1.

Elisabeth da Áustria-Hungria com o seu Cão Wolfhound Irlandês “Horseguar”, 1865/1866. Ludwig Angerer, (1827 –1879). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

2.

Elisabeth da Áustria-Hungria, 1862. Ludwig Angerer, (1827 –1879). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

3.

Álbum das “Belezas” de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria montado, em (cerca 1862). Impressão de albumina sobre cartão. Ludwig Angerer, (1827 –1879). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

4.

Elisabeth da Áustria-Hungria com um Álbum de Fotografias Rodeada pela sua família, (cerca 1863). Colagem. Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Museum Ludwig, Colónia. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

5.

. Álbum de “Belezas” de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria, lançado, em (cerca 1862). Couro, latão, malaquita. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

6.

Marie Garnier, como Venus na Estreia da Ópera “Orpheus in the Underworld“ de Jacques Offenbach, do Álbum de “Belezas”, Paris 1858 de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria. Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Museum Ludwig, Colónia. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

7.

Louise Lepage? do Álbum das “Belezas” de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria, montado, em (cerca 1862). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Museum Ludwig, Colónia. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

8.

Actriz Berthe Mariani do Álbum das “Belezas” de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria montado, em (cerca 1862). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Museum Ludwig, Colónia. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia

9.

Os Cães do Álbum das “Lady and Horseguard” de Sissi- Elisabeth do Áustria-Hungria, montado, em (1862/1865). Impressão de albumina sobre cartão. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

10.

Caricatura de Napoleão III. E de Eugénie de Montijo rodeada por retratos de uma mulher desconhecida e a fotografia do poodle “Platão“ do Álbum de Fotografias de Sissi-Elisabeth da Áustria-Hungria montado, em (1862/1865), por Ernst Rudolph Neubauer Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne. Colecção Museum Ludwig, Colónia. Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

Os Álbuns de Fotografias de Sissi I Imperatriz Elisabeth da Áustria

A colecção de fotografias da Imperatriz Elisabeth da Áustria, mais conhecida como Sissi, estão expostas na mostra patente no Museu Ludwig de Colónia. Este evento apresenta assim uma nova luz sobre a sua personagem. A exposição, Os Álbuns de Fotografias de Sissi- Imperatriz Elisabeth da Áustria estará em exibição até 21 de Fevereiro de 2021, no Museu Ludwig, em Colónia.

 

No verão de 1853, a princesa Elisabeth foi convidada para o 23º aniversário do imperador Franz Joseph da Áustria, governante do império Habsburgo. Foi nessa festa, que a jovem iria conhecer o seu futuro marido. Para o jovem monarca, foi amor quase à primeira vista e o seu casamento foi rapidamente acordado. Juntos, eles governaram um dos impérios mais poderosos da Europa. Graças à trilogia dos filmes do director Ernst Marischka, sobre a imperatriz, que foram lançados entre 1955 e 1957, que deliciaram gerações de espectadores em todo o mundo. Essas películas acompanharam a vida da jovem princesa enquanto ela lutava para se adequar à etiqueta da corte vienense e conquistar o coração da população. Os filmes, de teor muito comovente, foram desempenhados pela actriz Romy Schneider e eram bastante apreciados pelos espectadores na Alemanha do pós-guerra.

Como uma figura histórica, a imperatriz do século XIX tornou-se num ícone. Ela representava um desejo comum de romper com os obstáculos da vida quotidiana para se tornar em alguém tão espetacular. Mas esse mito não falava exactamente sobre a sua verdadeira personalidade. A jovem princesa era a quarta de dez filhos do duque Maximiliano e da sua Mulher Ludovika da Baviera. Ela passou a infância em Munique e nas proximidades do Lago Starnberg, antes de se tornar imperatriz aos 16 anos, por meio do seu casamento. Mas, ao tornar-se soberana e em mudar-se para Viena não foi exactamente um sonho que se tornou realidade para a adolescente. Com apenas duas semanas de casamento, ela referiu-se à sua nova casa como uma “masmorra”. O seu marido não conseguia dedicar-se à vida conjugal, uma vez que ele estava ocupado enfrentando derrotas militares e o processo de transformar o império em duas monarquias constitucionais: Áustria e Hungria.

Ao longo da sua vida, Sissi teve três filhas e um filho. Ainda assim, ela sentia-se profundamente infeliz com a vida na corte vienense e atormentada por problemas de saúde, muitos dos quais pensava-se que eram psicossomáticos. Na procura de descanso, ela fugiu da sua família e de Viena e viajou pela Europa, morando em lugares como Veneza, Madeira e Corfu, onde poderia relaxar e recuperar-se. Mais tarde, ela construiu um opulento palácio e passou grande parte do seu tempo aprendendo grego, fazendo caminhadas e visitando amigos. Foi durante essa passagem pelo exterior que ela deu início à sua colecção de fotografias, que agora está exposta no Museu de Colónia. Entre as imagens apresentadas encontram-se três dos chamados “álbuns de beleza”, encadernados em couro muito fino. Neles, Sissi coleccionou imagens de mulheres para estudar a sua aparência. Acerca destas fotografias, ela escreveu ao cunhado, o arquiduque Ludwig Viktor, na década de 1860“, afirmando o seguinte: “Estou a criar um álbum de beleza e agora a coleccionar fotografias para ele, apenas de mulheres. Quaisquer rostos bonitos que possa reunir de Angerer ou de outros fotógrafos, peço que me envie”. A princesa, que era vista como convencionalmente bela, ficou fascinada com a possibilidade de ver e ser vista.

O Museu Ludwig possui 18 dos álbuns de fotografias de Sissi, com cerca de 2.000 imagens. A exposição no museu da Colônia mostra uma série deles, incluindo imagens de Sissi com seus cãezinhos ou cenas da sua vida familiar. Ela também coleccionou impressões de artistas e actrizes que tinham uma má reputação na sociedade real na época.  Em certo sentido, a Imperatriz Elisabeth pode ser considerada como uma pioneira quando se tratava de reunir as primeiras fotografias. Afinal de contas, o a fotografia era uma novidade, tendo sido introduzida oficialmente em 1839 pelo pintor francês Louis Daguerre. Foi unicamente no final do século XIX que a fotografia se tornou num meio aceite. Através das imagens expostas, os visitantes em Colónia podem descobrir um lado da imperatriz que era “muito mais moderno e muito mais emancipado, muito mais mordaz e muito mais selvagem do que se pode imaginar”, disse a curadora da exposição, Miriam Szwast.

Ao montar esses álbuns de fotos, a imperatriz Elisabeth “criou um segmento da sociedade que era do seu gosto e cercou-se de impressões de pessoas que a interessavam”, explica Szwast. Ela também usou a colecção para realçar a sua própria beleza, o que era uma voluptuosidade. Embora ela tivesse um regime diário de beleza supostamente longo, incluindo cuidar dos seus cabelos compridos encaracolados durante horas, ela também se sentia sufocada pela sua aparência e as solicitações da sociedade. “Para ela, as roupas finas que usava em ocasiões oficiais pareciam uma fantasia: ela falava em ser ‘adornada'”, diz Szwast. Sissi começou a coleccionar imagens e a colocá-las em álbuns, durante as suas muitas estadias no exterior. 

Nos seus últimos anos, Elisabeth também escreveu poesia e foi inspirada pelo poeta e pensador político radical alemão, Heinrich Heine. Quando o seu filho Rudolf cometeu suicídio em 1889, a imperatriz conformou-se a usar apenas roupas pretas e mergulhou ainda mais na depressão que há muito a atormentava. Em 1898, ela foi assassinada por um anarquista italiano enquanto estava em Genebra. Elizabeth morreu aos 60 anos, tendo passado 44 anos no trono. 

 

A célebre Sissi nasceu em Munique, na Alemanha, em 1837, filha de Maximiliano, duque da Baviera, com Luísa da Baviera. Ela passou a maior parte da infância na companhia dos seus muitos irmãos e irmãs, entre os castelos de Herzog-Max-Palais e o de Possenhofen. Por volta do ano de 1853, a princesa Sofia da Baviera, mãe do Imperador Francisco José da Áustria, planejava um casamento para seu filho com uma das suas sobrinhas. A preferência da princesa recaiu sobre Helena, a irmã mais velha de Sissi. Contudo, os olhos do imperador voltaram-se para a mais jovem. Contra a vontade da mãe, ele casou com Elisabeth em 24 de Abril do ano seguinte, fazendo daquela jovem de 16 anos, uma imperatriz consorte. O casamento, ao princípio, tinha tudo para funcionar. A noiva era doce e encantadora e deu à luz quatro filhos, incluindo o príncipe herdeiro, o arquiduque Rodolfo. Infelizmente, as pressões da corte austríaca e a tensão no relacionamento com a sua sogra deram início a um quadro sucessivo de desequilíbrio emocional na soberana. Depois de 16 anos de casamento, ela já era uma mulher bastante infeliz e apresentava os primeiros sinais de depressão e bulimia, que se agravariam mais tarde. A imperatriz com o seu charme e glamour preferia posar para telas e fotografias sozinha, ou na companhia dos seus cãezinhos. Com o avançar da idade, Sissi simplesmente recusava-se a ser retratada e chegava ao ponto de esconder o rosto com um leque ou um véu, quando percebia que alguma máquina fotográfica estava voltada para si. Bem diferente da época em que ela posou para o magnífico retrato de Franz Winterhalter, usando estrelas de diamantes no cabelo. 

Franz Winterhalter teve mais sucesso com os retratos femininos, onde apesar da pompa necessária conseguia registar a informalidade que conferia encanto e espontaneidade à obra. As suas pinturas transmitem uma atmosfera de intimidade, ao mesmo tempo em que tinha a habilidade de dispor os elementos formais em composições vigorosas, com excepcional domínio da sua arte e enorme virtuosismo na reprodução das texturas, cores e efeitos de luz sobre os tecidos luxuosos, a pele humana e as jóias, pintadas sempre com rapidez e fluência. O resultado era sempre elegante e de enorme riqueza visual.

Elizabeth manteve uma obsessão pela magreza. Fazia trapézio todos os dias e cansava as suas damas de companhia em longas caminhadas. Devido a tantos dissabores passados na vida, como a falta de aceitação da corte austríaca, o assassinato do cunhado Maximiliano no México e o suicídio do filho, ela ficou com a sua constituição física bastante debilitada. As roupas que ela usou nas décadas de 1880 e 1890 demonstram o progressivo afinamento da sua silhueta, algo que podia ficar ainda mais acentuado pelo uso de espartilhos. Ela passava a maior parte do tempo na Hungria, onde também era rainha. Em 10 de Setembro de 1898, Sissi foi assassinada aos 60 anos por um anarquista italiano, chamado Luigi Lucheni, que lhe deu um golpe com uma adaga no busto, enquanto a imperatriz viajava por Genebra.

A exposição de Colónia traz de volta ao primeiro plano as facetas mais sombrias da sua vida, libertando do seu invólucro a eternamente bela e melancólica imagem que temos da imperatriz. O resultado é uma mulher moderna com gosto pela arte contemporânea.

11.

Vista da Exposição: Os Álbuns de Fotografias de Sissi- Imperatriz Elisabeth da Áustria no Museum Ludwig, Colónia. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne/Marion Mennicken Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

12.

Vista da Exposição: Os Álbuns de Fotografias de Sissi- Imperatriz Elisabeth da Áustria no Museum Ludwig, Colónia. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne/Marion Mennicken Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

13.

Vista da Exposição: Os Álbuns de Fotografias de Sissi- Imperatriz Elisabeth da Áustria no Museum Ludwig, Colónia. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne/Marion Mennicken Cortesia Museum Ludwig, Colónia.

14.

. Vista da Exposição: Os Álbuns de Fotografias de Sissi- Imperatriz Elisabeth da Áustria no Museum Ludwig, Colónia. Fotografia: Rheinisches Bildarchiv Cologne/Marion Mennicken Cortesia Museum Ludwig, Colónia.