Georgia O'Keeffe I Fotógrafa

Georgia O’Keeffe com Máquina Fotográfica, 1959. Todd Webb, (1905 – 2000). Impresso mais tarde, impressão a jacto de tinta. Créditos da imagem: © Todd Webb Archive, Portland, Maine, USA. Colecção Todd Webb Archive. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Trombeteira (Datura stramonium), 1964/68. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). Polaroid Preto e branco. Créditos da imagem: © Georgia O’Keeffe Museum Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Corredor do Pátio Norte,1956/57. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). impressão em prata gelatina. Créditos da imagem: © Georgia O’Keeffe Museum. Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

No Pátio VIII, 1950. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). impressão em prata gelatina. Créditos da imagem: © Georgia O’Keeffe Museum, oferta de Burnett Foundation e de Georgia O’Keeffe Foundation. Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe, oferta de Burnett Foundation e de Georgia O’Keeffe Foundation. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Estrela da Noite nº IV, 1917. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). Aguarela sobre papel. Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe, oferta de Burnett Foundation 2007. Cortesia Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe.

Porta Salita, Patio, 1956/57. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). impressão em prata gelatina. Créditos da imagem: © Georgia O’Keeffe Museum / image © Museum of Fine Arts, Boston. Colecção Museum of Fine Arts, Boston, the Lane Collection. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Sala sem Telhado, 1959/60. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). impressão em prata gelatina. Créditos da imagem: © Georgia O’Keeffe Museum. Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe. Cortesia Museum of Fine Arts, Houston.

Arco de Pedra Natural perto da Praia Lehoʻula, ʻAleamai, 1939. Georgia O’Keeffe, (1887 – 1986). impressão em prata gelatina. Colecção Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe, Oferta de Georgia O'Keeffe Foundation,2006. Cortesia Georgia O’Keeffe Museum, Santa Fe.

Uma série de fotografias de Georgia O'Keeffe estão expostas pela primeira vez, no Museum of Fine Arts, Houston, a partir de 17 de Outubro. De 2021.

Cerca de 100 imagens foram recentemente seleccionadas do arquivo investigado e revelam uma abordagem modernista do ícone americano Georgia O'Keeffe.

A fotógrafa é uma figura inovadora do modernismo americano, Georgia é muito conhecida pelas suas pinturas de arranha-céus de Nova Iorque, representações de flores monumentais, e paisagens de grande beleza do sudoeste americano. Menos conhecida pela sua prática fotográfica tão distinta, que complementam, as suas pinturas e desenhos.

Este Outubro, o Museum of Fine Arts, Houston, apresenta a primeira exposição dedicada à prática fotográfica de O'Keeffe como estreia nesta prática.

 

A mostra é organizada em parceria com o Georgia O'Keeffe Museum, Santa Fé, e revela o âmbito mais vasto da carreira da artista através de cerca de 90 fotografias de um arquivo previamente não estudado - uma descoberta liderada pela curadora de fotografia associada do Museum of Fine Arts, Houston, Lisa Volpe. As impressões do evento são complementadas por 17 pinturas e desenhos de paisagens, flores, e naturezas mortas de colecções públicas e privadas de todo o país.

A Georgia O'Keeffe, Fotógrafa, está exibida no Museum of Fine Arts, Houston de 17 de Outubro de 2021 até 17 de Janeiro de 2022, antes de viajar para a Addison Gallery of American Art, Phillips Academy, Andover, Massachusetts; o Denver Art Museum; e o Cincinnati Art Museum.

"Georgia O'Keeffe há muito que é objecto de exposições, retratos, e volumes de bolsas de estudo. Ela atraiu o mundo da arte com as suas obras em papel e tela, mas a sua fotografia nunca foi estudada ou conhecida, apesar de ser essencial para a sua prática. Temos o prazer de apresentar esta exposição reveladora e expandir a apreciação de uma das artistas mais inovadoras e expressivas que a nossa cultura tem produzido ", disse Gary Tinterow, Director, do Museum of Fine Arts, Houston.

Enquanto Georgia O'Keeffe (1887-1986) como uma das pintoras mais significativas do século XX, ela teve também uma ligação vitalícia à fotografia. Captando em filme ao longo da sua vida, fotografias de família,imagens de viagem, e retratos de uma série de artistas fotográficos incluindo o seu marido, Alfred Stieglitz (1864-1946) -- O'Keeffe não era estranha ao meio. Ela expressou a sua perspectiva única através de todos os aspectos da sua vida, e quando iniciou a sua prática fotográfica em meados dos Anos 50, a sua identidade singular e a sua arte estavam bem desenvolvidas.

“Georgia O'Keeffe, Fotógrafa”, é o culminar de três anos de investigação liderada por Volpe, que analisou centenas de obras em diferentes colecções e identificou mais de 400 imagens fotográficas de O'Keeffe. Volpe atribuiu, datou e catalogou as fotografias, examinando pequenos detalhes nas imagens e analisando o estilo distinto da artista.

"No seu livro de 1976, O'Keeffe mencionou o seu uso da fotografia. No entanto, o seu domínio da pintura impediu qualquer pesquisa nesta área durante décadas. Era uma parte da sua prática artística à espera de ser examinada", disse Volpe. "Esta exposição revela as formas como utilizou a fotografia como parte da sua visão artística única e abrangente. Ela reivindicou o meio para si e para o seu próprio uso artístico, um acto radical no final da sua carreira.

Georgia O'Keeffe foi uma das mulheres mais fotografadas do século XX. Participou activamente na criação da sua própria imagem dramática, começando em 1918, com a série de mais de 300 fotografias criadas por Alfred Stieglitz, o fotógrafo e galerista de vanguarda que se tornou seu marido em 1924. Após a morte de Stieglitz e a sua mudança para a remota aldeia de Abiquiu, no Novo México, importantes fotógrafos de retratos seguiram-na para o Ocidente para a retratarem em casa e no seu estúdio. Os seus amigos Ansel Adams e Todd Webb, conhecidos pelas suas paisagens, também compuseram imagens de O'Keeffe na paisagem. “Esta exposição apresenta uma selecção da colecção do Museu de mais de 2000 fotografias da artista. Estamos especialmente orgulhosos de oferecer o primeiro olhar sobre as mais recentes aquisições adquiridas em 2013, fotografias que abrangem a vida da artista de Nova Iorque ao Novo México, incluindo muitas imagens raramente vistas da artista. O arquivo fotográfico do Museu apoia a nossa missão de preservar, apresentar, e fazer avançar o legado artístico de Georgia O'Keeffe. Forma um registo valioso das muitas formas como O'Keeffe se apresentou à frente da máquina fotográfica em retratos formais, assim como nos instantâneos não estudados com amigos e familiares”, disse Gary Tinterow, Director, do Museum of Fine Arts, Houston.

As mais recentes aquisições complementam as fotografias já realizadas pelo museu e incluem uma vasta gama de materiais, tais como impressões de belas artes, cópias, negativos, folhas de contacto e fotografias documentais. Muitas das fotografias da exposição nunca foram publicadas ou mostradas no Museu Geórgia O'Keeffe. Por exemplo, entre as imagens criadas por Stieglitz, uma é célebre por retratar O'Keeffe no acto de pintar, enquanto outras fotografias não publicadas enquadram momentos íntimos no Lago George. De destacar imagens de Doris Bry, George Daniell, e Arnold Newman, que retratam O'Keeffe nas suas casas no Novo México e na paisagem circundante.

Desde que o Museu foi fundado em 1997, a sua colecção de impressões tem crescido de forma constante, mas principalmente através de ofertas. O maior presente de mais de 1000 fotografias foi apresentado ao Museu em 2006 pela Fundação Georgia O'Keeffe. Esta colecção, reunida pela artista durante a sua longa vida, tornou-se parte da sua propriedade após a sua morte em 1986. Da mesma forma, a colecção adquirida pelo Museu em 2013 é única porque O'Keeffe seleccionou as fotografias para James Johnson Sweeney, o curador da sua retrospectiva de 1946 no Museu de Arte Moderna. O arquivo fotográfico do Museu forma um registo inestimável da vida de O'Keeffe na arte, uma prática criativa que abrangeu o século XX e a ascensão do Modernismo americano.

 

A exposição está organizada em torno de princípios-chave da abordagem fotográfica de O'Keeffe, a reformulação, a prestação de luz e a mudança sazonal.

Refirmando vistas através da lente da sua máquina fotográfica, Georgia O'Keeffe viu o seu ambiente como uma variedade de formas possíveis. Movendo-se da direita para a esquerda, passando a máquina fotográfica de cima para baixo, ou virando-a vertical e horizontalmente, compôs e recompôs as suas imagens para encontrar composições harmoniosas. No conjunto exposto destacam-se as impressões captadas na série de O'Keeffe do Arco de Pedra Natural perto da Praia Lehoʻula, ʻAleamai, Hawaii, monstrando a busca intuitiva da artista pela relação ideal das formas expressivas.

O que a atraía era a dureza do Sudoeste americano, onde o céu e a terra se confundem e a cor dominante é o vermelho que um azul perturba sem manchar. Num pátio de uma casa rural, O’Keeffe encontrava uma inspiração. O minimalismo, hoje perfeitamente reconhecível, tornava-se um resultado da paisagem. No Novo México, até se fixar em Santa Fé, Georgia O’Keeffe transformou-se em ela própria, reivindicando uma herança que a ninguém pertencia. Para trás ficou Manhattan e o homem da sua vida. A sexualidade das mulheres, órgãos reprodutores reproduzidos no desenho de flores, passaria a inspirá-la tanto como outras naturezas-mortas. Nada se move nas paisagens de O’Keeffe, e tudo é imortal. “Ninguém vê uma flor — realmente — é tão pequena — não temos tempo... eu disse para mim mesma — pintarei o que vejo — o que a flor é para mim, mas pintá-la-ei grande e ficarão surpreendidos por terem tempo para a olhar [...],” disse Georgia O’Keeffe.

Em papel, tela, ou numa fotografia, sombras claras e escuras não são apenas efeitos fugazes para O'Keeffe. Elas fornecem formas pesadas e essenciais. Sensível a este potencial formal, a artista fotografava frequentemente a mesma vista ao longo do dia para criar composições variadas. Um exemplo notável é o “Desfiladeiro Proibidor” de 1964 de O'Keeffe, uma série de cinco Polaroids que captaram a mudança de luz entre duas faces da rocha. Fotografias da sua cadela Chow também expressavam tais possibilidades, contrastando o pelo escuro do cão contra a paisagem banhada pelo sol para encontrar a tensão entre profundidade, planicidade, realismo e abstracção.

O'Keeffe também explorou as mudanças sazonais fotografando o seu ambiente de folhagem em evolução e de luz durante todo o ano. As suas fotografias do rio Chama e uma escada de kiva na sua casa no Novo México captam alterações na vegetação, precipitação e luz solar. Da mesma forma, O'Keeffe fotografou regularmente as trombeteira (Datura stramonium), à volta da sua casa, observando como as flores em forma de trombeta obedeciam tanto ao ciclo das estações como a um ciclo diário mais curto, abrindo à tarde e fechando com o nascer do sol, desde o final do Verão até à primeira geada. As imagens da trombeteira (Datura stramonium), flor de O'Keeffe sinalizam o fascínio permanente da artista pelas transformações da natureza.

A terra era o seu alimento, e o céu que a cobria. A terra era a origem da sua escolha estética e existencial. Ela via naqueles desertos infinitos e colinas arredondadas, naquelas agudezas escarpadas ou na geometria das casas uma vida. O território, a norte do México, ficou conhecido como Território O’Keeffe, tão reconhecível como a obra. Santa Fé era a sua cidade. Anos itinerantes deparavam-se naquela secura. Continuou a viajar, mas regressava sempre àquela zona sentimental. Ficou no Novo México os últimos 37 anos de vida, intercalados com expedições e viagens a lugares parecidos, como o Arizona, o Peru, o México.

A curiosidade, que a levava a admirar uma flor e a extrair dela todos os resultados estéticos e intelectuais, eram reunidas em caixas de recordações, criadas por ela e ainda todos os objectos que lhe recordassem essa viagem.

O arquivo fotográfico de Georgia forma um registo inestimável da vida de O'Keeffe na arte, uma prática criativa que abrangeu o século XX e a ascensão do Modernismo americano.

 

Theresa Bêco de Lobo