David Hockney I  A Chegada da Primavera na Normandia, 2020

1.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 19 de Março de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

2.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 21 de Maio de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London

3.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 11 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

4.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 24 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

5.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 23 de Março de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

6.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 16 de Março de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

7.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 2 de Maio de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

8.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 3 de Março de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

9.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 30 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London

10.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 23 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

11.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 28 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

12.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 13 de Maio de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

13.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 18 de Maio de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London

14.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 29 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London.

15.

A Chegada da Primavera na Normândia, 2020. 5 de Abril de 2020. David Hockney (1937). iPad painting. Créditos da imagem: © David Hockney. Cortesia Royal Academy of Arts, London

A exposição DAVID HOCKNEY, A Chegada da Primavera na Normândia, 2020 está patente no Royal Academy of Arts de Londres de 23 de Maio a 26 de Setembro de 2021. Anteriormente esteve exposta até 23 de Dezembro de 2020 na Galerie Lelong & Co. Paris.

No meio de uma pandemia, David Hockney captou o desenrolar da Primavera no seu iPad, criando 116 trabalhos novos e optimistas em louvor ao mundo natural.

David Hockney é um dos mais importantes artistas britânicos do século XX e continua a ser um dos pintores mais criativos.

 

Ao longo da sua carreira, investigou novas tecnologias e explorou diferentes formas de criar arte, começando com o seu iPhone em 2007 antes de adoptar o iPad e a Stylus em 2010.

Os seus últimos trabalhos foram "pintados" no iPad e, depois, impressos em papel, com Hockney supervisionando todos os aspectos da produção.

Como o próprio Hockney afirma: “trabalhar no iPad requere a habilidade de desenhar e pintar. Cada trabalho que foi impresso é sempre muito maior do que na tela, em que foi criado, permite que se veja cada marca e traço da mão do artista”.

As obras foram realizadas na Primavera de 2020, durante um período de intensa actividade na sua casa na Normandia, daí que esta exposição mostre o desenrolar desta Estação do início ao fim, e é uma alegre celebração das Estações do Ano.

Com abertura da mostra exactamente um ano após as obras terem sido realizadas durante a pandemia global, esta exposição apresenta um novo olhar da constante renovação e maravilha do mundo natural e da beleza da Primavera.

A exposição foi organizada pela Royal Academy of Arts de Londres em colaboração com o Centre for Fine Arts, Brussels (BOZAR).

A obra de David Hockney teve sempre um lugar de destaque na pintura do século XX. Com o azul das piscinas banhadas pelo sol da Califórnia e o verde da sua Yorskshire marcaram a história da arte britânica contemporânea.

 

Hockney

David Hockney, (nasceu em 1937, Bradford, Yorkshire, Inglaterra), pintor, desenhista, gravador, fotógrafo e cenógrafo, cujas obras foram caracterizadas pela economia da técnica, pela preocupação com a luz e pelo realismo mundano derivado da Pop Art e da fotografia.

Hockney estudou no Bradford College of Art (1953/57) e no Royal College of Art, Londres (1959/62), onde conheceu RB Kitaje e recebeu uma medalha de ouro na competição do curso.  Enquanto era estudante na Royal College of Art, Hockney foi apresentado na exposição de jovens contemporâneos, ao lado de Peter Blake, que anunciava a chegada da Pop Art Britânica. 

Em 1961 visitou os Estados Unidos  e voltou em 1964/67 para leccionar nas universidades de Iowa, Colorado e Califórnia e, posteriormente, viajou entre a Inglaterra e os Estados Unidos até se estabelecer permanentemente em Los Angeles ,em 1978. A estética  “moderna da Califórnia” teve uma influência marcante no seu trabalho. Aquela cidade foi intensa, brilhante e fabulosa para a pintura de Hockney.

Foi nessa época, que começou a traçar um percurso multifacetado que viria a torná-lo um dos artistas britânicos mais consagrados do século XX. Inicialmente, os seus quadros manifestavam uma tendência para o expressionismo abstracto que dominava a cena artística de então, mas a jornada criativa de Hockney começou verdadeiramente quando transitou para a representação de pessoas concretas.

Em 1963, Hockney visitou Nova Iorque, fazendo contacto com Andy Warhol e um ano, mas tarde fez uma visita à Califórnia, onde viveu por muitos anos. David Hockney em Los Angeles, em 1964, encontrou uma nova inspiração para a sua obra nas piscinas azuis que completavam as casas, com palmeiras que ladeavam as ruas e pessoas bronzeadas que por ali circulavam. A partir daí, o seu trabalho foi crescentemente naturalista. Em 1966, pintou aquele que se tornou um dos seus quadros mais icónicos, Peter Getting Out of Nick’s Pool, onde se vê Peter Schlesinger a sair da piscina do galerista Nicholas Wilder. O quadro valeu-lhe o prémio de arte contemporânea John Moores em 1967.

David Hockney fez várias obras entre elas "A Bigger Splash" e "A Bigger Gland Canyon", sendo esta última apresentada na National Gallery of Austrália.

A obra Retrato de um Artista (Piscina com Duas Figuras), que foi vendida em Nova Iorque em 2018 pela leiloeira Christie's, foi a pintura mais cara de um artista vivo. A icónica obra foi vendida por 90 milhões de dólares, estabelecendo um novo recorde, como o trabalho mais caro de um artista vivo, ultrapassando a marca alcançada por "Ballon Dog (Orange)", de Jeff Koons, que foi comprado por 58 milhões de dólares.

Hockney fez várias experiências com pintura, desenho, gravura, aguarela, fotografia e muitas outras técnicas, incluindo uma máquina de fax, polpa de papel, aplicações de computador e programas de desenho para iPad. O tema de interesse variava de naturezas mortas a paisagens, retratos de amigos, os seus cães e projectos de palco para o Royal Court Theatre, Glyndebourne e o Metropolitan Opera na cidade de Nova Iorque.

Hockney sempre pintou retratos ao longo da sua carreira. A partir de 1968 e nos anos seguintes, fez retratos de amigos e parentes pouco abaixo do tamanho natural num estilo realista que habilmente captou na semelhança dos seus temas. Hockney foi repetidamente atraído pelos mesmos assuntos: a sua família, funcionários, os artistas Mo McDermott e Maurice Payne, os vários escritores que ele conheceu, os designers de moda Celia Birtwell e Ossie Clark , o curador Henry Geldzahler,o negociante de arte Nicholas Wilder,  George Lawson e o bailarino, Wayne Sleepns.  Talvez mais do que tudo isso, Hockney voltou-se para a sua própria figura ano após ano, criando mais de 300 auto-retratos. 

O gosto pela fotografia incorporou-se no seu trabalho nos anos 1980 através dos chamados joiners, composições cubistas feitas através de colagens com fotografias Polaroid, que procuravam retratar uma pessoa ou um objecto a partir de diferentes ângulos. O trabalho da imagem estática influenciou a sua pintura e culminou na exposição Drawing with a Camera, de 1982.

Ao mesmo tempo que desenvolvia um interesse pela fotografia e pela perspectiva única que esta proporcionava, começou a trabalhar em cenografia, sendo-lhe encomendado o desenho da produção de The Rake’s Progress de Stravinsky, apresentada no Festival de Ópera de Glyndebourne em 1975.

Ao longo de seis décadas de carreira, procurou dominar várias técnicas e tirar partido das novas tecnologias existentes. Manuseou a “aquatinta2 e a litografia, passou pela fotocopiadora e pela máquina de fax e nem os smartphones e os tablets ficaram de fora, muitos dos seus 1500 desenhos feitos no iPhone e no iPad estão, inclusivé, disponíveis on-line.

Um artista de curvas e contracurvas, David Hockney nunca deixou de lado a curiosidade e o entusiasmo em experimentar novos métodos de trabalho e alargar horizontes. Em 1997, foi agraciado com a Ordem dos Companheiros de Honra pela Rainha Isabel II, em 2017, pelos seus 80 anos, o artista foi homenageado com uma grande retrospectiva da sua obra no Tate, em Londres e com uma galeria permanente no Cartwright Hall, em Bradford.

Muitos dos temas de Hockney eram autobiográficos, incluindo retratos e autoretratos e cenas incidentais silenciosas dos seus amigos e dos seus aposentos, como por exemplo, Retrato de um Artista, 1972. A elegância casual e a luminosidade tranquila dessas obras também predominaram nas suas naturezas-mortas. A exploração da fotografia por Hockney na década de 1980 resultou no trabalho de Pearblossom Hwy., em 1986, assim como outras fotocolagens ambiciosas. Publicou várias séries de trabalhos gráficos em forma de livro, incluindo ilustrações para os Seis Contos de Fadas dos Irmãos Grimm, 1970 e The Blue Guitar, 1977. Hockney também alcançou destaque internacional como cenógrafo de ópera e ballet.

Depois de realizar experiências com paisagens abstractas durante a década de 1990, Hockney criou a representação do espaço numa série de trabalhos com vários painéis durante o início do século XXI e também se interessou pelas novas tecnologias durante muito tempo. Entre as muitas pinturas de grande escala apresentadas em exposições itinerantes, como “David Hockney: A Bigger Picture”, 2012/14; “David Hockney: A Bigger Exhibition” no de Young Museum em São Francisco, nesta mostra também estavam vários desenhos atraentes feitos num iPad. Uma retrospectiva itinerante que abriu na Tate Britain em 2017 atestou a popularidade duradoura de Hockney quando se tornou a exposição mais visitada naquele local. 

Em 1989,  recebeu o prémio “Praemium Imperiale” de pintura do “Japan Art Association”. A Rainha Elizabeth II nomeou Hockney para a Ordem do Mérito, um grupo com menos de 24 indivíduos, de cada vez, que se destacaram na ciência, arte, literatura ou serviço público, em 2012.

 

Exposição

Distribuída pelas várias galerias, a exposição: “A Chegada da Primavera na Normandia, 2020 no Royal Academy of Arts, apresenta uma série de pinturas novas e recentes, assim como uma série de impressões a jacto de tinta sobre papel de David Hockney. 

Em Outubro de 2018, Hockney passou alguns dias na Normandia, na cidade costeira de Honfleur. De lá, foi para Bayeux para dar um novo olhar na tapeçaria da Rainha Mathilde e ficou fascinado com a força gráfica e narrativa dessa obra-prima do século XI, que lembrava os antigos pergaminhos chineses.

Transmitir a passagem do tempo através da pintura sempre foi uma grande preocupação de Hockney, um leitor ávido de Marcel Proust. A ideia germinou na sua mente para renovar o que havia conquistado na sua terra natal em Yorkshire, há dez anos, só que desta vez pintou a paisagem normanda: “A Chegada da Primavera” no seu desdobramento, como se fosse uma narrativa.

Estabeleceu-se na sua casa no campo, montou um estúdio no celeiro adjacente e começou a pintar em Março de 2019. O trabalho de Hockney é uma espécie de autobiografia em imagens: pintava os seus parentes ou amigos próximos e os lugares onde vivia. Assim, passou a pintar um longo panorama representando uma visão de 360º do que cercava a sua casa, fazendo referência à tapeçaria Bayeux que admirava. Este primeiro trabalho foi seguido por várias vistas à habitação, uma casa de madeira tradicional do século XVII. Hockney viu nela um eco das cabanas de palha das paisagens holandesas pintadas por Van Gogh.

Quando o verão chegou, começou a realizar uma série de pinturas acrílicas que retratavam a vista da vila de Beuvron-en-Auge, com as macieiras e pereiras no jardim e as árvores na névoa da manhã, capturando a mudança da luz e do céu.

O terreno comum entre o artista britânico Hockney (nascido em 1937) e o artista holandês Van Gogh (1853–1890), fizeram história. Ambos expressaram o seu profundo amor pela natureza por meio de cores brilhantes e da capacidade de ver o mundo com um novo olhar. 

Theresa Bêco de Lobo