Surrealismo Além-Fronteiras

1.

Voo Nocturno do Temido e da Delícia 1964. Skunder Boghossian (Etíope-Arménio 1937–2003). Óleo sobre tela com colagem. Créditos da imagem: ©2021 Skunder Boghossian. Colecção North Carolina Museum of Art, Raleigh, Adquirido com fundos da North Carolina State Art Society (Legado Robert F. Phifer) Cortesia The North Carolina Museum of Art.

2.

O seu Olhar já não se Dirige para a Terra, mas tem os Pés Assentes Nela, 1953. Artur Cruzeiro Seixas (Português, 1920–2020). Pata (bufalo) casco, papier mâché, guache, madeira, e osso de tartaruga. Fotografia: Guilherme Carmelo. Crédito da fotografia: Fundação Cupertino de Miranda. Créditos da imagem: © 2021 SPA, Lisbon / Licensed by VAGA at Artists Rights Society (ARS), NY. Colecção Cupertino de Miranda, Vila Nova de Famalicão, Portugal Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

3.

Gripe das Aves. Malangatana (Moçambique, 1936-2011). Colecção Fundação Cupertino de Miranda, Vila Nova de Famalicão, Portugal. Cortesia Fundação Cupertino de Miranda, Vila Nova de Famalicão, Portugal.

4.

Pintura, 1951. Fernando Lemos (Português, 1926-2019). Óleo sobre cartão prensado. Colecção Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado.

5.

Aparelho Metafísico de Meditação, 1935. António Pedro, (Português, 1909-1966), Madeira, plástico e latão cromado. Colecção Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado. Cortesia Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado.

6.

Umi (O Mar),1929. Koga Harue (Japonês, 1895–1933), Óleo sobre tela. Colecção The National Museum of Modern Art, Tokyo. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

7.

Auto-retrato, (cerca 1937/38). Leonora Carrington,(1917-2011) . Créditos da tmagem: © 2021 Estate of Leonora Carrington / Artists Rights Society (ARS), New York. Créditos da tmagem: Image © Metropolitan Museum of Art. Colecção The Metropolitan Museum of Art, New York, The Pierre and Maria-Gaetana Matisse Collection, 2002 Cortesia Tate Modern, London.

8.

O Cadáver Requintado, no.11, 1930. Marko Ristić (Belgrado 1902–1984), Ševa Ristić (Belgrado 1906–1995), André Thirion (Francês 1907–2001), Aleksandar Vučo (Belgrado 1897–1985), Lula Vučo (Servia 1899– 1985), Vane Živadinović Bor (Serbia 1908–1993). Lápis de cor e tinta sobre papel Colecção Museum of Contemporary Art Belgrade, Legado de Marko Ristić, doado por Ševa and Mara Ristić. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

9.

L'Étreinte (O Abraço), 1940. Ida Kar (Russia 1908–1974). Impressão em brometo Vintage. Colecção H.H. Sheikh Zayed Bin Sultan Al Nahyan. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

10.

Chiki, O Seu País, 1944. Leonora Carrington (Inglesa,1917–2011). Óleo, têmpera e tinta sobre tela. Fotografia: cortesia Sotheby. Créditos da imagem: © 2021 Estate of Leonora Carrington / Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção privada, Cidade do México. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

11.

O Sonho de Tobias, 1917. Giorgio de Chirico (Grego 1888–1978). Óleo sobre tela. Crédito da fotografia: John Wilson White. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / SIAE, Rome. Colecção The Bluff Collection. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

12.

O Voo Nocturno do Pássaro Pi.,1952. Eugenio Granell (Espanhol 1912–2001). Tempera sobre cartão. Crédito da fotografia: Margen Fotografía. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / VEGAP, Madrid. Colecção Fundación Eugenio Granell, Santiago de Compostela. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

13.

Roupeiro Surrealista, 1941. Marcel Jean (Francês 1900–1993). Óleo sobre madeira. Crédito da fotografia: © MAD, Paris / Jean Tholance. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / ADAGP, Paris. Colecção Musée des arts décoratifs, Paris, Oferta do artista 1994. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

14.

A Presença Eterna,1944. Wifredo Lam (Cubano 1902–1982). Óleo e pastel sobre papel mâché e giz moído sobre tecido de fibra. Crédito da fotografia: Photography by Erik Gould, courtesy of the Museum of Art, Rhode Island School of Design, Providence. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / ADAGP, Paris. Empréstimo do Museum of Art, Rhode Island School of Design, Nancy Sayles Day Collection of Modern Latin American Art. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

15.

Paus e Pedras, 1937. Mayo (Egípcio 1905–1990). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / ADAGP, Paris. Colecção Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen, Düsseldorf. Cortesia Metropolitan Museum of Art, New York.

16.

Placa 7, do Portfólio Estampas del Popol-Vuh (Impressões do Popol-Vuh), 1943. Carlos Mérida (Guatemala 1891–1984). Litografia a cores. Créditos da imagem: © 2021 Artists Rights Society (ARS), New York / SOMAAP, Mexico City. Colecção The Metropolitan Museum of Art, Oferta de Jean Charlot, 1944.

A exposição "Surrealismo além-fronteiras", que abre em Nova Iorque, em Outubro, e segue para Londres, em 2022, incluirá obras de cinco artistas de língua portuguesa, incluindo Malangatana, Fernando Lemos e António Pedro, confirmadas pela Tate Modern.

A mostra "Surrealismo para além das fronteiras" é inaugurada a 11 de Outubro no Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, onde permanecerá até 30 de Janeiro de 2022. Abrirá então a 24 de Fevereiro do ano seguinte na Tate Modern, em Londres, que a terá em exposição até 29 de Agosto. A Tate Modern também confirmou, para além do já anunciado Artur Cruzeiro Seixas (1920-2020), Malangatana (1936-2011), Fernando Lemos (1926-2019), António Pedro (1909-1966) e António de Azevedo (1889-1968) terão obras incluídas na exposição. Quando Cruzeiro Seixas morreu no ano passado, a directora da Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, Marlene Oliveira, já tinha confirmado que uma "obra de referência" do artista seria doada para a exposição organizada conjuntamente pelo Metropolitan Museum of Art e por Tate Modern.

O surrealismo partiu de uma "ideia revolucionária acesa em Paris por volta de 1924 que afirmava o inconsciente e os sonhos sobre o familiar e o quotidiano". "Embora o surrealismo pudesse gerar obras frequentemente poéticas e até humorísticas, foi também utilizado como uma arma mais séria na luta pela liberdade política, social e pessoal por muitos artistas a nível internacional".

 

O objectivo da exposição é ir além do foco dado ao surrealismo através de uma perspectiva da Europa Ocidental: "Esta exposição reconsidera o verdadeiro 'movimento' do surrealismo através das fronteiras da geografia e cronologia e dentro de redes da Europa Oriental às Caraíbas, da Ásia ao Norte de África, e da Austrália à América Latina". "Incluindo quase oito décadas de trabalho produzido em 45 países, 'Surrealismo para além fronteiras' oferece uma nova abordagem às preocupações e trocas colectivas que reposicionam a apreciação deste movimento revolucionário e global", pode ser lido no site do Museu Metropolitano. Tate acrescenta que a exposição irá "mostrar como artistas de todo o mundo se inspiraram e uniram em torno do surrealismo, de centros tão diversos como Buenos Aires, Cairo, Lisboa, Cidade do México, Praga, Seul e Tóquio".

Esta exposição representa um novo olhar sobre a história do movimento artístico revolucionário.

O surrealismo não é um estilo - mas um estado de espírito. Tem como objectivo subverter a realidade. Para encontrar o estranho no quotidiano. Para explorar os desejos inconscientes e trazer sonhos à vida. E para muitos artistas em todo o mundo, tem sido uma forma de desafiar a autoridade e imaginar um novo mundo.

 

SURREALISMO

Trata-se de um movimento literário, filosófico e artístico do século XX que explorava o funcionamento da mente, defendendo o irracional, o poético e o revolucionário.

O surrealismo tem como objectivo revolucionar a experiência humana. Equilibra uma visão racional da vida com uma visão que afirma o poder do inconsciente e dos sonhos. Os artistas do movimento encontram magia e uma estranha beleza no inesperado e no assombroso, no desprezado e no não convencional. No centro do seu trabalho está a vontade de desafiar valores e normas impostas, e uma busca de liberdade.

A palavra "surrealista" (sugerindo "para além da realidade") foi criada pelo poeta francês de vanguarda Guillaume Apollinaire, no prefácio de uma peça de teatro apresentada em 1917. Mas foi André Breton, líder de um novo agrupamento de poetas e artistas em Paris, que, no seu Manifesto Surrealista (1924), definiu surrealismo como: “puro automatismo psíquico, pelo qual se propõe expressar, quer verbalmente, quer por escrito, quer por qualquer outra forma, o funcionamento real do pensamento. Ditado do pensamento na ausência de todo o controlo exercido pela razão, fora de toda a preocupação estética e moral”.

Muitos artistas surrealistas utilizaram o desenho ou a escrita automática para desbloquear ideias e imagens das suas mentes inconscientes. Outros quiseram retratar mundos do sonho ou tensões psicológicas ocultas. Os artistas surrealistas também se inspiraram no misticismo, culturas antigas e arte e saberes indígenas como uma forma de imaginar realidades alternativas.

 

A aspiração do movimento para a libertação da mente, assim como a libertação das expressões artísticas, significou também a procura da liberdade política. Em muitos casos, estes artistas voltaram-se para o activismo político. Deste modo, os conceitos revolucionários encorajados pelo surrealismo levaram o movimento a ser visto como um modo de vida.

Desde o seu início, as ideias e a arte associadas ao surrealismo foram disseminadas, abraçadas e re-imaginadas através de redes internacionais de intercâmbio e colaboração. As ideias e temas centrais do Surrealismo foram adaptados e considerados relevantes para diferentes contextos históricos, geográficos e culturais, permitindo a sua expressão através de vozes plurais.

Por muito ampla que tenha sido a influência das preocupações surrealistas nos artistas de todo o mundo, certos artistas que foram assimilados ao movimento sempre se recusaram a ser definidos como surrealistas.

 

As histórias anteriores de surrealismo concentraram-se em Paris nos Anos 20. Com base numa extensa pesquisa, esta exposição atingirá todo o mundo em mais de 50 anos. Mostrará como artistas de todo o mundo têm sido inspirados e unidos pelo surrealismo - de centros tão diversos como Buenos Aires, Cairo, Lisboa, Cidade do México, Praga, Seul, e Tóquio.

Um receptor telefónico que se transforma numa lagosta. Um comboio em miniatura que se apressa de uma lareira...

Estas são apenas algumas das imagens familiares associadas ao surrealismo, uma ideia revolucionária desencadeada em Paris por volta de 1924 que afirmava o inconsciente e os sonhos sobre o familiar e todos os dias. Embora o Surrealismo pudesse gerar obras frequentemente poéticas e mesmo humorísticas, foi também tomado como uma arma muito mais séria na luta pela liberdade política, social e pessoal, e por muitos mais artistas em todo o mundo.

Quase desde o seu início, o Surrealismo teve um âmbito internacional, mas o conhecimento do movimento foi formado principalmente através de um enfoque europeu ocidental. Esta exposição reconsidera o verdadeiro "movimento" do Surrealismo através de fronteiras geográficas e cronológicas - e dentro de redes que abrangem a Europa Oriental até às Caraíbas, Ásia até ao Norte de África, e Austrália até à América Latina. Incluindo quase oito décadas de trabalho produzido em 45 países, o Surrealismo para além das fronteiras oferece uma nova avaliação destas preocupações e intercâmbios colectivos - bem como distinções históricas, nacionais e locais - que reformularão a apreciação deste movimento mais revolucionário e globalizante.

A exposição é possível graças à Fundação Barrie A. e Deedee Wigmore.

Apoio adicional é fornecido pelo Fundo Placido Arango, o Fundo Gail e Parker Gilbert, Alice Cary Brown e W.L. Lyons Brown, o Fundo da Família John Pritzker, e o Conselho Internacional do Museu Metropolitano de Arte.

A exposição é apoiada por uma indemnização do Conselho Federal das Artes e das Humanidades.

Foi organizado pelo Museu Metropolitano de Arte e Tate Modern.

 

Theresa Bêco de Lobo