top of page

Núbia I Jóias do Antigo Sudão do Museum of Fine Arts de Boston

Peitoral com Isis, Núbia, Reinado de Amaninatakelebte, (538/519 a.C.). Ouro. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção -Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Colar, Núbia, (1700/1550 a.C.). Prata, quartzo vidrado, cornalina e faiança. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção - Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Amuleto de um Abutre, Núbia, Reinado de Atlanersa, (653/643 a.C.). Ouro. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção - Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Pulseira com Hathor, Núbia, (250/100 a.C.). Ouro com esmalte. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção Expedição- Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Escaravelho com Inscrições, Núbia, Reinado de Aspelta, (593/568 a.C.). Jasper. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção Expedição -Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Contas de Cor de Melão, Núbia, (1700/1550 a.C.) Faiança. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção -Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Cinto, Núbia, (1700/1550 a. C.). Faiança e quartzo vidrado. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção -Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Ornamento do Cabelo, Núbia, (2400/2050 a. C.). Concha. Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção- Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

Colar com Imagem Solar, Núbia, Reinado de Shebitka, (712/698 a.C.). Metal Electrum (Ouro e prata). Fotografia © Museum of Fine Arts, Boston VEX.2022. Colecção - Expedição Harvard University-Boston Museum of Fine Arts. Cortesia Getty Villa Museum.

press to zoom

A exposição Núbia: Jóias do Antigo Sudão do Museum of Fine Arts, Boston agora exibida no Getty Villa até 3 de Abril de 2023 com peças cedidas pelo Museu de Boston destaca a colecção de jóias da Núbia e outros objectos preciosos que foram encontrados nas escavações no Sudão em 1913/32 pela Expedição da Universidade de Harvard e do Museum of Fine Arts, Boston.

As peças expostas, na sua maioria, foram encontradas em sepulturas reais e aristocráticas que exibem vividamente a grandeza da antiga sociedade núbia.

George Andrew Reisner, foi o director da Expedição da Harvard University e do Museum of Fine Arts, Boston, que chegou ao norte do Sudão, em Fevereiro de 1913. Com autorização dele e da sua equipa começarem a escavar em Kerma, e continuarem a trabalhar em Núbia até 1932. Esta campanha na Núbia estabeleceu a base para o futuro trabalho arqueológico na região.

Reisner foi pioneiro na utilização da fotografia para documentar o trabalho de campo. Treinou um egípcio, Said Ahmed Said, para tirar fotografias arqueológicas. Said formou então uma equipa de fotógrafos egípcios, incluindo Bedawi Ahmed Abu Bukr, Mahmud Shadduf, Mohammedani Ibrahim Ibrahim e Mustapha Abu el-Hamd. Foram tiradas cerca de 45.000 fotografias, que foram arquivadas no Museum of Fine Arts, Boston como negativos em placas de vidro, um registo extensivo do trabalho da expedição.

Seguindo a prática da época, os achados arqueológicos foram divididos entre o país anfitrião e as escavadoras. Como resultado, o Museum of Fine Arts de Boston possui a mais importante colecção de arte núbia fora de Cartum - incluindo as jóias expostas nesta exposição.

Núbia - uma região ao longo do rio Nilo no actual sul do Egipto e norte do Sudão - foi o lugar de algumas das mais antigas civilizações da antiga África. Era uma localidade de inovação artística, religiosa e política, e o seu legado de adorno pessoal como expressão de poder e identidade, que continua a repercutir-se nos dias de hoje.

A lendária terra da Núbia, cujo próprio nome significa "ouro", era célebre nos tempos antigos pelas suas realizações do metal precioso, material exótico, e artesanato intrincado. Muitos dos adornos realizados na Núbia são obras-primas de arte, são peças maravilhosas pelas suas concepções e pela mestria dos joalheiros que rivalizam, e muitas vezes ultrapassam, os adornos feitos no Egipto e no resto do mundo mediterrânico antigo. Embora estes tesouros únicos estejam entre os mais admiráveis a terem sobrevivido desde a antiguidade continuam a ser pouco conhecidos.

"O Museum of Fine Arts de Boston tem a mais importante colecção de antiguidades núbias dos Estados Unidos, incluindo jóias requintadas, trabalhos em metal e escultura", disse Timothy Potts, Director do J. Paul Getty Museum. "Rivalizando e por vezes governando a terra dos faraós, a cultura rica e diversificada de Núbia é uma das manifestações mais dinâmicas das influências cruzadas e intercâmbios que caracterizaram o Mediterrâneo, o Norte de África e o Próximo Oriente na Antiguidade".

A partir de cerca de 2400 a.C., uma série de reinos floresceu na antiga Núbia de sucessivas capitais em Kerma, Napata, e Meroë. Colectivamente conhecidos como o Reino de Kush, floresceram durante um período de quase 3.000 anos, utilizando habilmente os seus ricos recursos naturais tais como ouro e marfim, a sua localização em rotas comerciais chave que chegaram ao Egipto, Grécia, Roma, e África Central, e a sua força militar.

Durante o período Kerma, que começou por volta de 2400 a.C., foram estabelecidas relações comerciais com o Egipto, as terras à volta do Mar Vermelho, e o norte da Núbia, levando a um aumento das trocas de matérias-primas e produtos acabados. Em exposição estão expostos adornos pessoais, alguns dos quais tinham associações religiosas ou simbólicas, descobertos nas campas no local de Kerma, incluindo pedras semi-preciosas, bronze, marfim, faiança (uma cerâmica à base de quartzo vidrado), e conchas do Mar Vermelho.

Desejando a riqueza de Núbia e temendo o seu poder militar, os egípcios invadiram Kerma por volta de 1550 a.C. e ocuparam a região durante quase cinco séculos. Após a retirada dos egípcios por volta de 1000 a.C., o reino indígena de Kush ressuscitou, centrando-se mais a sul ao longo do rio Nilo, na cidade de Napata (no actual Sudão). Napata tornou-se muito poderosa, e por volta de 725 a.C. o rei Piankhy invadiu e apreendeu o Egipto. Os núbios governaram como faraós do Egipto até 653 AC, um período conhecido como a 25ª Dinastia, e mantiveram a sua capital em Napata durante séculos depois.

Em vista estão ricos objectos feitos de ouro, prata, pedras semi-preciosas e faiança encontrados em sepulturas reais perto de Napata. Os governantes núbios foram enterrados em túmulos que frequentemente assumiam a forma de pirâmides, embora mais pequenos e com proporções diferentes dos seus congéneres egípcios. Os objectos encontrados, incluindo os que se encontravam na exposição.

Esta importante mostra destaca a colecção de jóias da Núbia e outros objectos preciosos que foram escavados no Sudão em 1913-32 pela Expedição da Universidade de Harvard do Museum of Fine Arts de Boston.

A mostra: Núbia: Jóias do Antigo Sudão expõe as jóias dentro dos contextos culturais em que foram realizados e utilizados. Conta a história não só dos tesouros em si, mas também dos emocionantes contos da sua descoberta e dos ricos antecedentes das civilizações exóticas e remotas que as produziram. A exposição destaca também as técnicas inovadoras empregadas para obter os materiais preciosos utilizados nas jóias e para as transformar em formas diversas e ornamentos repletos de propósito mágico e significado codificado. Destacam-se no evento não só as intrincadas peças em si, mas também representações das mesmas em escultura, relevo e pintura, assim como referências em textos antigos, situando-as dentro de todo o espectro da história núbia, desde os primórdios da sociedade até ao advento do cristianismo.

O Sudão, frequentemente ostentava imagens egípcias e inscrições hieroglíficas, mas muitas foram criadas por artesãos “nubios” num estilo local distinto.

Pouco depois de 600 a.C., os reis Kushite da Núbia mudaram o seu centro administrativo de Napata para Meroë, mais a sul ao longo do rio Nilo no actual Sudão. Meroë era uma cidade cosmopolita ligada às vastas redes comerciais do Mediterrâneo, que eram cada vez mais dominadas pelos gregos e romanos. Por volta de 300 a.C., a cidade tornou-se o local de todos as sepulturas reais.

O Sudão, frequentemente, ostentava imagens egípcias e inscrições hieroglíficas, mas muitas foram criadas por artesãos núbios num estilo local distinto.

A exposição exibe obras produzidas em Meroë, incluindo jóias e outros ornamentos de qualidade excepcional, que apresentam uma mistura de influências egípcias, gregas e romanas, mas têm o seu próprio carácter núbio vibrante. Os fabricantes de jóias locais foram especialmente habilidosos no esmalte, no qual o vidro em pó foi aplicado ao metal e depois derretido para criar padrões coloridos. Utilizaram também técnicas de metalurgia como a filigrana (arame fino) e a granulação (decoração com minúsculas esferas de ouro) para criar desenhos intrincados. As contas de vidro eram frequentemente incorporadas em colares, e a cornalina era uma pedra preciosa particularmente popular.

"Núbia era o lugar de uma rica tradição cultural, religiosa e artística, que se reflecte nas suas jóias de alta qualidade desde a Idade do Bronze até aos primeiros séculos d.C., mas muitas pessoas hoje em dia não estão familiarizadas com esta história notável, e é raro ver material núbio exposto na Costa Ocidental", diz Sara E. Cole, curadora assistente de antiguidades no Getty Museum. "Esta exposição proporciona uma oportunidade de apresentar Núbia antiga aos visitantes da Villa através das lentes dos seus adornos pessoais requintadamente trabalhados e das extraordinárias sepulturas reais".

A exposição Núbia: Jóias do Antigo Sudão foi comissariada por Jill Moniz.

A Expedição da Universidade de Harvard e do Museum of Fine Arts, Boston, foi escavada no Sudão durante cerca de três décadas no início do século XX. Estas escavações foram fundamentais na descoberta da existência da antiga civilização núbia. Como resultado, o Museum of Fine Arts, Boston reúne a maior e mais notável colecção núbia fora de Cartum. A exposição apresenta destaques da colecção, muitos dos quais nunca antes saíram de Boston.

O Museum of Fine Arts, Boston, concebeu a exposição para ser modular, oferecendo a mostra na sua totalidade e em várias formas.

No cenário evocativo do evento no Getty Villa um museu cujo nome parece proclamar um mundo antigo - esta exposição oferece um tributo à herança artística egípcia e ao seu papel na arte e na sociedade da Núbia.

​O que torna notável este acontecimento não é só a extraordinária colecção de peças de joalharia da Núbia antiga, mas também a história que envolve este tesouro, que foi a paixão desta comunidade, através do seu bom gosto e requinte.

 

 

Theresa Bêco de Lobo

bottom of page