Jóias Desenhadas I  À Descoberta do Desenho de Joalharia

1

Cartaz da Exposição Jóias Desenhadas. Crédito da fotografia: L’Ecole des Arts Joailliers. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um “Chatelaine”, (cerca 1895), Paris. Alexandre Brédillard. Crédito da fotografia: L’Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de uma Composição "Em cascata", (cerca 1865), Paris, Maison Mellerio-Borgnis, (dirigida por Felix e Mellerio, 1831-1905). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho para uma Placa de Pescoço "Cisne", (cerca 1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de Tiara “Vestal”, (cerca 1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Pingente com Corrente, (cerca1912), Paris. Léon Hatot, (1883 – 1953). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Colar de Estrelas, Facsimile, (cerca 1865), Paris. Maison Mellerio-Borgnis, (dirigida por Felix e Mellerio,1831-1905). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de uma Tiara, Facsimile, cerca 1865, Paris. Maison Mellerio-Borgnis, (dirigida por Felix e Mellerio,1831-1905). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de uma Tiara «Cotonéaster Laiteux» B F K – Rives, (cerca 1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um “Chatelaine Neo-Clássico”, (cerca 1911), Paris. Atelier Brédillard - Hatot,(Inauguração da empresa Bredillard por Léon Hatot, em 1928). Crédito fotográfico: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Pormenor do Desenho de um “Chatelaine Neo-Clássico”, (cerca 1911), Paris. Atelier Brédillard - Hatot,(Inauguração da empresa Bredillard por Léon Hatot, em 1928). Crédito fotográfico: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Colar, (cerca 1920). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers; © Van Cleef & Arpels SA Colecção Arquivos Van Cleef & Arpels Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho para um Colar, (cerca de 1920). Van Cleef & Arpels. Crédito fotográfico: L'Ecole des Arts Joailliers; © Van Cleef & Arpels AS. Colecção Arquivos Van Cleef & Arpels Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de uma Tiara «Hortenses» Lápis, tinta e guache sobre papel vegetal, B F K – Rives, (cerca1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Pingente com Corrente, Paris. Atelier Brédillard - Hatot, (Inauguração da empresa Bredillard por Léon Hatot, em 1928). Fotografia Benjamin Chelly Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Ornamento em Cascata, Facsimile, (cerca 1865), Paris. Maison Mellerio-Borgnis, (dirigida por Felix e Mellerio,1831-1905). Fotografia Benjamin Chelly Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de uma Tiara “Noisettes”, B F K - Rives, (cerca 1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

Desenho de um Ornamento para um Alfinete [Maenad e Silenus], B F K - Rives, (cerca 1900), Paris. René Lalique, (1860-1945). Crédito da fotografia: L'Ecole des Arts Joailliers. Colecção Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels. Cortesia L’Ecole des Arts Joailliers, Paris.

A École des Arts Joailliers, em Paris de 14 de Outubro de 2021 a 14 de Fevereiro de 2022, apresenta pela primeira vez uma colecção de desenhos de jóias magníficos, revelando a riqueza de uma disciplina pouco conhecida.

Esta técnica tão singular, mas esquecida: a sua história e usos são desconhecidos do público em geral e pouco estudados pelos historiadores. É fácil de compreender porquê: o desenho de jóia representa a primeira etapa de um longo e paciente processo de criação. A jóia desenhada é uma disciplina praticada desde o Renascimento, o primeiro esboço conhecido na história é uma peça de joalharia, um pendente com formas tubulares decorado com um motivo (trevo de quatro folhas), sendo atribuído a Pisanello.

Até finais do século XVI e início do século XVII, os joalheiros parisienses eram simplesmente produtores, fazendo uso de pedras já talhadas por outros, muitas vezes fora de França, para as quais o seu trabalho era criar a peça. Foi aqui que o desenho da joalharia teve a sua origem. Pode-se imaginar as pedras colocadas sobre uma folha de papel, dispostas de certa forma, ligadas por linhas de lápis, mostrando então a peça futura.

De uma perspectiva prática, o desenho de jóias encontrou certamente aqui um dos seus princípios fundamentais: é desenhado à escala, ou seja, as pedras e, claro, a peça final. O desenho depressa se revelou extremamente útil, dado que nos “ateliers” de joalharia, a fabricação do artigo exigia a contribuição de numerosos artesãos (fundidores, joalheiros, esmaltadores, etc.). Este desenho em escala guiá-los-ia através das diferentes fases de fabrico. Os desenhos de jóias continuam a ser utilizados actualmente, mesmo após a instalação de lapidadores em França, e mais particularmente em Paris, oferecendo maior flexibilidade e mais liberdade aos designers que poderiam agora dar maior ênfase ao conceito ou ideia por detrás de uma peça de joalharia.

No século XIX, as feiras mundiais eram espaços competitivos em termos de especialização internacional e eram o local de eventos que concretizavam a ligação entre a arte e a indústria. Estimularam a criação e levaram ao advento do joalheiro-artista. Quando o artista ultrapassa o joalheiro, e as considerações técnicas são esquecidas, o desenho da joalharia assemelha-se a uma espécie de fantasia, cuja qualidade de execução a aproxima de uma obra de arte.

A sua beleza plástica tornou-a frequentemente uma obra sensível, digna de admiração, procurada pelas suas próprias qualidades, e pela qual, ao longo dos séculos, uma grande diversidade de técnicas tem sido utilizada por numerosos artistas ou desenhadores, célebres ou anónimos.

Para superar esta antiga injustiça de não divulgar esta arte do desenho, a École des Arts Joailliers, decidiu destacar estes desenhos no papel, portadoras de sonhos por vezes não realizadas, uma arte que permaneceu escondida da vista durante demasiado tempo, através de uma mostra.

A exposição Le Bijou Dessiné apresenta cerca de sessenta desenhos e vários cadernos, todos do Fundo de Cultura de Joalharia Van Cleef & Arpels, que compreende uma colecção excepcional de artes gráficas, justapondo antigos modelos e artistas de vanguarda. desde a década de 1770 até à Primeira Guerra Mundial. O período reflecte um ecletismo de séculos que justapõem modelos antigos e artistas de vanguarda. A originalidade do evento reside na associação de grandes oficinas como Tiffany, Lalique ou Vever com nomes menos conhecidos, tais como Paillet, Brédillard Hatot, Mellerio Borgnis. Através dos vários desenhos exibidos, a exposição permitir-nos questionar aquilo a que chamamos "design de jóias".

Com os seus conhecimentos da profissão e das suas especificidades, o joalheiro sempre esteve bem colocado tanto para criar como para desenhar jóias.

René Lalique (1860- 1945) e Léon Hatot (1883-1953) receberam ambos uma educação dupla. René estudou desenho com Lequien Senior quando tinha apenas doze anos de idade, e depois na Escola de Artes Decorativas, a partir de 1876. Ao mesmo tempo, fez um estágio de aprendizagem com o joalheiro Louis Aucoc. Em 1896, Léon Hatot aprendeu gravura na Escola de Relojoaria de Besançon, depois em 1899, estudou desenho e arte decorativa na Escola de Belas Artes da mesma cidade.

Quando Georges Meusnier utilizou a expressão "as jóias do pintor" em 1901, referia-se à transformação da arte da joalharia e à evolução do estatuto do artesão, numa altura em que a Art Nouveau como forma de arte total era aplicada tanto aos objectos do quotidiano, como ao adorno, e à arquitectura, colocando o artista acima do produtor. Em alguns desenhos, o artista pareceu ultrapassar o joalheiro, na medida em que as considerações técnicas ocasionalmente pareciam ter sido esquecidas. No início do século XX, Lalique privilegiou a originalidade do desenho e a harmonia das cores sobre a preciosidade dos materiais utilizados nas suas criações. Influenciados pela poesia Simbolista, os seus desenhos mergulhavam-se num universo onírico e faziam esquecer o seu objecto primário: a peça de joalharia.

Estas obras seleccionadas destacam um longo período, quando  foram realizadas por numerosos artistas e designers, célebres e anónimos; e ilustram uma grande diversidade de técnicas e usos, o que reflecte o interesse e a riqueza do tema. Uma colecção criada para fins de investigação, apresentação e educação. A missão da École des Arts Joailliers foi tirar o desenho de jóias das sombras por ocasião desta exposição e está a cumprir a sua missão de partilhar a cultura da joalharia.

Estas obras, realizadas com lápis, caneta ou pincel, apesar das diferentes reputações das casas de encomenda e da diversidade dos meios sobre os quais são expressas (papel, cartão, pergaminho ou papel vegetal), são louváveis pelas questões que levantam (quem é o autor: um joalheiro, um desenhador especializado, um artista?), pelo ecletismo estilístico que exprimem, e pelo talento e sensibilidade que revelam.

Para reunir este excepcional acervo de artes gráficas, a Escola - que abriu um grande projecto de investigação há três anos sob a direcção de Guillaume Glorieux - pôde recorrer ao vasto Fundo Van Cleef & Arpels sobre a cultura da joalharia. De acordo com a sua reputação de excelência e requinte, a empresa francesa reuniu e preservou documentos do arquivo de outras oficinas, casas de joalharia e colecções privadas, quer directa quer indirectamente, para criar uma colecção que foi restaurada e conservada.

Para além da exposição, a Escola anunciou também a criação de um curso dedicado e a publicação de um belo livro co-editado por Norma. Foram estas acções necessárias para tirar estes desenhos sobreviventes da história de arte do esquecimento.

A École des Arts Joailliers deseja prestar homenagem a esta técnica, uma ferramenta ao serviço dos ofícios, mas também uma obra de arte sensível pesquisando a sua história, técnica, criadores e estatuto. Após a abertura de um projecto de investigação em 2018 sobre o desenho de jóias e a criação de um curso sobre este tema sem precedentes, a Escola orgulha-se agora de organizar a primeira exposição dedicada a este tema com uma abordagem tão ampla.

A Van Cleef & Arpels, L'École des Arts Joailliers foi fundada em 2012 com o apoio da empresa Van Cleef & Arpels, oferece ao público a oportunidade de descobrir as competências, a gemologia e a história da joalharia através de vários cursos, palestras, exposições e publicações, em Paris e Hong Kong, os seus dois locais permanentes, e no resto do mundo durante as sessões itinerantes. Abertas a todos, as exposições estão em plena consonância com a missão fundamental da Escola: divulgar a cultura da joalharia ao público mais vasto possível.

O novo programa proposto pela Escola é o culminar de um ambicioso projecto de investigação criado há três anos sob a direcção de Guillaume Glorieux, Director do Ensino e Investigação na L'École. Este centro apoia os vários conteúdos educativos oferecidos por esta instituição de ensino: cursos, conferências, exposições, livros, vídeos e podcasts. A investigação contribui para a construção do conhecimento e garante a relevância e actualização da informação.

O curso de joalharia é o resultado de um grande projecto de pesquisa conduzido durante um ano pela École des Arts Joailliers. A investigação é realizada em arquivos, bibliotecas, museus e no âmbito das colecções patrimoniais de várias grandes casas de joalharia. Este conteúdo exclusivo e inédito é revelado por um historiador de arte e um designer de jóias.cartão, pergaminho ou papel de decalque, que dá origem a uma jóia.

"O desenho de jóias é por vezes reduzido a alguns traços de lápis numa folha de papel, mas muitas vezes assume a aparência de uma verdadeira obra de arte, cheia de cor e nuance: o desenho de jóias é especial na medida em que nos toca tanto pela sua beleza como nos ensina sobre o processo de criação de uma peça de joalharia”.

Vários temas surgem no ensino das jóias: A primeira é a da sua implementação: técnicas, suportes utilizados, materiais, normas para este tipo de desenho. Isto leva à questão de quem é o autor: um designer de jóias, um designer especializado, um artista? Quantas mãos podem estar envolvidas na sua criação? Finalmente, há a questão da utilização deste desenho: originalmente é sobretudo um "instrumento técnico" que deve orientar os vários ofícios na realização da peça, mas é provável que se torne, com o tempo, uma obra de arte por direito próprio, admirada e procurada pelas suas próprias qualidades.

A Jóia Desenhada, através da sua beleza estética e porque frequentemente testemunha um estilo e uma época dos quais poucos artigos de joalharia ainda hoje existem, o desenho de jóias tornou-se uma peça de colecção.

Este evento vai oferecer uma experiência emersiva dentro de um espaço inteiramente concebido para estes trabalhos, mergulhando o visitante num desenho em tamanho real.

 

Theresa Bêco de Lobo