Cartier I O Brilho das Pedras Preciosas de Marjorie Post

hwd17_75

Pregadeira em Forma de Pendente, 1928 Cartier Esmeraldas, diamantes, platina e esmalte Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

hwd17_68a1

Colar, 1936/1937 Cartier, New York Safiras, diamantes e platina Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

sapphire_cropped_small

Pormenor do Colar, 1936/1937 Peça do centro Cartier, New York Safiras, diamantes e platina Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Necklace_1936_clasp

Colar, 1936 (fecho); 1963 (pérolas) Cartier, New York (fecho); Yamaoka,Caro (pérolas) Pérolas, diamantes e platina Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C

NecklaceEarrings_1950

Colar (1950) e Brincos, (1951) Cartier Ametistas, turquesas, diamantes, ouro e platina Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Frame_MMPNedenia_1928

Moldura com uma Miniatura de Marjorie Merriweather Post e da sua Filha, Nedenia Hutton, 1928. Moldura de ágata, ouro, esmalte, diamantes e turquesas de Cartier, encomendada por Marjorie Post para dispor o retrato em miniatura. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Frame_MMPminiature_1929

Moldura com uma Miniatura de Marjorie Merriweather Post, 1929 Moldura de ágata, ouro, esmalte, quartzo citrino e diamantes de Cartier, encomendada por Marjorie Post para dispor o retrato de miniatura de aguarela sobre marfim de Post pelo C. Peitzner. Oferta de Dina Merrill Robertson, 1978. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

duchess frames

Molduras com as Grã Duquesa Olga Nikolaevna e Grã Duquesa Tatiana Nikolaevna, (cerca. 1910) Molduras de Cartier Ouro, prata, esmalte e marfim Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington

MonogrammedBox_1935

Caixa com Monograma, (cerca 1935) Cartier, New York Prata, jade e coral Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

TobaccoJar_1930

Caixa de Tabaco, (cerca 1930) Cartier, New York Jade, ouro, esmalte e safiras Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Cartier_dressingset

Conjunto de Mesa de Toilette, (cerca 1915) Cartier, New York Prata, esmalte e vidro Oferta de Mrs. Augustus Riggs, 1992 Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

hwd17_73_3_4a1

Brincos, 1960 Cartier, New York Turquesa, diamante e ouro amarelo Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

MMPasJuliette

Marjorie Merriweather Post com um Traje de Julieta Nesta fotografia, Marjorie Post, está com um traje de “Julieta” para o “Palm Beach Everglades Ball” em 1929. Apresenta o colar com esmeraldas e uma pregadeira em forma de pendente. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

MMPPortrait_Salisbury_1946

Retrato de Marjorie Merriweather Post, 1946 Frank O. Salisbury Inglaterra Post apresenta um colar Cartier com diamantes e safiras Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

hwd51_146h1

Marjorie Post e a Filha Nedenia Hutton, 1929 Giulio de Blaas, Itália Neste retrato, Post apresenta a pregadeira em forma de pendente Cartier com esmeraldas e diamantes. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington

hwd11_248a1

Estojo para Pó de Arroz e Baton, (cerca 1920) Cartier, New York Ouro, esmalte, lápis-lazúli e diamantes Esta peça da Cartier, apresenta duas funções: uma prática e outra decorativa. O estojo do baton e do pó de arroz, ambos são em esmalte preto e branco com pormenores de lápis-lazúli e diamantes. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

hwd17_82a1

Pregadeira, 1950 Cartier, New York Diamantes e platina Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

MMP_court

Marjorie Post, 1963 Marjorie Post apresenta um colar com três voltas de pérolas Yamaoka com um fecho com diamante e platina da Cartier. Fotografia: Hillwood Estate, Museum & Gardens. Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Resplandecente, fascinante, espectacular e vibrante, é assim que se pode definir a exposição: “Cartier: O Brilho das Pedras Preciosas de Marjorie Post”,  patente no Hillwood Estate, Museum and Gardens, em Washington D. C.. Uma das mostras mais fabulosas a todos os níveis, em especial, para aqueles que sentem grande atracção por joaharia. Estão reunidas peças deslumbrantes da Casa Cartier, que foram adquiridas pela milionária americana Marjorie Post. 

Marjorie (1887-1973) herdeira da empresa Postum Cereal aos 27 anos, que mais tarde se tornou na General Food Corp. Nesses tempos começou a adquirir jóias e objectos da Casa Cartier, tornando-se nos Anos do séc. XX, uma das mais importantes clientes desta empresa nos Estados Unidos.

Uma das peças da exposição, que destacamos é uma pregadeira exótica com sete esmeraldas indianas do século XVII, considerada uma das melhores criações de Cartier, assim como anel com uma esmeralda colombiana de 21 quilates, que pertenceu a Maximiliano do México.

Várias destas jóias da Cartier,  que pertenceram a Majorie foram doadas ao Smithsonian  Institution, em 1964, que também estão expostas, assim como um colar de estilo indiano com 24 esmeraldas.

Situadas entre pinturas, fotografias e vestuário, cada peça de joalharia é contextualizada durante a vida de Marjorie. Ela sabia reconhecer um bom design e sabia, como ninguém, usar as suas joias para a ocasião própria. A exposição no Hillwood mostra o bom gosto e o requinte do seu estilo.

 

A Exposição

Estão expostas um conjunto surpreendente de peças, como colares, pregadeiras, pendentes, anéis, pulseiras e brincos, concebidos em ouro, platina, ou prata adornadas com pedras preciosas, como diamantes, rubis, safiras, esmeraldas, e também pedras semi-preciosas como ametista, ágata, citrinos, lápis- lazúli, coral e cristal de rocha. Metais brilhantes e opacos, esmaltes de cores vivas, uniões impensáveis de pedras azuis (safiras) com pedras verdes (esmeraldas) ou as mesmas com rubis e diamantes, sobreposições de, marfim, ónix e tartaruga, que participam numa composição de brilho, luz e cor.

O deslumbrante colar em platina, safiras e diamantes em estilo Art Déco da Cartier, 1936/1937, é um exemplo de grande mestria e requinte. 

A mostra apresenta uma selecção de jóias e objectos da Casa Cartier, oferecendo  deste modo um novo olhar sobre o bom gosto e requinte que caracteriza o estilo de Majorie Post e os critérios que foram escolhidos para expor algumas das peças da sua colecção e o seu estilo de vida. As peças mais importantes da coleção, para além da pregadeira de esmeraldas, pode-se destacar o colar de esmeraldas em estilo indiano e o célebre anel com esmeralda Maximiliano, que foi cedido para este evento pelo National Museum of Natural History, Washington D.C. 

"Embora as jóias sejam surpreendentes, elas foram criadas por fabricantes importantes para Marjorie Post. Estas e toda a sua colecção de objetos de luxo da Cartier representam o seu notável estilo de vida", explicou Kate Markert, a directora do Hillwood. "Marjorie não apenas comprava as jóias expostas nas prateleiras, ela era uma conhecedora das pedras preciosas e sabia escolher apenas as de mais alta qualidade. Post reconhecia a estética e o valor da peça e sabia como usar as suas jóias para as mostrar na sua melhor forma", continuou Markert. 

De destacar também as  molduras lindíssimas, que Majorie encomendou à Cartier para organizar as suas fotografias e as pinturas em miniatura. A combinação dos materiais preciosos e o design, evidência a atenção inexcedível de  Post pelos pormenores. Uma selecção desta extensa colecção de molduras em forma de jóias Art Deco estão expostas e pertencem ao acervo do Hillwood Museum, juntamente com outras peças pessoais de luxo, incluindo um conjunto de toilette em prata e esmalte e vanity cases em forma de jóias, assim como retratos magníficos, pinturas, fotografias, desenhos e documentos pessoais.

A exposição está organizada pelos objectos pessoais e jóias de Majorie Post. Inicia-se com duas molduras da Cartier, as peças mais antigas no evento, que destacam a influência do estilo Luís XVI e ao mesmo tempo, os esmaltes seguem as tendências dos ovos Fabergé, a grande atracção que a arte russa exerceu em Majorie nas próximas décadas. 

Uma selecção de peças notáveis em esmeraldas representam tanto o interesse do joalheiro  como da cliente em pedras preciosas antigas. 

A magnífica esmeralda colombiana, que tinha sido apresentada em anel,  foi remontada por Cartier para Majorie num moderno conjunto de diamantes em forma de baguete, cujo corte geométrico tornou o anel num estilo Art Deco . Majorie usou-o para a sua apresentação à corte de St. James, em Inglaterra, 1929 e doou-o ao Smithsonian em 1964. O alfinete de esmeraldas está exposto na mostra ao lado do colar cedido pelo  National Museum of Natural History, que Cartier produziu a partir do final dos Anos 10 até à década de 30, quando Majorie o  adquiriu. O colar possui 24 esmeraldas barrocas e originalmente poderia ser usado como um alfinete, como um pingente, que ela tinha reduzido para se adaptar à nova moda em 1941. 

De destacar também o deslumbrante colar em platina, safiras e diamantes em estilo Art Déco, da Cartier, 1936/1937 -  um exemplo de grande mestria e requinte. Esta peça é um impressionante exemplo das transformações a que as jóias Cartier eram submetidas, muitas vezes ao longo do tempo, em resposta à evolução dos gostos ou dos clientes. Para esta peça, Majorie pediu à Cartier para combinar duas pulseiras de diamantes e safiras existentes para formar um colar. A peça central, apresenta uma grande safira rodeada por diamantes em cascata, pode ser destacada e usada separadamente como uma pregadeira. Entre as outras jóias importantes na exposição sobressai um alfinete em forma de seta com borlas pendentes de diamantes que  Majorie usava ​​como um fecho para os belíssimos colares de pérolas e ainda de salientar um colar e brincos de ametistas, turquesas, diamantes e platina que mostram a ligação de Majorie Post a Cartier para as últimas modas 

Além da selecção de molduras, realizadas em ágata, esmalte, ou ônix e decoradas com pedras semi-preciosas que Majorie encomendou em 1920 e 1930, outros artigos de luxo estão expostos e destacam  a tendência da moda entre a cliente e a Cartier para colocar nos seus interiores objectos elegantes e preciosos. Entre peças expostas sobressai um frasco de tabaco em jade, ouro, esmalte, e safiras; vanity-cases em ouro, esmalte, lápis-lazúli, diamantes, safiras  e um conjunto de toilette em prata e esmalte, que consiste numa caixa de jóias, frascos de perfume em  vidro, escovas, espelho de mão, calçadeira, e uma lixa de unhas, tudo com monograma com MC para Marjorie, - o seu nome durante o seu primeiro casamento, reflectindo a tendência entre os clientes mais elegantes da Cartier de colocar as iniciais em objectos sofisticados e valiosos. 

 

Marjorie Post e Cartier 

"Junto com outras peças de um dos  joalheiros mais notáveis do século XX, as jóias, os quadros e os objectos de arte da Cartier para Majorie constituem uma colecção que hoje é um dos um dos acervos mais importantes de Hillwood", explicou a directora das colecções de Hillwood e a curadora da exposição, Liana Paredes. "O interesse de Majorie Post pela Cartier coincidiu com o ápice da sua ascensão para se tornar um dos joalheiros mais importante do século XX", continuou Paredes. "Esta exposição com as aquisições da Cartier por Majorie  representam o período mais importante em que a Cartier em 1920 corajosamente se influenciou pelas sensibilidades modernas do período Art Deco e atraiu o interesse da clientela mais importante e elegante do mundo." 

A história da Casa Cartier inicia-se com um joalheiro chamado Louis François Cartier que, em 1847, abriu a sua primeira loja numa pequena oficina em Paris. De aprendiz e retalhista a criativo e famoso joalheiro bastaram 52 anos, altura em que, com o filho Alfred e o neto Louis, se mudaram para a Rue de la Paix, aquela que rapidamente se tornaria “a rua mais cara do mundo”. Louis (o neto) era um esteta, um estratega e um admirador das artes francesas do século XVIII.

Na época em que Cartier abriu a sua loja em Nova Iorque, em 1909, Majorie Post foi desenvolvendo o seu gosto por coleccionar artes decorativas francesas do  século XVIII, em particular, o estilo neoclássico de Luís XVI, um estilo que estava na moda, entre a sociedade elegante de Nova Iorque. Este seu encanto pelas artes decorativas francesas do  século XVIII junto com a atracção pelo moderno, tornou-se então um ponto de viragem na Casa Cartier. Majorie ficou conhecida como a melhor cliente da Cartier de Nova Iorque, tornando-se  sua admiradora ao longo de toda a vida. As suas opções variavam entre as jóias estilizadas do período Art Deco, às molduras finamente trabalhadas, até às criações coloridas da década de 50. 

 

 

Hillwood Museum and Gardens

Marjorie Merriweather Post comprou Hillwood, em 1955, e logo decidiu que sua casa seria um museu que iria inspirar e educar o público americano. A casa museu Hillwood em Washington D.C., reúne uma das maiores colecções de arte francesa dos séculos XVIII e XIX e uma das mais completas de arte imperial Russa, fora da Rússia, com uma área de vinte e cinco hectares de jardins e bosques naturais para que o público que visite Hillwood possa desfrutar da sua beleza. 

Hillwood Museum and Gardens foi inaugurado como uma instituição pública em 1977. O Museu Hillwood foi remodelado em 2000 e agora apresenta "a mais completa colecção de artes decorativas francesa dos séculos  XVIII e XIX e da  arte imperial russa”, afirmou Kate Markert, a directora do Hillwood Museum and Gardens Post era uma apaixonada colecionadora  de  arte, que reuniu numa magnífica colecção de arte russa, como pinturas, mobiliário, ovos Fabergé, jóias, vidro e têxteis. As trinta e seis salas de Hillwood Museum também apresentam uma impressionante colecção de artes decorativas francesas dos séculos XVIII e XIX, incluindo mobiliário, tapeçarias e porcelanas.

O Hillwood Museum and Gardens oferece uma variedade de programas ao longo do ano, incluindo conferências, passeios ao jardim, workshops,  concertos e peças de teatro.

O que torna notável esta Exposição não é só a extraordinária colecção de jóias e outras obras de arte assinadas pela Cartier, mas também a documentação pouco divulgada, que esteve na origem destas peças, constituída por desenhos e objectos de artesanato de todo o mundo.

Majorie Post foi sempre fascinada pela beleza e mestria da joalharia da Cartier, por considerar que era a melhor criadora de verdadeiras obras primas.  

 

Theresa Bêco de Lobo 

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Sala Francesa no Hillwood Estate, Museum and Gardens Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Hall de Entrada no Hillwood Estate, Museum and Gardens Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Sala de Jantar no Hillwood Estate, Museum and Gardens Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Japanese-style Garden no Hillwood Estate, Museum and Gardens Fotografia: Jessie Marcotte Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Vista do Pórtico Sul no Hillwood Estate, Museum and Gardens Fotografia: Maxwell MacKenzie 2014 Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Vista do Motorcourt e Entrada no Hillwood Estate, Museum and Gardens Fotografia: Maxwell MacKenzie 2014 Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Hillwood Estate, Museum and Gardens

Parterre Francesa com a Escultura da Diana no Hillwood Estate, Museum and Gardens Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Colecção

Uma Festa de Casamento Boyar, 1883 Makovskii, Konstantin Egorovich Óleo sobre tela Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Colecção

Terrina e Travessa Francesa, 1754 Manufacture Vincennes Porcelaine Porcelana Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Colecção

Jarra com Passaros Africanos, Francesa, (1800/1847) Manufacture Sévres Porcelaine Porcelana e bronze Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Colecção

Ovo da Páscoa de Catarina, a Grande, 1914 Fabergé, São Petersburgo Ouro, diamantes, pérolas, esmalte, prata, platina e espelho Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.

Colecção

Coroa Nupcial, 1884 São Petersburgo Prata, diamantes e veludo Colecção Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C. Cortesia Hillwood Estate, Museum and Gardens, Washington D. C.