Bandoletes Inesperadas - Familiares Modestas das Tiaras

É sabido de todos nós que as tiaras ou diademas são as principais jóias das altas personagens das casas reais e da nobreza europeia. Não vamos entrar pelos caminhos dos adornos de cabeça das grandes figuras de outras regiões do mundo.

No entanto, as tiaras apenas se usam em ocasiões especiais e as bandoletes podem arejar na cabeça de qualquer rapariga ou senhora até mais ou menos aos 40 anos de idade. A partir daí, o melhor é não correrem o risco de serem tidas por pouco ajuizadas. É evidente que não estamos a falar do que é permitido usar no Carnaval. Nessa quadra festiva ninguém leva nada a mal…

Vem tudo isto a propósito de três marcas que decidiram criar umas bandoletes muito especiais. Tão especiais que merecem os nossos aplausos e o nosso tempo, por termos a certeza que vão agradar a muitas leitoras da Moda & Moda online.

Se escrevêssemos sobre a História das Tiaras tínhamos que citar o Busto (monumento funerário) executado em Palmira (Siria) da romana Aththaia (150-200 a.C., pelas suas jóias sumptuosas onde avultam uns enormes brincos que se prendem a uma tiara, colares, broches e pulseira.

A irmos pelos caminhos da História teríamos que percorrer as origens do fundo dos tempos e, porque vamos tratar apenas de adornos para cabeça das mulheres jovens e esfusiantes, lembramos que os diademas derivam do grego “diadeo” que significa “eu ligo”.

E se começássemos uma cantilena verbal: eu ligo, tu ligas, ele liga? Afinal todos ligamos aos diademas e às bandoletes que se usam a prender os cabelos.

Vamos ver o que se prognostica para este verão que andou escondido e agora quer derreter-nos?

DOLCE & GABANNA

Vamos ver as sugestões para prender os cabelos, com garridice, começando pela marca Dolce & Gabanna, uma dupla notável, cujo nome é muito popular entre estrelas como Madonna, Giselle Bundchen, Monica Belluci, Isabella Rosselini, entre um batalhão de celebridades.

Os seus criadores, os italianos Domenico Dolce e Stefano Gabanna, são os fundadores da marca D&G que desde que surgiram nos deixaram maravilhados. Nas suas bandoletes há flores, pedraria, frutos em miniatura – um mundo maravilhoso que embeleza cada mulher que as usa com um certo toque de ingenuidade… atrevida!

 

DESIGUAL

A Desigual é uma marca espanhola, que começou por produzir vestuário em tecidos estampados de cores vivas e elementos gráficos.

Fundada em 1984 pelos irmãos Christian Meyer e Thomas Meyer, tem o cunho de Ibiza e um crescimento mais ou menos na proporção dos turistas que procuram a “loucura” à solta, daqueles que saltam de barco para barco., na “movida” da noite.

De salientar, que o crescimento da marca se ficou a dever à colaboração do nosso muito amado Christian Lacroix, um génio maltratado, com um talento fora do comum.

A novidade Desigual reside numas bandoletes semelhantes a meio pano de leques que se usam de um modo muito parecido àquele que as criadas de “serviço de fora” colocavam para servir o chá que as senhoras chamavam as “cristas”. Estamos certos que esta moda vai pegar e que as raparigas irão surpreender muitos rapazes no verão que já cá está… a ferver!

 

VALENTINO

Ora aqui a história é outra. Quando se escreve Valentino, o aprumo e o cuidado com as palavras aumenta. Valentino é o rei da moda. Nasceu em 1932 em Voghera (Itália) e aos 18 anos já estava em Paris para estudar Moda.

Trabalhou com o nosso muito querido Sr. Guy Laroche, a quem nos uniu uma forte estima e respeito, e com Jean Dessès que não tivemos o gosto de conhecer.

Em 1959 abriu o seu primeiro estúdio em Roma na prestigiada Via Condotti e três anos depois, num desfile, em Florença, para o Gotha mundial, conheceu um sucesso muito merecido, que o elevou ao pedestal de onde nunca saíu.

A partir daí o seu “V”, logotipo de Valentino e de Vitória marcou as colecções que deslumbraram as mais excelentes vedetas de Hollywood.

Diana Vreeland, a jornalista e directora da Vogue, imbatível, completou o quadro que já estava desenhado. Ele, o Valentino seria o costureiro do séc. XX, o mais criativo, o mais chique, o melhor. A sua obra é imensa e não cabe neste artigo. Abandonou as colecções e só, pontualmente, faz um vestido para alguma personalidade muito próxima da sua vida. Deixou uma pesada carga aos seus assistentes Pier Paolo Picciolli e Maria Grazia Chiuri. E lá vão lutando, ainda com as reticências de quem tem que agradar a gregos e troianos, ou seja a quem comprou a marca e a quem tem o seu nome. Este ano criaram uma bandolete, em forma de serpente, que fez parte do look de cada modelo do princípio até ao fim.

Será que a moda pega? Veremos. Uma serpente na cabeça? Para nós, é demasiada enigmática. Mas, neste revista, gostos não se discutem. 

Marionela Gusmão

DolceGabbana
DolceGabbana
DolceGabbana
DolceGabbana
DolceGabbana
DolceGabbana
Desigual
Desigual
Desigual
Desigual
Desigual
Desigual
Valentino
Valentino
Valentino
Valentino
Valentino
Valentino

FESTIVOS

Dia da Mãe

Natal

Páscoa

Dia do Pai

Santo António

ARTE

Exposições

Museus

Colecções

História

Notícias

MODA

Alta Costura

Prêt a Porter

Tendências

Acessórios

Notícias

BELEZA

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

NOTÍCIAS

Perfumes

Tratamento

Novidades

Looks

Cabelos

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon