Vista Exterior Actual do Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

Vista Exterior Actual do Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

Vista Nocturna Exterior do Actual do Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

Vista Actual do Grande Salão do Metropolitan Museum of Art. Fotografia: Brett Beyer. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

O Templo de Dendur no Departamento de Arte Egípcia no Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

A Galeria Charles Engelhard Court na Ala Americana no Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

As Galeria Petrie Court no Metropolitan Museum of Art. Fotografia: Brett Beyer. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

As Galeria Mary e Michael Jaharis nas Galerias Grega e Romana no Metropolitan Museum of Art. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

Celebrar o 150.º Aniversário do Metropolitan Museum of Art

A Evolução Histórica do MET

O MET – Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque é considerado por todos os que têm conhecimentos profundos sobre museologia é considerado um dos grandes museus do mundo. Foi fundado em 1870 e completa este ano a bonita idade de 150 anos. Século e meio de vida em museologia é muito tempo.

Entretanto, devido à Covid-19, o museu fechou as portas (com previsão de reabrir em 29 de Agosto de 2020) e não podendo (ainda) celebrar, da forma como planeou esta bonita idade.

 Assim, as festas do aniversário e o Met Gala, previstos para Abril e Maio, foram adiados para mais tarde. O museu preparou uma exposição interactiva para a ocasião, “Celebrar o 150.º Aniversário do Metropolitan Museum of Art, 1870-2020”, um mergulho em cento e cinquenta anos de história a partir de 250 obras do acervo. 

Sendo esta mostra bastante completa e mostrando a evolução histórica do Metropolitan Museum of Art, optou-se por apresentar o artigo em duas partes, a 1ª agora no mês de Julho e a 2ª no mês seguinte. 

Fotografias de Arquivo

Visitantes a Admirar a Pintura: “George Washington Crossing the Delaware”, 1851, de Emanuel Leutze. Fotografia tirada em 1910. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

13.

Abertura da Recepção em 20 de Fevereiro de 1872. Galeria de imagens da Mansão Dodworth (681 Quinta Avenida), a primeira casa do Museu Metropolitano de Arte. Gravura em madeira, impressa no“Jornal Ilustrado de Frank Leslies”, 9 de Março de 1872. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

14.

Vista Exterior do Metropolitan Museum of Art, (cerca 1895). Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

15.

Construção da fachada Sul do Metropolitan Museum of Art. Fotografia: 2 de Abril de 1915. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

17.

O Grande Salão do Metropolitan Museum of Art, Vista do Sul. Fotografia: 1906. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

19.

O balcão de informações do Met Quinta Avenida. Fotografia: 1921. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

20.

O “Lettering Shop” no Metropolitan Museum of Art. Fotografia: em 1922. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

21.

Galerias das Pinturas Europeias do Metropolitan Museum of Art. Vista dos instaladores que penduraram pinturas. Fotografia: Novembro de 1928. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

22.

Turma de alunos com o instrutor Ethelwyn Bradish nas Galerias das Armas e Armaduras do Metropolitan Museum of Art. Fotografia: 6 de Fevereiro de 1929. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

23.

A Estátua Ajoelhada de Hatshepsut em Recuperação na Oficina de Restauro do Metropolitan Museum of Art. Fotografia: 24 de Outubro de 1930. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

24.

Galeria Pós-Renascença e Escultura Moderna (século XVII-XX) do Metropolitan Museum of Art; Pessoas que assistiam "Mourning Victory", de Daniel Chester French (1906/8, esculpida em 1912/15). Fotografia: (cerca 9 de Dezembro de 1932). Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

25.

O Primeiro Tenente James J. Rorimer, à esquerda, e o Sargento Antonio T. Valin examinam os objectos recuperados. Neuschwanstein, Alemanha, Maio de 1945. Fotografia do U.S. Signal Corps. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York

26.

A Mrs. Eisenhower e o General Eisenhower a Saírem do Metropolitan Museum of Art, com Thomas J. Watson em Segundo Plano. Fotografia: 2 de Abril de 1946. Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

27.

As Antigas Galerias do Médio Oriente o do Metropolitan Museum of Art. Fotografia: (cerca 5 de Abril de 1960). Cortesia da imagem: Metropolitan Museum of Art, New York.

A Evolução Histórica do Metropolitan Museum of Art 

O Metropolitan Museum of Art, conhecido informalmente por The Met, é um museu de arte localizado na cidade de Nova Iorque, que foi fundado a 13 de Abril de 1870 e é o maior museu do Ocidente, a seguir ao Museu do Louvre, em Paris. Através dos filmes, mesmo aqueles que nunca visitaram Nova Iorque, já viram a imponente arquitectura, as enormes salas cheias de arte e os longos corredores preenchidos de obras de grande valia.

A fundação do Museu foi promovida pelo governo, com o intuito de encorajar e desenvolver o estudo das Belas Artes o que aconteceu em 1870, dois anos antes da sua abertura, inicialmente num pequeno edifício da Quinta Avenida, a mesma onde seria erguido o gigante que é hoje, inaugurado em 1879, e acolhendo apenas um sarcófago romano e 174 pinturas europeias.

Com um jardim na cobertura, cerca de 200 mil metros quadrados e mais de 2 milhões de obras em exposição permanente, o edifício tem algumas das mais célebres peças do mundo, da arte egípcia, chinesa, greco-romana, medieval e renascentista ao piano mais antigo conhecido, de 1720, passando por artilharia bélica do século XVI, trajes e acessórios de moda de sete séculos e de cinco continentes, pinturas de Pollock e Paul Klee, a escultura da Bailarina de 14 Anos, de Degas, ou a tela do Campo de Trigo com Ciprestes, de Van Gogh. Isso mesmo – e muito mais – se encontra online, no site do museu, que inclui uma selecção de 8.030 obras para consulta, com imagens devidamente legendadas, links para blogues sobre áreas e exposições específicas, uma cronologia da História da Arte, biografias alargadas de artistas como Edward Hopper ou Gerhard Richter, versões digitais de catálogos e uma secção infantil com um jogo: onde se seleciona um período histórico, localização geográfica e o género de artefacto e, num ápice, surge informação básica sobre o que foi escolhido. Chamam-lhe "máquina do tempo". 

 O início do Metropolitan Museum of Art começou em 1866, com um grupo de americanos residentes em Paris que se juntaram para criar uma “instituição nacional e galeria de arte” para o seu povo. Quando o advogado John Jay regressou da capital francesa para Nova Iorque, colocou o projecto em prática e passou a reunir dirigentes, empresários, artistas, coleccionadores e filantropos no clube privado “Union League Club”.


Da iniciativa surgiu o grupo responsável pela fundação da instituição a 13 de Abril de 1870, na sua primeira localização, no número 681 da 5ª Avenida. Uma década depois passou a ocupar o endereço actual, no número 1.000 da 5ª Avenida (a fachada icónica e as escadarias são de 1902). Hoje são mais dois endereços: o moderno Breuer, vizinho do “primogénito”, e o Museu Medieval Claustros, afastado do centro de Manhattan.

Quem vai ao Met depara-se com 250 salas em cinco andares divididas entre 17 departamentos com curadores e “staffs” independentes de diferentes períodos, como Antiguidade Clássica, Egipto Antigo e uma extensa colecção de arte moderna, com ampla variedade de artistas americanos.

O motivo  central da celebração do 150º aniversário do Metropolitan Museum of Art é a exposição, “Celebrar o 150.º Aniversário do Metropolitan Museum of Art-1870-2020”. A apresentação da mostra será uma colaboração com todo o museu, que levará os visitantes a uma viagem profunda pela história do Met. 

O evento está organizado em torno de momentos de transformação na evolução das colecções, edifícios e ambições do Museu e irá revelar as figuras visionárias e as forças culturais que impulsionaram o Museu em novas direcções, desde a sua fundação até à actualidade.

A exposição contará com mais de 250 obras de arte de quase todos os géneros da colecção do Met, incluindo os mais admirados pelos visitantes e tesouros frágeis que só podem ser exibidos de vez em quando. A selecção estende-se por milénios, desde  uma imponente estátua, da rainha egípcia sentada Hatshepsut (cerca 1479/1458 a.C.) ao livro de Horas de Jean Pucelle de Jeanne d'Evreux (cerca 1324/28) até à monumental Dusasa II de El Anatsui (2007) e ainda a folha de estudos de Miguel Ângelo para a Sibila da Líbia, a pequena dançarina de catorze anos de bronze de Degas e as fotografias de The Flatiron, de Edward Steichen. O seu alcance global estendeu-se da Ásia, com obras excepcionais, como o branco noturno de Han Gan, até a África, com a figura feminina sentada com um conjunto de relicários e as Américas, com a coroa dos Andes.

A mostra destaca uma variedade de aspectos intrigantes, como os ideais educacionais e ambicionais dos fundadores do Met; as descobertas e problemas da escavação; as forças concorrentes do progresso e do nacionalismo que levaram à fundação da Ala americana; o papel do museu durante a guerra; e a evolução no centenário do Met em direcção a uma abordagem verdadeiramente global à colecção. E, ainda, fotografias de arquivo raramente vistas, recursos digitais inovadores e histórias de trabalhos nos bastidores e do alcance da comunidade do Museu, que aperfeiçoaram essa experiência única.

História do Metropolitan Museum of Art

O Metropolitan Museum of Art foi fundado com a finalidade de abrir um museu para levar arte e educação artística ao povo americano. O edifício da Quinta Avenida foi inaugurado no número 681 da 5ª Avenida.

Colecções

A Ilustração da Inauguração do museu faz parte da galeria das imagens referentes aos acontecimentos realizados na Quinta Avenida 681, de 20 de Fevereiro de 1872, gravura em madeira realizada por Frank Leslie's Weekly, em 9 de Março de 1872.

A Assembleia Legislativa do Estado de Nova Iorque concedeu ao Metropolitan Museum of Art um decreto de anexação em 13 de Abril de 1870, " de estabelecer e manter na cidade um Museu de Arte e Biblioteca, com objectivo para incentivar e desenvolver o Estudo de Belas Artes, e a aplicação da arte no desenvolvimento e no avanço do conhecimento geral sobre assuntos afins e para esse fim de fornecer instruções e recriações populares “. Essa legislação foi complementada posteriormente pela Lei de 1893, capítulo 476, que exigia que as suas colecções "fossem mantidas abertas e acessíveis ao público, gratuitamente, durante todo o ano". Os fundadores incluíam empresários, patrocinadores e mecenas, além de artistas e pensadores da época, que queriam abrir um museu para levar arte e educação artística ao povo americano.

John Taylor Johnston, um ferroviário executivo, cuja sua colecção de arte pertencia ao museu, serviu como para ser o primeiro presidente, e George Palmer Putnam entrou na presidência, como superintendente fundador. O artista Eastman Johnson actuou como co-fundador do museu, assim como o pintor paisagista Frederic Edwin Church. Vários outros industriais da época actuaram como co-fundadores, incluindo Howard Potter. O ex-oficial da Guerra Civil, Luigi Palma di Cesnola, foi nomeado como primeiro director e nessa condição permanceu de 1879 a 1904. Sob a orientação deles, as obras do Met, que consistiam inicialmente como um sarcófago de pedra romano e 174 pinturas europeias, rapidamente ultrapassaram o espaço disponível. 

Em 1873, o Met teve de mudar de casa por causa da compra da colecção de antiguidades cipriotas de Cesnola, tendo transferido da Quinta Avenida para residir na mansão Mrs. Nicholas Cruger, também conhecida como mansão Douglas (James Renwick, 1853/54, demolida em 1928), na 128 West 14th Street. No entanto, essas novas instalações foram temporárias, pois a crescente colecção exigia mais espaço do que a mansão poderia proporcionar. Entre 1879 e 1895, o museu criou e operou uma série de programas educacionais, conhecidos como Metropolitan Museum of Art Schools, destinados a fornecer ensino vocacional e aulas de artes plásticas.

Em 1954, para marcar a abertura da sua sala de concertos Grace Rainey Rogers, o museu inaugurou uma série de espectáculos, acrescentando colóquios de arte em 1956. Este "programa de espectáculos e conferências" cresceu ao longo dos anos em 200 eventos em cada temporada. O programa apresentou artistas como Marian Anderson, Cecilia Bartoli, Judy Collins, Marilyn Horne, Burl Ives, Juilliard String Quartet, Yo-Yo Ma, Itzhak Perlman, Artur Rubinstein, András Schiff, Nina Simone, Joan Sutherland e André Watts, como conferências sobre história da arte, música, dança, teatro e história social. O programa foi dirigido, desde o início até 1968, por William Kolodney, e de 1969 a 2010, por Hilde Limondjian.

Na década de 1960, a direcção do Met foi ampliada para incluir, pela primeira vez, um presidente do conselho de administração na contemplação de um grande legado do património de Robert Lehman. Durante seis décadas, Lehman construiu uma colecção de arte iniciada pelo seu pai em 1911, e dedicou muito tempo ao Met, antes de finalmente se tornar o primeiro presidente do conselho do Metropolitan na década de 1960. Após a sua morte em 1969, a Fundação Robert Lehman doou cerca de 3.000 obras de arte ao Metropolitan Museum of Art. Instalado na Ala Robert Lehman, aberta ao público em 1975 e financiada em grande parte pela Fundação Lehman, o museu considerou que esta foi "uma das mais extraordinárias colecções de arte particulares já reunidas nos Estados Unidos".

O Centenário do Metropolitan Museum of Art foi comemorado com exposições, simpósios, concertos, conferências, a reabertura de galerias recondicionadas, passeios especiais, eventos sociais e outras programações durante dezoito meses, de Outubro de 1969 à Primavera de 1971. Os eventos do centenário (incluindo um open house, Centennial Ball, curso de um ano sobre história de arte para o público e várias programações educacionais e exposições itinerantes) e as publicações foram apoiadas por proeminentes nova-iorquinos, artistas, escritores, compositores, designers de interiores e historiadores de arte. 

Em 2009, Michael Gross publicou A História Secreta dos Moguls e o Dinheiro que Tornou o Metropolitan Museum, uma história social não autorizada, e a livraria do museu recusou-se a vendê-la.

Em 2012, foi nomeado Daniel Brodsky como presidente do conselho do Met, os estatutos do museu foram formalmente alterados para reconhecer o cargo do presidente. Este cargo foi introduzido pela primeira vez na história do museu na década de 1960, contemplando a doação antecipada da colecção Lehman ao museu e desde então, sob Brodsky, tornou-se a posição administrativa mais importante no museu.

 

Em Janeiro de 2018, Daniel Weiss, como presidente do museu, anunciou que a política centenária de entrada gratuita no museu seria substituída por uma nova política de admissão, que exigiria uma cobrança de 25 dolares para visitantes estrangeiros.

Arquitectura

Após negociações com a cidade de Nova Iorque em 1871, o Met recebeu a terra entre a East Park Drive, a Fifth Avenue e as estradas transversais da 79th e 85th Street no Central Park. 

Desde aquela época, muitas reabilitações foram realizadas, incluindo a notável fachada de Beaux-Arts da 5ª Avenida, o Great Hall e a Grand Stairway. Estas foram projectados pelo arquitecto e administrador Richard Metham Morris, mas concluídos pelo seu filho, Richard Howland Hunt, em 1902, após a morte do seu pai. A escultura arquitectónica na fachada é de Karl Bitter .

As Alas que completaram a fachada da Quinta Avenida na década de 1910 foram projectadas pela empresa McKim, Mead & White . Os lados modernistas de vidro e a parte traseira do museu são obra de Roche-Dinkeloo. 

Kevin Roche é o arquitecto do plano director e da expansão do museu nos últimos 42 anos, sendo o responsável por projectar todas as suas novas alas e reformas, incluindo, entre outras, a Ala Americana, a colecção Grega e Romana e a Ala Islâmica recentemente inaugurada.

As medidas do Metropolitan Museum of Art apresentam  quase 400 m de comprimento e com mais de 190000 m2 do espaço do chão, mais do que 20 vezes o tamanho do edifício original de 1880. A edificação do museu é um acréscimo de mais de 20 estruturas, a maioria das quais não é visível do exterior. A cidade de Nova Iorque é dona do prédio do museu e contribui com serviços públicos, aquecimento e parte do custo da tutela. 

Jardim na Cobertura do Museu

O Iris e o B. Gerald Cantor Roof Garden estão localizados na cobertura, perto do canto sudoeste do museu. O café e bar do jardim é um local popular do museu durante os meses de clima ameno, principalmente nas noites de sexta e sábado, quando grandes multidões podem levar a longas filas nos elevadores. O jardim da cobertura oferece vistas do Central Park e do horizonte de Manhattan. O jardim é um presente dos filantropos Iris e B. Gerald Cantor. O jardim foi aberto ao público em 1 de Agosto de 1987. Durante todo o Verão, desde 1998, o jardim da cobertura recebe sempre uma exposição de um artista. 

O Edifício Principal do Met 

O edifício principal do museu foi designado como património da cidade pela Comissão de Preservação do Património da Cidade de Nova Iorque em 1967, e seu interior foi reconhecido separadamente pela Comissão de Preservação de Patrimónios em 1977. O edifício principal do Met foi designado como Património Histórico Nacional em 1986, reconhecendo tanto da sua arquitectura monumental e da sua importância como instituição cultural.

O Grande Salão

A colecção permanente do Met é curada por dezassete departamentos separados, cada um com uma equipa especializada de curadores e académicos, além de seis departamentos dedicados à Conservação e um Departamento de Investigação a Científica. A colecção permanente inclui obras de arte da Antiguidade clássica e do Egipto Antigo, pinturas e esculturas de quase todos os mestres europeus e uma extensa colecção de arte americana e moderna. O Met mantém extensas participações de Arte Africana, Asiática, Oceânica, Bizantina e Islâmica. O museu também reúne colecções enciclopédicas de instrumentos musicais, roupas e acessórios e armas e armaduras antigas de todo o mundo. Um grande número de salas de época, variando da Roma do século I ao design americano moderno, está permanentemente instalado nas galerias do Met. Além de suas exposições permanentes, o Museu organiza e realiza grandes exposições itinerantes ao longo do ano.

O actual presidente do conselho, Daniel Brodsky, foi eleito em 2011 e tornou-se presidente três anos depois do director Philippe de Montebello, que se aposentou no final de 2008.

Em 1 de Março de 2017, a BBC informou que Daniel Weiss, presidente e CEO do Met, também actuaria temporariamente como CEO do museu. Após a saída de Thomas P. Campbell como director e CEO do Met em 30 de Junho de 2017, em Abril de 2018, Max Hollein seria nomeado director.

Colecções

Arte do Médio Oriente Antigo

A partir do final do século XIX, o Met começou a adquirir arte e artefactos antigos do Médio Oriente. De algumas peças e selos cuneiformes, a colecção de arte do Médio Oriente do Museu cresceu para mais de 7.000 peças. Representando uma história da região começando no período neolítico e abrangendo a queda do Império Sasaniano e o fim da Antiguidade Tardia, a colecção inclui obras das culturas Suméria, Hitita, Sasaniana, Assíria, Babilónica e Elamita (entre outras), assim como uma extensa colecção de objectos exclusivos da Idade do Bronze. Os destaques da colecção incluem um conjunto de pedras monumentais de lamassu, ou figuras de guardiões, do Palácio Noroeste do rei assírio Ashurnasirpal II.

Artes da África, Oceânia e Américas

Embora o Metropolitan Museum of Art tenha adquirido um grupo de antiguidades peruanas pela primeira vez em 1882, o museu não iniciou um esforço conjunto para coleccionar obras da África , Oceânia e Américas até 1969, quando o empresário e filantropo norte-americano Nelson A. Rockefeller doou os seus mais de 3.000 exemplares, colecção de peças para o museu. Hoje, o acervo do Met contém mais de 11.000 objectos da arte sub-sahariana, das ilhas do Pacífico, e das Américas estão reunidos nos 4.000 m quadrados da Ala Rockefeller na extremidade sul do museu.

A colecção varia de pinturas rupestres australianas indígenas de 40.000 anos, a um grupo de placas memoriais de 4,6 metros de altura esculpidos pelo povo Asmat da Nova Guiné,  uma colecção inestimável de objectos cerimoniais e pessoais da Corte da Nigéria e do Benim doado por Klaus Perls. A gama de materiais representados na colecção da África, Oceânia e Américas é, sem dúvida, o mais amplo de qualquer departamento do Met, incluindo desde metais preciosos até espinhos de porco-espinho.

Arte asiática

O departamento asiático do Met possui uma colecção de arte asiática, com mais de 35.000 peças, sem dúvida a mais abrangente dos Estados Unidos da America. A colecção remonta quase à fundação do museu: muitos dos filantropos que fizeram os primeiros presentes ao museu incluíram arte asiática nas suas colecções. Hoje, uma ala inteira do museu é dedicada a esta colecção e abrange 4.000 anos de arte asiática. Toda civilização asiática é representada neste departamento do Met, e as peças em exibição incluem todo o tipo de arte decorativa, desde pintura e gravura a escultura e trabalho em metal. O departamento é conhecido pela sua colecção abrangente de caligrafia e pintura chinesa, assim como pelas suas esculturas indianas, obras do Nepal e do Tibete e as artes da Birmânia (Mianmar), Camboja e Tailândia. Todas as três religiões antigas da Índia - hinduísmo, budismo e jainismo - estão bem representadas nessas esculturas. No entanto, não apenas "arte" e objectos rituais são representados na colecção; muitas das peças mais conhecidas são objectos funcionais. A ala asiática também contém um Jardim de Corte ao estilo da Dinastia Ming. Maxwell K. Hearn é o actual presidente do departamento de Arte Asiática desde 2011.

Arte Egípcia

Embora a maioria das colecções iniciais de arte egípcia do Met viesse de colecções particulares, itens descobertos durante as escavações arqueológicas do museu, realizadas entre 1906 e 1941, constituem quase metade da colecção actual. Mais de 26.000 peças de arte egípcia, da era paleolítica à era ptolomaica, constituem a colecção egípcia do Met, e quase todas elas estão em exibição na ala massiva do museu, com 40 galerias. Entre as peças mais valiosas do espólio do Met, destacam-se 13 modelos de madeira (do total de 24 modelos encontrados juntos, 12 modelos e 1 figura de suporte estão no Met, enquanto os 10 modelos restantes e 1 figura de suporte estão no Museu Egípcio no Cairo), descoberto num túmulo no sul de Asasif, no oeste de Tebas, em 1920. Esses modelos mostram, em detalhes incomparáveis, uma secção transversal da vida egípcia no início do Reino Médio: barcos, jardins e cenas da vida quotidiana são representados em miniatura. William, o Hipopótamo em faiança, é uma miniatura mostrada à direita.

No entanto, a peça central e principal do departamento de arte egípcia continua a ser o templo de Dendur. Este monumento tinha sido erguido em honra da deusa Isis no tempo do imperador romano Augusto, por volta do ano 13 a.C., na Núbia, no sul do Egipto, na margem ocidental do Nilo.

Na década de 1960, considerado o risco da crescente subida das águas do lago Nasser e a construção da barragem que iria submergir o templo, a UNESCO lançou uma campanha que conduziu ao desmantelamento do edifício, posteriormente oferecido aos Estados Unidos, sendo instalado no Metropolitan Museum of Art (MET), em Nova Iorque.

Desmontado pelo governo egípcio para salvá-lo do aumento das águas causado pela construção da represa alta de Aswan, o templo monumental de arenito foi entregue aos Estados Unidos em 1965 e montado na ala Sackler do Met em 1978. Situado numa grande sala e parcialmente cercado por uma piscina reflectida e iluminado por uma parede em vidro que se abre para o Central Park, o Templo de Dendur tem sido uma das atracções mais duradouras do Met. Os itens mais antigos do Met, um conjunto de pedras arqueológicas de Deir el-Bahri, que datam do período do Paleolítico Inferior (entre 300.000 e 75.000 a.C.), fazem parte da colecção egípcia. A curadora é Diana Craig Patch.

Em 2018, o museu construiu uma exposição em torno do urna de Nedjemankh do século I a.C., com baínha dourada, um sacerdote de alto escalão do deus com cabeça de carneiro Heryshaf de Heracleopolis . Os investigadores determinaram que o artefacto havia sido roubado em 2011 do Egipto, razão porque o museu concordou em devolvê-lo.

Pinturas Europeias

A colecção de pinturas europeias do Met reúne cerca de 1.700 peças. O actual presidente da European Paintings é Keith Christiansen, que está no museu desde 1977.

Escultura Europeia e Artes Decorativas

A Galeria dedicada à Escultura Europeia e às Artes Decorativas é um dos maiores departamentos do Met, com mais de 50.000 peças separadas do século XV ao início do século XX. Embora a colecção seja particularmente concentrada nas esculturas renascentistas - muitas das quais podem ser vistas no local cercadas por móveis e artes decorativas contemporâneos - ela também contém itens abrangentes de móveis, jóias, peças de vidro e cerâmica, tapeçarias, têxteis, relógios e instrumentos matemáticos. Além das suas colecções excelentes de móveis em estilo inglês e francês, os visitantes podem entrar em dezenas de salas completamente mobiladas, transferidas na íntegra para as galerias do Met. A colecção inclui até um pátio inteiro do século XVI do castelo espanhol de Vélez Blanco, reconstruído numa galeria de dois andares, e o “intarsia studiolo” do palácio ducal de Gubbio. Destaques esculturais do departamento, que incluem peças de Bernini 's Bacchanal e um conjunto de Rodin, como Os Burgueses de Calais, e várias esculturas únicas por Houdon, incluindo o Busto de Voltaire e o seu célebre retrato da sua filha Sabine.

Ala Americana 

A colecção de arte americana do Metropolitan Museum of Art voltou a ser exposta nas novas galerias em 16 de Janeiro de 2012. Esta instalação fornece aos visitantes a história da arte americana do século XVIII ao início do século XX. As novas galerias abrangem 2.800 m2 para  expor a colecção do museu. A curadora responsável pela ala americana desde Setembro de 2014 é Sylvia Yount.

Arte Grega e Romana

A colecção de arte grega e romana do Met contém mais de 17.000 objectos. O acervo da arte grega e romana remonta à fundação do museu, de facto, o primeiro objecto exposto pelo museu foi um sarcófago romano, ainda em exibição no momento. Embora a colecção se concentre, naturalmente, sobre itens da Grécia Antiga e do Império Romano, essas regiões históricas representam uma ampla gama de culturas e estilos artísticos, do clássico grego de vasos com figuras negras e de figuras vermelhas para as esculturas romanas.

Os destaques da colecção incluem o monumental sarcófago Amathus de Chipre e uma carruagem etrusca magnificamente detalhada, conhecida como " carruagem Monteleone ". O espólio também contém muitas peças muito anteriores aos impérios grego ou romano, entre as mais notáveis está uma colecção de esculturas de Cíclades dos meados do terceiro milénio a.C., muitas tão abstratas que parecem quase modernas. As galerias grega e romana também contêm várias pinturas murais clássicas e relevos de diferentes períodos, incluindo uma sala inteira reconstruída de uma vila nobre em Boscoreale, escavada após terem ficado sepultadas pela erupção do Vesúvio em 79 d.C. As galerias romanas foram expandidas para aproximadamente 6.000 m2 , permitindo que a maior parte da colecção estivesse em exibição permanente.

Arte Islâmica

O Metropolitan Museum possui uma das maiores colecções de obras de arte do mundo islâmico. O espólio também inclui artefactos e obras de arte de origem cultural e secular a partir do período indicado pela ascensão do Islão predominantemente do Médio Oriente e em contraste com as colecções antigas. O maior número de miniaturas da lista "Shahnama", preparado sob o reinado de Shah Tahmasp I, é o mais luxuoso de todos os manuscritos islâmicos existentes, também pertence a este museu. Outras raridades incluem os trabalhos do sultão Muhammad e os seus colegas da escola de Tabriz "The Sade Holiday", "Tahmiras mata divs", "Bijan e Manizhe" e muitos outros.

A colecção de arte islâmica do Met não se restringe estritamente à arte religiosa, embora um número significativo de objectos na colecção islâmica tenha sido originalmente criada para uso religioso ou como elementos decorativos em mesquitas. Grande parte da enorme colecção de 12.000 itens seculares, incluindo cerâmica e têxteis, das culturas islâmicas, que vão desde a Espanha ao norte da África e à Ásia Central. A colecção de pinturas em miniatura do departamento de arte islâmica do Irão e da Índia Mughal é um dos principais destaques da colecção. A caligrafia religiosa e secular está bem representada no departamento de Arte Islâmica, desde os decretos oficiais de Suleiman, o Magnífico, até vários manuscritos do Alcorão que reflectem diferentes períodos e estilos de caligrafia. Os artistas caligráficos modernos também usavam uma palavra ou frase para transmitir uma mensagem directa ou criavam composições a partir das formas das palavras árabes. Outros incorporaram a escrita cursiva indecifrável no corpo da obra para evocar a ilusão da escrita.

As galerias de artes islâmicas estavam a ser reabilitadas desde 2001 e foram reabertas em novembro de 2011, como um novo espaço de arte das terras árabes, Turquia, Irão, Ásia Central e mais tarde no sul da Ásia. Até aquele momento, uma selecção restrita de itens da colecção estava em exibição temporária em todo o museu. Como em muitos outros departamentos do Met, as galerias de arte islâmica contêm muitas peças internas, incluindo toda a sala Nur Al-Din reconstruída de uma casa do início do século XVIII em Damasco. No entanto, o museu confirmou ao New York Post que retirou da exibição pública todas as pinturas que descrevem Maomé e não puderam pendurar as que foram exibidas na galeria islâmica antes da renovação.

A exposição “Celebrar o 150.º Aniversário do Metropolitan Museum of Art, A Evolução Histórica do MET” representa uma montra privilegiada para, a partir do passado, promover a arte das suas colecções criadas durante muitos e muitos anos para o povo americano no panorama internacional, trazendo conhecimento renovado e visibilidade acrescida de um Museu que foi absolutamente fundamental para difundir a cultura Americana e a Internacional.

Algumas salas do Museu agora renovadas com um design arrojado a não perder, porque se nestes tempos inquietantes viajar ou visitar museus é impossível, mas vamos ter esperança, que talvez nos tempos mais próximos, poderemos ter a possibilidade de lá irmos. Até lá vamos preenchendo o nosso olhar com a beleza das obras expostas.

 

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon