Museu da Cidade de Lisboa I A recente renovação 

Exterior do Palácio Galvão Mexia, sede do Museu da Cidade desde 1973

Esculturas de Jorge Barradas no átrio de entrada do Palácio.

Esculturas de Jorge Barradas no átrio de entrada do Palácio.

Vista de um pátio interior do Palácio.

Vista parcial dos Jardins de 1700.

Carmona Por Leopoldo de Almeida.

Vista parcial da sala da Arqueologia da pré-história.

Período Manuelino

Nossa Senhora da Piedade, escultura da igreja de São Lourenço, outrora da família dos marqueses de Castelo Melhor.

Vista Parcial da Maqueta de Lisboa.

Vista parcial da cozinha palaciana.

Vista parcial da cozinha palaciana.

Vista parcial da cozinha palaciana.

Vista parcial da capela.

Vista parcial da capela.

Vista parcial da capela.

Faiança seiscentista.

Lisboa vista por Carlos Botelho.

Óleo de Manuel Reys Santos.

Na zona do Campo Grande, um palacete Joanino destaca-se com novo perfil: o polo central do Museu da Cidade de Lisboa, criado em 1935, e detentor de obras fundamentais relacionadas com a cidade.

A instituição é célebre pelas colecções de arqueologia, pintura, gravura, escultura, faiança, mobiliário e porcelana desde a pré-história aos nossos dias.

O espaço expositivo revela-se diminuto, e o acervo encontra-se espalhado por inúmeros edifícios e pelas área destinada às reservas.

A recente remodelação do rés-do-chão do museu permitiu valorizar e expor novas e valiosas peças.

 

Pré-história e maneirismo

A actual estrutura, dividida em quatro sectores (arqueologia, maqueta de Lisboa anterior ao terramoto, capela e cozinha do palácio, faiança e pintura), permite ao visitante observar as mais completas colecções relacionadas com Lisboa, existentes entre nós.

O núcleo arqueológico permite fazer uma viagem entre a pré-história e o século XVI, seguindo-se-lhe a maqueta de Lisboa antes do terramoto de 1755, executada entre 1955 e 1959 por Ticiano Violante, sob orientação de Matos Sequeira.

O terceiro sector abrange a cozinha palaciana, revestida com magníficos azulejos e decorada com cobres e almofarizes seculares. A capela da casa, dedicada a Nossa Senhora, aberta pela primeira vez ao público, revela-se fascinante. De reduzidas dimensões possui, no entanto, um altar-mor e um coro decorados com telas dos séculos XVII e XVIII, parte delas provenientes da Igreja de São Lourenço, anexa ao Palácio da Rosa na Mouraria, outrora dos marqueses de Castelo Melhor.

O último espaço, vasto e dinâmico, permite conhecer a evolução da faiança produzida em Lisboa entre 1600 aos nossos dias. Paralelamente revelam-se nas paredes óleos baseados na capital.

Podemos observar desde faianças de olarias anónimas dos séculos XVI e XVII, exemplares setecentistas da Fábrica do Rato, e peças mais recentes das fábricas Constância, Alcântara, Viúva Lamego, Sant´Ana, Lusitânia, entre outras. É uma retrospectiva única da cerâmica produzida em Lisboa.

Este sector foi engrandecido por algumas novas incorporações, onde destacamos um quadro representando os Jerónimos oferecido pelo galerista luso-francês Philippe Mendes, e uma “Vista de Lisboa” de Manuel Reys Santos. A tela foi doada por Maria de Lourdes Guedes da Mota, viúva do pintor,  enriquecendo o museu.

A visita ao Museu da Cidade termina no andar nobre mostrando  a evolução de Lisboa entre os séculos XVII e XX. Nos jardins existem dois pavilhões destinados a exposições temporárias, bem como lapidaria e escultura relacionada com a capital, caso da enorme estátua do Presidente Carmona de Leopoldo de Almeida, e “A Verdade” de Teixeira Lopes, versão original em mármore.

No átrio duas enormes esculturas femininas, executadas por Jorge Barradas, fazem as despedidas ao visitante.

 

António Brás