Logo M&Mvermelho brabco.png

Pelicas negro total

Alberta Ferrretti

Alberta Ferrretti

Braschi

Fendi

Hermes

Hermes

Ingie

Ingie

Junya Watanabe

Junya Watanabe

Koche

Miu Miu

Miu Miu

Saint Laurent

Stella McCartney

O negro total está na moda, especialmente em pelicas. Nesta fase das nossas vidas, aqui e em todos os continentes, o preto, uma cor associada à elegância mas também ao luto, é a cor, para esta revista, menos apetecida.

Amamos a vida, a alegria, a música, o baile, as festas e acima de tudo ao amor ao próximo, mais ou menos como quem diz, o amor a toda a Humanidade.

Desde o início da Moda & Moda que assumi o compromisso de transmitir, de fazer notícia de tudo o que os estilistas e costureiros vão criando para tornar as mulheres mais formosas e atraentes, mais “a la page”, mas escrever sobre o negro que me cheira a luto, confesso que não é do meu inteiro agrado. Desculpe-se esta moda lançada antes da COVID 19 ter surgido e desconte-se a sofisticação dos modelos em desagravo desta fase em que vivemos sempre com o “credo” na boca e a alma dorida pelas ocorrências desagradáveis para quem perde elementos das suas famílias e para todo os que trabalham nesta árdua tarefa de acudir a quem precisa.

Já tive o meu marido a trabalhar na Guiné, em tempo de uma guerra inútil e sei o sofrimento que tudo isso me causou. Sempre a seu lado estive no Hospital de Bissau, sempre que me foi possível arranjar forma de conseguir licenças no meu trabalho e lá ia ajudar até ao limite das minhas capacidades físicas. Daí que tenha uma boa experiência para sentir o sofrimento dos que trabalham nos hospitais numa situação tão difícil como esta.

Salve-se o lado “sexy” do total black e o facto de honrar o meu compromisso para com as minhas leitoras: apresentar SEMPRE o que está em moda.

Cada uma fará, a escolha que entender. 

Sei que não é o luto que faz ressuscitar os que partem antes do tempo, nem isso alivia a dor dos que cá ficam.

Católica convicta como sou, peço a Deus Pai todo poderoso, a todos os santos da minha devoção, em primeiro lugar a Santo António, São Francisco, Nossa Senhora da Conceição e à minha querida Santa Jacinta, a última portuguesa a ser canonizada, que olhem por todos os que sofrem, transmitindo forças e sabedoria aos médicos e enfermeiros, ao pessoal auxiliar imprescindível, para que em conjunto combatam para vencer este enfermidade que atormenta o mundo em todos os quadrantes.

Que este negro simbolize a força para vencer o mal que nos atormenta.

 

Marionela Gusmão