Educação I A importância de contemplar

Agora que chegaram as tão aguardadas férias, é tempo de experienciar o que durante um ano não se teve oportunidade de o fazer e uma das actividades mais adiadas e que ao longo da vida menos dedicação tem da nossa parte é o simples acto de contemplar, alimento do pensamento.

Parar e olhar em volta e em frente. Prender a observação e descobrir pormenores, movimentos, nuances que de outra forma passariam despercebidos. Fechar os olhos e saborear os sons e os aromas. Deixarmos que o espaço e o tempo se fundam e entrem na alma de mansinho. Aproveitar esses momentos para abrir os silêncios que nos habitam e lembrar o que temos guardado com cânfora num canto da memória. Nesta época em que a família está junta num tempo alargado, abre-se uma oportunidade de poder integrar os filhos numa rotina de férias diferente, de pulsação branda, como se de um jogo se tratasse e uma viagem onde cada um pode partilhar o que viu, sentiu, pensou. Quantas vezes o tempo de férias fica maculado com a pressa que abre o caminho à discórdia e à discussão? 

Pensar! Pensar, apenas. sem pressa nem estímulos discordantes é um exercício que nos beneficia porque promove o autocontrolo e nos permite aprofundar o conhecimento acerca da pessoa que mais tempo vive connosco: Nós próprios. Poucas vezes conseguimos entabular uma conversa a sós com este nosso “eu” sem que inúmeras preocupações, umas comezinhas outras nem tanto, nos atormentem e  atropelem aquela que devia ser uma prática diária de reflexão sobre o dia, sobre o momento que vivemos. E esta é uma prática que raramente se promove verdadeiramente nas crianças e jovens. Mesmo quando lhes atiramos a frase mais repetida ao longo de todo o crescimento deles “Já pensaste bem no que fizeste?, o verbo surge invariavelmente no pretérito porque no presente ele não é aplicado nem ensinamos a acção de reflectir. E ensinar não ´apenas accionado com o imperativo “PENSA!”. Há estratégias que ajudam a adquirir a capacidade de reflexão e a desenvolvê-la. E tantos os pais como os filhos necessitam de consolidar ou aprender a fazê-lo porque dessa aprendizagem nasce um ambiente familiar mais fluido e tranquilo além de optimizar as actividades de formação intelectual.

Aproveitar os dias de descompressão para nos libertarmos de mecanismos electrónicos plenos de aplicativos e de uma série de funcionalidades que nos consomem tempo e energia, deve ser encarado como uma terapia de renovação interior e isso deve ser assumido como prioritário nos planos de férias, nas rotinas deste novo calendário. Integrar as crianças e jovens neste conceito pode ser um desafio difícil ou fácil, dependendo do grau de dependência que se terá desenvolvido e também por isso esta será uma oportunidade para testar até onde as nossas crianças estão viciadas em telemóveis, jogos electrónicos, televisão.

As férias são um pretexto ideal para educar o gosto. O gosto pelo conhecimento através das viagens que fazemos. Mas também são o incentivo à descoberta do enorme prazer que é sentarmo-nos sem relógio na alma e deixarmos que os olhos nos tragam o mundo para dentro de nós. Porque aprendemos se apreendermos o que observamos.

As crianças e os jovens necessitam tremendamente desse exercício. Habituados a uma dinâmica frenética não apenas da que decorre naturalmente do cumprimento dos vários horários que marcam a vida numa família, como do ritmo que os diversos estímulos que os rodeiam lhes impõem, as crianças não aprendem a saber parar, suster e respirar. A acrescentar ao horário escolar e tarefas a realizar fora do contexto de aula, há ainda as actividades extracurriculares, as salas de apoio, e, em casa, o jovem transita entre o comando da televisão, o/os telemóveis, o computador pleno de jogos, as conversas nas redes sociais, as mensagens privadas, a divagação pelo Youtube...

Parar e saber escutar e aprender a apreciar o lugar e  momento em que estamos é uma forma de exercitar a capacidade de concentração essencial a uma aprendizagem com sucesso e feliz.

 

Boas férias e felizes momentos de contemplação em família

 

PS: Quanto à aquisição de materiais escolares, aguardem indicações dos professores e optem sempre pela relação preço/qualidade/peso e efectiva necessidade e não porque é o modelo estético mais atraente ou porque o aluno diz que é essencial. O peso excessivo dentro das mochilas resulta muitas vezes de más opções de compra

Ana Paula Timóteo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon