O Moderno Mundo de Turner

Navio de Escravos (Escravos Mortos e Moribundos Atirados ao Mar, com o Tufão a Aproximar -se), 1840. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela Colecção Henry Lillie Pierce Fund 251 Europe, 1800–1870 (Beal) E. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

2.

O Incêndio das Casas dos Lordes e Comuns, 16 de Outubro de 1834/1835. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção The Cleveland Museum of Art, Legado de John L. Severance. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

3.

Paz - Enterro no Mar 1842. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

4.

Veneza: O Dogana e San Giorgio Maggiore1834. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela. Colecção Washington, Widener Collection, 1942. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

5.

Veneza ao Luar, com Barcos ao largo de Campanile 1840. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Aguarela sobre papel. Colecção Tate, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

6.

Veneza com o Saudação cerca de 1840/45. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela. Colecção Tate, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

7.

As Eleições de Northampton, 6 de Dezembro de 1830, (cerca de 1830/1). Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Aguarela, guache e tinta sobre papel. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

8.

Foguetes e Luzes Azuis (próximas) para Alertar os Barcos a Vapor de Shoal Water 1840. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Sterling and Francine Clark Art Institute, Williamstown, Massachusetts. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

9.

Tempestade de Neve – Barco a Vapor ao Largo da Boca de um Porto 1842. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

10.

Queda do Reno em Schaffhausen (cerca de 1805/06). Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela. Legado de Alice Marian Curtis, and Special Picture Fund. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

11.

. Keelmen Levantando Carvão ao Luar, 1835. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela. Colecção National Gallery of Art, Washington, Widener Collection. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

12.

Staffa, Caverna do Fingal, (cerca de 1831/32). Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

13.

O Campo de Waterloo,1818 Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

14.

A Queda da Anarquia (?) cerca de 1833/4. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851). Óleo sobre tela. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

15.

A Batalha de Trafalgar, tal como Vista do Sudário de Estibordo Mizen da Vitória, 1806/8. Joseph Mallord William Turner (Inglês, 1775–1851) Óleo sobre tela. Colecção Tate Britain, London. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Nesta Primavera de 2022 foi inaugurado no Museum of Fine Arts, Boston (MFA), a exposição: “O Mundo Moderno de Turner”, que reúne mais de 100 obras de um dos maiores artistas britânicos, incluindo pinturas, aguarelas, desenhos e cadernos de esboços de museus dos Estados Unidos da América e da Grã-Bretanha. 

O que tornou moderno J. M. W. Turner foi a dedicação a temas actuais e novos modos de representação, que tornaram a sua arte vital para o nosso tempo.

 Muitos dos temas explorados nas suas composições dramáticas, são hoje tão modernas, como há cerca de dois séculos, como foi a abolição e o legado da escravatura, o custo humano da guerra, o direito de voto e a questão de quem deve governar, a nova tecnologia e o trabalhador, e a indústria versus o ambiente. O ponto crucial desta exposição histórica é a obra-prima do artista “Navio de Escravos” (1840), uma incriminação ao comércio transatlântico de escravos, apenas em exibida no Museum of Fine Arts. Boston, que foi o terceiro e último local para a mostra:  “O Mundo Moderno de Turner”, que seguiu o Tate Britain de Londres e o Kimbell Art Museum,  em Fort Worth. Boston é o único lugar onde os visitantes podem ver o “navio-escravo” num contexto novo e emocionante.

Turner (1775-1851) viveu um período tumultuoso. Assistiu a guerras, revoluções, reformas sociais e enormes inovações tecnológicas que transformaram o mundo à sua volta. Reagindo a estas mudanças, começou a pintar de uma forma radicalmente nova, e moderna. A sua exploração da cor luminosa foi inigualável, e a sua pintura inovadora antecipou por décadas os traços soltos dos impressionistas na década de 1870 e a manipulação da pintura gestual dos expressionistas abstractos nos anos 1840 e 1850. “O Mundo Moderno de Turner” mostra como um pintor, sobressaiu, em relação aos seus colegas contemporâneos abraçando tempos de mudança e comprometendo-se a capturá-los com uma abordagem ousada e distinta.

Para evidenciar um novo discurso e reflexão sobre o trabalho de Turner cerca de 170 anos após a morte do artista, o MFA recrutou uma série de colaboradores para introduzir novas perspectivas contemporâneas em todas as galerias. Uma visita áudio - com contribuições de especialistas, incluindo o autor e fotógrafo Teju Cole e a curadora do New Bedford Whaling Museum, Naomi Slipp fornecem um contexto mais profundo para 12 obras. Vários vídeos na galeria fazem ligações importantes para uma conversa rápida e encorajam a observação atenta, incluindo uma atenção especial no navio-escravo. Novas leituras. sobre a pintura do artista, foram dadas a conhecer através da investigação de Sylvia Simmons, curadora do MFA e Nancy Scott professora da Universidade Brandeis, Waltham/Boston, Massachusetts acompanharam uma interpretação aprofundada da obra-prima de Turner. Filmes adicionais apresentam discussões sobre o que torna Turner moderno e o que isso significa hoje em dia  a técnica de aguarela de Turner. Estes elementos não só aumentam o conhecimento das obras em exibição, mas também levam os visitantes a considerar ligações a questões actuais e o papel que um artista pode desempenhar numa época de mudança.

“O Mundo Moderno de Turner” está patente no Museum of Fine Arts de 27 de Março a 10 de Julho de 2022, na Galeria Ann e Graham Gund. 

A mostra foi organizada pelo Museum of Fine Arts, Boston, em associação com a Tate Britain e o Kimbell Art Museum. 

"A exposição apresenta J.M.W. Turner de uma forma inovadora de um artista visionário e radical, que era único entre os seus pares. Turner respondeu ao momento com urgência, usando a sua arte para fazer avançar a justiça durante um dos períodos mais tumultuosos da sociedade. Esta é a primeira exposição de Turner no MFA, e estamos ansiosos por ver como os nossos visitantes se envolvem com todo o espectro do seu trabalho – hoje as pinturas e os trabalhos em papel são tão frescos e relevantes, como  foram durante a vida do artista": disse Matthew Teitelbaum, director do Museum of Fine Arts, Boston.

 

Exposição

A exposição está organizada tematicamente em sete secções. A primeira galeria apresenta os “Primeiros Trabalhos”, de Turner sobre a vida contemporânea iniciada na década de 1790. Com base nos muitos cadernos de esboços que preencheu durante as suas viagens pela Europa, os desenhos e aguarelas de Turner registam imagens de maquinaria, tecnologia e pessoas que trabalhavam em várias funções. O Interior de uma Fundição de Canhões (1797/98), por exemplo, retrata uma indústria vital para a defesa da Grã-Bretanha contra os franceses, mostrando trabalhadores a lançar canhões. A paisagem espectacular também captou a imaginação de Turner durante as suas viagens. Uma grande pintura deste período, a “Queda do Reno em Schaffhausen” (cerca de 1805/06) expressa a força da célebre queda de água nos Alpes suíços. No primeiro plano, está uma mãe apressar-se a proteger o seu filho da luta contra uma carroça, sublinhando a insignificância das preocupações humanas perante o poder da natureza, um tema muito ao gosto de Turner. O jovem artista deixou a sua marca em Londres ao mostrar grandes paisagens, como esta nas exposições anuais da Royal Academy.

A Grã-Bretanha esteve em guerra durante a maior parte da primeira metade da vida de Turner, desde as Guerras Revolucionárias Francesas na década de 1790 e a Guerra de 1812 até às Guerras Napoleónicas que continuaram até 1815. A secção “Página Inicial” aborda a vida e o trabalho de Turner na Grã-Bretanha, antes, durante e depois destas guerras. Embora Turner nunca tenha servido nas forças armadas, estava profundamente consciente do impacto, que os conflitos tinham no seu país. As suas próprias motivações, contudo, nem sempre foram claras. Enquanto algumas obras dão pistas sobre as desigualdades na sociedade britânica, como: “Inglaterra: Richmond Hill”. Turner criou esta pintura na tentativa de atrair o patrocínio do Príncipe Regente, o futuro Rei Jorge IV, no Aniversário do Príncipe Regente (exibido em 1819), o seu maior quadro até à data com o patrocínio real. Esta secção também apresenta as “Reflexões de Turner” sobre o boom da construção de canais na Grã-Bretanha. O seu entusiasmo pelos cursos de água foi evidente em muitos dos seus óleos e aguarelas, mas as suas imagens eram por vezes enigmáticas. O “Canal de Chichester” (cerca de 1828), por exemplo, retrata o pôr-do-sol numa via navegável que se pretendia juntar a um sistema de navegação que ligava Londres à costa sul, mas que se revelou ser um investimento desastroso para os seus apoiantes. O trabalho parece lamentar o local, como um fracasso comercial e deleitar-se com a paisagem tranquila que o empreendimento produziu.

A secção “Guerra e Paz”, destaca as exposições da Royal Academy. As representações de Turner dos conflitos militares vão desde obras anteriores que glorificaram a guerra até pinturas posteriores que enfatizavam a compaixão pelo sofrimento e a morte de todos os lados. Um quadro que foi elogiado como o "primeiro épico britânico", “A Batalha de Trafalgar, tal como Vista do Sudário de Estibordo Mizen da Vitória” (1806/08), que comemorava o triunfo do país sobre as forças navais francesas e espanholas. Em “Tempestade de Neve: Hannibal e o seu Exército Cruzando os Alpes” (exibido em 1812), Turner comentou as campanhas actuais, retratando paralelos com passagens históricas antigas, traçando paralelos entre as conquistas de Aníbal, governante do antigo Cartago, e a recente travessia dos Alpes por Napoleão. Quando Turner pintou o “Campo de Waterloo”, mais sombrio (exposto em 1818), três anos após a derrota final de Napoleão, a posição política do artista parecia ter mudado. Nesta cena nocturna, ele não celebrou a vitória nem tomou o partido do seu país, mostrando, em vez disso,  as consequências catastróficas da guerra, tanto para os franceses, como para os britânicos.

Turner encontrou significado político mesmo em tópicos improváveis, tais como a antiga cidade de Veneza - outrora um grande império naval então em decadência. Nas suas aguarelas e pinturas da cidade, apresentadas na secção “Veneza como Alegoria”, Turner trata o seu assunto como uma cidade dissolvida em luz. Na pintura inacabada “Veneza com a Saudação” (cerca de 1840/45), obscureceu o marco familiar da monumental igreja barroca, expondo-a nos efeitos da atmosfera. Esta qualidade miraculosa reforça a realidade de que Veneza, outrora a potência dominante no Mediterrâneo oriental, tinha perdido a sua independência e agora estava sob controlo austríaco. Estas visões de Veneza contrastam com as representações de Turner da florescente economia industrial britânica, que funcionavam, como uma sóbria lembrança aos espectadores.

Turner tornou-se cada vez mais liberal durante a sua vida, e as suas obras contêm mais referências a questões progressivas do que qualquer outro pintor da sua época. A secção “Causas e Campanhas” inclui pinturas que abordam a reforma parlamentar, a liberdade de expressão, e a abolição da escravatura. A peça central, “Navio de Escravos” (Escravos Mortos e Moribundos Atirados ao Mar, com o Tufão a Aproximar -se),  (exibido em 1840) é uma polémica visual apaixonada, que retrata os horrores do comércio transatlântico de escravos. No início do século XIX, estimava-se que os navios britânicos tinham transportado 3,1 milhões de escravos de África para colónias nas Caraíbas, América do Norte e do Sul e outros países. A pintura de Turner foi provavelmente inspirada por um incidente notório em 1781, quando a tripulação do navio de escravos Zong, que se encontrava sob o efeito da doença, forçou 133 prisioneiros a afogarem-se ao mar para recolher o dinheiro do seguro para aqueles "perdidos no mar".

O poder do vapor foi o avanço tecnológico decisivo da vida de Turner. A secção “Vapor e Velocidade” apresenta as suas representações de barcos a vapor e ferrovias, incluindo “Staffa, Fingal's Cave” (cerca de 1831/32), a sua primeira imagem de um barco a vapor e a sua primeira pintura a ir para os Estados Unidos da América. As obras de Turner nesta secção são amplamente admiradas por exemplificarem a modernidade do século XIX e celebrarem a inovação, mas também insinuarem uma nostalgia de natureza intocada. No quadro “Foguetes e Luzes Azuis (próximas) para Alertar os Barcos a Vapor de Shoal Water” (1840, Sterling e Francine Clark Art Institute), os transeuntes olham impotentes para uma poderosa tempestade que se abate sobre a costa.

A última secção da exposição, “Pintor Moderno”, destaca o desenvolvimento por Turner de uma nova linguagem pictórica para reflectir o tempo em que viveu. O seu trabalho de pintura tornou-se cada vez mais aventureiro na sua última década, dando maior proeminência aos efeitos da luz e da atmosfera. O manuseamento notavelmente solto da tinta nestas obras, muitas das quais ficaram, de facto, inacabadas, antecipa movimentos artísticos posteriores. Turner experimentou ir além dos formatos rectangulares, utilizando molduras quadradas, circulares ou octogonais. Expôs temas em pares - um desses agrupamentos foi “Paz - Enterro no Mar,” (exibido em 1842)  “Guerra”e O“Exílio” e o “Limite da Rocha” (exibido em 1842). Trabalhou em extensas séries, incluindo uma das embarcações baleeiras, cujos exemplos são reunidos a partir do Tate e do Metropolitano Museum of Art. Nos seus últimos anos, a modernidade de Turner foi expressa não só na sua escolha de temas, mas também na sua abordagem revolucionária ao próprio acto de pintar.

 

Theresa Bêco Lobo

17.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

18.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

19.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

20.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

21.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

22.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

23.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

24.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

25.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

26.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

27.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

28.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

29.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

30.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

31.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

32.

Vista Geral da Exposição: O Mundo Moderno de Turner. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.