Azul I Uma Côr de Sempre!     

Alessandro Vigilante

Alexandra Moura

Alberta Ferretti

Issey Miyake

Alberta Ferretti

Issey Miyake

Elisabetta Franchi

Elisabetta Franchi

Blumarine

Blumarine

Blumarine

Loewe

Patou

Alexis Mabille

Alexis Mabille

Alexis Mabille

Chanel

Desde que entrei para o jornalismo já devo ter escrito sobre azul umas centenas de vezes. E se os textos forem sobre moda do vestuário e calçado então já devo caminhar nos milhares. Casei em 1962 e já escrevia para o Diário de Notícias como colaboradora. Depois também tive que escrever para o Século para dar notícias de um concurso da R.T.P., enquanto o Rui Ochoa dava as mesmas notícias para um jornal do Porto. E quantos anos já estou nesta andança? Já lhe perdi a conta!

 

Escrevi muito para a TV Guia e de novo para o Diário de Notícias, mas o meu porto de abrigo foi a TV Guia para a qual me ocupava das datas festivas (Natal, Carnaval, Páscoa, etc.) até que no Verão de 1984 o meu marido sugeriu que trabalhar sem ter que obedecer às ordens de quem quer que fosse era o mais indicado para mim. Segui  seu conselho e de semestral passei rapidamente a trimestral e já há bastante tempo que a edição é mensal.

 

Infelizmente, o país está muito pobre, a publicidade que sempre foi o principal suporte dos meios de comunicação social foram diminuindo e decidi escrever a revista e publicá-la em suporte online em www.modaemoda.pt Felizmente os leitores aderiram e lá vai surgindo alguma publicidade paga o que ajuda às despesas fixas. A minha equipa é fantástica e a ela estou muito agradecida. São pessoas que vestiram a “camisola” e

que me tratam com o maior carinho.

 

Este texto que vou escrever é sobre o azul – a cor da esperança em tempos melhores.

 

Vem a propósito lembrar que a cromatologia teve uma grande evolução nos últimos anos, graças especialmente a Kandinsky e Henri Pfeiffer, mas apesar disso a simbologia da cor mantém os seus valores tradicionais. Por exemplo, o azul, situado no arco-íris entre o amarelo e o verde, é a mais imaterial de todas as cores e a mais pura no seu valor absoluto. Alain Gheerbrant diz que os egípcios consideravam o azul a cor da verdade.

Meteoricamente na moda, o azul é uma cor presente em muitas colecções tanto de pronto-a-vestir como de Alta Costura da actual temporada.

 

Será que vamos entrar num tempo de verdade? Será que o novo milénio exige mais de todos nós? Será que 2021 é mais exigente?

Será que com a moda do azul se pretende um contraponto moderador às intensas vibrações cromáticas que os novos tempos reclamam?

 

Seja como for, o azul, com toda a carga de serenidade e segurança, pode ser a evolução na continuidade da libertação feminina.

 

Questão de coerência ou classicismo sem tempo, o azul em várias gradações é cor de moda. Azul-safira, turquesa, ou indigo, azul da cor do céu e do mar, são as cores que tingem as lãs, as sedas  e brocados do vestuário feminino prático ou sofisticado.

 

A moda no seu melhor ou seja a sua oferta vasta e ambiciosa como é infinita a paleta de azuis.

 

Marionela Gusmão