Flores I Mensagem de amor     

AlexisMabille_HC008
AlexisMabille_HC001
AlexisMabille_HC002
AlexisMabille_HC017
Chanel_HC030_0
ChristianDior_HC050
ElieSaab_HC001_0
ElieSaab_HC003_0
ElieSaab_HC006_0
ElieSaab_HC010_0
ElieSaab_HC050_0
ElieSaab_HC052_0
ElieSaab_HC056_0
ElieSaab_HC059_0
Fendi_HC007_0
GeorgesHobeika_HC024_0
GiorgioArmaniPrive_HC097
GiorgioArmaniPrive_HC104
JulieDeLibran_HC021_0
RahulMishra_HC007
RahulMishra_HC010
RahulMishra_HC013
RahulMishra_HC016
RahulMishra_HC017
RonaldVanDerKemp_006

As flores, numa explosão triunfante de alegria e beleza, ornamentais nos vestidos que os costureiros propõem para esta nova temporada, uma deslumbrante envolvência de certas cores e a alegria que delas se desprende reforça, de facto, os novos brilhos da vida.

 

Aliás existirá algo mais puro e bonito do que as flores?

 

Com a beleza poética e um valor simbólico que remonta à Antiguidade Clássica em todas as civilizações conhecidas, as flores têm sido desde sempre usadas não só no traje como em todas as outras artes. Dos frescos de Cnossos ou às grinaldas de Pompeia, nas flores de lótus sempre presentes na pintura chinesa, nas telas dos quadros religiosos (a partir do séc. XV), até chegarmos às fantasias florais da Arte Nova e desta aos lampejos psicadélicos de Boccione ou às inquietações de Man Ray ou de Andy Warhol, as flores tem atraído desde sempre todos os grandes mestres.

 

Assim, contrariando a agressividade do nosso tempo, a moda das flores surge este ano, em múltiplas facetas, na fluidez de certos tecidos como as musselinas, organzas, “chiffons” ou em “piqués” muito femininos.

 

Eis, pois, um Verão que contempla a moda com uma proposta apelativa à subtileza, à ingenuidade, à transparência e à policromia, remetendo-nos para a mais pura mensagem de amor.

 

Marionela Gusmão