Matisse I Década de 1930 

1.

A Conversa, 1938. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção San Francisco Museum of Modern Art: Doação de Mr. James D. Zellerbach, 93.149. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

2.

Mulher em Azul, 1937. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Philadelphia Museum of Art: Oferta de Mrs. John Wintersteen, 1956. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

3.

Margaridas, 1939. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Art Institute of Chicago: Oferta de Helen Pauling Donnelley, em homenagem aos parentes, Mary Fredericka and Edward George Pauling, 1983. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

4.

Grande Nu Reclinado, 1935. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Baltimore Museum of Art: The Cone Collection, formada por Dr. Claribel Cone e Miss Etta Cone of Baltimore, Maryland, 1950. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

5.

Janela no Tahiti II, 1935. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Gouache sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Musée départemental Matisse, Le Cateau-Cambrésis, France. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

6.

O Sonho, 1935. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Centre Pompidou, Paris, AM 1979. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

7.

Mulher com um Véu, 1927. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Museum of Modern Art, New York: The William S. Paley Collection, SPC22.1990. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

8.

Estudo do Óleo para o Mural do Barnes Foundation, “Ocher Harmony”, 1930/31. Fotografia: © François Fernandez Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Musée Matisse Nice, France, 63.3.2. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

9.

Estudo do Óleo para o Mural do Barnes Foundation, “Gray Harmony”, 1930/31. Fotografia: © François Fernandez Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção Musée Matisse Nice, France, 63.3.2. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

10.

Ninfa na floresta (Verdure), 1935–42/43. Henri Matisse, (Francês,1869-1954). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © 2022 Succession H. Matisse/Artists Rights Society (ARS), New York. Colecção: Oferta de Madame Jean Matisse para o Governo Francês em depósito no Musée Matisse Nice, 1978, Musée d’Orsay, RF 1978 34. Cortesia Philadelphia Museum of Art.

O Philadelphia Museum of Art, em colaboração com o Musée de l'Orangerie em Paris e o Musée Matisse em Nice, apresentam a primeira exposição dedicada à década crucial de 1930 na arte de Henri Matisse (1869-1954), marcando bem que este Mestre foi um dos grandes pintores do século XX. Abrindo primeiro em Filadélfia, o único local dos Estados Unidos, a exposição Matisse nos Anos 30 apresenta mais de 100 obras, que vão desde pinturas e esculturas célebres, desenhos e gravuras, até livros ilustrados e, ainda, de fotografias e filmes documentários. Após a apresentação da mostra em Filadelfia de 19 de Outubro de 2022 a 29 de Janeiro de 2023, a exposição será exposta no Musée de l’Orangerie de 27 de Fevereiro a 29 de Maio de 2023 e terminará a sua tournée no Musée Matisse Nice de 23 de Junho a 24 de Setembro de 2023. A mostra é acompanhada por um catálogo académico profusamente ilustrado.

 

Matthew Affron, Muriel e Philip Berman Curadores de Arte Moderna no Philadelphia Museum of Art ; Cécile Debray, Presidente do Musée Nacional Picasso-Paris; e Claudine Grammont, Directora do Musée Matisse Nice, compõem a equipa de Curadoria da exposição.

Acerca dos anos 30 da obra de Matisse, Affron, afirmou: "A década de 30 foi transformadora na carreira de Matisse, mas nunca foi antes tratada numa exposição independente. Os visitantes têm agora uma oportunidade única de mergulhar no próprio processo através do qual o pintor gerou uma nova abordagem e uma perspectiva criativa na parte final da sua carreira, ao mesmo tempo que podem testemunhar a produção dramaticamente revitalizada que se seguiu à sua visita agitada a Filadélfia em 1930. Só através desta parceria institucional podemos contar esta história de forma tão viva, uma vez que cada um dos nossos museus colaboradores está profundamente ligado a Matisse. Entre as obras expostas no Philadelphia Museum of Art e as explorações complementares ao longo na Barnes Foundation. Filadélfia este Outono é uma cidade especialmente excitante para admirar a extraordinária arte de Matisse".

"Matisse passou a maior parte da sua vida em Nice, e o esplendor mediterrânico atravessou o seu trabalho", acrescentou Claudine Grammont. "Ele voltou dos Estados Unidos da América para França com uma visão alargada do mundo que teve efeitos duradouros, uma vez que os Anos 30 estavam a rejuvenescer carreira deste artista. Um novo olhar foi criado para analisar a encomenda do mural para a Barnes Foundation: foi consequentemente entre Filadélfia e Nice que o eixo principal para realização deste projecto ocorreu nestes anos decisivos ocorreu.

 

O Musée Matisse Nice, cuja colecção é rica em arte ligada a este período de criação, está particularmente feliz por colaborar com o Philadelphia Museum of Art e o Musée de l'Orangerie, pois só desta forma pode mostrar a poderosa renovação do trabalho do artista durante este período chave.

Acerca da obra de Matisse para a Barnes Foundation, Cécile Debray disse: "A Dança (1931/33), era uma decoração que Matisse criou para a Barnes Foundation. Está intimamente ligada ao regresso do artista a um estilo modernista na década de 1930. Estes anos, quando Matisse foi inspirado pelas suas viagens aos Estados Unidos, quando foi promovido em Paris pela revista Cahiers d'art, enquanto as suas pinturas radicais anteriores à Primeira Guerra Mundial eram vistas na casa de Paul Guillaume, ajudou na organização de diferentes exposições retrospectivas. Matisse então trabalhou na sua arte em Nice e fez história como prova de uma fascinante transformação modernista.

Uma Década Principal

Em 1930, Matisse tinha alcançado um renome internacional significativo e, no entanto, viu-se numa profunda crise criativa. Uma dúzia de anos anteriores, tinha mudado a sua base de operações de Paris para Nice. Aí, tinha-se concentrado no tema das modelos femininas, em instalações de estúdio elaborados e decorados, banhados pela luz cristalina e invariável do Mediterrâneo. Perante a sedução desse meio de trabalho, alguns críticos interogavam-se se Matisse, que tinha sido uma força tão radical na pintura moderna, tinha perdido a sua vantagem experimental. Nos finais da década de 1920, o próprio Matisse tinha desenvolvido alguns pensamentos, e durante alguns anos não produziu quase nenhuma pintura nova. O ponto de viragem ocorreu no Outono de 1930, quando o artista visitou a Barnes Foundation nos subúrbios de Filadélfia, e recebeu a encomenda para um mural em três partes, “A Dança”.

Matisse utilizou este projecto para dar a volta ao seu trabalho. Posteriormente, voltou à pintura de cavalete com novos procedimentos e uma nova abordagem. Começou a utilizar sistematicamente a fotografia para documentar o processo cumulativo de construção dos seus motivos e para testar as suas próprias reacções à medida que avançava. Também começou a utilizar papéis cortados pré-coloridos para planear as suas composições; este procedimento levou-o a afastar-se da ilusão de modelagem e do espaço profundo e a um estilo de tons planos e formas arrojadas que deram às suas composições dos Anos 30 um novo impacto.

Matisse nesta época reuniu um conjunto de obras, que foram introduzidas em colecções públicas e privadas nos Estados Unidos e na Europa. Explorou as notáveis mudanças de estilo que se seguiram quando o artista descobriu diferentes formas de trabalhar através dos meios de pintura de cavalete e decorativa, escultura, gravura, desenho, e o livro ilustrado. A exposição destaca o que Matisse alcançou durante a década de 1930 representou nada menos do que uma revitalização total da sua visão artística.

Organização da Exposição

A mostra está organizada cronologicamente e inicia-se com uma secção chamada Interiores e Odaliscas, destacando o período de Nice de 1917/30 de Matisse. Esta galeria centra-se na representação de modelos femininos no estúdio, frequentemente em cenários preenchidos com têxteis decorativos e outros artigos de várias regiões do mundo islâmico que Matisse visitou; apresenta obras tão importantes como “As Três Irmãs” (1917, Musée de l'Orangerie) e “A Mulher com o Véu” (1927, Museum of Modern Art), que oferecem ao público uma oportunidade de observar a tentativa do pintor em sintetizar o design decorativo, a moda, e a sensualidade da figura feminina numa linguagem estética moderna, um esforço muito debatido tanto na sua época como em anos mais recentes.

A segunda secção examina a revitalização da arte de Matisse através de dois projectos paralelos: o mural Barnes, que foi a sua primeira e única oportunidade de fazer uma decoração pintada para um espaço arquitectónico específico, e o seu primeiro grande livro ilustrado, uma edição de poemas do influente poeta simbolista Stéphane Mallarmé (1842-1898), que evocou um mundo de antiguidade cheio de sonho e prazer. Esta secção destaca ainda uma infinidade de estudos para o mural a lápis, guache e óleo, trabalhos cedidos pelo Musée Matisse Nice, incluindo o desenho de quase onze pés de altura da parte Central do Mural no Barnes Foundation(1930/31). Para transmitir ainda mais o processo de realização desse mural, que permanece permanentemente alojado na Barnes Foundation perto do Philadelphia Museum of Art, a exposição inclui um pequeno filme amador mostrando Matisse a trabalhar neste desenho na garagem alugada em Nice, que serviu como o seu espaço de trabalho.

O visitante encontra na secção seguinte: Artista e Modelo que destaca a mudança de Matisse para um estilo ousado e elementar nos desenhos e nas pinturas de cavalete da figura nua. Um exemplo principal é o “Grande Nu Reclinado” (1935, Baltimore Museum of Art), que exemplifica o uso poderoso do artista de formas planas para sublimar a sensualidade do modelo. A secção seguinte, Decorações Pintadas, salienta o contínuo envolvimento de Matisse com um modo decorativo e arquitectónico através das suas experiências no género de desenhos animados pintados em tapeçaria. Um exemplo espectacular, “Ninfa na Floresta” (1935-42/43, Oferta de Madame Jean Matisse ao Estado Francês em depósito no Musée Matisse Nice, 1978, Musée d'Orsay), este trabalho ocupou a atenção de Matisse durante oito anos e tornou-se uma verdadeira pedra de toque artística para ele. A secção seguinte, Trabalhando no Estúdio, segue o desenvolvimento de Matisse a partir de 1936, através de uma série de imagens de modelos a posar com vestidos de moda europeia. A decoração visível do interior do estúdio - com bouquets, espelhos, obras de arte, e grandes plantas suculentas - apoiou o conceito decorativo da imagem de Matisse. Um quadro chave nesta secção é “A Mulher de Azul” (1937, Philadelphia Museum of Art), que retrata Lydia Delectorskaya (1910-1998), secretária e gerente do estúdio de Matisse, e, neste período, a sua modelo principal, vestida com um corpete de seda desbotado com debrum de renda e saia a condizer que ela realizou a pedido do artista. Este conjunto inspirou o arrojado desenho visual de “A Mulher de Azul”; a saia é exposta ao lado da pintura para sublinhar a colaboração produtiva entre a modelo e o artista.

Uma secção compacta chamada Mural em Movimento assinala a importância contínua para Matisse no final da década do seu mural “A Dança”. Em 1938/39, Matisse colaborou com os Ballets Russes de Monte-Carlo na criação de um ballet chamado Vermelho e Preto (também conhecido como Farandole Estranho após uma dança tradicional provençal que tinha inspirado numerosas obras do artista). Matisse desenhou os figurinos, a cortina do palco e um pano de fundo. Esta secção apresenta um dos estudos de um bailarino que Matisse fez em papéis cortados pré-coloridos - uma técnica que ele tinha usado estritamente para a sua prática no estúdio, mas que floresceria na década de 1940. Um filme que interpreta Vermelho e Preto realizado por um crítico de dança americano em Chicago, em 1939, ajuda a dar vida a este ballet moderno pouco conhecido na exposição.

A mostra de Matisse na década de 1930 encerra com uma conclusão centrada num grande ponto de viragem que surgiu pouco depois do final da década. Em Janeiro de 1941, Matisse foi submetido a uma arriscada operação. No início, pintou pouco, mas concentrou-se num grande esforço no desenho: um conjunto de 158 desenhos de modelos no estúdio e de naturezas mortas de fruta e flores conhecidas como secção Temas e Variações.

A conclusão da exposição destaca dois conjuntos completos de desenhos na galeria de Temas e Variações - juntamente com uma pequena selecção de pinturas contemporâneas sobre os mesmos temas – que Matisse tinha conseguido nos dez anos anteriores.

Organização

Matisse na década de 1930 é co-organizado pelo Philadelphia Museum of Art, o Musée de l'Orangerie em Paris, e o Musée Matisse Nice. Cada uma destas três instituições tem uma ligação importante com a obra de Matisse e contém ricos acervos na sua arte deste período, tornando-as parceiros naturais para esta exposição de primeira qualidade. Em França, o tema é considerado em termos da promoção da obra de Matisse pela revista de arte parisiense Cahiers d'art, enquanto o Philadelphia Museum of Art, apresenta um levantamento exaustivo da obra de Matisse nessa década.

Theresa Beco de Lobo