Amedeo Modigliani I A Obra Artística Vista de Perto

Jeanne Hébuterne com Camisola Amarela, 1918/19. Amedeo Modigliani, (Italiano, 1884-1920). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © The Solomon R. Guggenheim Foundation / Art Resource, NY Colecção Solomon R. Guggenheim Museum, New York, Solomon R. Guggenheim Founding Collection, By gift. Coortesia Barnes Foundation, Philadelphia.

Cabelo Preto, também conhecido, como Menina Morena Sentada, 1918. Amedeo Modigliani, (Italiano, 1884-1920). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © RMN-Grand Palais / Art Resource, NY Photo: Adrien Didierjean. Colecção Musée Picasso, Paris. Cortesia Barnes Foundation, Philadelphia.

O Jovem Aprendiz, 1918/19. Amedeo Modigliani, (Italiano, 1884-1920). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © RMN-Grand Palais / Art Resource, NY Photo: Hervé Lewandowski. Colecção Musée de l'Orangerie, Paris, Jean Walter and Paul Guillaume Collection. Cortesia Barnes Foundation, Philadelphia.

Auto-retrato, 1919. Amedeo Modigliani, (Italiano, 1884-1920). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: MAC USP Collection [Museu de Arte Contemporânea da USP Colecção, São Paulo, Brazil]. Colecção Museu de Arte Contemporanea da Universidade de São Paulo, oferta de Yolanda Penteado e Francisco Matarazzo Sobrinho, 1963. Cortesia Barnes Foundation, Philadelphia.

Mulher com um Vestido Amarelo (Retrato de Renée Modot), 1919. Amedeo Modigliani, Italian, 1884-1920 Amedeo Modigliani, (Italiano, 1884-1920). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Cerruti Foundation for Art, on long term loan to Castello di Rivoli Museum of Contemporary Art, Turin. Colecção de Francesco Federico Cerruti Foundation for Art, on long term loan to Castello di Rivoli Museum of Contemporary Art, Turin. Cortesia Barnes Foundation, Philadelphia.

A Barnes Foundation, em Philadelphia, para celebrar os cem anos da existência, apresenta a exposição “A Obra Artística de Modigliani Vista de Perto” a qual foi organizada por uma equipa de curadores e conservadores, como Nancy Ireson e Barbara Buckley do Barnes, curadora consultora Simonetta Fraquelli, e conservadora Annette King do Tate, London. A mostra destaca os métodos de trabalho e materiais de Amedeo Modigliani, tendo como base a investigação iniciada em 2017, como uma grande retrospectiva no Tate Modern, em Londres. 

 

Este projecto analisa de perto a forma como Modigliani criou as suas obras e uma nova pesquisa de especialistas de toda a Europa e das Américas apresenta um trabalho detalhado do estilo único do artista, lançando uma nova luz sobre a sua prática, numa exposição de 16 de Outubro de 2022 a 29 de Janeiro de 2023, que reúne peças importantes das colecções dos museus internacionais.

 

Amedeo Modigliani 

Amedeo Modigliani (1884-1920) foi um artista plástico e escultor italiano que viveu parte significativa da sua vida adulta radicado em Paris.

 

Artista principalmente figurativo, tornou-se célebre sobretudo pelos seus retratos femininos caracterizados por rostos e pescoços alongados, à maneira das máscaras africanas.

Em 1906, Modigliani transferiu-se para Paris e, ao fim de três anos de vida boémia, realiza uma das suas obras mais importantes: “O violoncelista”, que expôs no Salão dos Independentes de 1909.

 

Modigliani está entre os artistas internacionais mais amados que viveram em Montparnasse, Paris, no início do século XX. Esta exposição colocou Modigliani e a sua obra no contexto dos seus amigos e contemporâneos, todos vivendo e trabalhando em Paris, no que Marcel Duchamp descreveu como "o primeiro grupo de artistas verdadeiramente internacional, que alguma vez tivemos". Artistas como Constantin Brancusi, Giorgio de Chirico, Henri Matisse, Pablo Picasso e Chaim Soutine revolucionaram a expressão criativa ao explorar uma miríade de influências artísticas que incluíam a arte contemporânea. A arte resultante é marcante pela sua diversidade: Cubista, Expressionista e Primitivista, com a pintura, escultura e obras em papel de Modigliani que incorporam todos estes elementos.

 

Modigliani nasceu numa família judaica em Livorno, Itália e estabeleceu uma carreira de sucesso durante a sua vida, apesar das lutas pessoais e de uma vida tragicamente curta, morrendo de tuberculose aos 35 anos de idade. 

 

A fim de proporcionar uma compreensão completa e rica de Modigliani, esta exposição e o catálogo que a acompanha exploram a relação do artista com Montparnasse, assim como os movimentos e figuras de vanguarda da época.

 

O curador Kenneth Wayne organizou esta grande exposição, reunindo obras-primas de museus e colecções de renome mundial em toda a América do Norte, Europa e Japão. A mostra exibe 56 das pinturas, esculturas e obras em papel de Modigliani, incluindo obras importantes da distinta colecção do museu. A exposição foi acompanhada por um catálogo de 240 páginas ilustrado com 87 imagens a cores e 102 a preto e branco publicado por Harry N. Abrams, Inc. em associação com a Albright-Knox Art Gallery. 

 

Para além das novas informações sobre Modigliani e os seus contemporâneos, o catálogo contém excertos de textos surrealistas escritos por uma das amantes de Modigliani, Beatrice Hastings.

 

O Albright-Knox Art Gallery estreou esta excitante exposição em Outubro de 2002 e foi o único local no leste dos Estados Unidos, antes de viajar para o Los Angeles County Museum of Art, Califórnia, em Junho de 2003.

 

Entre as figuras mais célebres da arte moderna, Amedeo Modigliani tem sido objecto de muitas exposições e publicações, mas nenhuma até agora examinou em profundidade como o artista criou as suas pinturas e esculturas. Baseando-se na investigação utilizando as mais recentes técnicas científicas, os autores exploram a reutilização de materiais do artista nos seus primeiros anos; o seu pivô das tendências artísticas como o Cubismo para se envolver com uma forma estilizada de figuração; a linha do tempo da suas esculturas evocativas; e a evolução da sua abordagem de telas muito trabalhadas para pinturas mais etéreas. 

 

O livro está ricamente ilustrado analisa também o papel de Albert C. Barnes, um antigo coleccionador da obra de Modigliani, na formação da recepção crítica do artista italiano nos Estados Unidos. A Fundação Barnes possui hoje um dos grupos mais importantes de obras de Modigliani no mundo. Estas, juntamente com cerca de quarenta outras pinturas e esculturas de colecções públicas e privadas de todo o mundo, são interpretadas através da lente de novos estudos realizados pelos principais museus internacionais.

 

O catálogo foi organizado por uma equipa de curadores e conservadores - Nancy Ireson e Barbara Buckley da Barnes Foundation, curadora consultora Simonetta Fraquelli, e conservadora Annette King do Tate, Londres.

 

Por um lado, Modigliani referiu-se à Renascença nas suas obras, mas por outro lado, retomou também a arte arcaica africana, egípcia, orienta,l asiática e grega. A exposição única na Barnes Foundation dedica especial atenção a esta exploração vitalícia das origens da arte: A obra de Modigliani está justaposta a obras dos seus homólogos Pablo Picasso, Constantin Brancuşi e André Derain, assim como a artefactos das culturas pré-históricas e não europeias do mundo.

 

A arte de Modigliani foi fruto de diversas culturas, já que o artista foi amigo de tantos artistas e encontrando-se numa conturbada fase de questionamentos e transições, a sua obra, entretanto não pode ser considerada filiada a nenhuma escola, sendo toda ela dotada de um estilo próprio e autónomo.

 

Os nus de Modigliani, que provocaram escândalo no seu tempo, mais que sensualidade, revelam um desnudamento da alma humana. O seu estilo faz parte de um momento em que a arte pictórica, confrontada à fotografia, lutava para manter o seu espaço, os seus valores e a sua estética. Modigliani representa uma contribuição notável e inteiramente individual para a história da arte.

Theresa Bêco de Lobo