"Tailleurs" I Sedução Outonal

Ulyana Sergeenko

Valentino

Chanel

Chanel

Chanel

Chanel

Chanel

Chanel

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Christian Dior

Fendi

Ronald Van Der Kemp

On Aura Tout Vu

Imane Ayissi

Classificada por muitos como um hino à elegância, a Moda Outono/Inverno 2022/2023 é para nós um canto à feminilidade e à sedução. E para seduzir com capricho nada melhor que um “tailleur”, peça de vestuário nascida no último quartel do século XIX e que tem participado na evolução da mulher no sentido da racionalidade e da liberdade.

 

A saia/casaco, conjunto que apareceu em 1880 sob a designação de “tailleur”, deve o seu nome aos alfaiates que, na época, os coleccionavam. A sua forma ou linhas, tal como o conhecemos hoje (saia estreita), foi muito usada em 1912, e predominou nos famosos Anos 20, período em que o “tailleur” se associou a outros acessórios “roubados” ao guarda-roupa masculino: calça, camisa e gravata. Embora, em muitos aspectos, tenha sofrido um decalque de uma insistência, quase obsessiva, da imagem masculina, são sem dúvida, duas peças de vestuário que romperam ostensivamente com as formas femininas do neo-classissismo, permanecendo na Moda até aos nossos dias e sem deixar de ser um conjunto de extrema feminilidade.

 

Este ano, os “tailleurs” abarcam as cores primárias e alguns tons de pastel. A destacar, os castanhos, ferrugens, cinzentos e, obviamente, o vermelho, a cor primária com mais força. Quanto aos tecidos, há um nítido privilegio pela lã cardada. “mohair”, “tweed” e algumas alpacas.

 

Existem porém, uma coordenada que passa por todas as propostas de “tailleurs”: a sedução. A sedução que existe no traje preferido das executivas que fazem parte do trabalho diário uma “provocação” construtiva.

 

Marionela Gusmão