Burnay I O palácio das colecções

Fachada principal

Escadaria principal

Tecto com pintura de Ordonez

Janela com vitrais

Grande átrio

Escadaria secundária com ferros trabalhados

Escada de sobre sobre o jardim

Salão de Baile

Biblioteca

Tecto com estuques e pinturas de 1800

O palco e pinturas do teatro

Teatro oitocentista

Estuques oitocentistas

Antiga sala de jantar, tecto de Malhoa parcialmente caído

Tecto de Malhoa, parcialmente caído, da sala de jantar

Tecto e claraboia com estuques

Pinturas e estuques de 1800

Sala do torreão

Meninos a tocar instrumentos, estuques do Salão de Música

Talhas de finais do século XIX

Pintura de Ordonez

A claraboia da estufa

O destroçado jardim com o lago

Estátua no jardim, imagem de declínio

A cascata, uma desolação

Retrato do Conde de Burnay, Ernest Bordes

Escadaria no tempo da família Burnay

Salão com tapeçaria flamengas, hoje no Museu de Arte Antiga, 1936

A galeria, potes da porcelana da China, 1936

Altar da capela, hoje na Fundação Medeiros e Almeida

A Sala de Jantar em 1936, tecto de Malhoa, pinturas flamengas dos Cinco Sentidas, hoje no Palácio de Belém, e cómoda Rêgence (lado direito), guardada no Museu de Arte Antiga

Catálogo do leilão da Colecção Burnay, datado de 1934, mas foi adiado para 1936

A página da internet GG Photography revela-nos o histórico Palácio Burnay, em Lisboa, ao longo dos últimos anos esta página tem divulgado dezenas de importantes locais abandonados quer em Portugal quer no mundo.

O Palácio em causa é um imóvel localizado na zona da Junqueira, em Lisboa. Ao longo dos últimos três séculos ele assistiu a acontecimentos marcantes.

O seu detentor mais célebre foi o Conde de Burnay, banqueiro, empresário e político, que o adquiriu, restaurou e decorou com inúmeras preciosidades.

Ao longo de 25 anos, de1883 a 1909, o aristocrata comprou (essencialmente) em França pinturas, esculturas, cerâmicas, têxteis, mobiliários e ourivesaria. 

A sua morte, em 1909, e a da mulher, em 1924, provocaram complexas partilhas entre filhos e netos. 

O Estado não autorizou o leilão da colecção em Londres ou em Paris. A família, descontente, viu-se obrigada a leiloar o acervo em 1936. Foi um grande evento que atraiu inúmeros marchands e colecionadores da Europa, engalanan-do durante meses a fachada da leiloeira. 

No interior, multidões pagaram bilhetes para observar o palácio e as colecções, como era hábito na época.

A voz do pregoeiro fez-se ouvir entre Janeiro e Fevereiro desse ano. O catálogo tinha 2500 lotes, tendo sido elaborado por Marcel Nicole, perito do Museu do Louvre, Henry Flloyd da leiloeira Christie`s de Londres, e Hamburguer Jeune, antiquário de Paris.

Foi um dos maiores leilões realizados em Portugal, apenas comparável ao das colecções do Marquês da Foz e do Conde Daupiaz.

 

Preciosidades

O governo português concedeu a verba especial de 2.165 contos (o equivalente a 3 milhões de euros) para adquirir as principais obras de arte. A selecção deveu-se a José de Figueiredo, historiador e director do Museu de Arte Antiga. O Estado optou por 100 lotes, perante a desilusão de antiquários e colecionadores, que distribuiu por museus e palácios nacionais.

Destacam-se, entre eles, pinturas da escola italiana, espanhola, flamenga, francesa e alemã dos séculos XIV ao XVIII.

Entre as obras cimeiras encontram-se o painel de Santo Agostinho, obra-prima de Pierro della Francesca, na época atribuído a Cima de Conegliano. Em 1945, Sir Kenneth Clark, director da National Gallery de Londres, identificou-o como parte de políptico pintado para uma igreja.

Nos móveis destaca-se um raríssimo contador indo-português de influência mogol, séculos XVI-XVII, em teca, sissó e marfim. A decoração apresenta figuras humanas em cenas de corte ou caçadas, animais como leões, falcões e pássaros míticos e as árvores da vida e da sabedoria.

Nos têxteis evidenciam-se diversas colchas indo-portuguesas, chinesas e de Castelo Branco, tapetes persas de Herat e tapeçarias flamengas.

Muitas destas obras integram a exposição permanente do Museu de Arte Antiga.

Outras peças, caso de mobiliário Império, expõem-se no Palácio de Queluz, caso de um conjunto de canapé e cadeiras Luís XV que decora a Sala do Corpo Diplomático do Palácio da Ajuda; pinturas flamengas dos cinco sentidos engrandecem a sala de jantar do Palácio de Belém.

Algumas obras adquiridas por particulares acabaram, ao longo dos anos, por integrar colecções públicas, como um conjunto de canapés Luís XVI, na Casa-Museu Anastácio Gonçalves, do óleo Regência de Maria de Médicis integrado no legado de Enrique Mantero à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa; da tela Banho de Betsabé de Boucher, doada por Diley Moutinho ao Museu de Arte Antiga.

Por iniciativa de Maria Antónia de Matos, a colecção Burnay foi objecto de uma grande exposição, em 2003, na Casa-Museu Anastácio Gonçalves. A quase totalidade das obras eram do Estado, o resto pertencia à família.

No mercado leiloeiro continuam a aparecer obras da colecção Burnay, como um retrato da Rainha Dona Isabel de Bourbon, óleo da escola espanhola seiscentista. 

 

Vazio

Após o leilão, o Palácio Burnay ficou desabitado e vazio durante anos. Os tempos haviam mudado, e a família deixara de ter meios para o conservar.

Em 1940 foi adquirido pelo Estado, seguindo-se obras de restauro e adaptação a serviços públicos.

Da primitiva edificação de D. César de Meneses, construída entre 1700 a 1727, restou (quase intacto) o corpo do edifício com quatro torreões nos ângulos. Após o terramoto, acolheu no Verão os cardeais patriarcas de Lisboa. No início do século seguinte albergou o Seminário de São João Baptista.

 

Em meados de 1800, o palácio encontrava-se na posse do negociante Manuel António da Fonseca, conhecido por Monte Cristo, que o ampliou com o torreão central.

O infante de Espanha D. Sebastião de Bourbon, neto de D. João VI, ocupou-o em 1865, mas cedeu-o a D. Alejandro de Castro, representante de Madrid em Lisboa.

O Conde de Burnay adquiriu-o por fim em 1882, empreendendo obras dirigidas por Nicola Bigaglia.

As salas foram engrandecidas com estuques de Rodrigues Pita e tectos pintados por Ordoñez e José Malhoa.

O conforto era acentuado por aquecimento central em todas as divisões.

A decoração, típica da época, ostentava um gosto vitoriano onde o horror ao vazio predominava.

As obras de arte encontravam-se em salas e quartos cujas paredes eram revestidas por pesados damascos, veludos e sedas.

O palácio da Junqueira representava o prestígio económico e social do Conde de Burnay. Ele era um dos homens mais poderosos do nosso País. 

Os negócios abrangiam, entre outros, contractos do tabaco, da banca, do imobiliário, de indústrias e de caminhos-de-ferro.

Ao morrer em 1909, Henry Burnay era adulado pelos poderosos e respeitado pelos mais desfavorecidos.

O vasto império que deixou entrou, no entanto, rapidamente em declínio. Os tempos mostravam-se complexos e a viúva não gostava de mundanidades.

Em 1924, a família tomou a decisão de leiloar a colecção de arte, cuja totalidade estava na Junqueira. 

O núcleo de jóias foi dividido entre as filhas, noras e netas. 

O objectivo seguinte visou vender os palácios de Lisboa (Burnay na Junqueira e Farrobo em Sete Rios) e a Casa da Granja, no Porto. Revelou-se um processo longo e complexo durando, entre o inventário, negociações com o Estado e questões familiares, cerca de 20 anos.

 

Actualidade

O Palácio Burnay está nos nossos dias ao abandono. Nas últimas décadas albergou o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas e o Instituto de Investigação Científica e Tropical. Pelos seus interiores passaram milhares de professores e alunos, fizeram-se milhares de licenciaturas, mestrados e doutoramentos.

O imóvel preserva a estrutura arquitectónica do tempo de Henry Burnay intacta, com excepção da capela que foi demolida.

A antiga Sala de Jantar ostenta um magnífico tecto naturalista de Malhoa sobre estuque, infelizmente parte caiu; a Sala de Música apresenta um exuberante tecto de estuque com meninos a tocar instrumentos musicais; o Salão de Baile tem pinturas paisagísticas de grande interesse, e o seu teatro é dominado por pinturas ingénuas e por portadas barrocas e colunas ao gosto seiscentista.

Outros espaços secundários foram adaptadas a  zonas de trabalho e de aulas.

Os jardins perderam a imponência de outros tempos, bem como a antiga estufa que submerge em declínio.

O olhar que estas fotografias sintetizam o fim da fase pública da velha mansão. Na sua decadência revela que entre nós, existiu uma rara grandeza entre nós.   

 

António Brás

 

Fotografias gentilmente cedidas por GG Photography

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon