Nós mesmos I Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum

M.R.M (Sex), (cerca 1929/30). Claude Cahun (Lucy Schwob) Claude, (Francesa, 1894–1954). Impressão de gelatina de prata. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Reina (Queen), 1989. Flor Garduño (Mexicana, 1957). Impressão de gelatina de prata. Créditos da imagem: © 2021 Flor Garduño. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Sem Título, 2010. Sharon Lockhart, (Americana,1964). Impressão cromogénica. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York

Uma Procissão Funerária em Jinotepe para os Líderes de Estudantes Assassinados. Os Manifestadores levam uma fotografia de Arlen Siu, uma Guerrilheira da FSLN morta nas Montanhas Três Anos Antes, 1978. Susan Meiselas, (Americana, 1948). Impressão cromogénica. Créditos da imagem: © 2021 Susan Meiselas Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art

Uma Procissão Funerária em Jinotepe para os Líderes de Estudantes Assassinados. Os Manifestadores levam uma fotografia de Arlen Siu, uma Guerrilheira da FSLN morta nas Montanhas Três Anos Antes, 1978. Susan Meiselas, (Americana, 1948). Impressão cromogénica. Créditos da imagem: © 2021 Susan Meiselas Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern A

Cartografia de Interior, 1996. Tatiana Parcero, (Mexicana,1967). Impressão cromogénica e acetato. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Aula de Caligrafia, 1899. Frances Benjamin Johnston, (Americana, 1864–1952). Impressão em platina. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

“Wakeah”, 2018. Cara Romero, (Indígena Americana, “Chemehuevi”, 1977). Impressão a jacto de tinta. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vanna Brown, “Estilo Azteca”, 1990. Hulleah J. Tsinhnahjinnie, (IndígenaAmericana, “Seminole-Muscogee- Navajo,” 1954). Fototocolagem. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Sem título, (Mulher e Filha com Maquilhagem), 1990. Carrie Mae Weems, (Americana, 1953). Impressão de gelatina de prata. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Rapariga Americana em Florença, 1951. Ruth Orkin, (Americana, 1921–1985). Impressão de gelatina de prata. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Sem Título, 1935. Yva (Else Ernesine Neuländer), (Alemã, 1900–1942). Impressão de gelatina de prata. Colecção The Museum of Modern Art, New York. Oferta Helen Kornblum, em homenagem de Roxana Marcoci. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Para destacar o trabalho fotográfico feminino, o Museum of Modern Art, em Nova Iorque apresenta a exposição de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum” uma mostra que exibe  90 obras fotográficas de artistas femininas dos últimos 100 anos. As imagens foram extraídas exclusivamente da colecção do Museu, graças a uma oferta de fotografias de Helen Kornblum em 2021, o espólio toma como ponto de partida a ideia de que as histórias do feminismo e da fotografia se entrelaçaram. O evento foi organizado por Roxana Marcoci e a curadoria é de David Dechman, curador sénior, com Dana Ostrander, curadora assistente e Caitlin Ryan, curadora assistente, do Departamento de Fotografia do MoMA- Museum of Modern Art, New York.

Em vez de apresentar uma história cronológica das fotógrafas ou um relato linear da fotografia feminista, a exposição suscita novas avaliações e diálogos convincentes a partir de uma perspectiva feminista contemporânea e interseccional. As artistas diásporas africanas, e pós-coloniais e indígenas trouxeram novas mentalidades e questões às narrativas canónicas da história da arte. A mostra reexamina uma série de temas, combatendo a invisibilidade racial e de género, a injustiça racial sistémica, e o colonialismo, através de uma diversidade de práticas fotográficas, incluindo retratos, fotojornalismo, documentário social, publicidade, experimentação vanguardista, e fotografia conceptual. Destacando tanto imagens icónicas como raras ou menos conhecidas, os agrupamentos e justaposições de obras modernas e contemporâneas da exposição encorajam ligações inesperadas nas galerias da colecção do Museu, que são  dedicadas à arte da fotografia, desde a década de 1880 até à década de 1940.

 

A Exposição

A mostra apresenta trabalhos fotográficos de artistas femininas dos últimos 100 anos e começa com o reconhecimento de que a história das mulheres e da fotografia estão entrecruzadas.

Há muitos aspectos da exibição que parecem intrigantes, como por exemplo, uma pequena, mas poderosa série monocromática, “Detalhes” (1996), de Lorna Simpson. Este portfólio de 21 fotografias explora a experiência feminina afro-americana, com foco em tópicos, como identidade, representação e história. O que também é fascinante sobre esta série é que ela inclui uma mistura de imagens originais e de arquivo.

Outra parte excelente da mostra é a secção do seu início, que apresenta uma parede de retratos/auto-retratos de artistas femininas, incluindo as fotógrafas contemporâneas, comos Lola Álvarez Bravo, Gertrud Arndt, Lotte Jacobie Lúcia Moholybem.

De que modo é que as mulheres artistas utilizaram a fotografia como instrumento de resistência? O evento reformula noções restritivas de feminilidade, explorando as ligações entre fotografia, feminismo, direitos civis, soberania indígena, e libertação. "A sociedade tanto consome  a boa  como a má mulher", escreveu a artista Silvia Kolbowski em 1984. "Mas algures entre essas duas polaridades, deve ser concebido um espaço para a criticidade".

Abrangendo mais de 100 anos de fotografia, as obras nesta exposição vão desde as primeiras fotografias documentais de Frances Benjamin Johnston sobre educação racial segregada no início do século XX, nos Estados Unidos, até ao retrato contemporâneo da artista “Chemehuevi” Cara Romero que celebra a especificidade das formas de arte indígena. A exibição faz uma homenagem à generosidade da coleccionadora Helen Kornblum e apresenta as contribuições das mulheres para uma diversidade de práticas, incluindo retratos, fotojornalismo, documentário social, experimentação vanguardista, publicidade e “performance”.

Enquanto continuamos a contar com igualdade e diversidade, a mostra convida os visitantes a meditar sobre a questão evocativa da artista Carrie Mae Weems: "De uma forma ou de outra, o meu trabalho explode infinitamente os limites da tradição. Estou determinada a encontrar novos modelos pelos quais possamos viver."

A exibição convida os visitantes a considerar a relação estrutural entre conhecimento e poder, como a imagem de Frances Benjamin Johnston, “Aula de Caligrafia”, 1899, uma descrição da educação racial segregada no início do século XX, nos Estados Unidos. Esta fotografia está exposta ao lado da fotografia: “Livraria alemã Leipzig IX” de Candida Höfer (1997), esta imagem faz parte da série de Höfer, que documenta os interiores de bibliotecas, que mostram formas de desigualdade social e supremacia colonial. As imagens “Detalhes, 1996 de Lorna Simpson, apresenta um portfólio de 21 fotografias. Lorna Simpson faz fotografias conceptuais e colagens que exploram questões de representação, identidade, e história enquanto se relacionam com a experiência feminina afro-americana. Ela combina imagens originais, encontradas ou de arquivo com fragmentos de texto, lavagens de tinta e elementos colados. Simpson trabalha frequentemente em série e com formatos em grelha, uma vez que gera simultaneamente o significado e o mistério; ela apresenta frequentemente os seus temas por trás ou obscurecidos, o que rejeita ainda mais resoluções de  narrativas simples. 

A fotografia de Carrie Mae Weems “Mulher e Filha com Maquilhagem” capta outro momento de profundo olhar, quando estas relações de poder estão aparentemente à distância, mas são também silenciosamente operativas. A fotografia retrata simplesmente uma mulher negra e a sua filha aplicando simultaneamente batom; as duas existem ao mesmo tempo juntas e separadamente, uma vez que sincronizam os seus movimentos de forma sinistra, mas fazem-no ao mesmo tempo que se concentram intensamente no seu próprio reflexo espelhado, aparentemente cada uma no seu próprio mundo. Marcoci disse que esta fotografia se destacou para ela pela forma como Weems "coloca as mulheres negras na vanguarda das consequências do poder". É um momento de decretar beleza, desempenho sincronizado, e, no entanto, nada é  fetichizado nesta fotografia. É uma imagem de cuidado, beleza negra, interioridade negra... há tanta graça na forma como é expressa".

O evento é digno de aplauso pelo respeito que presta às mulheres de várias identidades interseccionais - não só celebra artistas como Weems e Romero, como também oferece as fotografias transformadoras da vida estranha de Catherine Opie, e a mostra reconhece as suas dívidas aos teóricos pós-coloniais. Nas obras de artistas indígenas incluindo Cara Romero e Hulleah J. Tsinhnahjinnie, e de fotógrafas não indígenas, como Sharon Lockhart e Graciela Iturbide, que exploram as imagens indígenas  e a sua relação com a história colonial. Fotografias, como de Flor Garduño, Ana Mendieta, Marta María Pérez Bravo e Mariana Yampolsky atestam a sobreposição de histórias de colonialismo, prática etnográfica, e patriarcado na América Latina.

A exposição é acompanhada por um catálogo ricamente ilustrado que apresenta mais de 100 fotografias a cores e a preto-e-branco. Um ensaio crítico da curadora Roxana Marcoci, que faz a pergunta: "O que é um Quadro Feminista?" e uma série de 12 ensaios criados por Dana Ostrander, Caitlin Ryan, e Phil Taylor, que abordam uma série de temas, desde a dança à ecologia e à percepção. O catálogo oferece tanto o contexto histórico como a interpretação crítica, explorando uma infinidade de formas em que diferentes práticas fotográficas podem ser vistas ao olhar através de uma lente feminista.

Por muito que a mostra faça para impulsionar conversas e ideias importantes para o futuro do feminismo, Marcoci está consciente de que faz parte de uma luta muito maior. "É importante ter em mente que o trabalho nunca está feito", disse ela. "Sei que continuarei a chamar a atenção para as mulheres artistas e questões para o resto da minha vida profissional. É um trabalho de desaprender as histórias que nos foram ensinadas na escola e de visionar narrativas diferentes, basicamente com a aprendizagem  de uma nova linguagem".

A exposição, “Nós Mesmas: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum,” reconhece que as mulheres são um grupo diversificado cujas identidades são definidas não exclusivamente pelo género, mas sim por uma série de factores variáveis. A mostra salienta que o género é um aspecto importante na compreensão das suas vidas e o seu trabalho fornece uma estrutura útil de análise para revelar como a fotografia feminina moldou poderosamente a nossa compreensão da vida moderna.

 

Theresa Beco de Lobo

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.

Vista da Instalação: “Nós Mesmos: Fotografias de Mulheres Artistas de Helen Kornblum.” No The Museum of Modern Art, New York, de 16 de Abril a 2 de Outubro de 2022. Fotografia: Robert Gerhardt. Créditos da imagem: © 2022 The Museum of Modern Art. Cortesia The Museum of Modern Art, New York.