Gulbenkian por Ele Próprio I Na Intimidade de um Coleccionador

1.

Calouste Sarkis Gulbenkian (1869-1955).

2.

Diadema «Galo», Paris, (cerca 1897/1898). René Lalique, (1860-1945). Ouro, chifre, ametista e esmalte. Créditos da imagem: © Catarina Gomes Ferreira. Colecção do Museu Calouste Gulbenkian. Adquirida da artista, em 1904. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

3.

Diadema «Galo», Paris, (cerca 1897/1898). René Lalique (1860-1945). Ouro, chifre, ametista e esmalte. Créditos da imagem: © Catarina Gomes Ferreira. Colecção do Museu Calouste Gulbenkian. Adquirida da artista, em 1904. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

4.

Jarro com Tampa. Sul de Itália (Sicília?), século XIII. Montagem: Paris, (cerca 1734/1735). Jasper e ouro. Créditoda imagem: Catarina Gomes Ferreira Colecção do Duque de Hamilton; colecção do Barão Charles de Rothschild, Frankfurt; colecção do Barão Henri de Rothschild; adquirida ao Barão Henri de Rothschild, 16 de Julho de 1943.Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa - Museu Calouste Gulbenkian.

5.

Garrafa com leão chinês, século XIV, período Mamluk. Egipto ou Síria. Vidro com decoração em ouro e esmalte. Fotografia: Catarina Gomes Ferreira. Colecção Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa - Museu Calouste Gulbenkian.

6.

Fragmento de uma estatueta do Rei Padibastet, Egipto, Dinastia 23 (818-793 a.C.), Terceiro Período Intermédio. Bronze, ouro, cobre e incrustações. Créditos da imagem: Carlos Azevedo. Colecção do Conde Gregory Stroganov, Roma; Colecção de Frederik Muller, Amesterdão; adquirida através de Duveen, 13 de Setembro de 1921. Colecção Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa - Museu Calouste Gulbenkian.

7.

Tapete com Desenhos Grotescos, período Safavid, século XVI. Irão, Tabriz. Seda. Créditos da imagem: © Carlos Azevedo Lisboa - Museu Calouste Gulbenkian. Colecção Fundação Calouste Gulbenkian, Adquirido de Rabenou, Teerão, 1 de Julho de 1939, através do Professor Papa.

8.

Taça de vinho de Jahangir, 1607/8 (datado de 1016). Norte da Índia; Mughal. Jade. Esta taça de vinho, cujas inscrições nos dizem que se destinava ao uso exclusivo de Jahangir (1605/1627) é, até à data, a mais antiga peça de mesa de jade que pode ser ligada a um imperador Mongol. Estas inscrições testemunham também o gosto do soberano pela poesia, que elogiava a embriaguez como um dos caminhos para a união com Deus.

9.

O prato Mahin Banu, (1403/25). China; Dinastia Ming, Período Yongle. Porcelana. Este prato vem da fábrica imperial chinesa em Jingdezhen, que produziu peças tanto para clientes locais como para exportação. Uma inscrição especifica que pertenceu à Princesa Mahin Banu (1519-1562), irmã do governante Safavid Shah Tahmasp. Depois juntou-se às colecções de porcelana de Shah Jahan (1628/1658), filho e sucessor do Imperador Mughal Jahangir.

10.

Urso. China; Dinastia Han Ocidental, (206 a.C./ 25 d.C.). Bronze dourado. Esta escultura afectuosa de um urso teria provavelmente feito parte de um conjunto de quatro. Os ursos eram um tema privilegiado na dinastia Han ocidental, embora esta figura careça da ferocidade geralmente vista nas representações contemporâneas.

11.

Taça, (1100-900 a.C.). Marlik, noroeste do Irão. Ouro. O copo encontrava-se anteriormente nas colecções Samuel Eilenberg e Guennol. Foi exibido na exposição histórica Sept mille ans d'art en Iran, que teve lugar no Petit Palais, Paris, em 1961/2, e foi emprestado a longo prazo ao Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, de 1965 a 2000.

12.

Busto do Imperador Adriano. Cabeça: Romana, primeira metade do século II d.C., barba recarregada em meados do século XIII. Busto: Veneza; segunda metade do século XV.I Suporte: (cerca 1850). Calcedónia, dourado prateado, esmalte, pérolas, pórfiro verde. Esta cabeça data do reinado do imperador, foi oferecida aos Médicis no século XVI, embora eles acabassem por não a adquirir.

13.

Fragmento de chávena. Mediterrâneo Oriental, possivelmente Alexandria; Greco-Romano, 100 a.C./100 d.C.. Ágata. Este fragmento Greco-Romano foi criado cerca de 100 a.C./100 d.C. e preserva uma imagem de Eros montado numa pantera.

14.

Fivela. Grécia; helenístico, (cerca 300 a.C.). Ouro. Este ornamentado e intrincado fivela grego de cerca de 300 a.C. toma a forma de um nó de Herakles. No centro do nó está uma figura de Eros, o deus do amor, que voa para a esquerda, com os braços levantados enquanto toca os canos duplos. O nó de Herakles foi frequentemente pensado como tendo qualidades mágicas ou protectoras.

15.

Cabeça de uma Figura Real. Egipto; Novo Reino, (1475/1292 a.C.). Jaspe vermelho. Créditos da imagem: © The Al Thani Collection 2018. Todos os direitos reservados. Fotografia: Todd-White Art Photography. Esta cabeça, a partir de uma estátua composta montada a partir de peças, teria sido completada por uma coroa de faiança e barba de bronze. Os atributos e materiais identificam o retrato como uma figura real, possivelmente Hatshepsut, que governou o Egipto cerca (1479/1458 a.C.).

16.

Pingente com Máscara México, ou América Central do Norte, Maia, (200/600 d.C.). Madeira, jade, resina, concha, madrepérola, concha, obsidiana, pigmento vermelho A Mácara, cujo maxilar superior cobre o rosto nesta máscara, foi associado à realeza e ao submundo. Este pingente pode, portanto, ter pertencido a um governante Maia e teria sido usado cerimoniosamente. Jade, cuja cor simbolizava a fertilidade e o renascimento, contrasta com outros minerais como concha (dentes) e obsidiana (olhos).

17.

Prato. Irão; Sassânida, (300/500 d.C.). Prata e ouro. Este grande prato de prata e ouro retrata o imperador Sasaniano Shapur II a cavalo. Datado de 300 a 500 d.C. Uma das maiores dinastias persas, o Império Sasaniano durou entre os séculos III e VII d.C. e estendeu-se no seu auge desde a Anatólia até ao Vale do Indo. Os seus governantes assumiram o título de 'shahanshah', ou 'rei dos reis', e a monarquia afirmou o poder por direito divino. Os sasanianos tornaram-se famosos pelo seu trabalho em o

18.

Prato. Levant; Umayyad. Latão, prata, cobre e ferro. Uma das obras-primas da colecção de arte islâmica, este prato de bronze é particularmente notável por combinar motivos de arte clássica e cristã com decorações geométricas vistas na arquitectura de Umayyad nos primeiros séculos do Islão. Feita no Levante e incrustada com prata, cobre e ferro, exibe um artesanato excepcional e é considerada uma das primeiras obras de arte produzidas para uma corte muçulmana.

Nos próximos meses, quando visitar as galerias da Fundação Calouste Gulbenkian, irá dar pela falta de algumas obras conhecidas na exposição permanente. A sua ausência tem um bom motivo: o Museu vai a Paris!

Entre 10 de Junho e 2 de Outubro, algumas peças da colecção Gulbenkian têm uma morada temporária na Place de la Concorde. Se viajar até Paris, não deve perder a oportunidade de as visitar no Hôtel de la Marine, na exposição “Gulbenkian par Lui Même”.

O Hôtel de la Marine é o mais recente museu da capital francesa, tendo sido inaugurado há um ano por Emmanuel Macron, numa obra de restauro que custou mais de 130 milhões de euros.

A galeria dedicada às exposições temporárias do Hôtel de la Marine exibe as obras-primas do Museu Calouste Gulbenkian. Esta exposição é o resultado de uma colaboração científica entre a Colecção Al Thani e a Fundação Calouste Gulbenkian, como parte da Época França-Portugal. O Dr. Nuno Vassalo e Silva, é o curador da exposição, convida o visitante a descobrir a colecção através dos olhos do próprio Calouste Gulbenkian. A exposição revela o gosto do grande coleccionador do século XX pela preciosidade, intimidade, raridade, proveniência e artesanato.

A exposição é organizada como parte da Saison France-Portugal 2022. Esta é a segunda de uma série de exposições bianuais temporárias de cedência a ser exibida na Colecção Al Thani no Hôtel de la Marine, juntamente com os Tesouros da Colecção Al Thani.

A mostra apresenta um grupo cuidadosamente seleccionado de 90 obras de arte, principalmente pequenas em escala e feitas para serem cuidadosamente manuseadas e acarinhadas privadamente, como foram pelo coleccionador. Através destes objectos, a mostra explora cinco princípios-chave que guiaram Calouste Gulbenkian (1869-1955) como coleccionador: preciosidade, escala íntima, artesanato, proveniência e raridade. Reflectindo a diversidade das obras de arte que apelaram a Gulbenkian, a exposição destaca também o seu fascínio pela qualidade material dos objectos que a coleccionou.

A selecção de peças do seu património nesta exposição desvenda alguns aspectos explorados por Clouste, entrando em diálogo com obras da Colecção, Al-Thani, uma das mais prestigiadas colecções particulares do mundo.

"Procurámos identificar as grandes linhas com que Calouste Gulbenkian escolhia os seus objectos. Temos peças do Egipto até Art Déco, desde ouro até vidro, em que há sempre algo comum: a importância da preciosidade dos materiais empregues, a excelência da execução, a importância da proveniência e a raridade. O visitante pode partilhar o carácter íntimo destes objectos", disse Nuno Vassalo e Silva, director da Delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris e comissário da exposição, em afirmação acerca deste evento.

Estes objectos estão no Hôtel de la Marine, em parceria com a colecção Al Thani, propriedade do príncipe do Qatar, Tamim bin Hamad Al Thani, que durante 20 anos vai utilizar uma parte deste museu francês para expor a sua vasta colecção.

"Foi uma verdadeira colaboração. Nós tínhamos objectos que queríamos muito que viessem, alguns deles que não podiam viajar, mas fomos acertando com a Fundação quais os objectos a trazer aqui. Para nós ter os painéis de tecido e o quadro do Duque Richelieu era muito importante porque são peças que terão passado pelo Hôtel de la Marine", referiu Amin Jaffer, conservador principal da colecção Al Thani.

Entre as obras que viajaram de Paris para Lisboa, está assim o retrato do Richelieu, Louis-François-Armand de Vignerot du Plessis, da autoria de Jean-Marc Nattier, assim como objectos que terão pertencido à Rainha Maria Antonieta, como o estojo em ouro e marfim da autoria de Nicolas Collier.

Para algumas destas peças, trata-se de um regresso a Paris, já que o Hôtel de la Marine serviu desde o reinado de Luís XV como guarda móveis para a família real francesa, tendo passado por aqui muitos móveis, pinturas e outras obras de arte que acabaram na colecção da Calouste Gulbenkian.

Para outras é também um regresso porque o armador arménio viveu em Paris vários anos, tendo começado na capital francesa a desenvolver a sua colecção.

"Mesmo ao lado desta exposição, Calouste Gulbenkian teve um escritório, aqui no início da Rue Royale e na Praça da Concórdia, do outro lado, estava o seu primeiro apartamento no Quai Anatole France, onde tinha um apartamento de dois andares, com vista para o Hôtel de la Marine", contou Nuno Vassalo e Silva.

De facto, pode-se ver artesanato da Antiguidade à Arte Nova, objectos preciosos que pertenceram às cabeças coroadas do mundo, manuscritos iluminados da Renascença, peças de arte islâmica, objectos preciosos da Ásia, e pinturas de Albrecht Dürer, Jean-Antoine Watteau ou Francesco Guardi. À medida que vamos passando por esta exposição passo a passo, examinando cada obra escolhida por Calouste Gulbenkian, a personalidade do coleccionador é gradualmente revelada. Os gostos variados do coleccionador arménio são uma prova da sua abertura ao mundo e da sua educação.

A exposição apresenta pinturas, esculturas, têxteis, livros e objectos de arte que o coleccionador adquiriu durante um período de sessenta anos. O esteta escolheu estas obras com base na sua raridade, preciosidade, artesanato necessário, origem ou utilidade.

A exposição Gulbenkian por si só: na intimidade de um coleccionador permite-nos admirar verdadeiras obras-primas, algumas delas muito antigas. Esculturas e bronzes representando o rei Padibastet I, o primeiro faraó da XXIII dinastia (818-793 a.C.), moedas da Antiguidade e da Idade Média, assim como uma série de outras obras de arte estão em exposição, moedas da Antiguidade grega, um diadema feito por René Lalique e exibido na Exposição Universal em Paris em 1900, um vaso do século XII da Sicília, um serviço de mesa encomendado por Catarina II, imperatriz da Rússia, relógios, livros preciosos do século XV, um tapete de seda persa do século XVI, um manuscrito persa dedicado ao Sultão Iskandar, porcelanas finas de todo o mundo.

A diversidade destas obras, o ecletismo das suas origens, formas e cores são admiráveis. Gulbenkian não ignorou nenhuma arte ou civilização. Estes são verdadeiros fragmentos da história, obras que testemunham as maiores aptidões da humanidade ao longo dos séculos. A sua perfeita conservação mostra o interesse que o coleccionador tinha por estas peças.

As galerias de exposições, que foram Inauguradas em Novembro de 2021, na sequência de um acordo a longo prazo entre a Al Thani Collection Foundation e o Centre des Monuments Nationaux, são dedicadas à Al Thani Collection abrem uma série de oportunidades, incluindo a possibilidade de expor obras de arte de outras instituições parceiras de todo o mundo no Hôtel de la Marine. Para o efeito, as salas de exposição acolhem anualmente os Tesouros da Colecção Al Thani e duas exposições temporárias, sobre temas em que os objectos de novas investigações e intercâmbios culturais.

 

Calouste Sarkis Gulbenkian (1869-1955)

Calouste Sarkis Gulbenkian (1869-1955) foi um homem de negócios, coleccionador de arte e filantropo de origem arménia, nascido no Império Otomano.

Com uma vasta cultura oriental e ocidental, Gulbenkian foi, acima de tudo, um “arquitecto de empreendimentos”, com visão e sentido de equilíbrio dos interesses em jogo na primeira metade do século XX. Graças à sua persistência, capacidade negocial e flexibilidade, desempenhou um papel fundamental como mediador nas negociações internacionais para a exploração das reservas de petróleo no território que é hoje o Iraque. Ao longo da sua vida, conduzido pelo seu gosto pessoal e de forma criteriosa, reuniu uma colecção de arte muito ecléctica, única no mundo. Adquiriu nacionalidade britânica em 1902 e morreu em 1955, em Lisboa, cidade onde passou os últimos anos da sua vida e onde estabeleceu no seu testamento que seria construída a sede de uma fundação internacional com o seu nome, em benefício de toda a humanidade.

A paixão de Calouste Gulbenkian pela arte revela-se cedo, reflectindo as origens da sua família na Capadócia – onde as religiões e a arte se cruzavam de forma grandiosa – e Constantinopla – outra encruzilhada de civilizações e a capital dos Romanos, depois dos Gregos e mais tarde dos Turcos Otomanos.

Daí resultou uma paixão intrínseca pelas artes que se traduziu na aquisição de um património prodigioso de obras de arte. É acima de tudo a beleza dos objectos que lhe interessou. Juntou ao longo da vida, ao sabor das viagens e conduzido pelo seu gosto pessoal, por vezes após longas e laboriosas negociações com os melhores peritos e “marchants” especializados, uma colecção muito ecléctica, única no mundo: desde a Antiguidade até ao princípio do século.

A colecção de pintura de Calouste Gulbenkian inclui obras de Bouts, Van der Weyden, Lochner, Cima de Conegliano, Carpaccio, Rubens, Van Dyck, Hals, Rembrandt, Guardi, Gainsborough, Romney, Lawrence, Fragonard, Corot, Renoir, Nattier, Boucher, Manet, Degas e Monet. Uma das suas esculturas favoritas era o original em mármore da célebre Diana de Houdon, que pertenceu a Catarina da Rússia, e que Gulbenkian adquiriu ao Museu Hermitage em 1930.

À medida que Gulbenkian envelheceu e a sua colecção se expandiu, cresceu a preocupação com a preservação do seu património.

A National Gallery of Art em Washington foi considerada para acolher a sua colecção, mas quando Gulbenkian morreu em Lisboa, em 1955, não deixou indicações sobre onde deveria ser acolhida a sua colecção, deixando simplesmente essa decisão nas mãos do seu leal conselheiro Cyril Radcliffe. Gulbenkian só havia sido claro num aspecto: queria que a sua colecção de antiguidades, obras de escultura, pintura, bem como as peças de mobiliário, fossem expostas em conjunto no mesmo museu, em vez de estarem espalhadas por várias galerias.

Para além de ser um criterioso colecionador, Calouste Gulbenkian era também um generoso filantropo. Mantendo a tradição dos seus antepassados, apoiava várias instituições de beneficência arménias.

A exposição destaca os tesouros do museu de Lisboa, que alberga a colecção privada do seu fundador, um dos mais célebres coleccionadores de arte do início do século XX. A exposição é organizada como parte da Temporada França-Portugal 2022, implementada pelo Instituto Francês para a parte francesa.

Reflectindo a diversidade das obras de arte que apelaram à Gulbenkian, a exposição destaca também a importância do seu fascínio pela qualidade material dos objectos que recolheu da arte do passado e do presente.

 

Sheik Hamad Bin Abdullah al Thani

O Sheik Hamad Bin Abdullah al Thani nasceu em Doha, Qatar em 1952 e foi o Emir do Qatar de 27 de Junho de 1995 a 25 de Junho de 2013 e actualmente é primo do Emir do Qatar.

Sheik Hamad Bin Abdullah al Thani é um dos grandes coleccionadores de arte. As obras da Colecção, Al-Thani, é uma das mais prestigiadas colecções particulares do mundo.

O Príncipe Al Thani tem grande atracção pela França e pela arte francesa do século XVII e é um grande admirador do Shah Jahan da India e de Luís XIV. Recordamos que Shah Jahan foi o Imperador do Império Mogol, que mandou edificar o TAJ MAHAL e Luís XIV o Rei Sol, que mandou construir em Versailles.

Desde 2021, que a colecção Al-Thani está exposta no Hôtel de la Marine e por mais 20 anos.

 

Hôtel de la Marine

Quatro anos de trabalho foram necessários para restaurar o Hôtel de la Marine, localizado na praça de la Concorde em Paris, e dar de novo todo seu esplendor anterior.

Encomendado pelo rei Luís XV, em 1758, este edifício albergou, em 1767, o armazenamento da Coroa Real, responsável pelos móveis e obras de arte destinadas a adornar as residências reais. Foi também o lar das joias da coroa e de todos os presentes dados à França e foi aqui também que o rei quis celebrar, em 30 de Maio de 1770, o casamento do seu neto, o futuro rei Luís XVI, com Maria Antonieta. Em 1777, o governo convenceu o rei a abrir as portas do local todas as terças-feiras para apresentar ao público as colecções reais. Em seguida, tornou-se o primeiro museu de França.

Em 1789, o Ministério da Marinha decidiu - se estabelecer ali e chamá-lo de Hôtel de la Marine. Um local de trabalho, mas também de poder, este palácio sumptuosamente decorado é o palco de eventos de prestígio, como o baile dado em homenagem à coroação de Napoleão em 1804 ou a chegada do rei Louis Philippe, que veio testemunhar a instalação do obelisco de Luxor (presente do Egipto) no centro da praça de la Concorde em 1836.

As salas cerimoniais do armazenamento foram redesenhadas para se tornarem magníficas salas de recepção, onde apareceram símbolos de cenas marítimas adornadas com âncoras e golfinhos. Em 2015, o Ministério da Marinha saiu de cena e um novo capítulo foi aberto para este edifício. Uma série de artesãos tomou conta do lugar: carpinteiros, marceneiros, douradores, ourives, estofadores e pintores, mas também arquitectos para transformar este lugar num museu. Um telhado de vidro piramidal transparente e luminoso, como um cristal, coroava o pátio principal. Aberto ao público desde Maio de 2021, que os visitantes deslumbrados passeiam entre o hall e os muitos quartos, salões e apartamentos lindamente decorados.

As galerias são especialmente projectadas para acomodar exposições temporárias. Actualmente, os tesouros da colecção Al Thani estão em exibição. Aos 40 anos, esse Sheik, primo do emir do Qatar, é considerado um dos mais importantes coleccionadores de arte do mundo. Uma chuva dourada cai na primeira galeria, uma cascata de flores douradas suspensa no tecto, como um convite à descoberta de sete obras-primas que ilustram a criatividade humana através das civilizações. Aqui está a cabeça de um faraó em jaspe vermelho da 18ª Dinastia, uma rara escultura em bronze dourado de um pequeno urso chinês (206 a.C.) ou uma máscara maia verde de jade (200 a.C.).

A terceira sala revela as artes islâmicas nas suas mais variadas formas por meio de cerâmicas, jóias, manuscritos, objetos de vidro, ferragens e talheres cerimoniais. A riqueza dos materiais que compõem os objetos apresentados dá a impressão de estar diante de um antigo tesouro. Como não entrar em êxtase diante deste vestido de algodão, seda e pele, diante de uma espada em ágata esculpida, um alfinete de ouro finamente cinzelado … Diante de nossos olhos, essas maravilhas que contam seis mil anos de criatividade manifestam-se milagrosamente.

 

Marionela Gusmão