V&A Dundee I Scotland’s Design Museum

O Arquitecto Kengo Kuma em frente ao V&A Dundee - Scotland’s Design Museum, Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Vista Exterior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum, Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Vista Exterior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum, Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum

Vista Exterior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum, Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum

Vista à Noite do Exterior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum, Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Pormenor do Exterior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum Dundee Scotland. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

O Hall foi projectado como um grande espaço vazio revestido com madeira local de textura suave, com a intenção de ser usado como uma “sala de estar” capaz de revitalizar a comunidade ao proporcionar um local onde são realizadas várias exposições. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Vista Aérea do interior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Subindo a grandiosa escadaria do salão principal até ao primeiro andar, pode-se admirar a verdadeira imponência do museu V&A Dundee. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Subindo a grandiosa escadaria do salão principal até ao primeiro andar, pode-se admirar a verdadeira imponência do museu V&A Dundee. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Vista Aérea do interior do V&A Dundee - Scotland’s Design Museum. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

O interior apresenta uma grande luminosidade, ao contrário da pedra pré-fabricada do exterior. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

O interior tem grande luminosidade, ao contrário da pedra pré-fabricada no exterior. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Subindo a grandiosa escadaria do salão principal até ao primeiro andar, pode-se admirar a verdadeira imponência do museu V&A Dundee. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

As galerias do museu apresentam colecções de arte, design, arquitectura, moda, mobiliário de artistas de toda a Escócia e do mundo. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Um grande “buraco” horizontal foi fornecido no centro do edifício. Este “buraco” representa uma tentativa de ligar o museu à Union Street, que atravessa o centro de Dundee sobre a bela paisagem natural do rio Tay. Esse recurso foi adoptado para criar uma instalação cultural do século XXI que é parte integrante do ambiente e da comunidade, um design diferente dos museus de arte do século XX que, em geral, estavam isolados dos seus contextos. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_

Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

Um grande “buraco” horizontal foi fornecido no centro do edifício. Este “buraco” representa uma tentativa de ligar o museu à Union Street, que atravessa o centro de Dundee sobre a bela paisagem natural do rio Tay. Esse recurso foi adoptado para criar uma instalação cultural do século XXI que é parte integrante do ambiente e da comunidade, um design diferente dos museus de arte do século XX que, em geral, estavam isolados dos seus contextos. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow

“The Oak Room” foi criado pelo designer escocês Charles Rennie Mackintosh para uma sala de chá em Glasgow, em 1907. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

As galerias do museu apresentam colecções de arte, design, arquitectura, moda, mobiliário de artistas de toda a Escócia e do mundo. Fotógrafo: HuftonCrow. Créditos da imagem: ©HuftonCrow_061. Cortesia V&A Dundee - Scotland’s Design Museum.

O V&A Dundee - Scotland’s Design Museum localizado ao longo da orla da cidade de Dundee, na parte norte da Escócia, é uma filial do Victoria & Albert Museum, em Londres. O V&A Dundee - Scotland’s Design Museum abriu as suas portas ao público pela primeira vez no dia 15 de Setembro de 2018. Um edifício lindíssimo, com os seus belos e leves interiores projectado pelo célebre arquitecto japonês Kengo Kuma.

Dundee situa-se na costa norte do Firth of Tay e tem uma longa história, como o ponto principal de entrada na Escócia para o transporte marítimo a partir do norte da Europa. Hoje, V&A Dundee é a jóia da coroa de uma transformação de 1 bilião de libras de Dundee City Waterfront, que se estende por 8 km ao longo do rio Tay e do seu estuário numa área de 240 hectares, num desenvolvimento de 30 anos que começou em 2001.

O edifício está situado no coração do que outrora foi a agitada infra-estrutura marítima de Dundee, no local da demolida doca Earl Grey Dock. A sua forma impressionante liga novamente o coração de Dundee ao Tay, fazendo eco do tempo em que a construção naval e o comércio de têxteis eram a sua força vital económica.

Ao lado do museu estão o Slessor Gardens, um novo espaço, um parque público que acolhe música ao vivo e eventos, e o RRS Discovery, um navio de exploração que foi construído em Dundee e navegou para a Antárctida de 1901/1904 por Scott e Shackleton.

Antecedentes

Em Janeiro de 2010 foi anunciado um concurso internacional de arquitectura para a realização de um novo edifício para o museu V&A Dundee. O desafio foi apresentado aos arquitectos e tinham, que propor uma casa inspiradora para o primeiro museu de design da Escócia - um imóvel situado na orla marítima que conectasse Dundee ao rio Tay e à sua história marítima. Dos 120 projectos de arquitectura apresentados, seis foram pré-seleccionados e expostos numa exposição na Universidade de Abertay e vista por mais de 15.000 membros.

Em Novembro de 2010, o escritório de arquitectura japonês Kengo Kuma & Associates foi o vencedor do concurso. 

 

O edifício

O local do edifício fica de frente para o rio Tay e a arquitetura propõe uma nova maneira de alcançar harmonia com a paisagem. A fachada tem uma variedade de sombras e ritmos criadas por múltiplas camadas horizontais de betão pré-moldado, como forma de expressar as belas falésias da Escócia através da arquitetura.

A forma do museu é inspirada pelas falésias na costa nordeste da Escócia, com o revestimento - linhas dramáticas de betão pré-fabricado que correm horizontalmente em torno das paredes de betão curvo - criando padrões de sombras que mudam com o tempo e a hora do dia.

A aparência do V&A Dundee é de duas pirâmides invertidas que se separam no piso térreo, e depois torcem -se para se ligarem no piso superior das galerias. Criando deste modo um arco aberto através do centro do museu, ligando a cidade com o rio, emoldurando a vista do rio Tay, e inspirando-se no Arco Real comemorativo que foi construído nas proximidades para receber a Rainha Vitória e o Príncipe Alberto na cidade em 1844.

O Arco Real foi demolido quando as docas da cidade se prepararam para a construção da Ponte Tay Road, que foi concluída em 1966.

A direcção do museu V&A Dundee desafiou os arquitectos a ligarem o centro da cidade com o rio, o que Kengo Kuma fez através de piscinas de água à volta da construção do museu no rio Tay. Uma "proa" inclina-se sobre a água e recorda a herança da construção naval da cidade.

 

Estrutura

O projecto ambicioso de Kengo Kuma exigiu muito dos engenheiros e dos construtores. É uma estrutura única e complexa com paredes exteriores que se torcem tanto na horizontal, como verticalmente, criando formas como ondas ou o casco de um navio. A firma de engenharia Arup, que estava envolvida no projecto desde a fase do concurso, trabalhou em estreita colaboração com os arquitectos, com a BAM Construct UK e com os gestores do projecto Turner & Townsend para transformar a visão de Kengo Kuma em realidade.

O edifício funciona de forma semelhante a uma concha, na medida em que é uma estrutura contínua e interligada. O telhado, as paredes e o chão trabalham todos em conjunto para tornar o edifício estável. Embora as torções e dobras das paredes possam ter sido vistas como apresentando um problema, os engenheiros consideraram como estas complexidades, que poderiam ajudar a fortalecer o edifício, da mesma forma que os origamis de papel, que se tornariam mais rígido quando é dobrado.

O edifício consiste em duas partes separadas unidas no piso superior, onde enormes vigas de aço ligam as paredes exteriores a dois núcleos, fornecendo apoio. A maior tensão numa única viga é o equivalente a suportar cerca de 40 autocarros de dois andares.

Enquanto o andar inferior é dividido em dois, separando as áreas públicas da entrega de objectos, preparação e alojamento do pessoal, o segundo andar superior proporciona espaços de galeria muito grandes e ininterruptos. A separação da estrutura nos níveis inferiores permite a passagem de um passadiço exterior pelo meio do edifício, um arco que une o rio à cidade.

 

Espaços

V&A Dundee tem uma área útil de 8.445 metros quadrados e inclui um salão principal, centro de aprendizagem, auditório, galerias de exposições e as galerias de design escocês permanentes. Ao nível do rés-do-chão, está disposto como dois edifícios separados. Estes juntam-se no segundo andar superior.

Os visitantes entram no V&A Dundee através de um grande e belo salão principal, um espaço cheio de luz destinado pelo arquitecto a ser acolhedor e acessível, um local vibrante para socializar com um café, loja e outras instalações para os visitantes. As paredes interiores escalonadas são forradas com painéis suspensos de folheado de carvalho, atravessadas por janelas de fendas que criam uma luz dinâmica, quente e lúdica, assim como vistas para o rio.

O chão do salão principal e da escadaria é montado com calcário “Carlow Irish Blue”, que inclui fósseis visíveis de criaturas e plantas marinhas, com milhões de anos de idade. A pedra escura com detalhe fóssil foi escolhida para continuar a ligação ao mar e à natureza em todo o edifício. Um elevador de vidro oferece vistas dramáticas à medida que os visitantes se elevam até ao segundo andar superior.

O betão branco utilizado no café, restaurante e na caixa da loja presta homenagem ao mexilhão de pérolas de água doce do rio Tay, em perigo de extinção. O betão foi misturado com conchas de mexilhão, um subproduto de fonte sustentável da indústria alimentar britânica local.

O segundo andar superior tem vistas sobre o salão principal, através do restaurante e para o rio Tay, com visitantes recebidos num foyer aberto que liga a Galeria de Design Michelin, o Centro de Aprendizagem Thomson e as entradas tanto para as galerias de exposições como para as galerias de design escocês permanentes. Os pisos no nível superior e dentro das galerias são assentes em carvalho europeu, e o bambu é utilizado para o piso do restaurante e o piso e paredes da sala de piquenique.

A V&A Dundee tem o maior espaço de exposição temporária dos museus na Escócia, com 1.100 metros quadrados, para além das Galerias de Design Escocesas com 550 metros quadrados.

Também no andar superior encontra-se um conjunto de espaços de aprendizagem, concebidos para proporcionar um programa diversificado para que todos possam participar na criatividade do design. Adjacente encontra-se um estúdio de residência de design onde os artistas podem partilhar trabalhos em curso com os visitantes, um auditório polivalente para conferências de design e eventos comunitários, e um restaurante com vistas espectaculares através de janelas do chão ao tecto e do seu terraço exterior sobre a RRS Discovery e o rio Tay.

O exterior do edifício foi concluído quando todos os 2.429 painéis de betão pré-fabricados foram levantados no local. O tamanho, forma e colocação destes variam em torno do edifício, criando padrões mutáveis de sombras à medida que o sol se move em torno do museu.

Cada painel, pesando até duas toneladas e medindo até quatro metros de comprimento, era fixado ao edifício utilizando suportes fixados em canais que tinham sido previamente fundidos nas paredes exteriores. O processo de elevação e fixação de todos os painéis de betão pré-fabricados levou cerca de sete meses a ser concluído.

 

Kengo Kuma, Arquitecto de V&A Dundee

"A minha inspiração começa sempre a partir do local onde o projecto vai estar. No passado, já visitei a Escócia muitas vezes. É um país muito bonito e estou verdadeiramente apaixonado pela paisagem e natureza escocesas. Quando começámos este concurso, a primeira coisa que eu queria fazer era visitar o local. Quero sempre fazer isto. De outra forma, ficaria demasiado assustado. Afinal de contas, certas coisas podem ser sentidas ali e em mais lado nenhum.

"A singularidade deste projecto para nós está na posição entre a água e a cidade - é muito diferente de um sítio normal, uma vez que se situa entre a terra e a água. Quando começámos a pensar no projecto, um dos meus colegas mostrou-me uma imagem dos penhascos do nordeste da Escócia - é como se a terra e a água tivessem uma longa conversa e finalmente criassem esta forma espantosa. O desenho do V&A Dundee tenta traduzir esta singularidade geográfica no edifício, criando um penhasco artificial”, disse Kengo Kuma .

 

Biografia de Kengo Kuma

Kengo Kuma nasceu em 1954. Antes de estabelecer Kengo Kuma & Associates em 1990, recebeu o seu Mestrado em Arquitectura da Universidade de Tóquio, onde é actualmente Professor de Arquitectura.

Tendo sido inspirado pelo Ginásio Nacional Yoyogi de Kenzo Tange, construído para os Jogos Olímpicos de Tóquio de 1964, Kengo Kuma decidiu prosseguir a arquitectura ainda jovem, e mais tarde entrou no programa de arquitectura da Universidade de Tóquio, onde estudou com Hiroshi Hara e Yoshichika Uchida.

Durante os seus estudos de pós-graduação, fez uma viagem de investigação pelo Saara, explorando várias aldeias e povoações, observando um poder e beleza únicos. Depois do seu tempo como Visiting Scholar na Universidade da Columbia em Nova Iorque, estabeleceu o seu escritório em Tóquio.

Desde então, Kengo Kuma & Associates concebeu obras de arquitectura em mais de 20 países e recebeu prestigiados prémios, incluindo o “Architectural Institute of Japan Award”, o “Spirit of Nature Wood Architecture Award” (Finlândia), e o “International Stone Architecture Award” (Itália), entre outros. Kengo Kuma & Associates tem como objectivo conceber uma arquitectura que se funde naturalmente com o seu ambiente cultural e ambiental, propondo edifícios suaves e de escala humana.

Entre as principais obras de Kengo Kuma estão o Observatório Kirosan (1995), Água/Vidro (1995), Museu Yusuhara Marche e Ponte de Madeira (2010), Centro de Cultura e Turismo de Asakusa (2012), Centro de Arte Besançon e Cité de la Musique (2012), Conservatório de Música Darius Milhaud (2013) e Museu de Arte Popular da Academia de Artes da China (2015). A sua prática está actualmente envolvida em muitos projectos a nível mundial, incluindo o Estádio Nacional para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e o Centro Cultural Waterfront, em Copenhaga.

Kengo Kuma é conhecido por se inspirar nos arredores de um local e pelo seu uso inovador e delicado de materiais tradicionais. É conhecido pela sua manipulação sensível da luz natural, e por criar uma arquitectura em harmonia com a natureza.

Acerca do museu da Escócia, Kengo Kuma, afirmou o seguinte: "Para V&A Dundee tentámos produzir um projecto que reflectisse os dois eixos principais da cidade - Union Street e Discovery Point - e depois coordená-los num movimento em espiral. A forma é intrinsecamente dinâmica à medida que cresce da rua para cima. O edifício funciona como uma ligação entre o rio e a cidade - criando uma moldura através da qual se pode ver o rio a partir da cidade, e ver a cidade a partir do rio. Dundee foi uma cidade construída sobre comércio e o rio desempenhou um papel vital. A grande ideia para V&A Dundee era juntar natureza e arquitectura, e criar uma nova sala de estar para a cidade. Espero que o museu possa mudar a cidade e tornar-se o seu centro de gravidade. Estou encantado e orgulhoso por este ser o meu primeiro edifício no Reino Unido".

Theresa Beco de Lobo