Van Gogh I A paixão pela Cor Amarela

Os Girassóis, 1889. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Van Gogh Museum, Amesterdão.

A Casa Amarela, 1888. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Van Gogh Museum, Amesterdão.

Lírios, 1890. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Museu Van Gogh, em Amsterdão.

Quarto em Arles, 1888. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Van Gogh Museum, Amesterdão.

Campo de Trigo com Corvos, 1890. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Museu Van Gogh, em Amesterdão.

O Agricultor, 1888. Vincent van Gogh (1853 - 1890). Óleo sobre tela. Créditos da imagem: Museu Van Gogh, em Amsterdão (Vincent van Gogh Foundation). Cortesia Museu Van Gogh, em Amsterdão.

“Sob o sol azul-amarelo…… toda a terra é amarela, e a casa teve que ser pintada de amarelo por fora, branco por dentro caiada em todos os lugares… Por fora amarelo ensolarado, branco pordentro, muito sol, enfim, eu vou ver as minhas fotografias numa sala bem iluminada; piso de tijolo vermelho.”

Vincent Van Gogh.

Em 5 de Junho de 2021, o Museu Van Gogh em Amsterdão abriu as suas portas pela primeira vez, após ter sido fechado mais de cinco meses como resultado das medidas do corona vírus pelo governo holandês.

Esta Instituição de Arte ainda toma medidas para garantir que os visitantes estejam o mais seguros possíveis recebendo um número limitado de visitantes por dia. A colecção permanente de Vincent Van Gogh com aquisições marcantes e as suas histórias vão estar à vista do público a partir do Verão.

Acerca da colecção Van Gogh, Emilie Gordenker, directora do Museu Van Gogh, afirmou o seguinte: “A arte pode-nos unir e também oferecer assistência e esperança para o futuro. Estamos absolutamente maravilhados com a reabertura do Museu Van Gogh, mal podemos esperar para apresentar a nossa colecção”.

 

Uma nova visão

No edifício Rietveld, podem-se admirar as obras-primas de Van Gogh, mas também os seus desenhos e cartas. Neste espaço pode-se ainda descobrir as ideias e ambições por detrás da arte de Van Gogh.

Este artista experimentou a vida e o mundo intensamente e queria que a sua arte retratasse os grandes temas da vida, como ansiedade, sofrimento, amor e esperança.

 

A Cor Amarela para Vincent Van Gogh

Na verdade, o amarelo era a cor predilecta de Vincent Van Gogh e este pigmento surgiu na maioria das suas pinturas, como girassóis, espigas de trigo, paisagens na época da colheita à luz do sol. Desde a sua estadia em Arles, a cor amarela ganhou cada vez mais importância nas pinturas do artista. Por um lado, ele foi para o sul da França para criar as suas pinturas acerca da natureza. Mas, por outro lado, ele era um artista excêntrico. Em Arles, Van Gogh alugou uma pequena casa tal como ele queria, e na verdade pintada de amarelo.

Van Gogh usava amplamente a cor amarela para criar o plano de fundo dos seus retratos. Por exemplo, na pintura “O Italiano” era como Vincent van Gogh, se declarasse a um culto pagão ao Sol e associado a ele o amarelo.

Além disso, a pintura deste artista apresenta uma luz extra, tons escaldantes de amarelo, por exemplo, surgem no seu célebre auto-retrato com o chapéu de palha, com uma cor brilhante.

Nas pinturas de Van Gogh, a cor amarela é uma expressão de um verão quente, como as colheitas de trigo e os girassóis. Ao mesmo tempo, é um símbolo da apanha e o apogeu da vida. Consequentemente, a cor amarela para Van Gogh expressa a energia da luz, que ao mesmo tempo significava para ele energia criativa.

 

A Visão

Alguns investigadores acreditam que a visão de Van Gogh pode ter sido prejudicada por glaucoma e edema da córnea ou talvez envenenamento por chumbo. Isso possivelmente faz com que ele visse halos coloridos ao redor de objectos iluminados, semelhantes ao que vemos em algumas das pinturas de Van Gogh, como as estrelas da sua popular pintura “Noite Estrelada”.

 

As Galerias do Museu

A história da arte de Van Gogh é contada ao longo das galerias do museu de Amsterdão, através das suas pinturas permanentes, mas também dos seus desenhos e cartas. Os aspectos importantes da arte de Van Gogh são destacados e estudados por meio de temas variados.

A ambição de Van Gogh de pintar o campo, a sua procura por cores e a sua interpretação pessoal da natureza recebem um lugar de relevo no museu, naturalmente apresentando destaques como: Os Comedores de Batata, O Quarto, Girassóis e Flor de Amendoeira.

A Influência de Van Gogh

As influências de Van Gogh na primeira geração de artistas, após a sua morte, são apresentados por obras expressivas como as de Maurice de Vlaminck e Kees van Dongen, da colecção do próprio museu.

No corredor de uma das galerias está instalado um vídeo, que apresenta a obra de Van Gogh e como ele se tornou num ícone importante e cultural.

 

As Pinturas de Van Gogh

Os Girassóis

As pinturas de girassóis de Van Gogh estão entre as mais célebres obras do artista.  Criou-as em Arles, no sul da França, entre 1888 e 1889. Vincent pintou um total de cinco grandes telas com girassóis num vaso, com três tons de amarelo. Demonstrou, assim, que era possível criar uma imagem com inúmeras variações de uma mesma cor, sem perda de eloquência.

As pinturas de girassóis tiveram um significado especial para Van Gogh: elas comunicaram "gratidão", escreveu ele. Ele pendurou os dois primeiros no quarto do seu amigo, o pintor Paul Gauguin, que tinha. vindo morar com ele por um período na Casa Amarela. Gauguin ficou impressionado com os girassóis, que ele pensava serem "completamente Vincent". Van Gogh já havia pintado uma nova versão durante a estada do seu amigo e Gauguin mais tarde pediu uma como presente, que Vincent resistiu em lhe dar. Mais tarde, ele produziu duas cópias avulsas, uma das quais está agora no Museu Van Gogh.

 

As Íris

Van Gogh pintou esta natureza morta no hospital psiquiátrico em Saint-Rémy. Para ele, a pintura era principalmente um estudo de cores. Van Gogh propôs-se a obter um contraste de cores poderoso. Ao colocar as flores roxas contra um fundo amarelo, ele fez com que as formas decorativas se destacassem ainda mais. As pinturas dos lírios eram originalmente roxos. Mas, à medida que o pigmento vermelho desbotou, eles ficaram azuis. Van Gogh fez duas pinturas deste bouquet. Na outra natureza morta, ele contrastou roxo e rosa com verde.

 

A Pintura, a Casa Amarela (A Rua)

Em 1888, Van Gogh alugou quatro quartos numa casa na Place Lamartine em Arles (sul da França). As venezianas verdes nesta pintura da praça mostram onde ele morava. Pouco depois de se mudar para a "Casa Amarela",  enviou a Theo uma descrição e um esboço da sua pintura: "é incrível, essas casas amarelas à luz do sol e, em seguida, o frescor incomparável do azul."

A obra, que o próprio Van Gogh chamou de “A Rua”, regista os arredores imediatos do artista.

Vincent, encontrou finalmente um lugar na Casa Amarela onde ele poderia não apenas pintar, mas também receber os seus amigos. O seu plano era transformar o edifício de esquina amarelo numa casa de artistas, onde os pintores com ideias semelhantes poderiam viver e trabalhar juntos.

 

A Pintura, o Quarto

Enquanto estava em Arles, Van Gogh fez a pintura do seu quarto na Casa Amarela. Ele mesmo preparou a sala com móveis simples e com seu próprio trabalho na parede. As cores brilhantes foram feitas para expressar "repouso" ou "sono" absoluto. A pesquisa mostra, que as cores fortemente contrastantes, que hoje se vê no seu trabalho são o resultado da descoloração ao longo dos anos. As paredes e portas, por exemplo, eram originalmente roxas em vez de azuis. O ângulo aparentemente estranho da parede traseira, entretanto, não é um erro da parte de Van Gogh - o canto estava realmente torto. As regras da perspectiva parecem não ter sido aplicadas com precisão em toda a pintura, mas essa foi uma escolha deliberada. Vincent disse a Theo numa carta que ele propositadamente "aplanou" o interior,  deixando de fora as sombras para que a sua imagem se parecesse com uma impressão japonesa. Van Gogh ficou muito satisfeito com a pintura: "Quando vi as minhas telas novamente após minha doença, o que me pareceu o melhor foi o quarto."

 

A Pintura, o Campo de Trigo com Corvos

Campo de Trigo com Corvos é uma das pinturas mais célebres de Van Gogh. Frequentemente, afirmava-se que este foi seu último trabalho. Dizem que o céu ameaçador, os corvos e o caminho sem saída referiam-se à aproximação do fim da sua vida. Mas isso é apenas um mito persistente. Na verdade, ele fez vários outros trabalhos depois deste.

Van Gogh queria que os seus campos de trigo sob céus tempestuosos expressassem 'tristeza, extrema solidão', mas, ao mesmo tempo, queria mostrar o que considerava 'saudável e fortificante no campo'.

Van Gogh usou combinações de cores poderosas nesta pintura: o céu azul contrasta com o trigo amarelo-laranja, enquanto o vermelho do caminho é intensificado pelas faixas verdes das ervas.

 

A Pintura, o Agricultor

Van Gogh teve um interesse especial pela agricultura ao longo da sua carreira artística. Ao todo, ele fez mais de 30 desenhos e pinturas sobre o tema. Pintou este tema em Outono de 1888. Na época, em que Van Gogh estava a trabalhar junto com Paul Gauguin (1848-1903). Este pintor acreditava que a obra Van Gogh deveria recorrer menos à realidade e mais à imaginação.

Aqui, Van Gogh usou cores destinadas a expressar emoção e paixão. Ele atribuiu os papéis principais ao amarelo-esverdeado do céu e ao roxo do campo. O sol amarelo brilhante parece uma auréola, transformando o semeador num santo.

Ao estudar as pinturas de Van Gogh do segundo período da sua carreira, entre 1886/1890, pode-se observar a presença repetida de amarelos. Foi no início deste período que a paleta de cores de Van Gogh mudou de tons mais terrosos para cores mais brilhantes, à medida que se familiarizava com as obras dos impressionistas franceses. Como aconteceu com muitos factos em torno de Van Gogh, não há uma razão clara para o seu uso de amarelo, era um problema de visão, ou era simplesmente preferência pessoal?

Quanto a nós ele tinha a paixão do amarelo.

 

Theresa Bêco de Lobo

Vista Geral da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Pormenor da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Vista Geral da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Vista Geral da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Pormenor da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Pormenor da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Pormenor da Colecção Vincent Van Gogh nas Galerias do Museu Van Gogh, em Amesterdão. Fotografia: Jan Kees Steenman. Cortesia Museu Museu Van Gogh, em Amesterdão.