett, Trevor Paglen, Catherine Opie, Abelardo Morell, Victoria Sambunaris e Binh Danh, que estão a seguir novamente os locais e os temas que ocuparam Adams, além de questões ambientais mais amplas como secas e incêndios, mineração e energia, economia, barrancos, lugares protegidos e expansão urbana.

Aproximadamente metade de cerca de 200 obras da exposição são fotografias de Adams, tiradas da Colecção Lane - uma das importantes e mais significativas ofertas da história do Museum Fine Arts, a qual tornou o Museu num dos maiores detentores do trabalho de Adams. As fotografias dos artistas contemporâneos e do século XIX, que estão expostas foram cedidas pelas instituições públicas, galerias e coleccionadores particulares.

“Ansel Adams é uma figura importante no campo da fotografia e tem mais de 450 das suas imagens na Lane Collection do Museu, o qual me inspirou a revisitar o seu trabalho. Com esta exposição, espero abrir novas investigações em torno deste exemplar artista, olhando para trás e para a frente no seu tempo. Convido os nossos visitantes a explorar o papel que a fotografia tem desempenhado historicamente nas nossas percepções em mudança do oeste americano, assim como a considerar o legado de activismo ambiental de Adams - que ainda está presente em nós," disse Karen Haas, curadora de Fotografia da Colecção Lane.

 

Visão geral da exposição

A mostra está organizada de uma forma temática e cronológica através de oito secções e a primeira galeria é dedicada ao inicio da vida fotográfica de Adams. Talvez nenhum outro lugar tivesse tal influência sobre ele, como o Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia. Adams visitou Yosemite pela primeira vez aos 14 anos, levando consigo uma máquina fotográfica Kodak Brownie Box, que lhe foi dada pelo seu pai, e voltou a este local quase todos anos durante toda a sua vida. Não foi apenas onde ele aperfeiçoou as suas competências, mas também onde  reconheceu o poder das fotografias para expressar uma emoção. Apresentando os seus lagos espectaculares, os rios e as quedas-d'água, as fotografias de Adams de Yosemite tornaram-se praticamente sinónimo do próprio parque. Adams, no entanto, não foi o primeiro a levar uma máquina fotográfica para as montanhas da Califórnia. Carleton Watkins, na década de 1860 já tinha iniciado o registo de imagens panorâmicas com uma máquina fotográfica pesada de grande formato no Vale de Yosemite. As fotografias do século XIX de Watkins ajudaram os americanos "a voltar ao leste" às ​​dramáticas paisagens ocidentais da nação, enquanto as fotografias de Adams do século XX tornaram célebre a noção de "deserto puro". Hoje, fotógrafos como Mark Klett trabalham ainda com esses legados. Klett e o seu colaborador de longa data Byron Wolfe estudaram as imagens clássicas de Yosemite Valley por Adams e Watkins, usando a mais recente tecnologia para produzir panoramas compostos que documentam as mudanças feitas na paisagem ao longo de mais de um século, assim como a crescente presença humana.

 

Indústria de Marketing

Adams como membro do Sierra Club, ao qual se juntou com 17 anos, em 1919 e depois frequentou regularmente as “High Trips” anuais da organização ambiental, com duração de um mês, para as montanhas de Sierra Nevada. O mestre produziu álbuns de fotografias desses passeios, convidando os membros do clube a selecionar e encomendar fotografias. Esse trabalho precoce levou, em última análise, às Impressões Parmelianas das Serras Altas (1927) - uma das primeiras experiências em imagem personalizada. Dezasseis das 18 fotografias do portfólio, incluindo a imagem célebre Monolith - A Face da Metade do Dome, estão expostas na segunda galeria da exposição, que liga as inovações de Adams em divulgar as suas impressões ocidentais dos Estados Unidos da América com as dos fotógrafos anteriores. No século XIX, existia toda uma indústria de marketing em relação à quantidade e distribuição de imagens da “fronteira”, que surgiram e que estavam de acordo com o florescente comércio turístico. Além das impressões publicadas em livros, revistas e jornais, as fotografias como do Vale do Yosemite de Union Point, nº 33 (1872) de Eadweard Muybridge circulavam, o que permitia aos viajantes conhecer lugares remotos. Hoje, a fotografia continua intimamente ligada a vistas panorâmicas do oeste americano. Artistas como Matthew Brandt, Sharon Harper e Mark Rudewel criaram obras em séries, que parecem responder à tradição anterior de visões ocidentais de marketing de grandes quantidades de imagens, usando a fotografia como um meio para chamar a atenção em relação à natureza variável das paisagens.

 

A Transformação da Cidade de São Francisco

A terceira secção da mostra concentra-se na cidade natal de Adams, São Francisco, que há muito tempo captava a imaginação dos fotógrafos com as suas colinas e a orientação dramática em direcção à água. A transformação da cidade em mais de um século - incluindo as mudanças feitas na paisagem urbana após o devastador terremoto e incêndio em 1906 e a ascensão de arranha-céus no final do século XX - pode ser observada na justaposição de imagens de Eadweard Muybridge e Mark Klett, tiradas do mesmo local com 113 anos de intervalo. As fotografias de São Francisco de Adams das décadas de 1920 e 1930 traçam o seu desenvolvimento como fotógrafo modernista, enquanto experimentava uma máquina fotográfica de grande formato para produzir uma profundidade máxima de campo e de imagens extremamente focadas. Durante a Grande Depressão, Adams também assumiu uma gama mais ampla de temas, incluindo a realidade desafiadora da vida urbana na sua cidade natal. Adams fotografou a demolição de prédios abandonados, derrubou lápides de cemitérios, sinais políticos e a pátina de uma cidade lutando durante tempos difíceis. Um sinal de esperança para o futuro na época era a construção da Ponte Golden Gate, que começou em 1933. A imagem O Golden Gate (1932), de Adams, criada cinco anos antes da abertura da Ponte em 1937, é exposta ao lado de quatro impressões contemporâneas do projecto Golden Gate Bridge (Coleção Privada, Cambridge), de Richard Misrach, tiradas na sua própria varanda em Berkeley Hills. Colocando a sua máquina fotográfica de grande formato exactamente na mesma posição em cada ocasião, Misrach registou centenas de visualizações do período distante, em diferentes momentos do dia e em todas as estações do ano. A série, fotografada ao longo de três anos, de 1997 a 2000, foi reeditada em 2012 para marcar o 75º aniversário da inauguração do Golden Gate.

 

Adams no Sudoeste Americano

Adams produziu algumas das suas imagens mais memoráveis, como “Moonrise Over Hernandez “, Novo México (1941; data impressão: 1965/1975) - durante as suas frequentes viagens ao sudoeste americano. O mestre ficou intrigado com a paisagem característica da região, a luz do sol brilhante e as súbitas tempestades dramáticas, assim como a sua rica mistura de culturas. Pouco depois da sua primeira viagem ao Novo México, em 1927, Adams colaborou com a autora Mary Hunter Austin no livro ilustrado Taos Pueblo (1930, Harvard Art Museums), para o qual contribuiu com 12 fotografias que reflectem o seu interesse pela arquitectura e actividades de Taos Pueblo. Adams compartilhava a preocupação de Austin de que as tradições artísticas e religiosas dos povos Pueblo estavam sob ameaça do crescente número de pessoas que viajavam ou se estabeleciam na região. Em contraste com os povos indígenas de Yosemite, que haviam sido expulsos das suas terras muitos anos antes, os povos de Pueblo ainda viviam nas suas aldeias ancestrais. Nas suas visitas de regresso ao sudoeste americano, Adams costumava fotografar as comunidades nativas, as suas habitações e as suas antigas ruínas. Ele também fotografou as danças índias, que se tornaram populares entre os turistas que vinham para se divertir e comprar cerâmica, jóias e outras lembranças. As imagens dos dançarinos de Adams, que realçam os seus trajes, posturas e expressões, têm, portanto, um legado complexo, já que ele era um dos espectadores - embora cuidadosamente recortasse qualquer evidência das multidões reunidas. Hoje, artistas indígenas, como o fotógrafo do Diné e Will Wilson, criam trabalhos que respondem e confrontam retratos antigos de nativos americanos de artistas brancos que viajaram para o oeste para “documentar” as pessoas que eram vistas como uma “raça em extinção” no final do século XIX.

Retratando os Parques Nacionais

A maior parte da exposição examina o papel crítico que a fotografia tem desempenhado na história dos parques nacionais. No século XIX, visões dramáticas captadas por Carleton Watkins e outros fotógrafos ajudaram a convencer funcionários do governo a tomar medidas para proteger Yosemite e Yellowstone do desenvolvimento privado. Adams também estava ciente do poder da imagem de influenciar opiniões sobre a preservação da terra. Em 1941, Harold Ickes, Secretário do Interior, contratou Adams para fazer uma série de fotografias em grande formato dos parques nacionais para os murais do novo Edifício Interior da capital. Embora o seu financiamento do governo tenha sido interrompido pela entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e os murais nunca terem sido realizados, Adams teve pena de não ter conseguido concretizar este projecto, então procurou ajuda financeira por conta própria. Graças à sua determinação obteve subsídios da Fundação Guggenheim em 1946 e 1948, o que lhe permitiu viajar para os parques nacionais do Alasca ao Texas, do Havaí ao Maine. Marcado por uma potente combinação de arte e activismo ambiental, as fotografias que fez espalharam o seu conceito em protecção dos parques para um público mais amplo. Muitos artistas contemporâneos que trabalham nos parques nacionais reconhecem, o trabalho Adams e dos fotógrafos que vieram antes deles. Mas os complicados legados dessas terras protegidas levaram alguns - incluindo Catherine Opie, Arno Rafael Minkkinen, Binh Danh e Abelardo Morell - a adoptar abordagens mais pessoais e políticas para o trabalho que estão a realizar nesses espaços.

O outro Lado das Montanhas

Adams fez a a sua reputação principalmente através de imagens espetaculares da natureza "selvagem". Produziu fotografias menos conhecidas, como as paisagens áridas do Vale da Morte da Califórnia e do Owens Valley, a sudeste de Yosemite.

O fotógrafo Edward Weston apresentou Adams ao Vale da Morte, onde captou imagens das dunas de areia e salinas. Owens Valley, localizado a oeste, já foi uma terra verdejante, mas por volta de 1940 este local estava a sofrer de uma grande seca devido à falta de água, que foi extraída para abastecer a crescente cidade de Los Angeles. Trevor Paglen, Stephen Tourlentes e David Benjamin Sherry estão entre os fotógrafos contemporâneos que continuam a encontrar temas atraentes nessas paisagens remotas. Alguns são atraídos por estes temas, onde deixam a sua marca, enquanto outros exploram a beleza crua do terreno desolado e as muitas formas, às vezes inquietantes, usadas actualmente, como um local para prisões de segurança máxima e militares clandestinos.

A paisagem em Mudança

As fotografias de Adams são apreciadas pelas suas imagens e qualidades formais, mas também transmitem uma mensagem de defesa de direitos. As duas últimas secções da exposição examinam as paisagens continuamente variáveis ​​dos locais de outrora captadas por Adams. Nessa época o fotógrafo estava bem ciente das preocupações ambientais que a Califórnia e a nação enfrentavam - graças, em parte, ao seu envolvimento com o Sierra Club e a Wilderness Society.

 Como a sua carreira progrediu, Adams começou a afastar-se das paisagens selvagens em favor de imagens que mostravam uma visão mais subtil, fotografando a expansão urbana, estradas, perfuração de petróleo, cidades-fantasma, cemitérios rurais e cidades mineiras, além de visões mais silenciosas e menos românticas da natureza, como as consequências dos incêndios florestais - temas que ressoam de novas formas actuais. Para os fotógrafos contemporâneos que trabalham no oeste americano, o espírito de vigiar e a atenção à paisagem assume uma urgência cada vez maior, ao enfrentar um terreno continuamente alterado pela actividade humana e pelo aquecimento global. Obras de artistas como Laura McPhee, Victoria Sambunaris, Mitch Epstein, Meghann Riepenhoff, Bryan Schutmaat e Lucas Foglia testemunham essas mudanças, contrariando as noções de que os recursos naturais são, de algum modo, ilimitados e não necessitam de atenção e protecção.

"Uma fotografia é criada e não tirada", dizia Ansel Adams, pois considerava o negativo uma espécie de partitura tal como a música, que deveria ser   trabalhada com criatividade e dedicação para emocionar os espectadores.

 Esse era o conceito do início do século XX, nos primórdios da fotografia, quando se acreditava que a imagem fotográfica estaria a tirar o espaço da pintura na arte representativa. 

Actualmente a fotografia afirmou-se como uma arte autónoma. A carga imensa de informação e expressão que uma fotografia pode conter, faz dela um meio tão elevado como qualquer outra forma de arte.

 

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon