Frank Gehry I Renovação e Extensão do Philadelphia Museum of Art, 2021

A Entrada Norte, pela primeira vez em décadas, foi restaurada para uso público em 2019. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

O Lenfest Hall foi renovado. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers. Cortesia do Philadelphia Museum of Art 2021.

Lenfest Hall, virado para Este em direcção ao Williams Forum (em baixo) e ao Great Stair Hall (em cima). Em vista acima: Generation, 1988, por Martin Puryear, cedro vermelho pintado, em forma de cabaça. Créditos da imagem: © Martin Puryear. Cortesia de Matthews Marks Gallery. Aquisição do 125º Aniversário. Presente de Jane e Leonard Korman, 2002. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, Cortesia do Philadelphia Museum of Art 2021.

O Lobby Norte, virado para sul em direcção à Passarela Vaulted Walkway. À direita, uma nova loja é decorada por portas Tiffany restauradas. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia do Philadelphia Museum of Art, 2021.

Um tecto abobadado de gesso branco cobre o espaço, que é utilizado para instalações de grande escala, restaurado em 2019. A Passarela é iluminada com clarabóia natural e iluminação LED revestida a bronze. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia do Philadelphia Museum of Art, 2021.

Um tecto abobadado de gesso branco cobre o espaço, que é utilizado para instalações de grande escala, restaurado em 2019. A Passarela é iluminada com clarabóia natural e iluminação LED revestida a bronze. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia do Philadelphia Museum of Art, 2021.

Vista para o Átrio Norte: Um tecto abobadado de gesso branco cobre o espaço, que é utilizado para instalações de grande escala, restaurado em 2019. A Passarela é iluminada com clarabóia natural e iluminação LED revestida a bronze. Créditos da imagem Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia do Philadelphia Museum of Art, 2021.

Escadas descendentes do Great Stair Hall até ao Lenfest Hall e ao nível um. Em vista: Generation, 1988, por Martin Puryear com cedro vermelho pintado, cabaça. Créditos da imagem: © Martin Puryear, Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers Cortesia de Matthews Marks Gallery. Aquisição do 125º Aniversário. Presente de Jane e Leonard Korman, 2002. Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021

Uma escada escultórica conduz o público ao Williams Forum. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers. Imagem cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021

Escadaria de calcário no novo Williams Forum. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers. Imagem cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

O novo espaço público tem um tecto branco em cúpula. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers. Cortesia do Philadelphia Museum of Art 2021

Pormenor s da pedra Kasota na escadaria curvada do Williams Forum. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers. cortesia do Philadelphia Museum of Art 2021.

A Arte de Teresita Fernández (americana, nascida em 1968) ocupa uma parede do Fórum Williams Exibido na parede leste do Williams Forum é um mapa da América feito a partir de pedaços de carvão vegetal pela artista americana Teresita Fernández. Chamado Fogo (Estados Unidos da América), 2017/2020, "aponta para os ciclos de destruição e regeneração sobre os quais a história deste país é construída", segundo o museu. Carvão vegetal, dimensões variáveis; 83 partes. Oferta prometida de Mitchell L. e H

A Arte de Teresita Fernández (americana, nascida em 1968) ocupa uma parede do Fórum Williams Exibido na parede leste do Williams Forum é um mapa da América feito a partir de pedaços de carvão vegetal pela artista americana Teresita Fernández. Chamado Fogo (Estados Unidos da América), 2017/2020, "aponta para os ciclos de destruição e regeneração sobre os quais a história deste país é construída", segundo o museu. Carvão vegetal, dimensões variáveis; 83 partes. Oferta prometida de Mitchell L. e H

Uma sala numa extremidade da Passarela Vaulted, chamada Sala Sul, foi remodelada e transformada numa área de exposição de esculturas. Em vista: "Nuria", 2017, por Jaume Plensa (Espanha, b. 1955). Malha de aço inoxidável, altura: 138". Oferta prometida de Aileen e Brian Roberts. Imagem cortesia do Philadelphia Museum of Art, 2021.

"Nuria", 2017. Jaume Plensa (Espanha, 1955), tal como instalado no Salão Sul, Philadelphia Museum of Art . Malha de aço inoxidável, altura: 138". Oferta prometida de Aileen e Brian Roberts. Imagem cortesia do Museu de Arte da Filadélfia, 2021.

Olhando para a fachada leste. Gehry concebeu a estrutura de aço para a clarabóia de um antigo poço de luz com passagens graciosas que ecoam o desenho da abóbada do passadiço. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

Os visitantes apreciam o café e a pastelaria servidos num bar de café expresso oferecido pelo Constellation Culinary Group. Vinte e quatro pés acima, Gehry desenhou a estrutura de aço para a clarabóia, com passagens graciosas que ecoam o desenho da abóbada do passadiço. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019, Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

Stir, um restaurante concebido por Gehry Partners, com lugares "Pasqualina" do estúdio Grassi & Bianchi. Uma cozinha aberta é central para o design. Fotografia: Jeffrey Totaro, 2018, Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

Stir, um restaurante concebido por Gehry Partners, com lugares "Pasqualina" do estúdio Grassi & Bianchi. Uma cozinha aberta é central para o design. Fotografia: Jeffrey Totaro, 2018, Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

A Loja Principal, localizada no Lobby Norte, está adornada com portas Tiffany restauradas, originais do edifício. Créditos da imagem: Steve Hall © Hall + Merrick Photographers, 2019. Cortesia Philadelphia Museum of Art, 2021.

O arquitecto vencedor do Prémio Pritzker de Arquitectura Frank Gehry projectou as novas galerias e os espaços públicos como parte da remodelação do Philadelphia Museum of Art na Pensilvânia.

 

Frank Gehry é um dos arquitectos da moda. Dele fala-se e escreve-se todos os dias em toda a parte. Através da sua obra, há mais de quarenta anos, Gehry tem vindo a demonstrar um talento genial nos projectos dos seus edifícios, excelentes ensaios de formas geométricas e materiais inovadores, e que sob o ponto de vista estético se situam entre os mais profundos e brilhantes trabalhos da arquitectura contemporânea.

 

Os novos espaços do museu estão abertos ao público desde Maio de 2021, após uma renovação de quatro anos.

Chamado “Projecto Principal”, a renovação e extensão abrangeu 90.000 pés quadrados (8.360 metros quadrados), incluindo 20.000 pés quadrados (1.850 metros) do novo espaço de galerias. A primeira fase da renovação foi aberta ao público em 2019.

 

Desde a abertura ao público do edifício principal em Fairmount Park, Filadélfia,  em 1928, o museu tem actualizado continuamente as colecções, a programação e exposições para a instituição de arte se manter relevante. Inspirado na integridade do edifício histórico, o plano de renovação de Frank Gehry abriu o interior do museu com mais espaços públicos, mais galerias para a arte, e uma navegação mais fácil, tudo isto respeitando ao mesmo tempo a arquitectura original.

 

Cerca de 90.000 metros quadrados de espaço foram reequipados dentro do edifício principal, tudo isto em conformidade com a ADA e com eficiência energética. O âmbito do projecto inclui um West Terrace reconstruído, agora o Robbi e Bruce Toll Terrace, com rampas integradas para facilitar o acesso de todos os visitantes; um renovado Lenfest Hall, que há muito serve de entrada principal para o museu; um novo espaço público, o Williams Forum, que serve de cenário para uma vasta gama de actividades e liga o rés-do-chão aos níveis superiores; e o Vaulted Walkway, um corredor de 640 pés de comprimento que abrange toda a largura do edifício e que não está aberto ao público há quase 50 anos.

 

Além disso, áreas outrora dedicadas a escritórios, ao restaurante do museu e ao armazenamento foram convertidas em duas novas galerias, totalizando 20.000 pés quadrados de espaço de exposição. As galerias Robert L. McNeil, Jr são dedicadas a contar uma narrativa mais ampla e inclusiva sobre o desenvolvimento da arte americana inicial centrada no papel proeminente desempenhado pela Filadélfia nesta história. As Galerias Daniel W. Dietrich II oferecem mais espaço para a arte moderna e contemporânea, incluindo a fotografia, inaugurada com o “New Grit: Art & Philly Now”, uma exposição dos trabalhos de 25 artistas contemporâneos com ligações a Filadélfia.

 

O arquitecto Gehry liderou o processo de redesenhar o edifício histórico na colina de Fairmount. Desenhado pelo arquitecto americano Horace Trumbauer e pelo seu principal designer, o arquitecto afro-americano Julian Abele, o museu abriu ao público pela primeira vez em 1928.

 

Frank Gehry trabalhou com o mesmo material utilizado pelos arquitectos originais, uma pedra calcária dourada chamada “Kasota”, que é extraída numa pequena cidade no sul do Minnesota.

"O objectivo em todo o nosso trabalho no Philadelphia Museum of Art tem sido deixar o museu guiar a nossa mão", disse Gehry. "Os arquitectos brilhantes que vieram antes de nós criaram um design forte e inteligente que tentámos respeitar, e em alguns casos acentuar", acrescentou ele. "O nosso objectivo primordial tem sido criar espaços para a arte e para as pessoas".

 

O Robbi e Bruce Toll Terrace - formalmente o West Terrace - foi reconstruído com pedra “Kasota” integrada e rampas de granito para tornar o museu acessível.

No primeiro andar, a entrada principal, chamada Lenfest Hall, foi renovada. As suas paredes e colunas de pedra foram limpas e foram instaladas novas luzes LED no tecto.

O Robbi e Bruce Toll Terrace - formalmente o West Terrace - foi reconstruído com pedra ”Kasota” integrada nas e rampas de granito para tornar o museu acessível.

 

No primeiro andar, a entrada principal, chamada “Lenfest Hall”, foi renovada. As suas paredes e colunas de pedra foram limpas e foram instaladas novas luzes LED no tecto.

 

Gehry também concebeu uma mesa de admissão para o “Lenfest Hall”, que é revestida em abeto Douglas e encimada por balcões de bronze.

Um novo espaço público chamado Williams Forum liga o piso térreo aos andares superiores. É alcançado através de uma escadaria escultórica de 12 metros de altura revestida em pedra de “Kasota” com grades de bronze.

 

Um tecto abobadado de gesso branco cobre o espaço, que é utilizado para instalações de grande escala e - após a pandemia do coronavírus - grandes concentrações.

 

O Vaulted Walkway, um corredor de 640 pés de comprimento (195 metros) que percorre a largura do exterior do Philadelphia Museum of Art, foi reaberto de novo após 50 anos.

Os azulejos Guastavino nos cofres entre as colunatas foram restaurados, e novos tubos de vapor, linhas de água, cabos eléctricos e de internet foram instalados por baixo do pavimento para melhorar as infra-estruturas do museu.

Uma sala numa extremidade da Passarela Vaulted, chamada Sala Sul, foi remodelada e transformada numa área de exposição de esculturas.

 

Frank Gehry

Gehry é um arquitecto muito elogiado e recebeu o Prémio Pritzker de Arquitectura, o Praemium Imperiale do Japão, e a Medalha Presidencial da Liberdade da América, entre outros galardões.

Do icónico Museu Guggenheim de Bilbao, que Philip Johnson chamou "o maior edifício do nosso tempo" à Fondation Louis Vuitton em Paris, Gehry provou a sua extraordinária contribuição no campo da arquitectura e do design. 

 

Frank O. Gehry nasceu em Toronto, no Canadá, em 1929 e em 1947 foi viver para Los Angeles (Estados Unidos da América). Em 1954 terminou o bacharelato em Arquitectura na University of Southern California e mais tarde especializou-se em Urbanismo na Universidade de Harvard. 

\

Começou a sua carreira em Los Angeles trabalhando para Victor Gruen Associates e Pereira and Luckman. Após uma breve passagem por Paris trabalhou com Andre Remondet, depois voltou para a Califórnia e começou a sua própria empresa em 1962. 

 

Nos anos seguintes desenvolveu uma carreira brilhante com arquitecto tendo projectado edifícios públicos e privados nos Estados Unidos da América, na Europa e na Ásia.

 

O trabalho de Gehry demonstra uma preocupação com o conforto dos utilizadores dos espaços por si criados, insistindo em que os seus edifícios se integrem no contexto e na cultura dos lugares onde são construídos.

 

No seu actual atelier de arquitectura, situado em Santa Mónica, Califórnia, Frank O. Gehry & Associates dispõe de instalações e equipamentos para a realização de maquetas, quer sejam em escalas reduzidas ou até modelos à dimensão real. Esta empresa adaptou o programa informático “Catia”, usado pela firma aeronáutica francesa Marcel Dassault, para desenhar aviões como o Mirage, para a concepção dos seus projectos de arquitectura.

 

Os projectos dos edifícios baseiam-se na realização de modelos reais, em diversas escalas e em várias fases, mostrando quer os aspectos funcionais quer os esculturais, de modo a permitir um fácil entendimento entre os técnicos e os clientes.

A ligação entre a concepção de modelos, a pesquisa de materiais, à utilização de novas tecnologias de construção e a aplicação dos sistemas informáticos têm permitido ao atelier de Frank Gehry o desenvolvimento de projectos de tal forma revolucionários que ultrapassam os cânones da arquitectura tradicional. Entre os trabalhos de Frank Gehry destinguem-se o Vitra Design Museum em Weil am Rhein, Alemanha, 1987, o Museu Guggenheim de Bilbau, 1997, um edifício em Duesseldorf, 1999, um edifício em Berlim, 2001, o Walt Disney Concert Hall, Los Angeles, 2003, a maqueta do edifício Atlantis Sentosa, em Singapura, 2006, a maqueta do edifício IAC em Nova Iorque, 2007 e a maqueta da Galeria de Arte em Ontario, Toronto, 2008.

Revela-se em Frank Gehry uma busca constante de uma maior clareza sobre as suas experiências na luz e no espaço, pois criou estruturas arquitectónica que são pessoais, audazes e originais.

Theresa Bêco de Lobo