As obras-primas do Impressionismo Francês
da Colecção do Museum of Fine Arts, Boston

Mulher com Guarda-Sol e Criança numa Encosta Iluminada pelo Sol (cerca 1874/76). Pierre Auguste Renoir, (Francês, 1841–1919). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Baile em Bougival, 1883. Pierre Auguste Renoir, (Francês, 1841–1919). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Picture Fund Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Edmondo e Thérèse Morbilli (cerca 1865). Edgar Degas, (Francês, 1834–1917). Óleo sobre tela. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Oferta de Robert Treat Paine, 2nd. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Cavalos de corrida em Longchamp 1871/1874. Edgar Degas, (Francês, 1834–1917). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, S. A. Denio Collection—Sylvanus Adams Denio Fund and General Income. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Nas Corridas no Campo 1869. Edgar Degas (Francês, 1834–1917) Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Purchase Fund. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Visita ao Museu (cerca 1879/90). Edgar Degas (Francês, 1834–1917) Óleo sobre tela. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Oferta de Mr. and Mrs. John McAndrew. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Carmen Gaudin no atelier do artista, 1888. Henri de Toulouse-Lautrec, (Francês 1864–1901). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Cantora de Rua (cerca 1862). Edouard Manet, (Francês 1832–83). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de Sarah Choate Sears em memória do seu marido, Joshua Montgomery Sears. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Victorine Meurent, (cerca 1862). Edouard Manet, (Francês 1832–83). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Richard C. Paine, em memória do seu pai, Robert Treat Paine 2nd Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Camille Monet e uma Criança noJardim do Artista em Argenteuil, 1875. Claude Monet (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta anónima em memória do Sr. e Sra. Edwin S. Webster. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Lago, (cerca 1877/79). Paul Cézanne, (Francês 1839–1906). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston Tompkins Collection—Arthur Gordon Tompkins Fund. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

Prado com Choupos (cerca 1875). Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de David P. Kimball em memória da sua mulher Clara Bertram Kimball. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston. Direitos reservados

O Grande Canal, Veneza, 1908. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de Alexander Cochrane. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Boulevard Saint-Denis, Argenteuil, no Inverno, 1875. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem e fotografia © Museum of Fine Arts, Boston. Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Richard Saltonstall. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Campo de Papoilas numa Cavidade perto de Giverny, 1885. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston, Juliana Cheney Edwards Collection. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Prado em Giverny 1886. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston Juliana Cheney Edwards Collection. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Grainstack, (efeito neve) 1891. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Miss Aimée and Miss Rosamond Lamb,em memória de Mr. and Mrs. Horatio. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Antibes, Efeito Tarde, 1888. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Samuel Dacre Bush. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Nenúfares, 1905. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Edward Jackson Holmes. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

A Ponte com Nenúfares, 1900. Claude Monet, (Francês 1840–1926). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferecido em memória do Governor Alvan T. Fuller by the Fuller Foundation. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Sistema Hidráulico, em Marly (cerca 1876). Alfred Sisley Britânico (Activo em França) 1839–99. Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Miss Olive Simes. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

O Sena em Chatou, 1881. Pierre Auguste Renoir (Francês 1841–1919) Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de Arthur Brewster Emmons. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Casas em Auvers, 1890. Vincent van Gogh (Holandês que trabalhou em França) 1853–90. Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Pastagens de Primavera, 1889. Camille Pissarro (Francês, 1830–1903). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Depositado pelo Trustees of the White Fund, Lawrence, Massachusetts. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Porto de Saint-Cast, 1890. Paul Signac (Francês 1863–1935). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Oferta de William A. Coolidge. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Flores e frutos sobre uma mesa, 1865. Henri Fantin-Latour (Francês 1836–1904). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Fruta exposta num stand (cerca 1881/82). Gustave Caillebotte (Francês 1848–94). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Fanny P. Mason Fund em memória de Alice Thevin. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Fruta e um Jarro sobre uma Mesa (cerca 1890/94). Paul Cézanne (Francês 1839–1906). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Flores Brancas numa Taça, 1885. Berthe Morisot (França) 1841–95. Óleo sobre tela. Créditos da imagem: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Fotografia: © Museum of Fine Arts, Boston. Direitos reservados Colecção Museum of Fine Arts, Boston. Legado de John T. Spaulding. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

O Museum of Fine Arts, Houston inaugurou no dia 14 de Novembro de 2021, uma grande exposição sobre o Impressionismo e o Pós-Impressionismo, sendo que a mesma se prolonga até 27 de Março de 2022. Extraída quase inteiramente da sua notável colecção do Museum of Fine Arts, Boston, esta mostra reúne mais de 100 trabalhos numa variedade enorme de técnicas, como pintura, gravuras, desenhos e pastéis de alguns dos mais talentosos artistas impressionistas e pós-impressionistas dos finais do século XIX e início do século XX.

“As obras-primas do Impressionismo Francês da Colecção do Museum of Fine Arts, Boston” apresenta muitas pinturas célebres, entre as quais, a Ponte com Nenúfares, 1899 de Claude Monet e no Baile em Bougival, 1883 de Pierre Auguste Renoir, Carmen Gaudin no atelier do artista, 1888 de Henri de Toulouse-Lautrec e Casas em Auvers, 1890 de Vincent van Gogh oferecendo novas investigações sobre essas obras e apresentando outros exemplos importantes destes artistas e dos seus contemporâneos. Por exemplo, as obras, como a Mulher com Guarda-Sol e Criança numa Encosta Iluminada pelo Sol (cerca 1874/76) de Pierre Auguste Renoir, é exibida ao lado do mesmo tema de Edgar Degas e Paul Cézanne.

 

Esta importante colecção de arte do Museum of Fine Arts, Boston, agora exposta no Museum of Fine Arts, Houston, irá proporcionar uma oportunidade única de admirar este espólio tão significativo de obras impressionistas. Antes da mostra estar patente em Houston, esteve até Outubro de 2021 no National Gallery of Victoria, em Melbourne, Austrália, onde teve grande êxito.

 

Nesta mostra o Impressionismo francês irá traçar a trajectória do movimento artístico do final do século XIX, destacando os principais marcos e figuras no centro deste período de experimentação e revolução na arte moderna. Através de uma exposição de pinturas e obras em papel, que mostra a amplitude do movimento, a exposição irá evocar a energia artística e o dinamismo intelectual desse período, colocando ênfase nos pensamentos e observações dos próprios artistas, revelando as ligações sociais, influências artísticas e relações pessoais que uniram o grupo de praticantes radicais no centro deste novo movimento artístico.

Apresentada tematicamente em nove secções, a exposição está aberta com trabalhos iniciais de Monet e dos seus antecedentes, Eugène Boudin e pintores da Escola de Barbizon, ilustrando a sua profunda influência na utilização por Monet do método então radical de pintar “ao ar livre” para captar as condições em mudança na natureza.

O crescimento do movimento nas décadas seguintes é seguido através de uma exploração dos temas e ideias favorecidas dos Impressionistas. A exposição está bem organizada, através de uma curadoria excepcional, onde o público pode admirar as tendências do Impressionismo, incluindo o distinto trabalho com pincéis, pontos de vista únicos, o uso de cores, assim como lugares apreciados pelos artistas, tais como Paris, Floresta de Fontainebleau, Pontoise, Giverny, costa da Normandia e o Sul de França. Muitos artistas também atribuíram igual peso ao movimento artístico e à mudança nos domínios urbanos e domésticos. Pinturas de natureza morta, interiores íntimos e cenas de rua de artistas como os trabalhos de Manet, Renoir e Gustave Caillebotte.

Estes temas mais amplos são pontuados por secções focadas da exposição que examinam momentos e características significativas nas práticas de uma selecção de artistas, incluindo Renoir e a sua experiência com efeitos pictóricos na década de 1880, assim como Pissarro e o seu papel como mentor de uma série de outros artistas.

A exposição destaca dezasseis telas de Claude Monet, dispostas numa galeria dedicada ao trabalho deste pintor, que recorda a distinta galeria oval que Monet ajudou a projectar para os seus célebres nenúfares no Musée de l'Orangerie, Paris, entre 1922 e a sua morte em 1926. Os nenúfares foram pintados ao longo de um período de trinta anos, estas telas retratam muitas das cenas mais amadas da natureza de Monet em Argenteuil, na costa da Normandia, e no seu extraordinário jardim em Giverny. Juntas, estas pinturas demonstram todo o alcance da imensurável contribuição do artista para o movimento impressionista.

A colecção significativa do Impressionismo Francês do Museum of Fine Arts, Boston beneficiou dos colecionadores individuais de Boston, alguns dos quais visitaram os artistas em França durante o auge do movimento. Mary Cassatt, uma artista americana do movimento Impressionista Francês e cujo trabalho é apresentado na mostra, foi defendido entre os seus colegas americanos pelo seu patrocínio aos seus colegas franceses, assegurando que muitos dos quadros impressionistas franceses encontraram o seu caminho em importantes colecções americanas.

Tony Ellwood , Director, Galeria Nacional de Vitória disse: “As pinturas dos impressionistas são adoradas em todo o mundo pela inovação artística e curiosidade visual que representam, assim como pelo seu uso de cor de cortar a respiração. Esta exposição dará ao público a extraordinária oportunidade de estudar de perto trabalhos apresentados, incluindo as cenas belíssimas de Monet na paisagem rural francesa, as cenas marcantes deste pintor no campo francês, e para descobrir as origens verdadeiramente revolucionárias deste importante momento da história da arte moderna”.

Acerca da mostra, Gary Tinterow, Director do museu de Houston, disse o seguinte: “Estamos gratos ao nosso parceiro de apresentação, o Museum of Fine Arts, Boston, cuja rica colecção de pinturas impressionistas tem a capacidade única de narrar a história do impressionismo francês com matizes, profundidade e paixão. Esta é a primeira vez que o MFA Boston empresta uma tão grande selecção de obras, e estamos-lhes incrivelmente gratos por terem confiado ao Museu de Houston estes tesouros extraordinários”.

Matthew Teitelbaum, Director do Museum of Fine Arts, Boston, disse: "Estamos encantados por partilhar estas obras icónicas com a Galeria Nacional de Vitória, Melboure, Austrália e o Museu de Houston, para que possam viver este momento transformador na história da arte. O Impressionismo francês destaca os artistas e as suas relações, a sua ambição partilhada e os ideais de apoio mútuo que se reflectem na nossa relação com estas Instituições de Arte. Estamos gratos às suas extraordinárias equipas pela criação de tão belas vitrinas para as nossas preciosas obras. O nosso esforço mútuo tem sido de visão, criatividade e colaboração. Estas exposições são uma celebração alegre das nossas ligações e um lembrete de que "indivíduos e instituições prosperam através da reciprocidade e da generosidade".

A mostra oferece aos visitantes, novas perspectivas sobre a criatividade e visão que os artistas desse movimento trouxeram para os seus temas. A escolha de culturas arrojadas e pontos de vista invulgares, o achatamento do espaço e o uso de cores vibrantes e pinceladas vigorosas imbuíram o seu trabalho com uma forma de modernidade que confrontou o público contemporâneo. O seu modo radical de pintar também reflectia um grande fascínio pela fotografia e por impressões em xilogravura japonesas (Ukiyo-e).

 

Os visitantes podem ver um número significativo de obras de muitas das figuras-chave do pós-impressionismo, como Georges Seurat, Vincent van Gogh, Paul Gauguin e Paul Cézanne, cada um dos quais tomou as inovações dos impressionistas, como o seu ponto de partida e evoluíram em novas direcções e muitas vezes dramaticamente diferentes.

 

A exposição foi organizada em torno de temas que destacam o interesse compartilhado dos artistas em determinados assuntos. Entre eles estão a Natureza, A Cidade Moderna, Objectos do Quotidiano (ou naturezas-mortas) e Pessoas.

 

A secção de abertura da exposição demonstra a firmeza com que os artistas associados ao impressionismo se comprometeram a registar as suas observações directas da natureza e tornar a variação de luz, cor e atmosfera num elemento central do seu trabalho.

 

Paris foi a principal inspiração para os artistas impressionistas. Alguns artistas concentraram-se na arquitetura da capital francesa, captando cenas das suas grandes avenidas ou entretimentos urbanos populares, como o cabaré, o ballet e o teatro. Artistas como Renoir, Pissarro, Degas e Cassatt detiveram muitos aspectos da experiência urbana - a energia cinética de grandes multidões viajando de um lado para outro ou uma única figura captada num momento de devaneio silencioso. 

Outra secção concentra-se nas diferentes formas pelas quais os impressionistas, como Manet e Cézanne reanimaram o tema tradicional da pintura de natureza-morta, impregnando-a com um novo espírito e discrição, ou como Cézanne colocou: “Eu quero surpreender Paris com uma maçã. ” Jarras cheias de flores(Renoir), Bolos artesanais (Caillebotte), ou uma cesta tecida(Manet) eram temas convenientes para as experiências dos artistas. “Um pintor pode dizer tudo o que quiser com frutas e flores”, observou Manet, que se concentrou nesse género familiar em quase um quinto das suas telas. Nestas obras, os visitantes são convidados a testemunhar objectos do quotidiano transformados pela cor, textura e linha.

 

“As obras-primas do Impressionismo Francês da Colecção do Museum of Fine Arts, Boston”, é uma exposição composta com obras retiradas da colecção do Museu de Boston, que também oferece novas investigações sobre o espólio, os gostos e a vida cultural de Boston nos séculos XIX e XX, iniciando-se com Cassatt, uma americana que em Paris desde cedo convenceu os seus familiares nesse sentido para ir para a capital francesa estudar pintura e, ainda, incentivou outros americanos a comprarem o trabalho dos seus contemporâneos.

 

“Boston foi um centro importante para coleccionar trabalhos de impressionistas durante esse período”, observa Matthew Teitelbaum, “e a colecção é moldada pelo gosto e pelo espírito cívico desses americanos, assim como os actuais coleccionadores de arte contemporânea que enriquecem a vida cultural da nossa cidade. "

 

A exposição oferece um novo olhar sobre estes talentosos artistas, desde finais do século XIX até início do século XX, que se fascinaram por vários temas, que serviram de ponto de inspiração para as suas ambições artísticas e onde a arte parecia ser uma parte da sua vida quotidiana.

 

Theresa Beco de Lobo