Peter Lindbergh I Histórias Por Contar

Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Steffy Argelich, Los Angeles, 2014 Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris

Hollywood, 1994. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Karen Elson, Los Angeles, 1997. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Os Sapatos de Milla, Deserto Mojave, 1990. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Karen Elson, Los Angeles, 1997. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Naomi Campbell, Ibiza, 2000. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Luciana Curtis, New York, 1998. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Querelle Jansen, Paris, 2012. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Linda Evangelista, Michaela Bercu & Kirsten Owen, Pont-à-Mousson, 1988. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Kara Young, Duisburg 1984. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Fotografia de Moda. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Tao Okamoto, New York, 2016. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Lynne Koester, Comme des Garcons, Paris, 1984. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Fotografia de Moda. Peter Lindbergh (1944-2019). Créditos da imagem© Stefan Rappo (courtesy Peter Lindbergh Foundation, Paris). Colecção Peter Lindbergh Foundation, Paris. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

A exposição “Peter Lindbergh: Histórias Por Contar”, foi comissariada pelo próprio Peter Lindbergh pouco antes da sua morte prematura em 2019, a qual está patente  na Corunha, na Galiza, Espanha, desde 4 de Dezembro último. até 28 de Fevereiro de 2022.

A mostra está localizada no movimentado porto perto do centro da cidade, que é um salão industrial e foi especificamente remodelado para acolher a mostra: “Peter Lindbergh: Histórias por Contar”.

Graças à intervenção arquitectónica liderada pela arquitecta galega Elsa Urquijo, este novo espaço de exposições foi concebido para homenagear Lindbergh, um homem, com a sua obra icónica. O salão foi dividido em duas zonas, criando uma experiência única e emersiva.

                                                            

Lindbergh passou dois anos a seleccionar 161 imagens ao longo da sua carreira de quatro décadas, nas quais imortalizou algumas das mulheres mais famosas do mundo da moda, do cinema, entre outras, como Nicole Kidman, Charlotte Rampling, Uma Thurman e muitas das modelos que definiram os Anos 90, incluindo Naomi Campbell, Linda Evangelista e Kate Moss. Estas mulheres deixaram uma marca inesquecível, tanto no mundo da moda, como no da fotografia. O evento apresenta cerca de 150 fotografias do início dos anos 80 a 2019,  oferecendo novas e inesperadas perspectivas  sobre o trabalho deste lendário fotógrafo. Um programa educativo em colaboração com a Universidade da Corunha reforça a vertente didáctica da exposição.

A mostra é apresentada em associação com a Fundação Lindbergh, sob a direcção de Benjamin Lindbergh, o filho do fotógrafo. Foi organizada com o apoio pessoal de Marta Ortega, uma amiga do fotógrafo e admiradora de longa data do seu trabalho, como parte de uma iniciativa para A Corunha com a ambição de trazer à região uma cultura de classe mundial, ao mesmo tempo que promove ao mundo, o espírito rico e cultural da Galiza.

Este acontecimento foi concebido pelo próprio Peter Lindbergh e ocupa um edifício industrial convertido na zona portuária da Corunha, numa intervenção arquitectónica liderada por Elsa Urquijo, que representa uma nova e notável adição à cidade. Urquijo foi também responsável pela remodelação do silo, onde foi colocado um café, respeitando o fundo industrial do espaço.

Uma ligação adicional entre a exposição e o seu contexto local é o programa educativo, concebido para mostrar o valor do trabalho de Lindbergh entre os investigadores e despertar o seu interesse pelas artes visuais. O evento foi organizado em colaboração com a Universidade da Corunha e alguns artistas visuais galegos, mais de 2000 jovens participaram em workshops nas escolas e visitas à mostra.

A exposição é acompanhada por uma edição especial do livro Taschen “Peter Lindbergh: Histórias por Contar.”

Acerca da Corunha, o filho de Peter, Benjamin Lindbergh disse: "Quando o meu Pai visitou a Corunha em 2018, surgiu logo uma ligação entre a cidade portuária e a sua estética. O clima sombrio da Galiza, as ondas tumultuosas da maré entrelaçadas com o cenário industrial omnipresente pareciam ser a contrapartida perfeita para a região do Ruhr, onde o meu pai cresceu na Alemanha. Tal lugar, onde tanto a força da natureza como a força da humanidade se unem harmoniosamente, encaixaria quase perfeitamente na exposição:”Histórias por Contar”, o último evento, em que ele trabalhou e muito provavelmente o seu projecto mais pessoal de sempre. Em nome da Fundação Peter Lindbergh, estou muito grato a Marta Ortega por permitir que “Histórias por Contar” fossem exibidas na sua cidade natal e que o legado de Peter tocasse o povo da Galiza e não só".

Acerca do fotógrafo, Marta Ortega, afirmou: "Peter e a Galiza têm grandes semelhanças...natureza selvagem, beleza natural, o calor humano que nos faz sentir vivos. É meu grande privilégio poder juntá-los a ambos. Faço-o com o único propósito de que cada corunhês, cada galego, cada espanhol, e todos os que viajam pelo mundo e chegam a esta maravilhosa terra, possam desfrutar e apreciar livremente este evento requintado que Peter preparou até ao último pormenor, antes da sua morte prematura. Espero, e acredito firmemente, que será o ponto de partida para muitos que, depois de entrarem no mundo de Peter, se apaixonarão pelas suas imagens e procurarão conhecê-lo mais a fundo".

 

Exposição

A exposição, é composta por mais de 161 fotografias cuidadosamente seleccionadas pelo próprio artista, é concebida em três capítulos. Duas instalações de grande escala encerram a apresentação e lançam uma luz fresca e surpreendente sobre o trabalho de Lindbergh.

Manifestação, a monumental instalação de abertura, que apresenta vários “bluebacks” de grande escala, foi desenvolvida especialmente para a exposição e proporciona uma introdução emersiva e estimulante ao entendimento de Lindbergh sobre fotografia de moda. Esta secção é apresentada numa sala completamente preta e inclui as 24 imagens que costumavam aparecer sempre que o artista tinha de fazer uma selecção de obras, aquelas que condensavam, na sua opinião, o papel da fotografia de moda com a cultura visual global.

Na secção central da exposição, apresentada numa sala branca em contraste com a primeira instalação, Lindbergh organizou os trabalhos, que ele pessoalmente considerava fundamentais para a sua obra. Ele fez experiências com o seu próprio material e revelou novas histórias enquanto se mantinha fiel à sua línguagem. Tanto imagens emblemáticas, como nunca antes exibidas são mostradas em pares ou grupos que dão origem a interpretações inesperadas e marcantes. Aqui podem ser encontradas algumas das suas séries mais simbólicas, como Naomi Campbell retratada em Ibiza em 2000 ou Milla Jovovich posando com inspiração do cabaret. Nesta secção, as fotografias pessoais e os editoriais são expostos, como um corpo inteiro de trabalho, sem hierarquias, tal como Peter Lindbergh costumava conceber. Os seus recorrentes recursos formais e obsessões surgem aqui com clareza: detalhes corporais, máscaras, artes cénicas e definições alternativas de beleza são algumas delas.

A exposição encerra com a instalação do filme “Testamento” (2013), que revela um lado até agora desconhecido da prática e do carácter do fotógrafo alemão. Filmado através de um espelho unidirecional, o filme mostra a troca silenciosa entre a câmara de Lindbergh e Elmer Carroll. O preso do corredor da morte da Florida passou 30 minutos a olhar atentamente para o seu reflexo - pensativo, introspectivo e sem animação facial significativa. Mostrada pela primeira vez, a instalação do “Testamento” acrescenta uma camada inesperada à exposição e abre uma discussão sobre temas que eram de importância central para Peter Lindbergh: introspecção, empatia e liberdade.

Peter Lindbergh (1944-2019) é reconhecido como um dos fotógrafos contemporâneos mais influentes. Nascido em Lissa (na Polónia ocupada pela Alemanha) em 1944, passou a sua infância em Duisburg (Renânia do Norte-Vestefália). Trabalhou como decorador de montras para uma loja local e inscreveu-se na Academia de Belas Artes de Berlim no início da década de 1960. Lembrou-se destes anos, através das seguintes palavras: "Preferi procurar activamente as inspirações de Van Gogh, o meu ídolo, em vez de pintar os retratos e paisagens obrigatórias ensinadas nas escolas de arte..."

Inspirado pelo trabalho de Van Gogh, mudou-se para Arles durante quase um ano, e depois embarcou numa viagem de boleia por Espanha e pelo Norte de África. Mais tarde, estudou pintura na Escola Superior de Arte de Krefeld. Influenciado por Joseph Kosuth e pelo movimento Conceptual, foi convidado, antes de se formar, a apresentar o seu trabalho na célebre Galerie Denise René, vanguardista, Hans Mayer, em 1969.

Depois de se mudar para Düsseldorf em 1971, voltou a sua atenção para a fotografia e trabalhou durante dois anos a assistir o fotógrafo alemão Hans Lux, antes de abrir o seu próprio estúdio em 1973. Tornando-se bem conhecido no seu país natal, juntou-se à revista Stern juntamente com a fotografia de Helmut Newton, Guy Bourdin e Hans Feurer, e mudou-se para Paris em 1978 para continuar a sua carreira.

Considerado um pioneiro na fotografia, introduziu uma forma de novo realismo ao redefinir os padrões de beleza com imagens intemporais. A sua abordagem humanista e a idealização da mulher distinguiram-no dos outros fotógrafos ao darem prioridade à alma e à personalidade. Mudou drasticamente os padrões da fotografia de moda em tempos de retoques excessivos, pois considerava que há algo mais que torna uma pessoa interessante, para além da sua idade. Ele explicou: "Esta deve ser a responsabilidade dos fotógrafos de hoje para libertar as mulheres, e finalmente todos, do terror da juventude e da perfeição".

Lindbergh foi o primeiro fotógrafo a incluir uma narrativa na sua série de moda, e os seus trabalhos introduziram uma nova visão da arte e da fotografia de moda. Ao longo dos anos,  criou imagens que marcaram a história da fotografia de moda, caracterizada por uma abordagem minimalista à fotografia pós-modernista. Em 1988, Lindbergh foi aclamado internacionalmente ao mostrar uma nova geração de modelos todas vestidas com camisas brancas que tinha descoberto recentemente e cujas carreiras lançou.

Um ano mais tarde fotografou Linda Evangelista, Naomi Campbell, Cindy Crawford, Christy Turlington e Tatjana Patitz, jovens modelos então, juntas pela primeira vez, para a lendária capa da Vogue do Reino Unido de Janeiro de 1990.

O cantor pop George Michael, o iniciador do movimento "Supermodels", mais tarde seguido por Gianni Versace, inspirou-se nas fotografias da Vogue de Lindbergh para criar o vídeo icónico da sua canção "Freedom 90", marcando o início da era dos modelos de celebridades, que redefiniram a imagem da mulher moderna.

Célebre pela sua série narrativa de moda, o trabalho de Lindbergh é mais conhecido pelos seus retratos simples e reveladores, pelas suas naturezas mortas e pelas suas fortes influências do cinema alemão primitivo e do meio industrial da sua infância, da dança e dos cabarés, mas também das paisagens e do espaço exterior. Lindbergh trabalhou com as mais prestigiadas marcas e revistas de moda desde finais da década de 1970, incluindo edições internacionais da Vogue, The New Yorker, Rolling Stone, Vanity Fair, Harper's Bazaar US, Wall Street Journal Magazine, The Face, Visionaire, Interview e W.

O seu trabalho faz parte de muitas colecções permanentes de museus de arte em todo o mundo e também as suas fotografias foram exibidas em museus e galerias de prestígio. Entre estes encontram-se o Victoria & Albert Museum (Londres), Centre Pompidou (Paris) e a exposição “Uma Visão Diferente sobre a Fotografia de Moda” no Kunsthal de Rem Koolhaas em Roterdão (2016), assim como exposições individuais em Hamburger Bahnhof (Berlim), Bunkamura Museum of Art (Tóquio) e o Pushkin Museum of Fine Arts (Moscovo).

Lindbergh realizou uma série de filmes e documentários aclamados pela crítica; “Modelos, O Filme” (1991); Inner Voices (1999), que ganhou o prémio de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Toronto em 2000; Pina Bausch, “Der Fensterputzer” (2001) e “Em Todo o Lado de uma Só Vez” (2007), que foi narrado por Jeanne Moreau e foi apresentado nos Festivais de Cinema de Cannes e Tribeca.

Lindbergh faleceu a 3 de Setembro de 2019

A exposição num ambiente imersivo a preto e branco, os visitantes podem admirar o artista e experimentar o seu trabalho com mais de 152 fotografias pelo próprio Lindbergh, abrangendo os seus 40 anos de carreira, que incluem muitas que o tornaram célebres, e outras que nunca foram expostas antes.

A Corunha sendo o lar de uma variedade de museus, teatros e festivais anuais, uma cidade popular entre os amantes da arte e da cultura, Lindbergh fez dela a escolha natural para acolher a sua exposição de Histórias por Contar.

 

Theresa Bêco de Lobo

Os Contentores, que Apresentam a Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

A entrada para a Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

A Imagem do Filme da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

As Imagens da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Visão dos Interiores das Galerias da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Visão dos Interiores das Galerias da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Visão dos Interiores das Galerias da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.

Visão dos Interiores das Galerias da Exposição: “Peter Lindbergh: Histórias Não Contadas”, foi comissariada pelo próprio Peter, Lindbergh, na Corunha, Galiza, em Espanha, de 4 de Dezembro até 28 de Fevereiro de 2022. Cortesia Peter Lindbergh Foundation, Paris.