Escrever o Futuro I Basquiat e a Geração Hip-Hop

Africanos de Hollywood, 1983. Jean-Michel Basquiat (Americano, 1960-1988). Créditos da imagem: © Estate of Jean-Michel Basquiat. Licensed by Artestar, New York. Colecção Estate of Jean-Michel Basquiat. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Super Robber, 1985. Rammellzee, (Americano, 1960 –2010). Créditos da imagem: © 2020 The Rammellzee Estate. Colecção Estate of Rammellzee Estate. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Ransom Note: CEE, 1984. Torrick Ablack aka Toxic, (Americano, 1965). Créditos da imagem: © 2020 Artists Rights Society (ARS), New York/ADAGP, Paris. Colecção Brooklyn Museum. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

The Panzerized 13, 1985, Kool Koor (Americano, 1963). Créditos da imagem: © Kool Koor Colecção Kool Koor Collection AD Gallizia-Paris. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston

Cinco, 1980/1981. Fab 5 Freddy (Fred Brathwaite) (Americano, 1959). Créditos da imagem: All rights reserved, Fred Brathwaite Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Quando se Espera um Jogo Justo, Cria uma Bolha de Loucura Infeciosa, 1982/1984. Jenny Holzer (Americano, 1950) e Lady Pink, (Sandra Fabara) (Americana, 1964). Créditos da imagem: ©1983 Jenny Holzer, member of Artists Rights Society (ARS), NY, Courtesy Sprüth Magers. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Anthony Clarke, 1985. Jean-Michel Basquiat, (Americano, 1960-1988). Créditos da imagem: © Estate of Jean-Michel Basquiat. Licensed by Artestar, New York. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston

Six Crimee, 1982. Jean-Michel Basquiat, (Americano, 1960-1988). Créditos da imagem: © Estate of Jean-Michel Basquiat. Licensed by Artestar, New York. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Casaco de Couro, 1984, Pintado por Jean Michel-Basquiat, (Americano, 1960-1988; Cey Adams, (Americano, 1962); DONDI, (Donald Joseph White), (Americano, 1961 – 1998); Fab 5 Freddy (Fred Brathwaite) (Americano, 1959); Hubert Kretzschmar, (Alemão, 1954); Revolt, (Americano, Trabalha em 1977); Seen UA, (Richard "Richie" Mirando), (Americano, 1961); Peter Sharp (Australiano, 1964);e Zephyr Zephyr (Andrew Witten), (Americano, 1961). Fotografia: Hubert Kretzschmar. Créditos da imagem: © Hubert Kretzsch

Casaco de Couro, 1984, Pintado por Jean Michel-Basquiat, (Americano, 1960-1988); Cey Adams, (Americano, 1962); DONDI, (Donald Joseph White), (Americano, 1961 – 1998); Fab 5 Freddy (Fred Brathwaite) (Americano, 1959); Hubert Kretzschmar, (Alemão, 1954); Revolt, (Americano, Trabalha desde 1977); Seen UA, (Richard "Richie" Mirando), (Americano, 1961); Peter Sharp (Australiano, 1964);e Zephyr (Andrew Witten), (Americano, 1961). Fotografia: © Hubert Kretzschmar. Créditos da imagem: © Hubert Kretzschm

FAB 5, 1979. Lee Quiñones, (Americano, 1960). Colecção KAWS. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Flashlight Text Survival, 1983/1984. A-One Anthony “A-One” Clarke (Americano, 1964–2001) e Jenny Holzer (Americano, 1950). Créditos da imagem: © 1983 Jenny Holzer, member Artists Rights Society (ARS), NY, Courtesy Sprüth Magers. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Fotografia: Kris Graves. Colecção Larry Warsh.   Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Sem Título (Frigorífico Divertido), 1982. Jean-Michel Basquiat, (Americano, 1960-1988); ERO, (Americano, 1967 – 2011); Fab 5 Freddy (Fred Brathwaite) (Americano, 1959); Futura, (Leonard Hilton McGurr), (Americano, 1955); Keith Haring, (Americano, 1958 – 1990); Lady Pink, (Sandra Fabara) (Americana, 1964); Eric Haze, (Americano, 1961); LA2, (Angel Ortiz), (Americano, 1967); Tseng Kwong Chi, (Chinês, 1950 –1990); Kenny Scharf, (Americano, 1958); Rammellzee, (Americano, 1960–2010); e + Artistas

Alarmclock (Part II), 1985. LA2, (Angel Ortiz), (Americano, 1967). Créditos da imagem: Reproduced with permission. Colecção Museum of the City of New York, Oferta de Mr. Martin Wong, 1994. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Casaco Pintado, 1984. Keith Haring (Americano, 1958 – 1990); e LA2 LA2, (Angel Ortiz), (Americano, 1967). Créditos da imagem: © Keith Haring Foundation Artwork by LA2 reproduced with permission. Colecção Keith Haring Foundation. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston

Sem Título (Boombox), 1984. Keith Haring, (Americano, 1958 – 1990). Créditos da imagem: © Keith Haring Foundation. Colecção Keith Haring Foundation. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Regresso de Deus a Africa, 1984. Fab 5 Freddy (Fred Brathwaite) (Americano, 1959). Créditos da imagem: All rights reserved, Fred Brathwaite Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Gash–o–lear, 1989. Rammellzee, (Americano, 1960 –2010). Créditos da imagem: © 2018 The Rammellzee Estate. Em homenagem a Carmela Zagari Rammellzee. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

18.

K – Rob (Tartown Record Co.), 1983. Da Capa do Beat Bop: Rammellzee Versus. Jean-Michel Basquiat, (Americano, 1960-1988). Créditos da imagem: © Estate of Jean-Michel Basquiat. Licensed by Artestar, New York. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

19.

Ero, 1984. Jean-Michel Basquiat, (Americano, 1960-1988). Créditos da imagem: Estate of Jean-Michel Basquiat. Licensed by Artestar, New York. Colecção Estate of Jean-Michel Basquiat. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

Sem Título, 1982. Futura (Leonard Hilton McGurr), (Americano, 1955) Créditos da imagem: © Futura 2000 / Wave 5 Communications LLC. Cortesia Museum of Fine Arts, Boston.

O Museum of Fine Arts de Boston (MFA), apresenta a primeira mostra dedicada à relação de Jean-Michel Basquiat com a cultura hip-hop e a sua prática em relação aos outros artistas e músicos americanos da época. A exposição destaca a história do movimento “pós-graffiti”, que surgiu no início dos Anos 80 com Basquiat como figura principal e no qual os artistas mudaram o seu foco das ruas para o estúdio.

 

“Escrever o Futuro: Basquiat e a Geração Hip-Hop” é o primeiro grande acontecimento a destacar a ligação de Jean-Michel Basquiat com a cultura hip-hop. O evento posiciona, de uma forma única, o artista icónico entre uma comunidade de colegas que também estiveram na vanguarda do pós-graffiti, um momento transformador na arte americana. A mostra apresenta 120 obras de Basquiat e os trabalhos dos seus amigos e às vezes colaboradores, como  A-One, ERO, Fab 5 Freddy, Futura, Keith Haring, Kool Koor, LA2, Lady Pink, Lee Quiñones, Rammellzee e Toxic. Na década de 80, este grupo de "graffitis", como eram conhecidos, começou a fazer experiências na pintura, escultura, música, moda e cinema, transferindo a sua prática nas paredes da cidade de Nova Iorque e nas carruagens do metro para estúdios e galerias. Conjugando e experimentando uma série ilimitada de fontes, da cultura pop e da história de arte, esta geração impulsionou novos rumos nas belas-artes, design e música nas futuras décadas. “Escrever o Futuro” salienta como as suas contribuições incentivaram a ascensão da cultura hip-hop como um fenómeno global. Além disso, uma instalação adjacente à exposição destaca o impacto dos legados desses artistas em Boston. Um vídeo e uma série de painéis de parede oferecem respostas pessoais para obras de arte seleccionadas, que foram criadas por um grupo de indivíduos locais reunidos por meio de um Quadro de Vozes, a plataforma recentemente lançada do MFA para incorporar as perspectivas da comunidade nos processos de planeamento de exposições.

“Basquiat e os artistas pós-graffiti compartilharam uma abordagem conceptual fixada nas práticas do hip-hop inicial, uma cultura interdisciplinar e então nascente que engloba a arte do graffiti como um dos seus elementos fundamentais”, disse a curadora de arte contemporânea do Museum of Fine Arts, Liz Munsell.

“Basquiat foi um artista da sua época e, após a sua morte prematura, é considerado um artista de todos os tempos. A mostra destaca um aspecto menos explorado do seu trabalho e o seu relacionamento influente com os seus colegas. Estamos extremamente orgulhosos em homenagear esses artistas e de celebrar a cultura hip-hop em todas as suas formas, como um movimento revolucionário que atinge e abrange jovens em Boston e em todo o mundo,” disse Matthew Teitelbaum, director de Ann e Graham Gund. Originalmente este evento esteve programado para ser inaugurado em Abril de 2020 e foi adiado devido ao enceramento temporário do Museum of Fine Arts de Boston em resposta à pandemia COVID-19, a mostra está em exibição no museu de 18 de Outubro de 2020 a 16 de Maio de 2021. 

“Escrever o Futuro” tem curadoria de Liz Munsell, Lorraine do MFA e Alan Bressler Curador de Arte Contemporânea, e Greg Tate, escritor, músico e autor de Flyboy in the Buttermilk: Essays on Contemporary America e Flyboy 2: The Greg Tate Reader.

 

Visão Geral da Exposição

O hall de entrada da mostra apresenta projecções de vídeo em grande escala da arte do graffiti em espaços públicos, acompanhados por uma selecção de clipes do documentário Style Wars (1983) de Henry Chalfant e Tony Silver, um filme fundamental que ajudou a definir o que há de moderno -hop - inicialmente rejeitado pelo “mainstream” como uma moda passageira quando surgiu na década de 1970 - como um movimento multidisciplinar. 

Dentro da Gund Gallery, a exposição é organizada por temas, oferecendo pesquisas focadas nos estilos e práticas individuais dos artistas.

A galeria introdutória, Post-Graffiti, concentra-se no momento de transição quando Basquiat e os outros pintores começaram a construir um lugar para si no mundo da arte comercial, convergindo para o panorama das galerias e clubes do centro de Manhattan e trazendo com eles elementos da cultura hip-hop que vinha prosperando na parte alta da cidade e nos bairros externos. Os trabalhos em exibição mostram as suas experimentações na aplicação de estilos de escrita nas carruagens do metro e de rua em toda e qualquer superfície que pudessem encontrar - desde frigoríficos, incluindo o icónico Fun Fridge da Fun Gallery (1982, Colecção de Larry Warsh), a um casaco de couro (1984, Colecção de Hubert Kretzschmar), criado por vários artistas na exposição. Os primeiros trabalhos em tela, incluindo Lee's Fab 5 (1979, Colecção de KAWS) e Basquiat's Untitled (Thor) (1982, The Estate of Jean-Michel Basquiat), sinalizam as influências compartilhadas pelos artistas e a sua transição para um meio mais tradicional, enquanto continuavam a criar o seu graffiti e as raízes culturais pop.

A secção Retratos marca a primeira vez que os retratos de Basquiat dos seus amigos Black e Latinx e colegas artistas foram mostrados juntos e receberam destaque na bolsa de estudos no seu trabalho. Mesmo quando se tornou um artista célebre da cena artística de elite da cidade de Nova Iorque, Basquiat manteve amizades e colaborou artisticamente com muitos dos artistas desta exposição. 

A secção de graffitis, destacam, como cada artista desenvolveu um vocabulário único – de banda desenhada, desenhos de animação e paisagens urbanas até à arte antiga, medieval, moderna e pop - para comunicar e obscurecer o significado. Charles I (1983, Colecção de. Jean-Michel Basquiat) exibe a habilidade de Basquiat para misturar palavras de diferentes idiomas e contextos culturais, enquanto o monumental Beyond Fresh (1984, Colecção de Marino Vismara) de ERO faz referências da história de arte por meio da sua escala arquitectónica. 

Duas secções da mostra são focadas em trabalhos de escala menor, que fornecem mais contexto sobre a era pós-graffiti. Uma das galerias apresenta uma exibição gráfica de exposições mais significativas relacionadas ao pós-graffiti, assim como trabalhos efémeros, como cartões-postais e cartazes notáveis pelos seus desenhos icónicos. Uma área da galeria apresenta um vídeo, onde com cenas seleccionadas do filme Wild Style de 1983 de Charlie Ahearn – criado por Lee, Lady Pink, Fab 5 Freddy e Rammellzee, entre outros - e o videoclipe de 1981 da banda Blondie para "Rapture", que apresentava a vocalista Debbie Harry fazendo rap contra um cenário de murais com letras em bolha feitos por Lee e Fab 5 e uma aparição de Basquiat como o DJ.

No centro da exposição, a galeria de música é dedicada às intersecções colaborativas de artistas visuais com músicos aclamados da época, assim como aos compromissos dos artistas com a linguagem através da música. Futura foi uma figura central na exploração das interseções do hip-hop e do punk, dois géneros ligados no início dos anos 80 pelo seu status de outsider, influências mútuas, públicos sobrepostos e atitude DIY. sua pintura em grande escala, Sem Título (cerca de 1982, colecção particular), pintada durante uma apresentação no palco durante a primeira tournée internacional do hip-hop, é exibida ao lado de um álbum que apresenta o artista fazendo rap sobre uma música escrita e executada pela banda punk britânica The Clash. 

Rammellzee foi o primeiro grande teórico crítico do hip-hop, e a sua prática artística é explorada em profundidade na secção Futurismo. Guiado pelo Ikonoklast Panzerism, com uma filosofia vitalícia articulada no seu manifesto Iconic Treatise on Gothic Futurism de 1979. Rammellzee afirmou que o verdadeiro propósito da escrita de estilo selvagem do graffiti era recuperar e proteger a linguagem dos abusos do poder. Ele transformou as letras em mísseis figurativos armados para a batalha, conforme a ilustração nas obras como Evolution of the World (1979, Colecçao de Larry Gagosian), Hell, the Finance Field Wars (1979, Colecção Speerstra ) e You Will Read the Law (1982 , Colecção John Axelrod). A escrita de Rammellzee era intencionalmente ilegível para todos, excepto para sua equipe Tag Master Killers - A-One, Kool Koor e Toxic - cujos trabalhos também são exibidos nesta galeria. Os seus trabalhos futuristas incorporaram não apenas cartas armadas, mas também portos de naves intergalácticas e belas representações nebulosas - alternativas imaginadas para os seus arredores terríveis no auge do colapso económico da cidade de Nova Iorque.

A galeria destaca os  seus trabalhos individuais, incluindo o sonhador Sem título (Nude Lounging Woman) (1983, Estate of Jean-Michel Basquiat), que Basquiat comprou para a sua colecção pessoal, e duas colaborações com Jenny Holzer, Tear Ducts parecem ser a Provisão (1983/84, Coleção Ringier, Suíça) e o trabalho,  Quando se espera o jogo justo, cria uma bolha de loucura infecciosa ao seu redor (1983/84, Colecção Particular).

A galeria final, Ascensão, destaca as respectivas abordagens dos artistas às questões do legado e da vida após a morte por meio de motivos associados ao Afro-futurismo (descritos por Tate como "Black Science Fiction"). Esta filosofia social, cultural e visual recupera a história negra, imaginando aspectos. futuros alternativos e impregnados de tecnologia, ficção científica e mitologia africana. Figuras sobrenaturais, como a divindade com chifre de touro em Fab 5 Freddy's Return of God to Africa (1984, Colecção de Michael Deustch) e Futura's Robot with Spray Can (1981, Museu da Cidade de Nova Iorque). 

 

“Os artistas graffitis inventaram um dos sistemas mais inovadores e de amplo alcance para exibir os seus trabalhos jamais imaginados na história de arte quando começaram a pintar com spray nas carruagens de metro e nas paredes da cidade. As suas obras eram vistas todos os dias por milhares de pessoas. Mesmo com muitos deles mudando a sua prática para a tela no início dos anos 80 e começaram a expor amplamente por toda a Europa,  continuando a serem discriminados em vez de celebrados pelos museus nos países de origem. A mostra salienta como esses artistas confrontaram directamente as divisões raciais. de classe e ainda a instituição da arte. Basquiat e os seus colegas infundiram a arte contemporânea com uma diversidade de vozes sem precedentes. A estética codificada e híbrida nascida do seu trabalho fornece a base para as gerações multiculturais de artistas que então reuniram e refizeram a cultura actual,” disse Liz Munsell, Lorraine e Alan Bressler Curadora de Arte Contemporânea do Museum Fine Arts.

“Os artistas nesta exposição, ousada e audaz, deixaram para trás o mundo das muralhas da cidade e do metro e entraram na cena da galeria de cubos brancos do Soho com uma arrogância auto autorizante. A sua audácia nasceu, é claro, dos 10 anos em que testemunharam a sua geração pintando obras-primas de carruagens de metro com grande risco pessoal - de eletrocussão, buracos no piso do sistema de carruagens e cães policiais. O florescimento pós-graffiti das suas imaginações pictóricas e caligráficas na tela e outras superfícies, para as quais o mundo da arte convencional forneceu recursos e amplo reconhecimento, obviamente encontrou a sua metamorfose mais espetacular em Basquiat. 

Jean-Michel Basquiat

Jean-Michel Basquiat (1960-1988) foi um pintor neo-expressionista e graffitii norte-americano, o primeiro afro-americano a fazer sucesso nas artes plásticas de Nova Iorque.

Jean-Michel Basquiat nasceu no Brookling, Nova Iorque, no dia 22 de Dezembro de 1960. Filho de Gerard Jean-Basquiat, ex-ministro do interior do Haiti e de Mathilde Andrada, de origem porto-riquenha. O seu pai emigrou para os Estados Unidos e tornou-se proprietário de um grande escritório de contabilidade.

Com 3 anos, Basquiat já mostrava aptidão para as artes, desenhando caricaturas, e  reproduzindo personagens dos desenhos animados da televisão. Com 6 anos o seu programa preferido era visitar o Museum of Modern Art de Nova Iorque. 

Após a separação dos seus pais, mudou-se com o pai e as irmãs para Porto Rico onde viveu entre 1974 e 1976. Depois de 1976 voltou a Nova Iorque e estudou na Edward R. Murrow High School, mas não concluiu o curso. Com 18 anos saiu de casa e foi morar com alguns amigos quando passou a pintar t-shirts e a. vender nas ruas de Nova Iorque.

Com o amigo, Al Diaz, realizou graffitis nas paredes e o no metro de Nova Iorque e assinava “SAMO”. Começou a aparecer num canal de televisão e foi convidado para participar do filme Downtown 81. Basquiat ficou conhecido internacionalmente, fez amizade com Andy Warhol e começou a pintar telas que foram comercializadas em Nova Iorque, Los Angeles, Zurique e Tóquio.

A arte de Jean-Michel Basquiat era chamada de “primitivismo intelectualizado”, com tendência ao neoexpressio-nismo, que retrata corpos esqueléticos, rostos apavorados e mascarados. Os anos de 1982 a 1985 foram os mais produtivos da carreira de artista, coincidindo com a amizade com Andy Warhol, época que fez colagens e quadros com mensagens escritas. Nessa época participou em grandes exposições com a ajuda de alguns curadores.

Após a morte de Warhol, em 1987, Basquiat sentiu-se perdido e isso reflectiu-se na sua arte. Começou a exagerar no consumo de drogas e morreu de uma overdose de heroína com cocaína. Jean-Michel Basquiat faleceu em Nova Iorque, no dia 12 de Agosto de 1988.

Jean-Michel Basquiat foi um artista notável norte-americano que se tornou numa grande influência no mundo da pintura e um verdadeiro ícone pop.

Na adolescência, iniciou o seu percurso de artista de graffiti, como parte do duo SAMO, em Nova Iorque. Logo ganhou popularidade e os seus quadros neo-expressionistas, atravessados por temas políticos e sociais, foram conquistando o público.

Da arte de rua aos grandes museus e leilões internacionais, a obra e a vida de Basquiat são inigualáveis. 

Theresa Bêco de Lobo

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon